Página Inicial » Notícias » Na Tunisia, Sufis resistem ao avanço do Salafismo
Livro Sol Nascente Mawlana Sheikh Nazim
Devotos entoam precer como parte do zikr, ou recitação sufí, no santuário de Sidi Ibrahim Riahi em Tunes, Tunísia, 9 de Fevereiro de 2018.

Na Tunisia, Sufis resistem ao avanço do Salafismo

Muçulmanos puritanos da corrente salafista atacaram santuários e comunidades de muçulmanos sufis por todo mundo árabe, em uma campanha para espalhar sua influencia. Mas na Tunísia, onde a história e identidade nacional são intimamente interligadas ao sufismo, os salafis foram frustrados.

-Quinta-Feira, 8 de Março de 2018

 “La ilaha ill-Allah, La ilaha ill-Allah,” homens, velhos e jovens, cantam enquanto enquanto movem-se ritmicamente, passando entre os dedos as contas de madeira de seus rosários. “La ilaha ill-Allah” – “Não divindade além de Allah”–  eles repetem, silaba após silaba, uma após a outra sem respiração, uma prece que nunca tem fim.

Minutos tornam-se horas. Tais recitações, um pilar do sufismo, são reservadas por algumas comunidades para feriados especiais, mas fazem parte da rotina semanal, e às vezes diária, na Tunísia.

No entanto, na Tunísia, a milenar tradição sufi tem sido pressionada por uma campanha de ameaças, calúnias e vandalismo de grupos salafistas militantes que procuram conquistar mesquitas e comunidades desde a revolução no país em 2011.

O salafismo, uma vertente puritana e extremista do Islã, originária na Arábia Saudita, rejeita os sufis por sua reverência a homens santos e pela sua busca pela iluminação espiritual ainda em vida. Eles os vêem como um obstáculo para divulgar sua interpretação do Islã em partes do Norte de África, Ásia e Europa
Em uma campanha de influência após as revoluções da Primavera Árabe, grupos salafistas com base no Golfo, como o chamado Estado islâmico (ISIS), demoliram santuários sufis, sequestraram e assassinaram clérigos da corrente e mataram fiéis no Egito, Síria e Líbia.
Em partes do mundo árabe, as vozes da militância salafi tornaram-se tão proeminentes, que muitos sufis adotaram posturas anonimas em suas reuniões para prevenir ataques.

Mas na Tunísia, dizem os locais, os salafis falharam. Eles calcularam mal, subestimando amplamente a conexão histórica e geracional dos tunisianos com o sufismo. Em todo o país, bairros e cidades são nomeados após o santos sufis, e a maioria das famílias tunisinas pode traçar sua linhagem com descendência em grandes piedosos desta tradição.

“Nós amamos Deus e amamos nossa herança”, diz Mohammed, que está desempregado, depois de completar uma recitação sufi no santuário de Sidi Ibrahim Riahi em Túnis. “Para alguns de nós, isso é tudo o que temos. Nenhum extremista pode tirar isso de nós “.

Campo de Batalha Espiritual

É natural que a Tunísia, a única história de sucesso da Primavera Árabe, se tornasse um campo de batalha entre o salafismo respaldado pelo Golfo e o sufismo local. Depois de derrubar o ditador de longa data Zine el-Abidine Ben Ali, a Tunísia estabeleceu uma constituição democrática moderna que garante os direitos humanos e um nível de liberdades e transparências pessoais muito superior a outros estados da região.

Recomendado para você:  Os ensinamentos do Imam Junayd al-Baghdadi - por Sh. G. F. Haddad

Aproveitando o estado enfraquecido logo após a revolução, entre 2011 e 2013, extremistas salafis assumiram o controle da maioria das mesquitas na Tunísia. Grupos salafistas e seus adeptos queimaram ou derrubaram 40 santuários sufis e túmulos. Eles fizeram incursões em comunidades marginalizadas, oferecendo dinheiro para abrir pequenos estabelecimentos, cobrir alugueis ou bancar casamentos, a fim de comprar adeptos.

