Página Inicial » Novidades » Nourin Mohamed Siddig: A arte africana de recitar o Alcorão

Nourin Mohamed Siddig: A arte africana de recitar o Alcorão

O Sheikh Nourin Mohamed Siddig se destacou por sua bela voz e pelo estilo de recitar o Alcorão que é característico de uma região da África.
  • Existem diversos tipos de recitação do Alcorão que estão ligados às culturas de determinados povos.
  • Na África, um estilo em particular chamou a atenção de pessoas por todo o mundo por causa de sua melodia diferenciada.
  • Parte desse reconhecimento se deve ao Sheikh Nourin Mohamed Siddig, que ficou marcado por sua belíssima voz.

A mídia social permitiu um renascimento em estilos africanos únicos de recitação do Alcorão, que já foram dominados pelas tradições do Oriente Médio e, como relata Ismail Kushkush, uma voz do Sudão veio exemplificar o que o continente tem a oferecer.

Quando Nourin Mohamed Siddig recitou o Alcorão, pessoas ao redor do mundo descreveram seu tom como triste, com alma e melancolia.

Seu som único fez dele um dos recitadores mais populares do mundo muçulmano.

Como consequência, sua morte aos 38 anos em um acidente de carro no Sudão, em novembro de 2021, foi lamentada do Paquistão aos Estados Unidos.

"O mundo perdeu uma das mais belas [vozes] do nosso tempo", tuitou na ocasião o Imam Omar Suleiman, do Texas.

Hind Makki, uma educadora inter-religiosa sudanês-americana, disse que a voz tinha uma qualidade difícil de descrever.

"Há uma autenticidade africana que as pessoas apontam, mesmo que não sejam capazes de articular exatamente o que é e gostem", disse ela.

A comparação feita com a música Blues não é por acaso.

De acordo com a historiadora Sylviane Diouf, os cânticos, orações e recitações de muçulmanos da África Ocidental escravizados - que podem soar semelhantes aos dos muçulmanos em toda a região do Sahel até o Sudão e a Somália - podem ter contribuído para a criação da "distinta música afro-americana do sul que evoluiu para o holler e, finalmente, o Blues".

Segundo a tradição, o Alcorão, o livro sagrado do Islam, é tipicamente recitado em forma de canto, incentivado pelo Profeta Muhammad, que disse que as pessoas deveriam "embelezar o Alcorão com suas vozes".

 

Lugares diferentes, abordagens diferentes

É especialmente apreciado quando um grande número de pessoas se reúne para ocasiões religiosas, como tarawih, as orações noturnas no mês do Ramadan.

Existem até várias competições internacionais de recitação.

Negligenciado às vezes, no entanto, é o fato que existem muitas abordagens para recitar o Alcorão.

Estes podem diferir em tom e articulação de acordo com a geografia, cultura e experiências históricas no vasto mundo muçulmano além de seu coração no Oriente Médio.

As recitações de Siddig e sua morte prematura trouxeram maior atenção a um estilo tradicional africano. Ele pegou o tom estudando em uma escola corânica tradicional em sua aldeia de al-Farajab, a oeste da capital, Cartum, em meados da década de 1990.

Mais tarde, quando se mudou para Cartum, liderou orações em várias das principais mesquitas da cidade e chamou a atenção das pessoas. Sua fama se espalhou quando vídeos dele foram enviados para o YouTube.

Enquanto os sons descritos como refletindo uma escala heptatônica de sete notas são populares no Oriente Médio, a recitação de Siddig espelhava a escala de cinco notas, ou pentatônica, que é comum nas regiões de maioria muçulmana do Sahel e do Chifre da África.

"Este é o tom do ambiente em que cresci, o deserto; soa como dobeit (gênero de música folclórica sudanesa)", disse Al-Zain Muhammad Ahmad, outro recitador popular sudanês.

"Os recitadores do Levante recitam de acordo com as melodias que conhecem, assim como os do Egito, do Hijaz, do norte da África e de outros lugares."

