Página Inicial » Opinião » Reflexão » Como o pensamento Feminista tem afetado negativamente a vida das Muçulmanas – Umm Khalid

Como o pensamento Feminista tem afetado negativamente a vida das Muçulmanas – Umm Khalid

Muitas jovens muçulmanas vivendo no mundo moderno se sentem perdidas quando se trata da questão ”casamento versus carreira”. Elas vagam sem nenhuma orientação real, seguindo os passos de suas colegas não-muçulmanas e caindo de cara nos mesmos resultados desastrosos.

Algumas de nós reproduzimos slogans feministas e, anos depois, nos perguntamos por que estamos tão sozinhas e infelizes. Nesse ponto, algumas até culpam os homens muçulmanos por não “agirem” e casarem-se com irmãs com uma vida profissional, e acusam esses homens de serem covardes que são “intimidados” e “não conseguem lidar” com “mulheres muçulmanas fortes, empoderadas e independentes!”

Este triste estado precisa ser tratado, especialmente porque algumas vozes femininas muçulmanas nas mídias sociais espalham confusão e más idéias sem muita retração substancial.

Note que este ensaio não pretende demonizar as mulheres que têm carreiras halal. Minha própria mãe foi médica praticante por muitos anos e eu me formei na Universidade de Harvard e planejei ingressar na força de trabalho e “mudar o mundo” naqueles dias ingênuos da faculdade. Eu não estou culpando minhas irmãs que trabalham (algumas das quais realmente não têm escolha devido à sua situação financeira), mas sim um sistema abrangente que coloca as mulheres nessa difícil posição, de definir seu próprio valor de acordo com suas carreiras ou falta delas.

Eu mesma tive dificuldade com esta questão: ser esposa e mãe é tudo que eu sou capaz de fazer? Levei anos para perceber que a questão em si é tóxica, porque, o que poderia ser melhor do que ser esposa e mãe? O que poderia ser mais desafiador? O que poderia ser mais gratificante? O que poderia ser mais impactante do que dar origem a uma família forte e amorosa, que serviria como alicerce de uma comunidade e nação muçulmana saudável?

É o feminismo que nos diz que as mulheres precisam “ser mais”. Que as mulheres precisam “realizar seu potencial”, sugerindo que elas ganham alguma coisa gastando suas preciosas horas, dias, semanas e anos buscando dinheiro, títulos e liderança, do que gastando com um marido e filhos. Na verdade, as mulheres ganham muito pouco e perdem muito. É todo o sistema modernista que criou essa situação e essa mentalidade. Somos vítimas disso, mas cabe a nós chamá-lo por aquilo que é e não perpetuá-lo para as gerações futuras.

Infelizmente, alguns muçulmanos estão fazendo exatamente isso: perpetuar essa mentalidade tóxica.

“Por que ninguém quer se casar comigo?!”

Na semana passada, uma advogada e ativista muçulmana, Zahra Billoo, escreveu uma postagem no Facebook lamentando o momento difícil em que tentou encontrar um marido devido a sua exigente carreira.

Estranhamente, ela colocou a culpa por isso diretamente nos ombros dos homens muçulmanos e secundariamente nos ombros de toda a comunidade muçulmana! É instrutivo olhar para o seu lugar mais de perto, pois é revelador de uma atitude em relação ao casamento e a papéis de gênero se espalhando por toda a comunidade muçulmana como uma praga.

Ela conta uma história sobre como, enquanto comia em um restaurante, um pai muçulmano a reconheceu e a disse que queria que sua filha crescesse para ser como ela. Zahra disse que esse é um sentimento comum que ela ouve, até mesmo dos pretendentes de casamento que a rejeitaram. Segundo ela, um pretendente em particular disse:

“Eu quero que minha filha cresça e seja como você, mas não acho que tenho o que é preciso para apoiar o seu trabalho como cônjuge, e não quero que você mude por mim.”

Zahra em seu post achou isso extremamente hipócrita. E francamente, eu concordo com ela, mas não pelo mesmo motivo.

É muito ignorante para um pai querer que sua filha siga um caminho de carreira que dificultará o casamento, a formação de uma família estável, e a vida de acordo com a Sunnah. Por que um pai amoroso e competente quer que sua filha acabe na posição dessas mulheres ativistas?

Mas Zahra e outros que sofrem com a mentalidade feminista, acham que é culpa dos homens não quererem se casar com uma mulher de carreira dedicada e sobrecarregada. Mas por quê? Por que os homens não podem priorizar o que querem de uma esposa? Por que é surpreendente que a maioria dos homens não queiram compartilhar suas esposas com uma carreira exigente? Por que é surpreendente que a maioria dos muçulmanos queiram esposas que priorizem papéis de gênero islâmicos como a maternidade?

