Página Inicial » Sharia e Fatwas » Respeito aos Governantes no Islam
Respeito aos Governantes no Islam

Respeito aos Governantes no Islam

Em nome de Allah, o Clemente, o Misericordioso

A obediência aos governantes muçulmanos, mesmo que sejam pecaminosos, tem sido um importante princípio de credo desde o tempo dos Predecessores Virtuosos. Mas é algo que algumas pessoas não entendem bem, explorando-o para alguma agenda política ou rejeitando-o completamente.

A Sunnah do Profeta Muhammad ﷺ e o modo de antecessores justos encontram um equilíbrio entre obrigações civis para com o governo, obrigações civis para com os cidadãos comuns e nossas obrigações morais como muçulmanos. O Islam não defende rebeliões violentas de acordo com os caprichos dos cidadãos, nem aprova todas as ações tomadas por um governante muçulmano.

A regra padrão (al-‘asl) é que os líderes muçulmanos devem ser obedecidos em todos os assuntos do direito civil, desde que não sejamos ordenados a cometer pecados. As ações pecaminosas de um líder muçulmano não são uma desculpa para violar leis e normas básicas da sociedade civil.

Disse Allah:

يَا أَيُّهَا الَّذِينَ آمَنُوا أَطِيعُوا اللَّهَ وَأَطِيعُوا الرَّسُولَ وَأُولِي الْأَمْرِ مِنكُمْ ۖ فَإِن تَنَازَعْتُمْ فِي شَيْءٍ فَرُدُّوهُ إِلَى اللَّهِ وَالرَّسُولِ إِن كُنتُمْ تُؤْمِنُونَ بِاللَّهِ وَالْيَوْمِ الْآخِرِ ۚ ذَٰلِكَ خَيْرٌ وَأَحْسَنُ تَأْوِيلًا

Ó fiéis, obedecei a Deus, ao Mensageiro e às autoridades, dentre vós! Se disputardes sobre qualquer questão, recorrei a Deus e ao Mensageiro, se crerdes em Deus e no Dia do Juízo Final, porque isso vos será preferível e de melhor alvitre.” (Alcorão 4:59)

Ali relatou:

”O Profeta ﷺ disse: ”Não há obediência a ninguém se é desobediência a Allah. Em verdade, a obediência é apenas em boa conduta.” (Ṣaḥīḥ al-Bukhārī 6830 : Muttafaqun Alayhi)

A autoridade não se aplica apenas ao mais alto executivo do país, mas também a qualquer pessoa investida de uma autoridade legal e apropriada: imãs locais, professores, médicos, policiais e assim por diante. Se a desobediência a eles é necessária para evitar um pecado, isso deve ser feito civilmente e sem violência.

Esse princípio de obediência também é verdadeiro para os muçulmanos que visitam ou residem em países não-muçulmanos, pois visto ou cidadania nesses países é um tipo de contrato que deve ser respeitado.

Disse Allah:

يَا أَيُّهَا الَّذِينَ آمَنُوا أَوْفُوا بِالْعُقُودِ

Ó Fiéis, cumpram com vossos contratos!” (Alcorão 5:1)

O significado de ”obediência ao governante” não está relacionado à personalidade individual do governante, mas às leis civis que mantêm a ordem na sociedade. No passado, o governante era considerado a fonte da lei, mas na maioria dos países hoje o estado burocrático substituiu qualquer indivíduo em particular. Como o imperador Napoleão disse uma vez: “Eu sou o estado”.

Isso significa que “obedecer ao governante” em nosso contexto significa obedecer aos estatutos das leis estaduais contra crimes como assassinato, roubo e agressão, regulamentos estaduais como leis de trânsito, leis de habitação, padrões de segurança e assim por diante.

Não é obediência à personalidade do governante, que pode de fato ser muito pecaminosa em sua vida pessoal, mas sim obediência, cujo aparato legal está no topo, desde que não sejamos forçados a cometer pecados. Essa obediência garante que a sociedade não caia no caos e na ilegalidade.

