Página Inicial » Desvendando Mitos » O Profeta Muhammad era feminista? O Islam é uma religião feminista?

O Profeta Muhammad era feminista? O Islam é uma religião feminista?

Associar o Islam ao feminismo é algo cada vez mais comum no ocidente e no oriente, mas será que é possível conciliar esses dois princípios?
  • O feminismo é fruto do liberalismo, e tem como principal objetivo a individualidade, mesmo que isso signifique renegar a religiosidade.
  • Os princípios do Islam são focados nos deveres que as pessoas possuem com Allah, e não seguir isso é uma transgressão aos valores sagrados.
  • O feminismo e Islam não é um paradoxo, mas sim uma contradição, pois ambos buscam um modelo de vida que são contrários em seus pontos fundamentais.
  • No entanto, respeitar o direito das mulheres, promover a dignidade e qualidade de vida para elas é um dever de todos os muçulmanos, prescrito pela religião.

Em 2017, Merriam-Webster declarou o feminismo como a “Palavra do Ano”. 2017 foi o ano da Marcha Feminina, que foi o maior protesto em um único dia na história americana.  A marcha foi co-presidida por Linda Sarsour, uma ativista e feminista muçulmana americana. A popularidade do evento aumentou em parte por causa da posse de Donald Trump, ocorrida no dia anterior. Muitos participantes ficaram preocupados com os planos do novo governo de restringir os direitos das mulheres, da comunidade LGBT, dos muçulmanos e dos imigrantes ilegais. 

Mas a ironia de uma mulher vestida de hijab liderando tal movimento deixou algumas pessoas confusas. A Marcha da Mulher foi (1) financiada pela Planned Parenthood e NARAL, organizações que deram fim a milhões de crianças em gestação, e até venderam partes dos corpos delas para empresas farmacêuticas, (2) incentivou o uso de chapéus rosa que representavam os órgãos genitais femininos, (3) disse às mulheres serem “indecentes” e (4) promoveu os direitos transexuais e o aborto tardio. A marcha escolheu homenagear Donna Hylton – uma ativista que torturou um homem idoso até a morte em 1985, e Madonna, que aparentemente (brincando?) ameaçou explodir a Casa Branca. Embora seja importante se opor à injustiça dos governos, também é nossa obrigação sermos éticos em nosso ativismo.

As imagens duras e agressivas da marcha nos levam à questão: o feminismo pode ser reconciliado com um compromisso com a ética islâmica? Alguém pode ser muçulmano praticante e feminista ávido ao mesmo tempo? A crescente popularidade do movimento feminista exige que recuemos e investiguemos sua congruência (ou falta dela) com o paradigma islâmico.

O histórico do movimento feminista

O feminismo começou como um movimento entre as mulheres anglo-saxãs no final do século XVIII. Mary Wollstonecraft (falecida em 1797), a antepassada do movimento feminista, afirmou que as mulheres não eram intelectualmente inferiores aos homens, mas careciam das oportunidades educacionais que eles tinham na época. Vítima de abuso por parte dos pais, Wollstonecraft teve uma vida tumultuada de amizades e casos românticos.  Ela acabou se casando com William Godwin, o antecessor do movimento anarquista, e morreu após dar à luz Mary Shelley, a autora de Frankenstein. Claro, o feminismo não tem um apego doutrinário a uma única figura – está sujeito a transformações periódicas.

O movimento feminista evoluiu nos séculos 19 e 20 abordando os direitos políticos das mulheres e seu lugar na sociedade. No início dos anos 1900, as sufragistas pressionaram pelo direito de voto das mulheres brancas. Ao fazê-lo, entretanto, eles excluíram mulheres e homens pertencentes a minorias. Alguns países, como o Canadá, aceitaram o sufrágio feminino apenas porque lhes permitiria recrutar mais homens para a Primeira Guerra Mundial. 

