Página Inicial » História Islâmica » História da Língua Árabe: Entendendo sua Evolução
História da Língua Árabe Entendendo sua Evolução

História da Língua Árabe: Entendendo sua Evolução

O árabe é uma das principais línguas do mundo, com mais de 300 milhões de pessoas em vários países árabes que a usam como língua materna. Também é usado extensivamente como idioma principal em um país não-árabe, na República Centro-Africana do Chade e como idioma minoritário em vários outros países, incluindo Afeganistão, Israel (onde o árabe e o hebraico são os idiomas oficiais), Irã e Nigéria.

Em 1974, o árabe foi adotado como um dos seis idiomas oficiais das Nações Unidas, juntando chinês, inglês, francês, russo e espanhol. Mais de um bilhão de muçulmanos em lugares como Índia, Indonésia, Paquistão e Tanzânia estudam árabe como língua estrangeira ou segunda para uso litúrgico e acadêmico. Nos Estados Unidos, várias comunidades muçulmanas e árabes empregam o árabe em suas interações diárias e para fins religiosos.

História e Desenvolvimento do Árabe

O árabe pertence à família de línguas afro-asiáticas (ou hamito-semíticas) que consiste em mais de trezentas línguas, algumas das quais são extintas e outras são usadas marginalmente como línguas litúrgicas. O árabe e o hebraico são os dois principais exemplos das línguas semíticas vivas, enquanto o hausa e vários dialetos berberes são exemplos das línguas hamíticas sobreviventes.

O exemplo mais antigo conhecido do árabe é uma inscrição encontrada no deserto sírio que remonta ao século IV dC. As tribos árabes pré-islâmicas que viviam na península arábica e nas regiões vizinhas tinham uma próspera tradição poética oral.

Por conta disso registros não foram sistematicamente coletados e gravados por escrito até o século VIII dC. Essa linguagem poética, provavelmente o resultado da fusão de vários dialetos, passou a ser vista como literário ou um estilo elevado, que representava um vínculo cultural entre diferentes tribos.

O Profeta Muhammad ﷺ recebeu suas mensagens de Deus em árabe por meio do anjo Gabriel durante um período de 23 anos, 610-632 dC. O Alcorão Sagrado, contendo essas mensagens, foi originalmente gravado na memória por recitadores profissionais (hufaz e qura’). Com a propagação do Islam, diferentes sotaques da pronúncia do Alcorão entraram em uso até que uma versão padronizada (com notações para diferentes sotaques) foi concluída sob o terceiro califa, Othman Ibn ‘Affan, em meados do século VII dC.

Quanto mais falantes não-árabe foram atraídos para o Islam, o Alcorão se tornou o elo mais importante entre muçulmanos, árabes e não-árabes, reverenciado por seu conteúdo e admirado pela beleza de seu idioma.

Árabes, independentemente de sua religião, e muçulmanos, independentemente de sua origem étnica, mantém a língua árabe na mais alta estima e a valorizam como meio de uma rica herança cultural. É essa conexão íntima entre o Alcorão e o árabe que deu à língua seu status especial e contribuiu para a arabização de diversas populações.

A Propagação da Língua Árabe

No início do século VIII, o Império Árabe Islâmico havia se espalhado da Pérsia para a Espanha, resultando na interação entre árabes e populações locais que falavam idiomas diferentes. Na Síria, Líbano e Palestina, onde a maioria da população falava algum dialeto do aramaico e onde as tribos árabes estavam presentes nas proximidades, os idiomas locais foram em sua maioria substituídos pelo árabe.

No Iraque, o árabe se tornou a língua dominante entre uma população que falava aramaico e persa. Um processo mais gradual de arabização ocorreu no Egito, onde copta e grego eram as duas línguas dominantes. No norte da África, onde os dialetos berberes eram falados e ainda são usados ​​em algumas partes, o processo de arabização foi menos completo. A Pérsia e a Espanha, no entanto, mantiveram seus respectivos idiomas.

Nos primeiros dias do Império, a maioria da população não seria árabe monolíngue. A interação do árabe com outras línguas levou ao empréstimo de um novo vocabulário que enriqueceu a língua em áreas como governo, administração e ciência. Isso, além dos ricos recursos internos do árabe, permitiu que o idioma se tornasse um meio adequado para governar um vasto império.