No que diz respeito a governos e governantes, os estudiosos muçulmanos tendem a seguir três tipos de abordagem:

  1. Aderir sinceramente aos ensinamentos islâmicos, quer eles (os ensinamentos) agradem ou não ao governo ou aos cidadãos
  2. Adaptar os ensinamentos islâmicos para se encaixar na agenda do governo
  3. Adaptar ensinamentos islâmicos para se encaixar em um movimento populista

O Shaykh Ibn Uthaymin escreve:

العلماء ثلاثة أقسام عالم مِلَّةْ وعالم دولة وعالم أمة

أما عالم الملة فهو الذي ينشر دين الإسلام ويفتي بدين الإسلام عن علم ولا يبالي بما دل عليه الشرع أوافق أهواء الناس أم لم يوافق

وأما عالم الدولة فهو الذي ينظر ماذا تريد الدولة فيفتي بما تريد الدولة ولو كان في ذلك تحريف كتاب الله وسنة رسوله صلى الله عليه وسلم

وأما عالم الأمة فهو الذي ينظر ماذا يرضى الناس إذا رأى الناس على شيء أفتي بما يرضيهم ثم يحاول أن يحرف نصوص الكتاب والسنة من أجل موافقة أهواء الناس

نسأل الله أن يجعلنا من علماء الملة العاملين بها

Os estudiosos são divididos em três tipos:

  1. Estudiosos religiosos
  2. Acadêmicos do governo
  3. Estudiosos populistas

Quanto ao estudioso religioso, é aquele que difunde a religião do Islam e emite vereditos com base no seu conhecimento. Não importa para ele se as evidências da lei concordam com os caprichos das pessoas ou não.

Quanto ao estudioso do governo, é aquele que considera o que o governo deseja e emite sentenças em conformidade, mesmo que isso distorça o Livro de Allah e a Sunnah do Mensageiro de Allah ﷺ.

Quanto ao estudioso populista, é aquele que considera o que agrada as pessoas. Se ele vê pessoas fazendo alguma coisa, emite sentenças para satisfazê-las e tenta distorcer os textos do Alcorão e da Sunnah para fazê-los concordar com os caprichos do povo.

Pedimos a Allah que nos faça entre os estudiosos religiosos, agindo de acordo com eles.

Recomendado para você:  Qual é a regra para um muçulmano entrar numa Ordem Sufi?

Fonte: Sharh Riyad al-Salihin – 04/307-308

Como tal, a abordagem islâmica adequada em qualquer contexto é seguir sinceramente o Alcorão e a Sunnah onde quer que eles levem, se apoia uma agenda do governo, uma agenda populista ou nenhuma.

O populismo pode ser uma ameaça potencialmente perigosa para a sociedade se os caprichos dos cidadãos forem agravados a ponto de assumirem violência contra o governo. O Profeta ﷺ nos alertou para não cairmos na chamada de sirene da rebelião, desde que possamos praticar o Islam com segurança em nossos países.

Hudhayfa ibn al-Yaman relatou: O Mensageiro de Allah, ﷺ, disse:

يَكُونُ بَعْدِي أَئِمَّةٌ لَا يَهْتَدُونَ بِهُدَايَ وَلَا يَسْتَنُّونَ بِسُنَّتِي وَسَيَقُومُ فِيهِمْ رِجَالٌ قُلُوبُهُمْ قُلُوبُ الشَّيَاطِينِ فِي جُثْمَانِ إِنْسٍ

Chegarão governantes depois de mim que não seguirão minha orientação e minha Sunnah . Alguns de seus homens terão o coração dos demônios no corpo humano.

Eu disse: “Ó Mensageiro de Allah, o que devo fazer se viver para ver esse tempo?”. O Profeta disse:

تَسْمَعُ وَتُطِيعُ لِلْأَمِيرِ وَإِنْ ضُرِبَ ظَهْرُكَ وَأُخِذَ مَالُكَ فَاسْمَعْ وَأَطِعْ

Você deve ouvi-los e obedecê-los, mesmo que o governante atinja suas costas e retire sua riqueza; mesmo assim, ouça e siga.