Recomendado para você:  6 Atitudes Erradas de um Novo Convertido ao Islam

Os homens não podem escolher o que eles valorizam em uma esposa? As mulheres de hoje certamente reservam o direito de serem exigentes com quem se casam. Ninguém critica as mulheres por isso. Ninguém constrange mulheres por não quererem casar-se com certos tipos de homens (homens que ganham menos, têm empregos menos glamourosos, etc.). Ninguém diz às mulheres muçulmanas “cresçam!”. Ou se casem com homens “economicamente desfavorecidos”, por exemplo. Ninguém escreve posts dramáticos no Facebook sobre criar suas filhas para se casar com homens falidos e sem dinheiro.

A confusão é que, só porque o feminismo moderno valoriza a mulher ”empoderada” sacrificando sua vida por suas ambições de carreira, isso não significa que o resto de nós tenha que valorizá-la. Na verdade, não devemos valorizar isso. E, como Zahra descobriu, os muçulmanos também não valorizam. E por que eles deveriam?

As feministas modernas (não-muçulmanas e cada vez mais muçulmanas) pressionam agressivamente as mulheres a buscar uma vida dedicada à carreira às custas de tudo o mais. “Seja capacitada!”, elas dizem. “Seja independente!”, ”Vá para a Marcha das Mulheres e torne-se ativista para mudar o mundo!”, ”Mate o patriarcado!”, ”Os homens são maus e vão escravizar vocês, então não obedeça a nenhum marido – arrume um emprego onde você possa obedecer ao seu chefe!”, ”Torne-se uma escrava assalariada”, ”Isso é liberdade”, ”Você será feliz”, ”Qualquer coisa que um homem possa fazer, VOCÊ pode fazer!”, “Por que um homem consegue um emprego e uma carreira de sucesso, mas não você?”

Isso é o que o feminismo valoriza, mas não é o que o Islam valoriza. Na verdade, o oposto.

Então, o que há de errado em querer uma esposa dedicada ao marido, aos filhos e à vida doméstica mais do que sua carreira?

O valor de uma refeição caseira

Zahra continua:

“As pessoas estão dispostas a apoiar ativistas à distância, apoiá-las em conceito, mas não ficam tão ansiosas em apoiá-las em suas casas, às custas de seu conforto ou de uma refeição caseira quentinha.”

Claro que ninguém quer apoiar isso!

Não é razoável para um marido esperar algum conforto e uma refeição quente caseira no final de um longo dia de trabalho? É ruim, sexista ou opressivo para ele ter tanta esperança de um casamento?

Até as próprias mulheres têm que se perguntar: vale a pena? Todos os dias online ouvimos de alguma carreirista executiva de alta potência, com seus 30, 40 e 50 anos, que nunca se casou, nunca teve filhos, expressando remorso por suas escolhas feministas. “Por que sacrifiquei os melhores anos da minha vida por um emprego?”, “Por que desperdicei o tempo que poderia ter tido uma família amorosa?”, “Agora eu fisicamente não posso ter filhos e homens que querem filhos, que querem uma grande família feliz, não me querem. E quem pode culpá-los?”

É este o futuro triste que alguém deseja para a sua filha?

É escandaloso que uma das coisas que traz mais felicidade e satisfação para as mulheres nesta vida – ou seja, ter filhos, alimentá-los, amá-los – é descrita como secundária, na melhor das hipóteses. As mulheres são informadas de que é melhor sacrificar seus anos mais férteis de sua juventude, buscando qualquer outra coisa além de ser esposa e mãe. Isso é desastroso e agora figuras muçulmanas são cúmplices ao levar essa mensagem tóxica para o meio islâmico.

Homens não são como mulheres (não importa o quanto você queira)

A masculinização das mulheres é outra vertente do pensamento feminista. Zahra diz:

“O caminho que Allah escolheu para mim requer que eu trabalhe longas horas, colocando minha vida e corpo em risco, para proteger minha comunidade.”

Devemos nos perguntar: o papel da mulher no Islam é “trabalhar longas horas” em um emprego fora de casa e longe da família, e colocar sua vida e seu corpo “na linha de frente”? Onde no Islam uma mulher muçulmana é solicitada a fazer isso? Onde no Islam isso é louvável?

No Islam, os homens são, de fato, encarregados de ambas as tarefas exatas: trabalhar para prover e proteger. É para os homens, não para as mulheres, que é dada a difícil tarefa de colocar suas vidas e seus corpos em risco na proteção de suas famílias, suas comunidades e da grande nação islâmica. As mulheres certamente deveriam proteger seus filhos e familiares em situações e emergências terríveis, mas este não é o papel no qual Allah colocou as mulheres muçulmanas em geral. É o papel no qual Allah colocou os homens muçulmanos.