Sob a dinastia omíada (661-750 dC), com Damasco como centro do poder, o árabe continuou sua tradição de excelência como língua da poesia, enriqueceu sua literatura com traduções do persa e de outras línguas e adquiriu nova terminologia em vários campos da estudo que incluiu linguística, filosofia e teologia.

Sob o domínio abássida de Bagdá (750-1258 dC), a literatura árabe alcançou sua idade de ouro, à medida que os estudos linguísticos atingiram um novo nível de sofisticação. Muitos estudiosos, árabes e não árabes, muçulmanos, cristãos e judeus, participaram do desenvolvimento da vida intelectual usando o árabe como idioma preferido.

Um esforço sistemático de tradução de várias fontes fez do árabe o meio acadêmico mais adequado em disciplinas como filosofia, matemática, medicina, geografia e vários ramos da ciência. Muitas das palavras prontamente emprestadas durante esse período foram facilmente assimiladas ao árabe e depois transmitidas para outras línguas.

Um período de declínio começou no século XI como resultado de vários fatores, incluindo o início das cruzadas, a agitação política na Espanha, invasões mongóis e turcas do Oriente e divisões internas no Império. Isso marcou um período de relativa estagnação para o árabe, embora seu status como a língua do Islam nunca tenha sido ameaçado.

O século XIX viu um período de reavivamento intelectual que começou no Egito e na Síria e se espalhou para o resto do mundo árabe, começando com a expedição napoleônica ao Egito em 1798. A expedição previa a introdução da primeira imprensa árabe no Egito e a tradução de numerosas obras literárias ocidentais para o árabe.

Esse contato inicial foi continuado por Muhammad Ali, um governante egípcio esclarecido, que enviou estudantes para a França e outros países para estudar várias disciplinas; eles retornaram ao Egito como professores e escritores. O Líbano estava em contato com o Ocidente no início do século XVII, mantendo uma forte ligação religiosa com alguns grupos europeus.

Recomendado para você:  Como o Islã se disseminou na Índia?

Outras influências ocidentais vieram de imigrantes árabes para as Américas e de missionários que contribuíram para o estabelecimento de línguas estrangeiras, principalmente o inglês e francês, tornando-as importantes componentes do sistema educacional em partes do Mundo Árabe.

O impulso entusiasmado inicial para a ocidentalização colidiu com os movimentos de independência nacionalistas que eram uma resposta natural ao colonialismo europeu na região. Esses movimentos estavam geralmente ligados aos dois principais pilares do nacionalismo árabe: a religião muçulmana e a língua árabe.

Assim, os intelectuais árabes se viram divididos entre a rica e gloriosa herança do passado e um futuro que se tornou cada vez mais associado à tecnologia e modernidade ocidentais. O século XIX viu o início do desenvolvimento do árabe como uma linguagem moderna viável.

Elementos da Estrutura da Língua Árabe

O árabe, como todas as línguas semíticas, é caracterizado pelo uso de certos padrões morfológicos (padrões de formação de palavras) para derivar palavras de raízes abstratas que representam noções ou significados semânticos gerais.

Essas raízes geralmente consistem em três consoantes que formam a base para a formação de numerosas palavras a partir de qualquer raiz. Por exemplo, a raiz KTB, que está associada à noção de ‘escrita’, é encontrada nas hastes do verbo KaTaB ‘escreveu’ e KTuB ‘escreve’, que pode ser conjugado pela adição de prefixos e sufixos apropriados.

Para ilustrar ainda mais como as hastes de palavras podem ser derivadas de várias raízes, é útil examinar a composição de uma raiz em termos da posição em que cada consoante (C) ocupa em relação às duas outras consoantes.

Assim, a haste KaTaB pode ser representada pelo padrão de C1aC2aC3 onde C1=K, C2=T, e  C3=B. Uma modificação da haste para C1aC2C2aC3 (duplicando a consoante medial da raiz) resulta na derivação da haste KaTTaB que tem o significado causador ‘feito (de alguém) escrever’.

Por outro lado, prolongando a primeira vogal do caule (C1aaC2aC3) deriva KaaTaB, que significa ‘correspondido’. A adição do prefixo ta- resulta em taKaaTaB, com o significado recíproco ‘letras trocadas (com alguém)’.