Em muitos estados árabes, salafis conseguiram disseminar sua influência, incitando a destruição de centenas de santuários sufis com pouca clamoração pública.

Na Líbia, salafis do movimento madhkhali fizeram uso de esquadrões armados e alianças com chefes de miliciais locais. No Egito, salafis são representados no parlamento por um partido político e suas opiniões são transmitidas quase 24 horas por dia em redes de satélites e rádio. Na Síria, sufis foram pressionados por grupos salafistas e jihadistas, como a Al Qaeda e seus vários afiliados, e também pelo ISIS.

Mas hoje os tunisianos de todas as origens entre as idades de 10 e 90 se apresentam em santuários sufis, ou zawiyas, fazendo súplicas tão rotineiramente quanto se toma café da manhã ou se sobe num ônibus.

Fora da população de 11,5 milhões de habitantes da Tunísia, existem mais de 300 mil membros dedicados a várias ordens sufis, dizem especialistas, que estimam que a grande maioria dos tunisianos se identifica com uma ordem ou um santo sufí sem se rotular como sufi.

“Antes que houvesse um estado tunisino, havia o sufismo”, diz Mohammed Jayyoudi, engenheiro aeronáutico aposentado, enquanto deixa uma reunião de súplicas matinais no santuário de Sidi Mahrez. “Desistiremos da nossa nacionalidade tunisina antes de abandonarmos nossas tradições e práticas religiosas”.

Sufis na história Tunisina

O sufismo floresceu na Tunísia a partir do século XI, um milênio antes do estado moderno, com a fundação de zawiyas por parte de religiosos sufis, com o objetivo de hospedar adeptos, realizar reuniões de invocações corânicas e orações.

Estas zawiyas, que também ensinavam a memorização do Alcorão e jurisprudência islâmica, se tornaram epicentros da educação no norte da África e ajudaram o Islã a se espalhar por todo o continente.

Missionários sufis também estabeleceram escolas, hospitais e mercados – construindo e fortalecendo cidades em toda a Tunísia, inclusive usando minaretes e santuários estrategicamente colocados como vigia para invasores. As figuras sufis também se tornaram líderes importantes de movimentos populares e armados de resistência contra a ocupação colonial francesa, italiana e britânica nos séculos XIX e início do século XX em todo o norte da África.

Recomendado para você:  A Diferença entre Sufismo Islâmico e Pseudo-Sufismo

Na Tunísia, os santuários sufis são marcos geográficos e parte do folclore local. Locais na capital são direcionados aos arredores do santuário de Sidi Mahrez – conhecido localmente como sultão da medina, a cidade velha de Túnis. E Sidi Bou Said Al Baji, cujo túmulo num penhasco à beira-mar tem vista para uma cidade do mesmo nome, acredita-se que proteja as costas da Tunísia dos invasores até hoje.

E há um vínculo mais forte do que a história vinculando tunisianos e sufismo: o sangue.

Muitos tunisianos fazem visitas anuais e às vezes semanais aos santuários dos seus antepassados. Mesmo os tunisianos seculares são orgulhosos de sua linhagem sufi.

“Estamos relacionados a ordem shadhily, outros a Ben Arous e assim por diante”, diz Oussama Marassi, um marxista autoproclamado, que nomeia santos sufis proeminentes. “Se você reza ou não, você defenderá seus antepassados”.

“Os Salafis subestimaram o quão central o sufismo e os santos sufis são para a identidade e a história pessoal dos tunisianos”, afirmou o sheykh Mohammed Riahi, clérigo sufi e descendente do santo sufi Ibrahim Riahi, depois de completar as orações no santuário de seu antepassado.

“Estes são os nossos antepassados. Quando esses ataques atrozes aconteceram, os tunisianos estavam com as ordens sufis e contra o extremismo. Os tunisianos sempre defenderão os seus próprios “.

O Papel das Mulheres

Outra cunha entre tunisianos e o salafismo é a teologia dominada pelos homens, estranha às atitudes progressivas dos tunisianos em relação ao papel das mulheres no local de trabalho e no culto. Mulheres dirigem muitos santuários sufís em toda a Tunísia, preparam e servem comida para fiéis e necessitados.