Fonte: Sahih Muslim – 1847

Awf ibn Malik relatou: O Mensageiro de Allah, ﷺ, disse:

خِيَارُ أَئِمَّتِكُمْ الَّذِينَ تُحِبُّونَهُمْ وَيُحِبُّونَكُمْ وَيُصَلُّونَ عَلَيْكُمْ وَتُصَلُّونَ عَلَيْهِمْ وَشِرَارُ أَئِمَّتِكُمْ الَّذِينَ تُبْغِضُونَهُمْ وَيُبْغِضُونَكُمْ وَتَلْعَنُونَهُمْ وَيَلْعَنُونَكُمْ

Os melhores governantes para vocês são aqueles que vocês amam e aqueles que amam vocês, que rezam para vocês e vocês rezam para eles. Os piores governantes para vocês são aqueles que vocês odeiam e eles os odeiam, aqueles que vocês amaldiçoam e eles os amaldiçoam.

E foi dito, “Devemos confrontá-los com espadas?”. O Profeta ﷺ disse:

لَا مَا أَقَامُوا فِيكُمْ الصَّلَاةَ وَإِذَا رَأَيْتُمْ مِنْ وُلَاتِكُمْ شَيْئًا تَكْرَهُونَهُ فَاكْرَهُوا عَمَلَهُ وَلَا تَنْزِعُوا يَدًا مِنْ طَاعَةٍ

Não, desde que estabeleçam a oração entre vocês. Se você encontrar algo odioso com eles, você deve odiar as ações deles, mas não retirar a sua mão da obediência.

Fonte: Sahih Muslim – 1855

Umm Salamah relatou: O Mensageiro de Allah, ﷺ, disse:

سَتَكُونُ أُمَرَاءُ فَتَعْرِفُونَ وَتُنْكِرُونَ فَمَنْ عَرَفَ بَرِئَ وَمَنْ أَنْكَرَ سَلِمَ وَلَكِنْ مَنْ رَضِيَ وَتَابَعَ

Haverá governantes de quem você verá tanto a bondade quanto a corrupção. Quem reconhece o mal e o odeia manterá sua inocência, mas quem se agrada dele e o segue será pecador.

Foi dito: “Não lutaremos contra eles?”. O Profeta ﷺ disse:

لَا مَا صَلَّوْا

Não, desde que eles orem.

Fonte: Sahih Muslim – 1854

A sabedoria por trás dessas tradições é que a rebelião violenta, que é uma guerra civil, é quase certamente pior do que a opressão de qualquer governante. O longo histórico de rebeliões fracassadas e guerras civis prejudiciais levou os últimos estudiosos a alcançar consenso sobre a proibição da insurreição.

Imam Nawawi comentou essas tradições, escrevendo:

وَأَمَّا الْخُرُوجُ عَلَيْهِمْ وَقِتَالُهُمْ فَحَرَامٌ بِإِجْمَاعِ الْمُسْلِمِينَ وَإِنْ كَانُوا فَسَقَةً ظَالِمِينَ وَقَدْ تَظَاهَرَتِ الْأَحَادِيثُ بِمَعْنَى مَا ذَكَرْتُهُ وَأَجْمَعَ أَهْلُ السُّنَّةِ أَنَّهُ لَا يَنْعَزِلُ السُّلْطَانُ بِالْفِسْقِ … وَسَبَبُ عَدَمِ انْعِزَالِهِ وَتَحْرِيمِ الْخُرُوجِ عَلَيْهِ مَا يَتَرَتَّبُ عَلَى ذَلِكَ مِنَ الْفِتَنِ وَإِرَاقَةِ الدِّمَاءِ وَفَسَادِ ذَاتِ الْبَيْنِ فَتَكُونُ الْمَفْسَدَةُ فِي عَزْلِهِ أَكْثَرَ مِنْهَا فِي بَقَائِهِ

Quanto a se rebelar contra o governante e combatê-lo, é proibido pelo consenso dos muçulmanos, mesmo que ele seja pecador e opressivo. Mencionei as tradições que demonstram esse significado. O povo da Sunnah concordou que o governante não deve ser removido devido a sua pecaminosidade… A razão pela qual sua remoção e rebelião contra ele é proibida é pelo o que isso implica em tribulações, derramamento de sangue e corrupção, pelo fato do dano em remover o governante ser maior do que deixá-lo permanecer.