Existem quinze possíveis padrões que uma raiz verbal pode teoricamente ter, embora cinco deles sejam extremamente raros. Cada um desses padrões pode ser modificado para indicar uma voz passiva e um presente imperfeito: por exemplo, KuTiB ‘foi escrito’, yaKTuB ‘escreve’, yuKTaB ‘está escrito’.

Modificando as consoantes de raiz, usando várias combinações de vogais e utilizando prefixos e sufixos diferentes, existem várias possibilidades para derivar substantivos, adjetivos e advérbios de qualquer raiz. As seguintes palavras, por exemplo, todos os quais são derivados de KTB, podem ser encontradas em um dicionário típico:

  • Kitaab – ‘livro’
  • KuTuBii – ‘livreiro’
  • KuTTaaB – ‘escola primária ou do Alcorão’
  • KuTayyiB – ‘livreto’
  • KiTaaBa – ‘escrita, roteiro, escritos’
  • KiTaaBaat – ‘ensaios’
  • KiTaaBii – ‘escrito, literário, escritório’
  • maKTaB – ‘agência’
  • maKTaBii – ‘de um escritório’
  • maKTaBa – ‘biblioteca’
  • miKTaaB – ‘máquina de escrever’
  • muKaaTaBa – ‘correspondência’
  • iKtiTaaB – ‘inscrição, registro’
  • istiKTaaB – ‘ditado’
  • KaaTiB – ‘escritor’
  • maKTuuB – ‘carta’
  • muKaaTiB – ‘correspondente’
  • muKtaTiB – ‘assinantes’

Muitas destas palavras podem ser pluralizadas, por exemplo Kutub ‘livros’, Kuttab ‘escritores’, maKTaBaat ‘bibliotecas’, e alguns podem ocorrer com uma terminação feminina, por exemplo KaaTiBa ‘escritor feminino’, muKaaTiBa ‘correspondente feminino’, e KaaTiBaat ‘escritores femininas’.

Os exemplos anteriores ilustram um padrão morfológico rico e versátil de derivação de palavras que pode teoricamente permitir que centenas de palavras em árabe sejam derivadas de uma única raiz.

Ortografia da Língua Árabe

O sistema de escrita árabe é uma adaptação da escrita nabateana que evoluiu do sistema de escrita aramaico. Consiste em vinte e oito letras representando sons consoantes e é escrito da direita para a esquerda. Três dessas letras representando as consoantes / ‘, w, y / também são usadas para representar os sons da vogal longa / aa, uu, ii /, respectivamente.

Os sons da vogal curta / a, u, i /, que podem ser representados com marcas diacríticas acima ou abaixo de uma letra, são normalmente omitidos, exceto em situações em que a ambiguidade semântica ou erros graves na pronúncia não podem ser tolerados.

O Alcorão e a Bíblia Árabe são sempre impressos com uma representação completa dos sons das vogais curtas e também com outros diacríticos que significam a duplicação de consoantes ou a ausência de sons de vogais após uma consoante específica.

A escrita árabe é cursiva, o que significa que certas letras devem ser conectadas a outras, seja por escrito ou por impressão. Embora não exista distinção entre letras maiúsculas e minúsculas, uma letra pode ocorrer em mais de uma forma (conforme ilustrado na tabela do alfabeto árabe), dependendo de sua posição na palavra e de outras letras.

Para ilustrar o sistema, pode ser útil usar alguns exemplos de palavras derivadas da raiz ‘escrita’ do KTB , que é representada em árabe pelas letras, ب, ت, ك, respectivamente. Quando essas letras são conectadas umas às outras da direita para a esquerda, elas resultam em uma palavra que está escrita como كتب.

A ausência de quaisquer vogais longas nesta palavra significa que todas as possíveis vogais que podem ocorrer nessa palavra são curtas. Portanto, a palavra pode ser lida ambiguamente como KaTaBa ‘(ele) escreveu’, KuTiBa ‘foi escrito’, KaTTaBa ‘fez (alguém) escrever’ ou KuTuB ‘livros’. Qual das leituras acima é a apropriada é determinada pelo contexto. A palavra KaaTiB ‘escritor’ e KiTaaB ‘livro’, ambos com sons de vogal longa, são escritos como كاتب e كتاب, respectivamente.