As mulheres participam de recitações conjuntas de zikr em santuários e em casas; muitas vezes sentado em uma sala adjacente, juntando-se aos homens no final das recitações para comer e beber chá. As mulheres até realizam seus próprios rituais, como recitações semanais e cânticos islâmicos em santuários como a zawiyah Sidi Abul Hassan Shadhili no sul de Túnis.

Essa abordagem mais inclusiva do sufismo na Tunísia, combinada com o caminho secular e modernista do país desde a década de 1950, deixa muitos tunisianos perplexos com as severas restrições salafis às mulheres.

“Os salafis nos dizem para ficarmos em casa, limpar, cozinhar e rezar lá”, diz Noor, uma estudante universitária tunisiana que estava na zawiya Sidi Riahi. “Todas as pessoas – homens e mulheres – têm o direito de verificar a verdade, lembrar de Deus e expressar seu amor a Deus. Esse é o verdadeiro sufismo “.

Enquanto os movimentos islâmicos se tornaram hiper politizados em grande parte do mundo árabe, os sufis da Tunísia estão em grande parte ausentes da esfera política, protegendo-se dos ataques políticos.

Recomendado para você:  O sufismo e Ibn Taymiyyah - Futooh al-Ghayb

“Para os tunisianos, não pensamos em nossa maneira de adorar e lembrar de Deus como sufismo ou misticismo, é apenas o Islã”, diz Sheikh Mazen Cherif, presidente da União Mundial Islâmica Sufi e pensador sufi tunisino. “O sufismo aqui se une, não se divide”.

Alcance Comunitário

Os movimentos salafistas disseminaram amplamente uma interpretação extremista do Islã em todo o mundo árabe através de obras filantrópicas que visam atrair seguidores; Fundos do Golfo são doados a organizações beneficentes salafistas que alimente os pobres, reformam casas, pagam bolsas universitárias e fornecem fundos para abrir pequenos empreendimentos no Levante e no norte da África.

Na Tunísia, os sufis precederam os salafistas em cerca de 900 anos. Ajudar os pobres tem sido um pilar do sufismo por quase um milênio; muitos zawiyas operavam como casas intermediárias para os necessitados e desabrigados, e bancas  eram doadas para comerciantes locais.

Até hoje, zawiyas sufis oferecem refeições aos necessitados e fiéis. Em vários santuários visitados por esse repórter, os tunisianos sem-teto e os migrantes africanos participaram de refeições comuns após o zikr.

“Ao dar e repartir o pão, somos lembrados do nosso dever islâmico de ajudar nossos companheiros e mulheres”, diz Faten Mohammed enquanto traz uma panela de macarrão no santuário de Sidi Mahrez. “Não precisamos de salafis para isso”.

Na verdade, apesar de serem extremamente fervorosos em suas crenças, os salafis sabem que seu caminho na Tunísia hoje não pode ser forçado.

Saber Trabelsi, um residente desempregado de um subúrbio marginalizado de Tunes, veio sob a influência de salafistas  que vieram para a mesquita do seu bairro com ofertas de redenção e ajduda em 2012. Ele e muitos jovens como ele rejeitam o misticismo sufí e ridicularizam a veneração dos santos como “politeísmo” e “heresia”.

“As práticas sufis estão fora do Islã e da doutrina sunita. É paganismo “, diz Trabelsi.

Mas ao invés de confrontar os adeptos sufis com ameaças, insultos, violência ou denunciá-los como kafirs, ou infiéis, como muitos dos salafis fazem na Líbia e no Egito, Trabelsi, em vez disso, tenta polidamente contrabalançar seus argumentos com as escrituras.

Trabelsi diz que aprendeu a viver com, ao invés de atacar o sufismo – e por bons motivos.

“Meus cinco irmãos e irmãs são todos os sufis”, diz Trabelsi. “Tudo o que posso fazer é rezar para que eles mudem seu caminho”.

Fonte: https://www.csmonitor.com/World/Middle-East/2018/0307/How-Tunisia-s-resilient-Sufis-have-withstood-hard-line-Islamist-attack

 

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.