Página Inicial » Perguntas e Respostas » É Sunnah beber urina de camelo? O Profeta recomendou isso aos muçulmanos?
Livro Sol Nascente Mawlana Sheikh Nazim

É Sunnah beber urina de camelo? O Profeta recomendou isso aos muçulmanos?

Em alguns países do mundo muçulmano, acredita-se que a urina de camelo contenha um valor medicinal extraordinário. Ela é bebida e usada de várias maneiras. Surgiram empresas que produzem bebidas de urina de camelo e outros produtos com mesmo insumo. Embora esta prática seja encontrada em uma pequena minoria de – quase insignificantes – populações muçulmanas confinadas a algumas culturas, está causando confusão e levantando questionamentos (para não falar do escárnio de alguns não-muçulmanos, que têm suas próprias múltiplas outras práticas questionáveis). Alguns estão traçando um paralelo entre essa prática por alguns muçulmanos e o consumo de, e supostas bênçãos derivadas da urina de vaca por alguns hindus. Mas teria tal prática algum fundamento nas fontes religiosas islâmicas?

Pesquisa científica

Até onde sabemos, ainda não há pesquisas científicas conclusivas sobre os benefícios ou malefícios da urina de camelo. Algumas pesquisas de laboratório parecem indicar que a urina de camelo pode conter propriedades anti-câncer [1]. Após o surto do coronavírus respiratório do Oriente Médio (MERS ‐ CoV), a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou recentemente (2017) advertências sobre o consumo de leite cru de camelo ou urina de camelo por pessoas com alto risco de contrair o vírus [2].

Por que os muçulmanos bebem urina de camelo?

Surge a questão de por que os muçulmanos, que sempre foram conhecidos por sua extraordinária diligência em limpeza e pureza, que é o cerne dos ensinamentos de sua fé, estão bebendo urina de camelo. Por mais surpreendente que possa parecer, a minoria de muçulmanos que está bebendo urina de camelo está fazendo isso por convicção religiosa. Essa convicção decorre de sua compreensão de um incidente durante a vida abençoada do Mensageiro de Allah. Este incidente foi relatado em vários lugares por Imām al-Bukhāri em seu Ṣaḥῑḥ (ḥadῑth 233) [3] e Imām Muslim em seu Ṣaḥῑḥ (ḥadῑth 1671) [4]. Também foi relatado por vários outros imãs de hadῑth em suas respectivas coleções.

O Ḥadῑth da urina do camelo

O ḥadῑth é narrado por Anas ibn Mālik (que Allāh esteja satisfeito com ele). Ele descreve como um grupo de pessoas da tribo de ῾Ukl ou ῾Uraynah [5] chegou a Madῑnah. No comentário do ḥadῑth, Shaykh al-Islām Ibn Ḥajar al-῾ Asqalani, em sua monumental Fatḥ al-Bāri, afirma que eles abraçaram o Islām [6], mas ficaram muito doentes devido ao clima, comida e gripe de Madῑnah. Ibn Ḥ ajar menciona que há indícios de que, quando chegaram a Medina, já estavam doentes. Sua doença era extrema desnutrição e fraqueza. Sua cor ficou pálida. Eles vieram ao Mensageiro de Allah e reclamaram de sua condição crítica. Ele lhes disse para irem a uma manada de camelos que eram mantidos nas planícies fora de Medina e bebessem sua urina e leite. Em seu comentário sobre Ṣaḥῑḥ Muslim, ῾Allāmah Mufti Muḥammad Taqi ῾Uthmāni menciona várias narrações que afirmam que os camelos pertenciam ao Mensageiro de Allah, ou que entre os camelos haviam alguns que pertenciam ao Mensageiro de Allah. Algumas narrações do ḥadῑth afirmam que os camelos eram de ṣadaqah (caridade) [7]. Quando esses indivíduos foram e beberam a urina e leite dos camelos, recuperaram boa saúde. Eles então mataram o pastor do Mensageiro de Allah [8] e roubaram os camelos. De acordo com algumas narrações, eles ganharam peso e recuperaram a força.