Recomendado para você:  Imam Maliki, o Estudioso de Medina

Nos tempos pré-islâmicos, a escrita árabe sofria de várias deficiências, incluindo a falta de letras para certos sons consonantais e a ausência de qualquer sistema para indicar sons de vogais. O sistema atual é o resultado de algumas reformas importantes que foram introduzidas quando o script foi considerado inadequado como uma ferramenta para registrar e preservar o Alcorão Sagrado.

Essa estreita associação com o Alcorão conferiu um status santificado a um script que surgiu desde um começo humilde. Isso permitiu que ela se desenvolvesse em uma forma de arte única, não igualada por nenhuma outra tradição caligráfica.

Com a propagação do Islam, muitos não-árabes se descobriram aprendendo árabe para poder ler o Alcorão. Assim, muitas línguas que sofreram a influência do árabe através do Islam adotaram o uso da escrita árabe. Essas línguas, em sua maioria de origem não-semita, incluíam farsi (persa), pashto, caxemira, urdu, sindi, malaio e outros (Kaye).

Variedades Dialetais do Árabe

Existem vários dialetos regionais do árabe, alguns dos quais podem não ser facilmente inteligíveis para falantes de outras regiões. Em extensões variadas, essas variedades de idiomas mostram diferenças de gramática, pronúncia e vocabulário.

Falantes do árabe se referem a essas variedades faladas como ‘aammiyya, ou coloquial, ao contrário do literária ou clássica fus-ha, uma linguagem que é adquirida através da instrução formal. Essa dualidade linguística, comumente referida como diglossia na literatura linguística, envolve o uso complementar de duas variedades (alta e baixa) em contextos específicos.

A variedade alta é o árabe clássico; cujo exemplo final é o idioma do Alcorão, é usado em situações formais. A variedade baixa refere-se a vários vernáculos regionais ou variedades coloquiais usadas para as interações diárias.

Embora essa distinção frequentemente citada entre Árabe Clássico e Coloquial possa ser útil, ela representa apenas dois pólos de um continuum que caracterizam com mais precisão uma situação linguística complexa.

Duas outras variedades são o Árabe Padrão Moderno e o Árabe Falado Educado. O Árabe Padrão Moderno, uma continuação do Árabe Clássico com algumas modificações na gramática e uma extensa adição do vocabulário moderno, é o idioma da comunicação escrita em todo o mundo de língua árabe.

Quando falantes educados de diferentes formações dialetais se comunicam oralmente, eles geralmente usam o que é conhecido como árabe falado educado, uma mistura de fala coloquial e o Árabe Padrão Moderno.

Modernização e Reforma da Língua Árabe

O despertar intelectual árabe do século XIX levou a um apelo à arabização que, em um de seus significados, se referia à política de adoção do árabe como a língua oficial nacional dos estados recém-independentes.

Um segundo sentido, usado por alguns escritores, dizia respeito à assimilação do vocabulário estrangeiro ao árabe de uma maneira que tornaria a linguagem adequada para a vida moderna, preservando ao mesmo tempo seu caráter essencial.

As novas demandas impostas à linguagem passaram a simbolizar o conflito entre a adesão à tradição e o desejo de modernidade. A modernização do árabe, um esforço no qual participaram academias de idiomas e indivíduos, geralmente focava em três áreas de preocupação: reforma ortográfica, simplificação gramatical e desenvolvimento de vocabulário.

1. Reforma Ortográfica

Entre 1938 e 1968, a academia egípcia recebeu mais de 300 propostas de reforma, demonstrando até que ponto a atenção estava focada nessa área. Essas propostas variavam de simples modificações ortográficas a uma substituição completa do sistema existente por um alfabeto do tipo latino.

Eles geralmente abordaram dois problemas: o alto custo da impressão devido a variações contextuais nas formas das cartas e a relativa dificuldade de aprender o sistema de escrita árabe em comparação com os alfabetos ocidentais.

As propostas de reforma ortográfica fracassaram porque representavam uma ruptura com uma tradição muito importante, introduziu novas complexidades ou ficou aquém dos padrões estéticos que os árabes tradicionalmente colocam no sistema. Os avanços na tecnologia de impressão e o aumento do uso de computadores resolveram a maioria dos problemas que preocupavam os reformadores anteriores.