Fonte: Sharh Sahih Muslim – 1840

Esse assunto é tão importante que os justos predecessores o incluíram em seus tratados sobre crenças e teologia islâmica, como o que foi escrito pelo Imam al-Tahawi:

وَلَا نَرَى الْخُرُوجَ عَلَى أَئِمَّتِنَا وَوُلَاةِ أُمُورِنَا وَإِنْ جَارُوا وَلَا نَدْعُو عَلَيْهِمْ وَلَا نَنْزِعُ يَدًا مِنْ طَاعَتِهِمْ وَنَرَى طَاعَتَهُمْ مِنْ طَاعَةِ اللَّهِ عَزَّ وَجَلَّ فَرِيضَةً مَا لَمْ يَأْمُرُوا بِمَعْصِيَةٍ وَنَدْعُو لَهُمْ بِالصَّلَاحِ وَالْمُعَافَاةِ

Recomendado para você:  Tabaruk - Buscar bençãos através de Relíquias

Não nos rebelamos contra nossos líderes ou os responsáveis ​​por nossos negócios, mesmo que sejam tirânicos. Nós não suplicamos contra eles, nem nos retiramos da obediência a eles. Nós vemos a obediência a eles como obediência a Allah Todo-Poderoso, uma obrigação, desde que eles não ordenem desobediência a Allah. Suplicamos em nome deles por retidão e bem-estar.

Fonte: al-Aqidah al-Tahawiyah – 01/68

É verdade que alguns companheiros e antecessores justos apoiaram rebeliões contra alguns dos primeiros califas. Isso era do ijtihad (raciocínio pessoal), que pode ou não estar correto. Somente aqueles que são investidos de autoridade sobre questões constitucionais do governo (Ahl al-Hall wal-‘Aqd), como muitos deles, podem decidir se o mal de uma rebelião supera o mal de um determinado governante; não é uma decisão a ser tomada por pregadores populistas ou cidadãos comuns.

Quanto às tradições do Profeta ﷺ sobre este assunto, elas aconselham à paciência diante de governantes injustos e esta é a regra geral para os muçulmanos comuns.

Além disso, os muçulmanos devem fornecer conselhos sinceros aos governantes e desejar seu bem-estar nesta vida e no Além. Isso é muito difícil de ser feito para um governante muçulmano opressivo e muitos de nós podem não estar preparados para desejá-los bem, talvez de maneira compreensível, mas esse é o padrão estabelecido pelo Profeta ﷺ.

Tamim al-Dari relatou: O Mensageiro de Allah, ﷺ , disse:

إِنَّ الدِّينَ النَّصِيحَةُ

Em verdade, a religião é sinceridade.

Dissemos: “Para quem?”. O Profeta disse:

لِلَّهِ وَكِتَابِهِ وَرَسُولِهِ وَأَئِمَّةِ الْمُؤْمِنِينَ وَعَامَّتِهِمْ وَأَئِمَّةِ الْمُسْلِمِينَ وَعَامَّتِهِمْ

A Allah, Seu Livro, Seu Mensageiro, os líderes dos muçulmanos e seu povo comum.

Fonte: Sahih Muslim – 55

Por essa razão, como afirmado pelo Imam al-Tahawi, os justos predecessores geralmente não suplicam ou oram contra os governantes, mesmo quando eles são pecadores. De fato, alguns deles fizeram questão de pedir orientação em seu nome.

Al-Dhahabi relatou: Al-Fudayl ibn ‘Iyad disse:

لَوْ أَنَّ لِي دَعْوَةً مُسْتَجَابَةً مَا جَعَلْتُهَا إِلَّا فِي إِمَامٍ فَصَلَاحُ الْإِمَامِ صَلَاحُ الْبِلَادِ وَالْعِبَادِ

Se eu tivesse uma súplica a ser respondida, eu não a faria para ninguém além do governante. Se o governante for justo, isso levará à justiça do país e do povo.

Fonte: Siyar A’lam al-Nubala – 08/434

De fato, se um governante é guiado para a decisão certa, ou pelo menos se afasta de uma decisão ruim, isso beneficiará todo o país, e é por isso que Al-Fudayl suplicaria pelos governantes, apesar de seus pecados.

Também deve ser apreciado que os governantes muçulmanos são muçulmanos como todos os outros, no sentido de que a injustiça com eles é tão ruim quanto a injustiça com qualquer outro muçulmano. Al-Hajjaj ibn Yusuf, por exemplo, era um governante draconiano no início da história islâmica e foi odiado por muitos por suas políticas, mas o eminente estudioso Muhammad ibn Sirin advertiu que caluniar ou mesmo insultar um governante tão odiado ainda é pecado.

