Página Inicial » Temas Diversos » Os Árabes são o Povo mais Importante no Islam?
Os Árabes são o Povo mais Importante no Islam?
Homem árabe com seu falcão

Os Árabes são o Povo mais Importante no Islam?

Em nome de Allah, o Clemente, o Misericordioso

O Islam é igualitário no sentido de que se opõe a todas as formas de racismo, tribalismo, doutrinas e ideologias perniciosas que incitam o orgulho de uma classe de pessoas contra outra. Veja o último sermão do Profeta Muhammad ﷺ, onde ele menciona essa questão.

O Alcorão e a Sunnah transmitem uma mensagem consistente sobre a igualdade padrão de todas as pessoas, com a piedade (al-taqwa) sendo a única característica distintiva que torna alguém melhor que o outro.

Allah disse:

إِنَّ أَكْرَمَكُمْ عِندَ اللَّهِ أَتْقَاكُمْ

Em verdade, o mais nobre de vocês para Allah é o mais justo entre vocês.” (Alcorão 49:13)

Abu Nadrah relatou: O Mensageiro de Allah ﷺ disse:

يَا أَيُّهَا النَّاسُ أَلَا إِنَّ رَبَّكُمْ وَاحِدٌ وَإِنَّ أَبَاكُمْ وَاحِدٌ أَلَا لَا فَضْلَ لِعَرَبِيٍّ عَلَى أَعْجَمِيٍّ وَلَا لِعَجَمِيٍّ عَلَى عَرَبِيٍّ وَلَا لِأَحْمَرَ عَلَى أَسْوَدَ وَلَا أَسْوَدَ عَلَى أَحْمَرَ إِلَّا بِالتَّقْوَى أَبَلَّغْتُ

Ó povo, seu Senhor é um e seu pai Adam é um. Não há nenhum favor de um árabe sobre um estrangeiro, nem um estrangeiro sobre um árabe, nem pele branca sobre pele negra, nem pele negra sobre pele branca, exceto pela retidão. Não entreguei a mensagem?

Fonte: Musnad Ahmad – 22978

Esses textos, e muitos outros, são explicitamente claros na rejeição de hierarquias baseadas em raça ou linhagem. É suficiente que os crentes se apeguem à sua mensagem, independentemente do que os outros possam lhes dizer.

No entanto, houve um discurso problemático entre os estudiosos clássicos que afirma que os árabes têm ‘favor’ (fadl) e ‘mais virtude’ (afdal) sobre os não-árabes, em contradição direta com a redação clara do Alcorão e da Sunnah.

Para piorar a situação, esse discurso foi posteriormente cooptado por alguns nacionalistas árabes modernos na era da consciência racial. Foi deturpado para afirmar que o Islam justifica a superioridade dos árabes sobre todas as outras pessoas, a tal ponto que não é incomum ouvir alguns árabes hoje se referirem a uma pessoa negra como abeed (escravo) ou usar outros termos depreciativos. Tais atos e ideias racistas não têm qualquer base no Islam.

O texto principal em torno do qual o discurso clássico da “virtude árabe” girava é a seguinte tradição profética:

إِنَّ اللَّهَ اصْطَفَى كِنَانَةَ مِنْ وَلَدِ إِسْمَعِيلَ وَاصْطَفَى قُرَيْشًا مِنْ كِنَانَةَ وَاصْطَفَى مِنْ قُرَيْشٍ بَنِي هَاشِمٍ وَاصْطَفَانِي مِنْ بَنِي هَاشِمٍ

Em verdade, Allah escolheu Kinanah dos filhos de Ismael, e ele escolheu os Quraish de Kinanah, e ele escolheu a tribo de Hashim entre os Quraish, e ele me escolheu da tribo de Hashim.

Fonte: Sahih Muslim – 2276

Uma leitura imparcial dessa tradição demonstra que é absurdo inferir dela a superioridade ontológica dos árabes étnicos em todos os tempos e lugares. Pelo contrário, essa tradição é semelhante ao que Allah disse sobre outros profetas e nações.

Allah disse:

إِنَّ اللَّهَ اصْطَفَىٰ آدَمَ وَنُوحًا وَآلَ إِبْرَاهِيمَ وَآلَ عِمْرَانَ عَلَى الْعَالَمِينَ

Recomendado para você:  Confiança em Allah - Taqdeer e Tawakkul

Na verdade, Allah escolheu Adão e Noé, a família de Abraão e a família de Imran sobre os mundos.” (Alcorão 03:33)

E Allah disse:

يَا بَنِي إِسْرَائِيلَ اذْكُرُوا نِعْمَتِيَ الَّتِي أَنْعَمْتُ عَلَيْكُمْ وَأَنِّي فَضَّلْتُكُمْ عَلَى الْعَالَمِينَ

Filhos de Israel, lembrem-se das Minhas bênçãos que vos dei e que vos favoreci sobre os mundos.” (Alcorão 02:47)

Allah favorece algumas nações em detrimento de outras, concedendo-lhes revelação divina, mas não tem nada a ver com raça, tribo ou linhagem. Allah apenas favorece algumas nações sobre outras por causa de suas ações justas. Esse favor é perdido com a perda da justiça, e é por isso que os israelitas acabaram caindo da graça.