Essas feministas da primeira onda também fizeram lobby pelos direitos das mulheres à propriedade. Na década de 1960, o feminismo desenvolveu-se em sua segunda onda: dando às mulheres direitos iguais no local de trabalho, pressionando pelo aborto e acesso ao controle de natalidade, chamando a atenção para o estupro e a violência doméstica e lutando contra preconceitos culturais que historicamente favoreceram os homens.

Nas décadas de 1990 e 2000, o feminismo entrou em sua Terceira Onda, que viu o surgimento da liberdade sexual, interseccionalidade (que combinava outras lutas relacionadas à identidade social e política com a luta feminista), antipatriarcalismo e o movimento transexual. As questões e ideias do feminismo evoluem com base no que é percebido como opressão baseada no gênero.

Protesto pela igualdade feminina nos EUA em 1970 (Foto: John Olson/The LIFE Picture Collection/Getty Images)

À primeira vista, pode-se simpatizar com as conquistas desse movimento. Afinal, as mulheres no Ocidente suportaram a caça às bruxas, tiveram negadas a capacidade de possuir propriedades e buscar uma educação, e foram privadas de qualquer poder sobre suas próprias vidas. Também seria errado negar as injustiças contra as mulheres em culturas muçulmanas, mesmo que sejam incomuns: casamentos forçados, crimes passionais e violência doméstica. Como navegamos nesta série de problemas sem comprometer a ética do Islam?

Direitos e deveres das mulheres no Islam

É preciso primeiro perguntar: era o Profeta Muhammad um feminista? Alguns argumentaram que ele foi, porque sua revelação certamente condenou o infanticídio feminino (Alcorão 81: 8-9), proibiu a prática feia de zihar (tipo de divórcio praticado pelos pagãos árabes) (Alcorão 58: 1-4), aboliu o direito dos filhos de herdar as esposas de seus pais, deu às mulheres o direito da herança de seus pais e maridos e de casar fora de sua tribo, consagrou certos direitos para as mulheres no casamento; e ele amou e honrou as mulheres em sua vida.

No entanto, isso deve ser colocado em perspectiva com o fato de que o Profeta Muhammad também introduziu novas restrições às mulheres que não existiam na Jahiliyya (era da ignorância, antes da revelação do Islam): ele proibiu o poliamor e o amor livre, dissolveu a prostituição institucionalizada, proibiu o lesbianismo, ordenou o khimar (vestimenta feminina modesta), restringiu o aborto, e produziu uma tradição dimórfica que atribuía direitos e responsabilidades diferentes aos dois sexos.

Embora o Alcorão diga que todas as coisas foram criadas em pares (51:49), ele também diz que homens e mulheres, como o dia e a noite, são diferentes (92: 3-4). Tudo isso vai totalmente contra a defesa feminista da liberdade e da igualdade completa. O Profeta Muhammad veio para uma sociedade que adorava deusas (53: 19-22), considerava os anjos como filhas de Deus (17:40), e tinha mulheres como governantes e profetisas – e ainda assim, ele se pôs a reestruturar tudo.

Contradições entre feminismo e Islam

Isso nos leva a uma discussão sobre a lógica operacional do feminismo em relação à do Islam. Duas pessoas podem chegar à mesma conclusão sobre um assunto por razões diferentes. Cinco pessoas podem alimentar um mendigo na rua – a primeira pessoa diz: “alimentei o mendigo pela causa de Deus!” A segunda diz: “alimentei o mendigo para me sentir melhor comigo mesma!” A terceira diz: “alimentei o mendigo porque ele é um proletário, vítima da classe burguesa!” A quarta diz: “alimentei o mendigo porque ele é meu conterrâneo!” E a quinta diz: “alimentei o mendigo porque vi meus pais fazerem isso antes de mim!”

Em todos os cinco casos, a ação é a mesma, mas a motivação é diferente. A segunda pessoa não teria alimentado o mendigo se já estivesse se sentindo bem consigo mesma. A terceira não teria feito se o mendigo fosse de uma classe econômica diferente. A quarta, se o mendigo fosse um migrante. A quinta, se ela não tivesse interesse em emular os bons pais.

