Página Inicial » Novidades » Na visão do Islam, Ghandi vai para o Inferno?

Na visão do Islam, Ghandi vai para o Inferno?

Ghandi era uma pessoa boa, mas não era muçulmano. Ele irá para o inferno? Saiba como o Islam enxerga o destino dessas pessoas após a morte.
  • Somente Allah pode dizer quem será salvo ou quem irá para o inferno, portanto, é impossível dizer que será punido pela eternidade ou não.
  • No entanto, existem duas formas de direito, sendo que uma é a temporal e a outra a eterna, sendo que a primeira é neste mundo e a segunda no vindouro.
  • Aquele que faz o bem pratica o bem temporal, já os que acreditam em Allah e nos profetas estão praticando o bem eterno.
  • Cada um receberá sua recompensa de acordo com a bondade praticada, mas as ações são para este mundo enquanto a fé é para Allah.

 

Recentemente, uma pessoa me enviou um e-mail com uma pergunta importante. Eles escreveram:

'Por favor, ajude-me a responder a esta pergunta: Allah é egoísta quando diz que pode perdoar todos os pecados, exceto kufur (descrença)? Portanto, um grande homem como Mahatma Gandhi não entrará em Jannah (essa é a palavra muçulmana para paraíso), mas um muçulmano nascido que cometeu todos os tipos de pecados, como assassinato, tem mais chances de obter perdão e, finalmente, entrar em Jannah.'

Mahatma Gandhi, um hindu, era um advogado indiano que empregou a resistência não violenta para liderar a campanha pela independência da Índia do domínio britânico e, por sua vez, inspirou movimentos pelos direitos civis e pela liberdade em todo o mundo.

Uma pergunta tão importante exigia que um estudioso qualificado a respondesse, então pedi ao meu amigo, Dr. Haroon Sidat, que respondesse, o que ele gentilmente respondeu. O Dr. Harron é Pesquisador Associado no Centro para o Estudo do Islam no Reino Unido, na Universidade de Cardiff.

Sua resposta é uma peça fascinante da teologia islâmica, e compartilho aqui com sua permissão. Ele escreve:

Salam.

Em primeiro lugar, quero agradecer por fazer esta pergunta. 

Para começar, vale dizer que não conhecemos o julgamento de Deus; não julgaremos da maneira que Ele julgará na vida futura. 

Quanto a ser um descrente, ou kafir, isso é baseado em uma regra neste mundo (hukm fi-dunya). Portanto, somos “agnósticos” sobre o futuro status de Ghandi – quem pode saber nessa vida?

Também vale a pena refletir que, quando pensamos em Deus, estamos sempre pensando n'Ele em termos humanos. Isso porque é com isso que estamos acostumados. Assim, por exemplo, quando dizemos que Deus é misericordioso, imediatamente pensamos em exemplos de quando as pessoas foram misericordiosas. Mas a misericórdia de Deus, como podemos saber, não se compara a nada que possamos imaginar; nada é como Ele (caso contrário, ele não seria mais Deus). Simplesmente temos uma ideia de como pode ser e não como realmente é. Sua misericórdia é completa e absoluta e só teremos uma noção disso quando O encontrarmos. Caso contrário, se pensarmos em Deus como pensamos nos humanos e esperarmos que Ele se comporte como nós, então ele não é realmente Deus.

Espero que isso esteja claro. 

Agora, existem duas formas de direitos,

O primeiro tipo é ser eticamente bom na terra, o que significa que as pessoas cumpriram os direitos humanos. Esses direitos estão situados na terra e têm um status temporal. Isso ocorre porque a vida terrena e as pessoas nela são temporais e não eternas. A bondade para com os outros faz parte do teste de ser um bom crente, mas é apenas uma parte do teste. As pessoas que falham nesta parte do teste e são responsáveis por essa falha são punidas temporariamente no inferno. Isso inclui os muçulmanos.

Quanto ao segundo tipo. Adoração e credo estão ligados aos direitos de Deus. Embora Ele não precise que eles sejam cumpridos, Ele os reivindica como uma parte importante do teste. Aqueles que passam por isso, ou que são dispensados da responsabilidade por isso, são recompensados. Aqueles que falham nesta parte do teste são punidos. Os direitos de Deus têm um status eterno, pois Deus é eterno. Portanto, a maioria das consequências reflete a eternidade do próprio Deus. 

Assim, um muçulmano antiético, falhando com os direitos humanos ou cometendo certos pecados graves que foram proibidos por Deus (maldade temporal), pode ser punido temporariamente no inferno, mas como o muçulmano passou no teste iman (bondade eterna), ele irá eventualmente ser recompensado eternamente. 

Um não-muçulmano ético, que também é responsável por seu kufr (mal eterno), será punido com o inferno por esse kufr e, assim, cancela seu cumprimento dos direitos humanos (bondade temporal).

Pode-se então perguntar, por que devemos ser testados? A resposta curta é porque Ele é Deus e pode fazer o que quiser – que é o que significa ser Deus, afinal. No entanto, se pensarmos um pouco sobre isso, podemos raciocinar que negar a fonte de toda a existência, Ele, que deseja que cada um de seus momentos de existência exista e provê ela para você, é negar a verdade de sua própria existência e negar a gratidão merecida. Isso é pura ingratidão, o que se chama kufr.