Algumas narrações também foram falsamente atribuídas ao Profeta Muhammad ﷺ para apoiar uma reivindicação de superioridade árabe:

خير الناس العرب وخير العجم فارس

Os melhores dos povo são os árabes, e os melhores dos não-árabes são os persas.

Segundo Imam Shawkani em seu livro al-Fawa’id al-Majmu’ah – 01/414, essa tradição é fabricada (mawdu’).

Alguns estudiosos clássicos citaram o discurso da “virtude árabe” como evidência para apoiar uma condição de “adequação” (kafa’ah) no casamento, o que significa que desencorajaram os árabes a se casarem com não-árabes. Ainda hoje, existem subculturas muçulmanas que desencorajam o casamento fora de sua tribo ou raça.

Preocupações razoáveis ​​de compatibilidade cultural e linguística no casamento são válidas, porque a esposa e o marido devem poder se relacionar facilmente. No entanto, a única condição básica real de adequação ao casamento é a compatibilidade da religião, não a raça ou qualquer outra coisa.

Imam Malik disse:

الْكَفَاءَةُ فِي الدِّينِ لَا غَيْرُ

A aptidão para o casamento está na religião e nada mais.

E Ibn Abdul Barr disse:

هَذَا جُمْلَةُ مَذْهَبِ مَالِكٍ وَأَصْحَابِهِ

Esta é toda a doutrina de Malik e seus companheiros.

Fonte: Al-Mughni – 07/35

A preponderância das evidências expõe a inegável fraqueza da visão de que os árabes são superiores em virtude de sua etnia, pois se opõe abruptamente aos textos categóricos do Alcorão e da Sunnah. Mesmo assim, alguns estudiosos ainda fizeram da virtude dos árabes sobre outros um ponto de discussão em seus livros.

Ibn Taymiyyah foi um desses estudiosos clássicos que se engajou no discurso da “virtude árabe”. Embora esse discurso seja no mínimo precário, sua posição era muito mais sutil do que alguns entendiam. Ele afirma que os árabes só eram favorecidos em relação aos outros por causa de suas ações louváveis.

Ibn Taymiyyah escreve:

وسبب هذا الفضل والله أعلم ما اختصوا به في عقولهم وألسنتهم وأخلاقهم وأعمالهم وذلك أن الفضل إما بالعلم النافع وإما بالعمل الصالح

Esta razão para esse favor, e Allah sabe melhor, é por causa da qualidade de suas mentes, sua linguagem, seu caráter e suas ações. Esse é o favor, seja por conhecimento benéfico ou por ações justas.

Recomendado para você:  Três coisas que aprendemos sobre ISIS após a morte de Moaz al Kasasbeh

Fonte: Iqtida’ al-Sirat al-Mustaqim – 01/447

Em outro lugar, ele nega explicitamente que esse “favor” esteja relacionado à raça ou cor da pele:

والفضل إنما هو بالأسماء المحمودة في الكتاب والسنة مثل الإسلام والإيمان والبر والتقوى والعلم والعمل الصالح والإحسان ونحو ذلك لا بمجرد كون الإنسان عربيا أو عجميا أو أسود أو أبيض ولا بكونه قرويا أو بدويا

‘Favor’ é apenas de acordo com as questões louváveis ​​no Livro e na Sunnah, como Islam, fé, benevolência, retidão, conhecimento, ações justas, excelência espiritual e assim por diante. Não é meramente por um ser humano existir como árabe ou estrangeiro, ou com pele negra ou branca, ou residir na cidade ou no campo.

Fonte: Iqtida’ al-Sirat al-Mustaqim – 01/415

Portanto, mesmo entre os estudiosos clássicos que se engajaram nesse discurso, não há nada superior na composição genética ou na linhagem física dos árabes étnicos para torná-los melhores do que outros.

Como foi mencionado, a única qualidade para melhorar alguém é a retidão. O máximo que se pode dizer é que os árabes eram melhores do que outras nações na época em que o Islam foi revelado e na medida em que eles mantêm essas qualidades justas.

Como as tribos de Israel, os árabes também podem perder seu favor divino, negligenciando as virtudes pelas quais Allah os favoreceu em primeiro lugar.

Não há nada no Islam que privilegie a etnia árabe, em detrimento de outros muçulmanos. Ser árabe não é um requisito para a liderança no Islam.