2. Simplificação Gramatical

O impulso para a arabização trouxe à tona a situação diglóssica árabe – uma grande lacuna entre as variedades Clássica e Coloquial. Na busca de um padrão literário e educacional adequado, alguns defendiam o uso da língua clássica com sua rica história, enquanto outros defendiam o uso das variedades coloquiais mais naturais e menos difíceis de aprender.

Alguns defensores coloquiais argumentaram que o Árabe Clássico era uma língua morta que pertencia a uma era passada, possuía uma gramática complexa e não possuía um vocabulário científico moderno.

Os proponentes clássicos reagiram dizendo que o árabe havia se provado no passado por sua flexibilidade e capacidade de se adaptar a novas situações. Além disso, era o vínculo mais importante entre os árabes e de extrema importância para todos os muçulmanos, árabes e não árabes.

Tendo aceitado uma versão modernizada do Árabe Clássico (Árabe Moderno Padrão) como um padrão comum entre os árabes, a maioria dos intelectuais concordaram com a necessidade de uma reforma e simplificação gramatical, embora discordassem da natureza e extensão dessa reforma.

Alguns propuseram a eliminação de certos contrastes gramaticais não presentes nos dialetos. Por exemplo, a linguagem literária distingue entre dois casos a palavra que significa ‘dois livros’, KiTaaBaan (quando usado como assunto) e KiTaaBayn (quando usado como objeto).

Eliminar a forma subjetiva simplificaria a gramática e a aproximaria dos dialetos já familiarmente falados. Esse tipo de simplificação, como era de se esperar, encontrou forte resistência, pois ameaçava efetuar uma mudança estrutural radical na linguagem.

Quando o assunto da simplificação gramatical é agora discutido, geralmente se refere a métodos de ensino destinados a ajudar os alunos a lidar com a aquisição da linguagem literária.

Recomendado para você:  A vida do Imame Abu Hanifa

3. Desenvolvimento de Vocabulário

O desenvolvimento de vocabulário científico e técnico é um processo contínuo que recebeu sua parte justa de atenção. A academia síria é reconhecida por liderar o caminho desde o início do século XX e a Universidade Síria foi pioneira no uso do árabe como idioma de instrução em áreas como direito, ciência e medicina.

A falta de coordenação entre as academias, no entanto, e a proliferação de novas terminologias levaram ao estabelecimento do Gabinete de Arabização em Rabat em 1961, que publicou vários dicionários técnicos que tratam de várias disciplinas.

O procedimento para introduzir novo vocabulário seguiu idealmente certos passos. O primeiro passo envolveu procurar em dicionários e textos antigos uma palavra obsoleta que pudesse se encaixar no significado desejado.

Se nenhuma palavra apropriada foi encontrada, foi dada uma tradução literal do termo: por exemplo, ‘ilm al hayaat, ‘Ciência da vida’ para Biologia. Quando uma tradução literal não era possível, era recomendável cunhar uma nova palavra a partir de uma raiz árabe existente: sayyaara, ‘carro’, derivado da raiz SYR, cujo significado está associado a ‘movimento’.

Como último recurso, era aceitável emprestar uma palavra estrangeira e modificá-la para se ajustar ao sistema fonológico árabe: siinama, ‘cinema’, e fiilm, ‘filme’.

Na prática real, no entanto, cientistas, professores e jornalistas têm sido mais pragmáticos e mais liberais no uso de empréstimos estrangeiros. Isso resultou em várias palavras para o mesmo conceito e a aceitação no uso comum de palavras que podem não ter sido oficialmente endossadas pelas academias.

Além de milhares de palavras estrangeiras em árabe que agora fazem parte do Árabe Moderno Padrão, o idioma adquiriu inúmeras frases e expressões estrangeiras mais ou menos literalmente traduzidas de idiomas como francês e inglês.

A adição de um grande número de novas palavras tornou necessário canalizar esforços consideráveis ​​na lexicografia ou na compilação de dicionários.