Se me permite, também gostaria de acrescentar uma visão pessoal e menos acadêmica a isso.

Uma vez que você acredita que Allah existe e somente Ele é Aquele a quem adoramos, então nossas vidas são invariavelmente governadas por Suas regras e regulamentos. Nós O adoramos porque submetemos a nós mesmos e nosso intelecto a Ele em sajdah e removemos nossa vontade em favor de Sua vontade. Uma vez que cremos Nele, renunciamos voluntariamente nossas ideias e opiniões à Sua vontade. Esta é uma submissão ativa e voluntária a Ele. Não é uma aquiescência passiva, nem uma resignação. É com nossa vontade e nosso profundo amor por Ele que fazemos isso. Não há compulsão em (aceitar) qualquer religião. Uma vez aceitos de bom grado, obedecemos. Assim como aceitamos de bom grado a cidadania ou residência em qualquer país. Não há compulsão para fazê-lo, pois podemos ir morar em outro lugar. Mas uma vez que o fizermos, devemos cumprir as leis da terra - mesmo que discordemos delas. Podemos discordar da lei; não podemos desobedecê-la. Qualquer um que tente subverter a lei de qualquer país tentar será preso e pode até ser julgado por traição. Esse é o status da lei e da ordem humanas e das sociedades humanas. Sem esta verificação, haverá anarquia total e caos incontrolável.

No Reino de Allah, também existem regras e regulamentos. Os seres humanos devem reconhecer a existência de um ser Divino e aceitar Sua soberania. Allah não precisa de seres humanos para adorá-lo. Ele está acima e além de qualquer necessidade. Ele é Al-Samad e totalmente independente como o Alcorão O descreve. Os seres humanos não são independentes e precisam adorar a Allah. O conhecimento de Allah é Eterno, e Suas regras são baseadas na Sabedoria que Ele tem baseado em Seu conhecimento eterno. Os seres humanos não têm acesso ao Seu conhecimento Eterno nem à Sua sabedoria Divina - exceto através do wahi, ou revelação. Allah tem a prerrogativa de testar Seus servos. Os servos não podem testar Allah, pois não podem alcançar Ele ou Seu conhecimento.

Nossos testes são baseados em nosso conhecimento - não em Seu conhecimento. O Examinador Divino conhece as respostas para todas as perguntas e testes. O examinando humano é testado para encontrar e aplicar a resposta certa. Quando fazemos nossos testes (sejam mundanos ou religiosos), respondemos com base em nossa vontade e conhecimento. Aqueles que se recusam a aceitar que Ele tem o direito de testar e examinar estão voluntariamente usando sua vontade para rejeitar a soberania de Allah. Isso é semelhante à traição nas sociedades humanas mundanas. Se os seres humanos têm a prerrogativa de declarar outros seres humanos como desleais neste mundo mundano e temporário muito limitado, por que Allah não deveria ter pelo menos a mesma prerrogativa, se não mais?

Os seres humanos são finitos, assim como seu conhecimento e todas as suas habilidades. Eles são criados e, portanto, severamente restritos no que sabem e no que podem fazer. Allah, o Eterno e Onipotente, tudo sabe e tudo pode. É prudente que os seres humanos acessem o conhecimento e o poder divinos para melhorar a si mesmos e aos outros neste mundo. Se os seres humanos estão empenhados em melhorar a vida para si e para os outros, devem pelo menos concordar com sua ignorância e impotência. Eles devem perceber que nem tudo está sob seu controle e que seus ideais e objetivos são truncados na morte (truncado significa abreviar). Se existe vida após a morte, quem pode nos dizer o que vai acontecer lá? 

Quem vai nos mostrar e nos orientar sobre o que precisamos fazer quando chegarmos lá? Somente aqueles que recebem a tarefa de conduzir os seres humanos à bem-aventurança eterna sabem o que precisamos fazer. Só eles podem nos orientar nesses assuntos. Estes são os Profetas de Allah. Se os seguirmos e aceitarmos seu conhecimento da Outra Vida, alcançaremos a felicidade eterna. Se decidirmos não fazê-lo, descartaremos voluntariamente nossa chance de uma boa vida após a morte. Allah não comete nenhuma injustiça. Os seres humanos cometem injustiça contra si mesmos por não verificarem a existência do Divino sob cuja Suprema Generosidade eles existem. 

A resposta que você busca para sua pergunta não está em entender a vida baseada apenas neste mundo. Em vez disso, reside na compreensão deste mundo à luz e no contexto do próximo. Este mundo é finito. O outro está além do alcance de qualquer ser humano, exceto aquele que Allah escolher para guiar. Isso é através da orientação de seres humanos superiores, os Profetas de Allah. 

Espero que isso ajude muito. E só Deus sabe o melhor. 

Dr Haroon Sidat

Associado de Pesquisa

Centro para o Estudo do Islam no Reino Unido

Universidade de Cardiff

Via: Blogging Theology

Links Para Leitura

Sobre a Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por especialistas na Religião Islâmica, profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês). Acesse nosso Quem Somos.