Awf informou: Entrei na casa de Ibn Sirin e comecei a discutir os pecados do governante Al-Hajjaj. Ibn Sirin disse:

إِن اللَّه تَعَالَى حكم عدل فكما يأخذ من الْحَجَّاج يأخذ للحجاج وإنك إِذَا لقيت اللَّه عَزَّ وَجَلَّ غدا كَانَ أصغر ذنب أصبته أشد عليك من أَعْظَم ذنب أصابه الْحَجَّاج

Na verdade, Allah Todo-Poderoso é um juiz justo. Assim como ele julga contra Al-Hajjaj, ele julgará a favor de Al-Hajjaj. Se você encontrasse Allah amanhã, o menor pecado que você cometeu seria pior para você do que o maior pecado que o Al-Hajjaj cometeu contra você.

Fonte: Al-Risalah al-Qushayriyah – 01/291

Mesmo assim, os pecados do governante são ampliados, pois suas ações são de grande alcance e podem afetar países inteiros nas próximas gerações. Eles devem ser lembrados de que, por sua liderança, estão em uma posição precária em relação ao acerto de contas no Dia da Ressurreição.

Maqil ibn Yasar relatou: O Mensageiro de Allah, ﷺ, disse:

مَا مِنْ عَبْدٍ اسْتَرْعَاهُ اللَّهُ رَعِيَّةً فَلَمْ يَحُطْهَا بِنَصِيحَةٍ إِلَّا لَمْ يَجِدْ رَائِحَةَ الْجَنَّةِ

Nenhum servo recebe autoridade de Allah e ele não cumpre seus deveres sinceramente, sem que ele nunca sentirá o perfume do Paraíso.

Fonte: Sahih al-Bukhari – 6731

Aisha relatou: O Mensageiro de Allah, ﷺ, disse:

اللَّهُمَّ مَنْ وَلِيَ مِنْ أَمْرِ أُمَّتِي شَيْئًا فَشَقَّ عَلَيْهِمْ فَاشْقُقْ عَلَيْهِ وَمَنْ وَلِيَ مِنْ أَمْرِ أُمَّتِي شَيْئًا فَرَفَقَ بِهِمْ فَارْفُقْ بِهِ

Ó Allah, quem quer que seja encarregado de minha nação e ele é duro com ela, seja duro com ele. Quem quer que seja encarregado da minha nação e ele é gentil com ela, seja gentil com ele.

Recomendado para você:  O problema da apostasia no Islã

Fonte: Sahih Muslim – 1828

É por isso que é reprovado alguém procurar uma posição de liderança. Em vez disso, a pessoa mais qualificada deve ser chamada para servir sem solicitá-la.

Aconselhar os governantes, assim como aconselhar os muçulmanos comuns, deve primeiro ser feita em privado, se possível. Isso serve para proteger suas reputações e evitar agitar desnecessariamente os cidadãos.

Iyad ibn Ghanam relatou: O Mensageiro de Allah, ﷺ, disse:

مَنْ أَرَادَ أَنْ يَنْصَحَ لِسُلْطَانٍ بِأَمْرٍ فَلَا يُبْدِ لَهُ عَلَانِيَةً وَلَكِنْ لِيَأْخُذْ بِيَدِهِ فَيَخْلُوَ بِهِ فَإِنْ قَبِلَ مِنْهُ فَذَاكَ وَإِلَّا كَانَ قَدْ أَدَّى الَّذِي عَلَيْهِ لَهُ

Quem pretende aconselhar alguém que possua autoridade, não deve fazê-lo publicamente. Em vez disso, ele deve pegá-lo pela mão e aconselhá-lo em particular. Se ele aceita o conselho, está tudo bem. Se ele não aceitar, ele cumpriu seu dever.

Fonte: Musnad Ahmad – 14909

Al-Muzanni relatou: Al-Shafi’i disse:

مَنْ وَعَظَ أَخَاهُ سِرًّا فَقَدْ نَصَحَهُ وَزَانَهُ وَمَنْ وَعَظَهُ عَلانِيَةً فَقَدْ فَضَحَهُ وَخَانَهُ

Quem admoesta seu irmão em particular, foi sincero com ele e protegeu sua reputação. Quem o repreende em público o humilhou e o traiu.