Abu Masud relatou: O Mensageiro de Allah ﷺ disse:

يَؤُمُّ الْقَوْمَ أَقْرَؤُهُمْ لِكِتَابِ اللَّهِ فَإِنْ كَانُوا فِي الْقِرَاءَةِ سَوَاءً فَأَعْلَمُهُمْ بِالسُّنَّةِ فَإِنْ كَانُوا فِي السُّنَّةِ سَوَاءً فَأَقْدَمُهُمْ هِجْرَةً فَإِنْ كَانُوا فِي الْهِجْرَةِ سَوَاءً فَأَقْدَمُهُمْ سِلْمًا وَلَا يَؤُمَّنَّ الرَّجُلُ الرَّجُلَ فِي سُلْطَانِهِ وَلَا يَقْعُدْ فِي بَيْتِهِ عَلَى تَكْرِمَتِهِ إِلَّا بِإِذْنِهِ

Os melhores versados ​​na recitação do Alcorão devem liderar a oração. Se eles são iguais em sua recitação, então o mais experiente deles na Sunnah. Se o conhecimento da Sunnah é igual, então quem primeiro realizou a emigração. Se eles emigraram ao mesmo tempo, quem abraçou o Islam primeiro. Ninguém deve liderar outro homem em oração, nem sentar-se no lugar de honra em sua casa, a menos que tenha permissão.

Fonte: Sahih Muslim – 673

Os mais qualificados para liderar a oração são aqueles que podem recitar melhor o Alcorão. Isso envolve apenas o conhecimento da linguagem do Alcorão e modos de recitação (tajwid). De fato, alguns falantes não-nativos do árabe são superiores em seu conhecimento do Alcorão do que os falantes nativos do árabe que só entendem seu dialeto coloquial (ammiyah).

Talvez o melhor exemplo de transcender o racismo no Islam venha do grande companheiro, do Profeta Muhammad ﷺ, Bilal ibn Rabah. Bilal era originalmente um escravo africano antes do Islam, a classe mais baixa da sociedade árabe, mas depois do Islam ele se tornou um líder muçulmano amado em virtude de seu conhecimento, piedade e caráter.

Recomendado para você:  Julay'beeb, o amado pelo Profeta Muhammad

Omar ibn Al-Khattab costumava dizer:

أَبُو بَكْرٍ سَيِّدُنَا وَأَعْتَقَ سَيِّدَنَا يَعْنِي بِلَالًا

Abu Bakr é nosso mestre e emancipou nosso mestre Bilal.

Fonte: Sahih al-Bukhari – 3544

A maioria dos juristas muçulmanos ilustres nas primeiras gerações eram escravos libertados ou não-árabes. Estudiosos famosos, como Muhammad ibn Sireen, Tawus, Al-Bukhari, Al-Ghazali e muitos outros, eram descendentes de não-árabes, mas suas contribuições acadêmicas ao Islam foram maiores do que a grande maioria dos árabes étnicos.

Algumas pessoas que utilizam o discurso clássico da “virtude árabe” hoje o empregam para fins maléficos, citando meros trechos de uma discussão de nuances diferentes. Eles perverteram a razão pela qual esses estudiosos sequer discutiram sobre isso.

Ibn Taymiyyah escreve:

وإنما يتم الكلام بأمرين أحدهما أن الذي يجب على المسلم إذا نظر في الفضائل أو تكلم فيها أن يسلك سبيل العاقل الدين الذي غرضه أن يعرف الخير ويتحراه جهده وليس غرضه الفخر على أحد ولا الغمص من أحد

De fato, esse discurso é completado por dois assuntos, um dos quais é o dever do muçulmano, quando vê virtudes ou fala delas, seguir o caminho dos sábios na religião, cujo objetivo é reconhecer o bem, para examiná-lo e se esforçar para ele. Seu objetivo não é que alguém se orgulhe de um ou menospreze o outro.

Fonte: Iqtida’ al-Sirat al-Mustaqim – 01/452

De acordo com Ibn Taymiyyah, a discussão sobre “virtude árabe” tinha como objetivo incentivar os muçulmanos a imitarem os bons traços pelos quais os árabes e sua cultura eram favorecidos: sabedoria, conhecimento, boas ações e assim por diante. Não se destinava a depreciar outras culturas, raças, tribos ou etnias, nem pretendia dar apoio teológico ao racismo e aos preconceitos modernos.

Em suma, o Islam mantém a igualdade inerente de tribos, raças e etnias. A única qualidade que torna um melhor que o outro é a piedade. O discurso clássico da “virtude árabe” é altamente problemático, pois é muito vagamente baseado no Alcorão e na Sunnah, e tem sido utilizado por grupos contemporâneos por razões manifestamente prejudiciais, para promover o racismo a favor e contra o Islam.

Como tal, os muçulmanos não precisam desse discurso, independentemente da erudição de estudiosos clássicos que se envolveram nele no passado. Em vez disso, os muçulmanos devem aderir apenas à linguagem clara e explícita do Alcorão e da Sunnah, que expressam a igualdade de todas as pessoas e as virtudes pelas quais qualquer ser humano pode se tornar justo.

O sucesso vem de Allah, e Allah sabe melhor.

Links para Leitura

Fonte: https://abuaminaelias.com/are-arabs-master-race-in-islam/

Sobre A Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.