Sentado durante o Salat

Qual é, então, o pano de fundo filosófico do feminismo? Ele é, de fato, apenas um ramo do individualismo iluminista europeu (também chamado de “liberalismo”, mas que não deve ser confundido com os partidos “liberais” de esquerda). O individualismo é um movimento intelectual e filosófico que dominou as ideias e valores do mundo ocidental desde o século 18. A tese central do individualismo é que as sociedades prosperam melhor quando a liberdade e a agência do indivíduo são maximizadas.

No entanto, a tese central do Islam é se submeter a Deus e conhecê-lo (51:56). Em algumas áreas, podemos encontrar semelhanças – também acreditamos que as mulheres têm direito à propriedade e à educação. Mas o Islam e o feminismo estão, em última análise, usando metodologias diferentes com prioridades diferentes que vêm de motivações diferentes e produzem resultados diferentes. Não apenas esses dois paradigmas são diferentes, mas acreditamos que o Islam está correto e mais em sintonia com a realidade e a moralidade do que o feminismo jamais poderá estar.

A ênfase do Alcorão não está na liberdade, mas no dever – estabelecer a oração, fazer caridade, lutar contra a injustiça, ter bondade para com os pais, abster-se de substâncias nocivas e muito mais. A ênfase do feminismo, entretanto, é afastar as mulheres de tudo aquilo que as restringe – mesmo se for o próprio Deus, Ele deve ser posto de lado.

A realidade é que o Islam possui leis que se relacionam com o gênero. Quando os reformistas muçulmanos apontam para a postura do Alcorão sobre o testemunho feminino (2: 282) e a herança feminina (4: 11-14), eles ignoram que, por exemplo, os homens devem pagar um dote a uma mulher quando se casam (enquanto as mulheres não precisam). Os homens também são obrigados a sustentar suas famílias, engajar-se na jihad quando atacados e seguir muitas regras árduas.

O duplo padrão aqui é que as feministas muçulmanas acreditam que as mulheres devem ser absolvidas das restrições prescritas ao seu sexo, mas que os homens devem manter todos os seus deveres. É simplesmente ilógico abandonar algumas leis que dizem respeito às mulheres, mas ainda manter outros aspectos da Shariah, porque a forma como obtemos nossas leis sobre ablução, oração, jejum, Hajj (peregrinação) e caridade é a mesma como obtemos nossas leis relacionadas aos gêneros – estão todas no mesmo pacote.

Os problemas da lógica feminista

O Islam é uma religião que incentiva a busca de conhecimento. Por essa razão, é necessário destacar algumas das falhas intelectuais inerentes ao feminismo, já que um muçulmano não deve estar mentalmente distante da realidade:

(Foto: William Volcov/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo)

Os padrões morais do feminismo são constantemente sujeitos a mudanças. Muitas feministas da Segunda Onda do movimento se opuseram à pornografia porque ela objetificava as mulheres. No entanto, apenas duas ou três décadas depois, as Feministas da Terceira Onda (e antes delas, as Feministas do Batom) defenderam o amor livre, a normalização da nudez e sexualidade feminina, contra a “vergonha das vadias”.

Sendo uma ideologia que está sujeita a mudanças tão desorientadas, ela não é adequada para fazer julgamentos morais contra os valores islâmicos tradicionais. Da mesma forma, as feministas pressionariam pela inclusão nos espaços masculinos; depois, eles brigaram por espaços segregados; agora as feministas interseccionais brigam a favor de banheiros neutros ou inclusivos de gênero. Réguas elásticas não podem ser usadas para medir objetos sólidos – da mesma forma, o liberalismo não pode ser o padrão moral pelo qual todos os outros paradigmas são julgados.