Recomendado para você:  Livro ''Guerra Santa'' de Nigel Cliff

Existem virtudes masculinas e virtudes femininas (assim como fraquezas masculinas e fraquezas femininas). Graças ao feminismo, no entanto, há um esforço forte e coordenado para androgenizar todos os atributos e qualidades, e negar a existência de traços exclusivamente masculinos ou femininos. Estamos cada vez mais testemunhando a erosão do gênero, a guerra travada contra a masculinidade (que é igualada à toxicidade) e feminilidade (que é equiparada à fraqueza).

O sistema islâmico está em contraste com tudo isso. O Islam tem uma concepção forte e saudável de diferenças de gênero e papéis de gênero. O Islam valoriza muito o casamento e a família e delineia papéis definidos da esposa e do marido. Cada pessoa tem certos direitos e responsabilidades; estes diferem com base no gênero. O marido é o líder da família, cuidando de sua esposa e filhos da melhor maneira possível em relação à piedade, à alta moral e a religião (ele é responsável diante de Allah por isso, o que é uma tarefa assustadoramente desafiadora).

A esposa é sua companheira e parceira dedicada, respeitando sua autoridade e cooperando com ele em sua missão conjunta de criar uma família muçulmana justa. O marido é um líder – mas com esse papel vêm responsabilidades pesadas: ele deve proteger, prover plenamente, educar religiosamente, atender às necessidades de sua esposa e filhos sem abusar deles ou negligenciá-los de qualquer forma. Estas são as responsabilidades de um marido muçulmano e os direitos da esposa muçulmana.

As responsabilidades de uma esposa muçulmana – que são os direitos do marido – é ser uma companheira cooperativa que se esforça para agradar o marido e obedecê-lo e proteger sua casa, seus filhos e a si mesma na sua ausência. Essa é uma divisão eficiente e eficaz do trabalho, na qual cada gênero desempenha um conjunto específico de funções que capitaliza as forças inatas do gênero.

A sabedoria do sistema islâmico, divinamente ordenado, é claramente superior à bagunça disfuncional que o feminismo tem a oferecer, se apenas refletirmos.

Zahra continua:

“Eu não disse isso para o homem no restaurante, mas vou dizer aqui na esperança de que outros que estão criando suas filhas para serem ativistas e líderes o leiam. Isto não é suficiente. Você também precisa criar seus filhos para ampliar, celebrar, elevar e apoiar as mulheres que estão na linha de frente. Não podemos fazer este trabalho sem as nossas comunidades e famílias. ”

Quê?

Por que um ideal coletivo para a comunidade muçulmana seria criar suas filhas para serem “ativistas e líderes”? O que no Islam encoraja as mulheres a estarem nas “linhas de frente” de qualquer batalha? O Islam encoraja ou tolera o tipo de ativismo e liderança em que uma mulher é hiper-focada em sua carreira, que envolve viagens frequentes (sem um mahram), não estar em casa, afastada de sua família, ficar na frente e se misturar com outros ativistas do sexo masculino, gritando e marchando nas ruas, lutando como um guerreiro, etc.? Por mais que outros estejam dispostos a ignorar essas violações claras e, às vezes, notórias, da modéstia e dos valores de gênero islâmicos, temos que defender nossos princípios.

Poupe-nos as referências imprecisas e clichês

Um dos hábitos dos ativistas muçulmanos atualmente é tentar justificar essas violações recorrendo ao exemplo dos Sahaba. Zahra nota:

“Eu sou inspirada pelas mães dos crentes, as companheiras do Profeta Muhammad, gerações de líderes do movimento islâmico e minhas irmãs que lutam ao meu lado. Apoiar, proteger, elevar e até mesmo amar essas mulheres é parte de nossa prática de fé. Precisamos ensinar isso aos homens muçulmanos e aos filhos que eles estão criando”.

Por favor, não traga as Companheiras do Profeta para essa bagunça. Que homem muçulmano na época do Profeta ﷺ se casou com uma mulher que trabalhava longas horas, marchava nas ruas, e em geral não se conformava aos papéis de gênero islâmico em um casamento?

Para alguém dizer que as mães dos crentes e as companheiras do Profeta, ﷺ , foram “ativistas e líderes”, no sentido que a que Zahra se refere, é desonesto. É simplesmente uma projeção dos valores do nosso tempo atual sobre eles, sobrepondo os ideais feministas seculares modernistas tão populares hoje (como “libertação das mulheres”, “empoderamento feminino”, ser “ativista da justiça social”, etc.) na época do Mensageiro e sua Abençoada Geração. Promover o revisionismo de tais coisas em nossa história islâmica é irresponsável e enganoso.

As Mães dos Crentes, que Allah esteja satisfeito com todas elas, deixavam suas casas e suas famílias para viajar e falar para multidões de homens e mulheres misturados, vestidos como as pessoas fazem hoje? Elas viajavam sem um guardião para fazer tais coisas? Elas estavam na ”linha de frente” de qualquer batalha, em particular depois que o comando do hijab foi revelado?