Essa visão é apoiada por musicólogos como Michael Frishkopf, professor de música da Universidade de Alberta, no Canadá.

Enquanto adverte sobre agrupar a África subsaariana em uma tradição sônica, ele confirma que a escala pentatônica está amplamente presente na região.

"De um modo geral, você não encontrará recitação pentatônica ou hexatônica [de seis notas] no Egito, enquanto você a encontra no Níger e no Sudão, em Gana e na Gâmbia."

Imam Omar Jabbie, de Olympia, estado de Washington, é graduado pela prestigiosa Universidade Islâmica de Medina, Arábia Saudita. Ele nasceu em Serra Leoa e aprendeu a recitar o Alcorão com professores no Senegal e na Gâmbia.

"Foi onde aprendi muitos tons do Alcorão", explicou.

Nas últimas décadas, os estilos de recitar o Alcorão do Oriente Médio começaram a dominar em muitas regiões da África e do mundo, especialmente nas áreas urbanas. Os ouvintes do Alcorão tinham acesso a gravações por meio de discos de vinil, transmissões de rádio de ondas curtas, fitas cassete de áudio e CDs, produzidos e distribuídos ou vendidos por organizações em grande parte do Egito e da Arábia Saudita.

Estudantes que retornavam da Universidade Al-Azhar do Egito e da Universidade Islâmica em Medina, e o impacto de instituições de caridade financiadas pelo Golfo, também ajudaram a espalhar e popularizar esses estilos do Oriente Médio entre muitos recitadores globalmente, incluindo aqueles da África Subsaariana, com alguns até se destacando nesta abordagem.

Alguns o viam e o propagavam como mais autêntico, o que às vezes era às custas das tradições locais.

Mas a internet e as mídias sociais, em particular, trouxeram uma atenção renovada, especialmente de uma geração mais jovem, para as vozes tradicionais.

"As forças democratizantes das mídias sociais e da tecnologia moderna têm efeitos atenuantes sobre essas forças históricas", explicou o professor Mbaye Lo, que pesquisa a sociologia do Islam.

Elebead Elshaifa, do Naqa Studio, uma empresa de produção de mídia com sede em Cartum, fundada em 2016.

"A mídia social não precisa dos mesmos requisitos de uma estação de televisão por satélite", disse ele, apontando para custos mais baixos e menos restrições legais.

Apelo global

Ahmad Abdelgader, um cinegrafista amador, grava as recitações do Imam Jabbi para seu canal no YouTube desde 2017.

"A gravação de vídeo mais popular é a súplica [du'a] de estilo africano com mais de dois milhões de visualizações ", disse ele. "A maioria das pessoas que assistiam era da França, onde vivem muitos muçulmanos da África Ocidental, seguida pelos Estados Unidos".

Essas gravações online também chamaram a atenção para diferentes escolas de verbalização do Alcorão, qira'at.

Acredita-se que o Alcorão, para os muçulmanos, tenha sido transmitido de acordo com sete escolas de verbalização que variam ligeiramente na forma como algumas palavras são lidas.

A mais conhecida dessas escolas hoje é a Hafs, mandatada pelos turcos otomanos nas terras que conquistaram e depois amplamente ensinada em instituições de ensino e distribuída por meio de cópias impressas do Alcorão feitas no Cairo e em Meca.

Mas em algumas partes do mundo muçulmano, especialmente nas áreas rurais do continente africano, outras escolas de verbalização continuaram a ser usadas, como al-Duri no Sudão, que Siddig frequentemente seguia em suas recitações.

Seu estilo de recitação foi um lembrete das tradições universais e diversas entre os muçulmanos e para muitos seguidores e observadores há uma lição clara aqui.

Embora o conteúdo e a letra do Alcorão sejam amplamente aceitos, diferentes estilos de recitação fornecem uma mensagem universal expressa através de uma "bela combinação de som local e semântica global", explica o Prof Frishkopf.

"Este é o ponto chave."

Via: BBC

Links Para Leitura

Sobre a Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por especialistas na Religião Islâmica, profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês). Acesse nosso Quem Somos.