O feminismo presume que as mulheres pré-modernas eram fracas e estúpidas. Feministas argumentam que o patriarcado foi capaz de dominar as esferas do casamento, religião, cultura, negócios e artes em todas as grandes civilizações por muitos milênios. Isso significaria que as mulheres dessas sociedades eram coletivamente ou muito fracas ou muito tolas para resistir a seus opressores.

As únicas exceções seriam os poucos matriarcados espalhados, todos muito pobres, pequenos, isolados e muitas vezes superados por sociedades patriarcais maiores. É absurdo dizer que metade da população (ou mais) de todas as grandes civilizações não tinha agência, já que eram as mulheres quem criavam seus filhos e filhas, e os imbuia de seus valores. A visão feminista apenas reforça a ideia de que as mulheres são frágeis e ingênuas, o que não é verdade.

O feminismo atualmente depende muito de narrativas duvidosas. Embora as feministas argumentem que existe uma diferença salarial entre os sexos na América hoje, isso não é verdade. Quando se considera a profissão, o horário de trabalho, as solicitações de aumento e outras variáveis, a diferença salarial praticamente desaparece. A insistência em alegações pseudocientíficas, incluindo a “cultura do estupro” e o “imposto rosa” , mostra uma patologia que não está baseada na razão.

O feminismo não pode ser “resgatado” de seu contexto ocidental. Feministas afrodescendentes frequentemente afirmam que seu objetivo pretendido é resgatar o feminismo de seu contexto historicamente branco. Entretanto, como o feminismo é originado no liberalismo ocidental, ele foi cultivado em seu meio.

Os criadores das três ondas do feminismo são, na sua maioria, homens e mulheres brancos, que o exportaram para o resto do mundo por meio do hard power (colonialismo e imperialismo) e do soft power (mídia ocidental e cultura popular). Os termos e vocabulário do feminismo são baseados em uma dialética da história que é naturalista, individualista e dirigida por estados-nação e mercados. Um feminismo descolonizado exigiria um retorno às antigas autoridades, que as feministas circularmente afirmam ser sexistas.

Algumas das principais pensadoras do feminismo eram anti-família. Gloria Steinem descreveu o casamento como “um arranjo para uma pessoa e meia”. Andrea Dworkin acreditava que “o casamento como instituição desenvolveu-se a partir do estupro como prática”.  Sally Miller Gearhart, em seu ensaio “O Futuro – se houver – é Feminino” (uma máxima feminista popular hoje) argumentou que a proporção de homens deveria ser reduzida e mantida em aproximadamente dez por cento da raça humana.”

A literatura feminista está repleta de depreciações da maternidade e promoção ao aborto. Pode-se argumentar corretamente que nem todas as principais pensadoras do feminismo foram necessariamente anti-família, misandristas ou anti-maternidade. No entanto, departamentos de estudos de gênero e instituições feministas se tornaram lugares onde visões radicais e misandria são toleradas, normalizadas, publicadas ou mesmo enfaticamente promovidas, com pouca dificuldade.

A narrativa do “privilégio masculino” é perigosa e falsa. Os homens são as maiores vítimas de suicídio, conflito, violência de gangues, acidentes de trabalho, falta de moradia, vício, morte prematura e evasão escolar. Ambos os sexos compartilham um conjunto de desafios comuns e únicos que não devem ser descartados com rótulos generalizantes de privilégio. Promover essas leituras melodramáticas da sociedade apenas semeia mais divisão e tensão e não resolve quaisquer problemas.

O dever islâmico na defesa das mulheres

Podemos promover os direitos das mulheres sem ser feministas?

Sim. Estamos em um mundo cheio de feminicídio, tráfico de pessoas, aborto de gênero específico, prostituição, crimes de honra, casamentos forçados, violência doméstica e agressão sexual – tanto em países muçulmanos quanto não muçulmanos. Devemos procurar exaltar e honrar as mulheres de acordo com as prescrições da revelação. O Profeta Muhammad celebremente nos disse para sermos obedientes a “sua mãe, sua mãe, sua mãe, [então] seu pai.” Ele disse que o paraíso está sob os pés das mães. Ele disse que “o melhor de você é aquele que é melhor para suas mulheres”. Ele era um homem que ajudava em casa, demonstrava amor e paciência em seus casamentos e ordenava o bom tratamento das mulheres.