Os dicionários árabes tradicionais listavam as palavras em ordem alfabética de acordo com suas consoantes de raiz. Assim, palavras como KiTaaB, ‘livro’, maKTuuB, ‘escrito’, e taKTuBu, ‘ela escreve’, seriam todas listadas em K, a primeira letra da raiz que todos compartilham.

O valor desse arranjo está em revelar as relações etimológicas entre várias palavras. Embora não seja difícil usar um dicionário desse tipo para aqueles familiarizados com a estrutura morfológica do árabe, a tarefa se torna complicada e confusa para iniciantes que talvez não consigam identificar facilmente a raiz.

Alguns dicionários recentes listam as palavras em ordem alfabética e outras tentam combinar o sistema raiz tradicional e o sistema alfabético.

A Influência do Árabe em outros Idiomas

Como língua do Islam e meio de cultura e aprendizado por cinco séculos, o árabe entrou em contato próximo com várias outras línguas. Idiomas asiáticos e africanos, como urdu, turco, farsi e hausa, tomaram emprestado um grande número de palavras em árabe que tratam de vários aspectos da cultura, principalmente os relacionados ao islamismo.

Espanhol e português entraram em contato direto com o árabe como resultado da conquista árabe. Os cruzados europeus de várias origens linguísticas interagiram com os árabes e adquiriram palavras relacionadas a comida, roupas e outros aspectos da vida cotidiana.

Quando a Europa emergiu de sua idade das trevas, ela se voltou para os escritos em árabe para a iluminação e redescobriu os textos clássicos em grego e latim preservados nas traduções para o árabe.

Mesmo idiomas como o inglês, que tinham relativamente pouco contato direto com o árabe, pegou emprestado muitas palavras do árabe, geralmente indiretamente através do português, italiano e espanhol.

Um estudo lingüístico das contribuições do árabe para o inglês cita mais de 2.000 palavras em inglês de origem árabe ou emprestadas e assimiladas do árabe antes de serem transmitidas para outras línguas.

Uma rápida olhada nas palavras de empréstimo do árabes ao inglês, revela uma influência linguística e cultural no inglês que se estendia à arte, música, astronomia, arquitetura, biologia, química, geografia, matemática, direito, literatura, militar, finanças e muitos outros campos.

As seguintes palavras ilustram a gama de impacto cultural e a extensão da influência linguística que o árabe teve no inglês: admiral, alcohol, alcove, algebra, algorithm, almanac, amber, arabesque, arsenal, artichoke, balsam, caliber, carat, checkmate, chiffon, coffee, coral, cork, cotton, damask, dinar, elixir, endive, fanfare, gazelle, genie, giraffe, guitar, halvah, imam, Islam, jar, jasmine, kabob, lemon, lilac, lute, magazine, massage, mattress, monsoon, natron, orange, organza, poof, Quran, racket, ream, rice, satin, soda, sofa, sultan, sugar, sherif, sherbet, talc, tambourine, ud (ou oud), vizier, wadi, zenith, e zero.

Conclusão

Com o início do século XXI, uma língua árabe revitalizada surgiu após um século de luta e crescimento que introduziu uma série de mudanças e reformas. O debate sobre a viabilidade do árabe literário como meio de educação, tecnologia e comunicação de massa praticamente parou.

O Árabe Padrão Moderno foi aceito como um vínculo comum e unificador entre os árabes, transcendendo sua diversidade em status econômico, realidades políticas, crenças religiosas e aspirações nacionais.

Trabalho Citados

Abu-Absi, Samir. “The Modernization of Arabic: Problems and Prospects,” Anthropological Linguistics, Fall 1986, 337-348.

Cannon, Garland. The Arabic Contributions to the English Language: An Historical Dictionary. Alan S. Kaye, Collaborator. Wiesbaden: Otto Harrassowitz, 1994.

Cowan, J. Milton, ed. Arabic-English Dictionary: The Hans Wehr Dictionary of Modern Written Arabic, 4th ed. Ithaca, New York: Spoken Language Services, Inc., 1994, 951-52.

Alan S. Kaye, “Adaptations of Arabic Script,” in Peter T. Daniels and William Bright, eds. The World’s Writing Systems. New York and Oxford: Oxford University Press, 1996 743-62.

Fonte: https://historyofislam.com/contents/the-modern-age/the-arabic-language/

Sobre A Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.