Fonte: Hilyat al-Awliya – 13854

Como este é o primeiro passo adequado da crítica, não se deve presumir que os estudiosos que não se manifestam sobre várias questões ainda não os tenham abordado em particular. Normalmente, devemos dar a nossos estudiosos o benefício da dúvida sobre esse assunto.

Mas se um governante muçulmano geralmente está fazendo um bom trabalho, ele definitivamente não deve ser criticado publicamente de maneira a menosprezar ou humilhar seu status, pois Allah retaliará essa humilhação.

Ziyad ibn Kusayb relatou: Eu estava com Abu Bakrah sob o púlpito de Abdullah ibn Amr enquanto ele estava fazendo um sermão usando uma roupa fina. Abu Bilal disse: Veja o nosso líder vestindo as roupas da maldade! Abu Bakrah disse: Seja calmo! Ouvi o Profeta, ﷺ, dizendo:

مَنْ أَهَانَ سُلْطَانَ اللَّهِ فِي الْأَرْضِ أَهَانَهُ اللَّهُ

Quem menosprezar a autoridade de Allah na terra, Allah o menosprezará.

Fonte: Sunan al-Tirmidhi – 2224

Desprezar um governante que, de outra forma, está fazendo um bom trabalho, enfraquecerá a confiança dos cidadãos sob sua autoridade, o que pode ter efeitos negativos sobre a sociedade e sua capacidade de adotar políticas benéficas.

Essa tradição foi incorretamente transcrita no manuscrito publicado de Riyad al-Salihin, perdendo a importante qualificação “autoridade de Allah”:

من أهان السلطان أهانه الله

Quem menosprezar a autoridade, Allah o menosprezará.

Fonte: Riyad al-Salihin (Dar Ibn Kathir, 2007) 1/216 # 672

Portanto, este texto não qualificado é um erro e não é prova de que qualquer autoridade deva estar imune a toda e qualquer crítica, pública ou não. Pelo contrário, está entre os maiores atos da jihad falar uma palavra de verdade e justiça na frente de um tirano.

Abu Said al-Khudri relatou: O Profeta, ﷺ, disse:

إِنَّ مِنْ أَعْظَمِ الْجِهَادِ كَلِمَةَ عَدْلٍ عِنْدَ سُلْطَانٍ جَائِرٍ

Na verdade, entre os maiores atos de jihad está uma palavra de justiça diante de um governante tirânico.

Fonte: Sunan al-Tirmidhi – 2174

De acordo com os princípios islâmicos, essa palavra da verdade deve ser feita primeiro em particular, mas, às vezes, uma situação pode se tornar tão grave que os oprimidos devem apresentar seu caso em público.

Allah disse:

لَّا يُحِبُّ اللَّهُ الْجَهْرَ بِالسُّوءِ مِنَ الْقَوْلِ إِلَّا مَن ظُلِمَ وَكَانَ اللَّهُ سَمِيعًا عَلِيمًا

Allah não gosta de menção pública ao mal, exceto por alguém que foi injustiçado. (Alcorão 4:148)

Essa repreensão pública não deve ser tomada de ânimo leve e deve vir como último recurso, quando todas as outras vias de reparação de erros estiverem esgotadas.

Em suma, a obediência às autoridades é uma obrigação para os muçulmanos, desde que não sejamos obrigados a cometer pecados. Se somos compelidos a cometer pecados, devemos agir com desobediência civil não violenta.

Os muçulmanos devem tentar seguir o Alcorão e a Sunnah da melhor maneira possível, sem serem tendenciosos em relação ao governo ou movimentos populistas. As críticas públicas aos governantes devem ser evitadas, exceto quando absolutamente necessário ou apropriado.

A rebelião violenta também é proibida para muçulmanos comuns e só pode ser considerada coletivamente como último recurso por estudiosos e autoridades encarregadas das questões constitucionais de seu governo (Ahl al-Hall wal-‘Aqd).

O sucesso vem de Allah, e Allah sabe melhor.

Fonte: https://abuaminaelias.com/obedience-to-unjust-muslim-rulers/

Sobre A Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.