Página Inicial » Notícias » Muçulmana se torna a primeira juíza a usar Hijab no Reino Unido

Muçulmana se torna a primeira juíza a usar Hijab no Reino Unido

Raffia Arshad trabalha na Suprema Corte de St. Mary há cerca de 17 anos. Agora, ela quer ser um exemplo para outros muçulmanos.
  • Raffia Arshad possui uma trajetória de 17 anos no direito, com foco nas leis infantis que envolvem a lei islâmica.
  • Mesmo com tanto destaque, frequentemente as pessoas não associam sua aparência a de uma profissional de ponta. 
  • O exemplo da juíza é uma inspiração para outros muçulmanos, em um país onde a maioria dos profissionais da área são homens brancos.

Uma mulher que se tornou uma das primeiras juízes que usam hijab no Reino Unido diz que quer que os jovens muçulmanos saibam que podem alcançar tudo o que pensam.

Raffia Arshad, 40, começou a sonhar com uma carreira de advocacia quando tinha apenas 11 anos – mas cresceu questionando se haveria “pessoas que se pareciam comigo” e se uma mulher da classe trabalhadora de uma minoria étnica poderia fazer isso neste mundo.

Os números mais recentes de juízes que declararam suas informações no Escritório Judiciário mostram que, dos 3.210 em tribunais na Inglaterra e no País de Gales, apenas 205 (6%) são não-brancos. Apenas 1.013 (31%) são mulheres, a partir de 1 de abril de 2019.

Momento histórico

Em entrevista à Metro.co.uk, a mãe de três filhos diz que agora quer “garantir que o som da diversidade seja ouvido alto e claro”.

Ela disse: “É definitivamente maior que eu, eu sei que isso não é sobre mim. É importante para todas as mulheres, não apenas para mulheres muçulmanas, mas é particularmente importante para mulheres muçulmanas.”

“É estranho, porque é algo para o qual trabalho há vários anos e sempre imaginei que ficaria absolutamente em êxtase quando descobrisse.”

“Fiquei feliz, mas a felicidade que tive de outras pessoas compartilhando isso é muito maior.”

“Recebi tantos e-mails de pessoas, homens e mulheres. Aqueles que são das mulheres se destacam, dizendo que usam hijab e pensaram que nem seriam capazes de se tornar advogadas, muito menos juízas.”

Trajetória

Embora Raffia seja uma potência com uma carreira de 17 anos, ela diz que ainda encontra discriminação e preconceito “às vezes diariamente”.

A juíza de Midlands, que cresceu em West Yorkshire, experimentou um dos momentos mais profundos de sua vida profissional quando foi aconselhada por um membro de sua própria família a não usar seu hijab em uma entrevista para uma bolsa de estudos na Escola de Direito Inns of Court, em 2001.

Suas chances de sucesso diminuiriam drasticamente se ela usasse, advertiu seu parente – mas Raffia se recusou a ceder à pressão.

Ela disse: “Decidi que usaria meu lenço porque para mim é muito importante a pessoa aceitar quem é, e se eu tivesse que me tornar uma pessoa diferente para seguir minha profissão, não era algo que eu queria”. 

“Foi o que fiz e consegui a entrevista. Recebi uma bolsa considerável. Acho que esse foi provavelmente um dos primeiros passos mais profundos da minha carreira. Foi um sólido ‘sim, você pode fazer isso’ “

Após o treinamento em Londres, Raffia foi chamada em 2002 e recebeu a tutela em Nottingham, juntando-se à Suprema Corte das Leis da Família de St. Mary em 2004. 

Nos últimos 15 anos, ela agiu no direito privado infantil em casos de casamento forçado, mutilação genital feminina e quaisquer casos com questões da lei islâmica, e tornou-se a autora de um texto importante no Direito de Família Islâmico.

Exemplo contra o preconceito

Mas enquanto seu sucesso fala por si, ela diz que às vezes ainda é confundida com uma cliente ou intérprete ao entrar em um tribunal.

Primeira juíza de hijab
(Foto: St. Mary FLC)

Ela disse à Metro.co.uk : ‘Recentemente, um funcionário perguntou: “Você é uma cliente?” “Não, eu não sou.” “Você deve ser a intérprete?” “Não, eu não sou.” “Você está aqui para experiência de trabalho?” “Não, na verdade, sou a advogada”.

“Não tenho nada contra o promotor que disse isso, mas reflete que, como sociedade, mesmo para alguém que trabalha nos tribunais, ainda existe essa visão preconceituosa de que os profissionais de ponta não se parecem comigo.”

Ela acrescentou: “Acho que uma das coisas que retém as mulheres é a Síndrome do Impostor. Muitas vezes estive em um tribunal e de repente penso: ‘Sou boa o suficiente?’ “.

Com a discriminação predominante em algumas partes da sociedade, Raffia acredita que os jovens muçulmanos serão inspirados a seguir seus sonhos se virem mais pessoas que se parecem com eles em todas as profissões. 

Ela disse: “O escritório judicial está fazendo o máximo para promover a diversidade e, no momento em que me designaram, não sabiam que eu seria uma das poucas juízas que usariam hijab por aí. Fui nomeada por mérito, não porque uso hijab.”

“Mas agora cabe a mim ser essa voz para eles, para garantir que o som da diversidade seja ouvido alto e claro e que chegue aos lugares apropriados.” Os Chefes Conjuntos das Câmaras de Direito da Família de St. Mary disseram estarem “encantados ao saber da nomeação de Raffia, que era ‘ricamente merecida’ “. 

Vickie Hodges e Judy Claxton disseram: “Raffia abriu caminho para as mulheres muçulmanas terem sucesso na lei e no tribunal e trabalhou incansavelmente para promover a igualdade e a diversidade na profissão.”

 “É um compromisso muito merecido e inteiramente por mérito, e todos no St. Mary’s têm orgulho dela e desejam-lhe todo o sucesso.”

Links para Leitura

Sobre a Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.