Vereditos das Escolas Jurídicas

Imām Badr al-Din al-῾Ayni, em seu comentário sobre Ṣaḥῑḥ al-Bukhāri, afirma que, baseado neste ḥadῑth, Imām Mālik mantém a pureza (ṭahārah) da urina de todos os animais cuja carne é ḥalāl. Esta visão também é compartilhada por Imāms Aḥmad, al-Sha῾bi, ῾Aṭā̕, al-Nakha῾i, al-Zuhri, Ibn Sῑrῑn, al-Ḥakam e al-Thawri [9]. Dentre os imames da escola hanafi, Imam Muhammad ibn al-Hasan al-Shaybāni também sustenta essa visão [10]. Quando perguntado sobre isso, ele argumenta com este ḥadῑth em seu trabalho crucial, Kitāb al-Aṣl. Imām Abu Yūsuf, o outro estudante principal do Imām Abu Ḥanῑfah, mantém a permissibilidade de beber a urina de animais cuja carne é ḥalāl (como camelos), mas afirma que o mesmo tornará a água impura, mesmo que uma pequena quantidade se misture com água [ 11]. No entanto, a visão estabelecida na escola ḥanafi, sobre a qual fatwa é dada, é que toda a urina é sujeira (najis) [12], embora uma pequena quantidade, que tem sido considerada desprezível, [13] seja desculpada em oração.

Imāms Abu Ḥanῑfah, al-Shāfi῾i, Abu Yūsuf, Abu Thawr e muitos outros mantêm a impureza ou sujeira de toda a urina [14] (independentemente de ser a urina de um humano – bebê ou adulto, e animais considerados  ḥalāl ou ḥarām ).

Recomendado para você:  O que é o Islam?

Explicações para o ῑadῑth da urina do camelo

Quanto ao ḥadῑth do povo de Uraynah, a partir do qual este desacordo decorre, imāms Abu Ḥanῑfah, al-Shāfi῾i, Abu Yūsuf, Abu Thawr e muitos outros argumentam que o Mensageiro de Allah permitiu que eles bebessem a urina de camelos devido à necessidade (na época e para esses indivíduos em particular). Portanto, este incidente não pode ser tomado como evidência quando tal necessidade não existe. Existem muitos outros exemplos na Sharῑ῾ah quando, devido à necessidade, uma coisa não permitida é permitida. Por exemplo, o uso de seda é ilegal para os homens. É permitido no campo de batalha, devido a certas condições de pele e frio extremo, quando uma alternativa não pode ser encontrada.

A explicação mais satisfatória para o incidente do povo de Uraynah é que o Mensageiro de Allah conheceu através da revelação que sua cura estava na ingestão de urina de camelo. Usar uma substância hārām como remédio  é permissível quando há certeza de cura [15], na ausência de uma alternativa ḥalāl [16]. Por exemplo, comer uma carcaça quando alguém teme a morte por fome extrema; beber vinho devido à sede extrema ou para desentalar a comida presa na garganta, na ausência de qualquer outra coisa. Allah Altíssimo diz:

وَمَا لَكُمۡ أَلَّا تَأۡكُلُواْ مِمَّا ذُكِرَ ٱسۡمُ ٱللَّهِ عَلَيۡهِ وَقَدۡ فَصَّلَ لَكُم مَّا حَرَّمَ عَلَيۡكُمۡ إِلَّا مَا ٱضۡطُرِرۡتُمۡ إِلَيۡهِۗ وَإِنَّ كَثِيرٗا لَّيُضِلُّونَ بِأَهۡوَآئِهِم بِغَيۡرِ عِلۡمٍۚ إِنَّ رَبَّكَ هُوَ أَعۡلَمُ بِٱلۡمُعۡتَدِينَ ١١٩

”E que vos impede de desfrutardes de tudo aquilo sobre o qual foi invocado o nome de Deus, uma vez que Ele já especificou tudo quanto proibiu para vós, salvo se vos fordes obrigados a tal?” (Alcorão 6:119)

Shams al-A̕immah al-Sarakhsi declara:

“O ḥadῑth  de Anas (que Allah esteja satisfeito com ele) foi narrado por Qatada, no qual ele relata que lhes foi permitido beber o leite de camelos. Ele não mencionou a urina. Apenas na narração de Ḥumayd al-Ṭawῑl há menção de urina [17]. Quando a evidência de um ḥadῑth em qualquer assunto é questionável, ele não permanece mais como uma evidência. Além disso, dizemos que o Mensageiro de Allah lhes concedeu permissão exclusiva para beber urina de camelo, como ele sabia através da revelação que sua cura estava em sua bebida. O mesmo não pode ser encontrado em nossa época. Isso é semelhante ao fato de ele ter concedido permissão exclusiva a Al-Zubayr para usar seda devido à erupção na pele ou à presença de insetos parasitas. [Nós ainda dizemos] que eles receberam permissão para beber urina de camelo, devido ao fato de serem descrentes no conhecimento de Allah e Seu Mensageiro  [18]. Ele sabia através da revelação que todos eles morreriam apóstatas (após terem traído o profeta matando seu pastor e roubando seus camelos). Não é inimaginável que a cura de um descrente seja encontrada na sujeira. ”[19]

