Página Inicial » Notícias » Conheça o primeiro juiz federal muçulmano no maior país católico do mundo

Conheça o primeiro juiz federal muçulmano no maior país católico do mundo

Dono de trajetória de sucesso, Ali Mazloum também é autor de obras sobre o direito e judiciário, e aguarda para ocupar cargo de magistrado do STF.
  • Ali Mazloum é descendente de libaneses, e protagonista de uma trajetória de sucesso no campo do direito.
  • Ele aguarda para assumir o cargo de magistrado do Supremo Tribunal Federal em 2022.
  • Ali também é autor de obras literárias sobre o direito, o judiciário e até mesmo sobre o Islam.
  • Este fato mostra a importância da comunidade libanesa no Brasil, que exerce grande influência cultural no país.

Ali Mazloum é um dos milhões de migrantes cuja história ilustra a determinação e o sucesso de tantos refugiados libaneses. Quando seu pai Mohammed chegou ao Brasil em 1950, ele nunca poderia saber que seu filho um dia se tornaria juiz federal. No que é o maior país católico romano do mundo, Ali Mazloum é o primeiro muçulmano de ascendência libanesa a ocupar tal posição.

Os pais de Ali Mazloum foram para o Brasil em busca de trabalho, como a maioria dos imigrantes libaneses da época. Seu pai trabalhava como vendedor ambulante e depois dirigia uma loja de móveis. O filho deles, Ali, nasceu em 1960 e é um dos oito irmãos.

Na universidade, Mazloum estudou arquitetura, mas não estava interessado em trabalhar nesta área. Isso o levou a voltar e se matricular na Faculdade de Direito, na qual se formou em 1987. “Fiz faculdade de arquitetura, mas me apaixonei pelo direito”, disse-me ele.

Depois de se formar, ele foi nomeado chefe de polícia antes de servir como promotor. Em 1992, assumiu o cargo de juiz federal, o primeiro muçulmano a fazê-lo no Brasil. “Ainda sou o único juiz federal muçulmano no país e, se Deus quiser, em breve poderei assumir o cargo de magistrado do Supremo Tribunal Federal.” Essa continua sendo sua ambição. “Estou ansioso pela promoção, o que espero que aconteça no início do próximo ano.” Após a aposentadoria, ele acrescentou, ele gostaria de trabalhar no escritório de advocacia de seus filhos Amir e Walid. “Eles estão fazendo um trabalho maravilhoso como advogados.”

A influência de Mazloum não se esgota no papel cotidiano de juiz. Ele escreveu livros sobre direito e judiciário, assim como sobre o Islam. É revigorante que ele não tenha mudado sua identidade islâmica, e sua escrita é sua forma de deixar seus conterrâneos mais sobre a fé.

“Eu escrevi cinco livros jurídicos e um livro sobre o Islam, falando sobre a conduta do muçulmano, o modo de vida islâmico e como agir diante das dificuldades”. Mazloum escreveu seu primeiro livro em 1997, e teve tanto efeito que hoje é um livro recomendado nas universidades brasileiras.

Há uma longa história de contato entre Brasil e Líbano. Os primeiros imigrantes libaneses chegaram ao país no final dos anos 1800 , e hoje é o lar da maior comunidade da diáspora libanesa do mundo, com até 8 milhões de brasileiros de descendência libanesa, incluindo o ex-presidente Michel Temer. Na verdade, há mais pessoas de ascendência libanesa no Brasil do que cidadãos no próprio Líbano. Ao longo de várias gerações, eles se espalharam pelos ofícios mais básicos até alguns dos melhores cargos em várias profissões, e quase tudo entre os dois.

A comunidade possui patrimônio gastronômico próprio, métodos de negociação e pegadas culturais, e sua presença foi fundamental para o desenvolvimento do comércio no Brasil. Mais do que qualquer outro país fora de sua pátria, o Brasil foi influenciado pelos libaneses de várias maneiras. Dez por cento dos parlamentares têm raízes libanesas, por exemplo, apesar de representarem menos de cinco por cento da população total.

Tradicionalmente, o Brasil tem sido uma das sociedades menos racistas do mundo, mas isso mudou com a ascensão da extrema-direita no governo e os exemplos de racismo aumentaram. “A sociedade em geral aceita essa situação, mas há resistência das elites políticas”, ressaltou Mazloum. “Além disso, aqui no Brasil, tem havido um crescimento exponencial de igrejas evangélicas, cujos líderes pregam abertamente contra o Islam. Posso sentir esse preconceito dentro da minha instituição e contra mim”.

É uma pena, mas é um indicativo dos acontecimentos ao redor do mundo e da influência que eles têm no Brasil. É uma prova de seu próprio talento, no entanto, assim como da verdadeira cultura do Brasil, que o juiz federal Ali Mazloum não apenas ocupa um cargo tão importante agora, mas deve crescer ainda mais.

Fonte 

Traduzido de Middle East Monitor

Links para Leitura

Sobre a Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por especialistas na Religião Islâmica, profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês). Acesse nosso Quem Somos.