Recomendado para você:  Sheikh diz que Sol gira em torno da Terra

A resposta a todas essas perguntas é não.

Às vezes, temos essa tendência infeliz, como os muçulmanos ocidentais modernos influenciados por falas feministas, de ignorar a realidade de que a vasta maioria das mulheres muçulmanas historicamente eram primariamente esposas e mães, não “líderes”, “ativistas” e “manifestantes da justiça social”. A maioria delas também não eram eruditas e não havia em nenhum lugar esse esforço para preencher algum tipo de cota para mulheres acadêmicas.

Francamente, estou cansada de ouvir sobre como Khadija, que Allah esteja satisfeito com ela, era como se fosse uma ”Diretora executiva da lista da Fortune 500″, e como Aisha, que Allah esteja satisfeito com ela, era uma professora de homens

Sim, Khadija, a esposa do Profeta ﷺ, era uma mulher rica, mas sua riqueza foi herdada de seus maridos falecidos e ela não administrava o negócio, nem viajava ou comercializava por si mesma – ela empregava homens para fazer tudo isso. Além disso, ela dedicou-se totalmente e de todo o coração ao seu marido abençoado, ﷺ, e lhe deu seis filhos e criou uma família. Ela era ajudante e apoiadora de seu marido, antes e depois da revelação. Ela era tão cuidadosa com suas necessidades e conforto que cozinhava refeições caseiras e as enviava enquanto ele passava o tempo meditando na Gruta de Hira. Não é exatamente o modelo de uma altíssima executiva que alguns hoje a retratam como.

Sim, Aisha era uma riqueza de conhecimento e transmitiu cerca de um terço dos ditos do Profeta registrados, mas transmitiu conhecimento enquanto estava totalmente escondida atrás de uma cortina para preservar sua modéstia.

Em nada essas piedosas Companheiras do Profeta sequer se pareciam com o tipo de coisas que algumas ativistas e promotoras da “liderança das mulheres muçulmanas” podem imaginar ou gostariam que se parecessem em sua imagem mental de “muslimahs fortes, empoderadas e independentes!”. Precisamos parar de projetar caprichos e desejos.

Por que as ativistas muçulmanas não enfatizam as outras esposas do Profeta, ﷺ , a maioria das quais não tinha muita riqueza pessoal, não ensinava, e passava a maior parte de suas atividades, fora da adoração, a cozinhar para o Profeta e seus convidados, cuidando de seus filhos e mantendo sua casa? Estas não são também as Mães dos Crentes? (O que não quer dizer que Aisha também não cozinhasse e cuidasse das necessidades domésticas do Profeta.)

Por que as ativistas e feministas não enfatizam figuras como Maria?

Maria, que a paz esteja sobre ela, mãe de Jesus, que a paz esteja sobre ele, é uma das mulheres mais piedosas já criadas e a única mulher a ser mencionada pelo nome no Alcorão. Na surata de número 4 versículo 42, Allah diz: ”Recorda-te de quando os anjos disseram: Ó Maria, é certo que Deus te elegeu e te purificou, e te preferiu a todas as mulheres da humanidade!”. Ela é um modelo para todas as mulheres; o papel pelo qual ela é abençoada e honrada é através de seu papel como mãe. No Islam, o ênfase e o peso são colocados no papel da mulher na maternidade e na família, não em seus papéis como empregada assalariada, empresária, soldada ou o que quer que seja que vemos hoje.

Então, por que que casar com líderes femininas é “parte de nossa prática de fé”, como Zahra e outras afirmam?

Esses tipos de afirmações infundadas distorcem a realidade e dificultam a compreensão de muitos muçulmanos.

Enfim…

No moderno paradigma secular feminista do Ocidente, tudo o que foi dito provocará suspiros de horror. As feministas muçulmanas e os ativistas da justiça social insistem em que homens e mulheres são iguais em todos os sentidos e não há papéis para ambos os sexos, e chegam a pensar que gêneros em si são uma invenção do patriarcado, nada mais do que uma ilusão! Certamente, dentro do feminismo, casamento e família são vistos como irrelevantes na melhor das hipóteses, e como opressivos e equivalentes a estupro na pior das hipóteses. Ser esposa e administrar uma casa é ridiculamente chamado de “trabalho doméstico”. A maternidade é vista com desdém ou piedade, nem de perto tão importante quanto “trabalho real” que vem com um salário a cada duas semanas.

O que é alarmante é como figuras ativistas muçulmanas como Zahra Billoo e outras empurram esses valores feministas como se fossem islâmicos, quando, na realidade, eles são tudo menos isso.

Fonte: https://muslimskeptic.com/2019/08/12/muslim-activists-toxic-feminism-war-motherhood/

Sobre A Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.