Não é necessário aderir a uma ideologia caprichosa, falaciosa, radical, egoísta e antagônica para estabelecer os direitos das mulheres. Podemos lutar contra os males que prejudicam injustamente as mulheres usando princípios ortodoxos e ideias práticas que não estão enraizadas em um paradigma sobreposto.

Como comunidade, devemos remover os obstáculos e barreiras existentes que impeçam as mulheres de buscar conhecimento. Ao facilitar mais programas educacionais para mulheres, podemos ter mais modelos femininos que ofereçam a perspectiva e voz de uma mulher. Sem os modelos tradicionais, muitas de nossas irmãs naturalmente gravitarão em torno de modelos femininos fora da esfera islâmica – incluindo políticas, acadêmicas seculares, celebridades e influenciadoras.

Não devemos tolerar a objetificação das mulheres, mesmo que seja dito em tom de brincadeira. Devemos lembrar uns aos outros que esse tipo de conversa obscena é inferior a nós.

Nossos líderes, mesquitas e comitês devem evitar encontros privados entre um homem e uma mulher, onde aliciamento, flerte, assédio e abusos de poder podem ocorrer.

Devemos estabelecer abrigos e redes de apoio às vítimas da violência e da pobreza. Caso contrário, essas vítimas buscarão o apoio de instituições dirigidas por feministas.

Devemos enfatizar que os crimes passionais são hediondos e não têm lugar no mundo.

Há muito a ser feito, mas não podemos apoiar aquilo que é contrário à nossa tradição. Não podemos dar crédito a ideologias que lançam dúvidas sobre o Islam e se tornam portas de entrada para a apostasia. Que Allah nos faça daqueles que estão contentes com Seu qadr (decreto), pacientes com nossos desafios, e daqueles que têm os olhos postos em na vida após a morte.

Referências

[1] https://www.merriam-webster.com/words-at-play/word-of-the-year-2017-feminism

[2] https://www.history.com/this-day-in-history/womens-march

[3] https://www.abc.net.au/news/2017-06-03/linda-sarsour-hijabi-feminism/8583482

[4] http://www.centerformedicalprogress.org/cmp/investigative-footage/

[5] https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/94/Women%27s_March%2C_January_21_2017%2C_Chicago_%2831601577104%29.jpg

[6] https://www.huffingtonpost.ca/entry/nasty-woman-became-a-call-of-solidarity-for-women-voters_n_5808f6a8e4b02444efa20c92?ri18n=true

[7] https://news.yahoo.com/donna-hylton-torture-murder-women-154813775.html

[8] https://www.reuters.com/article/us-usa-trump-women-madonna/singer-madonna-defends-blowing-up-the-white-house-remark-idUSKBN15704A

[9] http://www.gutenberg.org/files/16199/16199-h/16199-h.htm

[10] https://www.thecanadianencyclopedia.ca/en/article/wartime-elections-act

[11] https://sunnah.com/bukhari/92/50

[12] https://www.bliis.org/research/prophethood-jahiliyya/

[13] https://www.facebook.com/watch/?ref=search&v=1797850043823819&external_log_id=34858e11-10d9-44c0-becf-adb44f49b9ff&q=Muslims%20Against%20Feminism%20wage%20gap

[14] https://www.youtube.com/watch?v=K0mzqL50I-w

[15] https://fee.org/articles/is-there-really-a-pink-tax/

[16] https://www.theguardian.com/world/2005/jan/17/gender.melissadenes

[17] https://www.independent.co.uk/arts-entertainment/books/features/andrea-dworkin-money-speaks-but-with-a-male-voice-486614.html

[18] https://fathersforlife.org/feminism/miller_gearhart.html

Autor convidado: Bilal Muhammad

Links para Leitura

Sobre a Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.