Imām Badr al-Dῑn al-῾Ayni apresenta ainda a generalidade do ḥadῑth relatado pelos imams al-Ḥākim, Aḥmad, Ibn Majah, al-Dāra Quṭni e al-Ṭabarāni:

استنزهوا من البول, فإن عامة عذاب القبر منه.

“Limpem-se da urina. Pois, a maioria das punições do túmulo é devido a [descuido a este respeito]. ”

Um aviso semelhante, alertando que a punição do túmulo é muitas vezes devido ao descuido em se purificar adequadamente da urina, também foi relatado por imāms al-Bukhāri e Muslim em seus respectivos Ṣaḥῑḥ.

Imām Shams al-Ahimmah Al-Sarakhsi também apresenta este ḥadῑth e outra narração em seu Al-Mabsūṭ [20] para provar a impureza da urina em geral. Ele ressalta que quando o Mensageiro de Allah advertiu contra a negligência em relação a manter-se livre da urina, ele não a limitou apenas à urina humana, pois ele não especificou o tipo de urina.

῾Allāmah Mufti Muḥammad Taqi ῾Uthmāni argumenta que o ḥadῑth do povo de ῾Uraynah foi ab-rogado por ḥadῑths posteriores, que estabeleceram a imundície da urina. Ele afirma:

“Mesmo que, na ausência de certeza das datas, a revogação não possa ser provada por mera possibilidade, pode ser suficiente para impedir que o hadῑth seja usado como evidência (para a suposta pureza da urina de camelo) em contradição direta com princípios gerais [estabelecidos] e relatos populares de ḥadῑth, quando tal possibilidade é corroborada por várias outras fortes evidências indicativas. Nesta matéria, existem algumas fortes evidências indicativas, que corroboram a possibilidade de revogação. Essas evidências incluem o fato de que o incidente do povo de Urayrah ocorreu durante o sexto ano da hijrah e o hadith da imundície da urina foi narrado por Abu Hurayrah, que abraçou o Islã durante o 7º ano da hijrah. Quando o Islã de um narrador ocorre em uma data posterior, mesmo que nem sempre implique definitivamente o atraso do que ele narrou, é [22], no entanto, evidência indicativa de atraso. Isto é especialmente verdade, se considerarmos o fato de que se a sujeira da urina tivesse sido anulada no 7º ano da hijrah, nenhum dos Companheiros teria relacionado o hadith de sua imundície a Abu Hurayrah sem apontar que ela havia sido revogada. É óbvio que o incidente do povo de Urayrah ocorreu em visão clara dos Companheiros e era popularmente conhecido pelas pessoas. Se o incidente fosse uma abrogação da impureza da urina, não teria permanecido oculta dos Companheiros. A questão é uma que é enfrentada pela população em geral – especialmente, no caso dos Companheiros, muitos dos quais pastorearam camelos e os ordenhavam.

É bem sabido na ciência deos Hadith que os mandamentos em matéria de imundície foram gradativamente escalados, desde leniência até rigidez. Há exemplos de muitas coisas que, durante os primeiros dias do Islã, foram consideradas limpas (ou puras) e não afetaram a validade do ṣalāh (oração). Mais tarde, os mandamentos relativos a essas mesmas coisas foram escalados para o da imundície [23]. Um exemplo disso é o ḥadῑth de Ibn Mas῾ūd, relatado por al-Bukhāri, sobre o despejo de Abu Jahl de entranhas e intestinos de um camelo nas costas do Mensageiro de Allah enquanto ele estava em prostração, orando. Ele não interrompeu seu ṣalāh devido a isso. Em vez disso, ele continuou orando, como al-Ḥāfiẓ [24] mencionou em Fatḥ al-Bāri. Ibn Ḥazm afirmou que este hadith  foi revogado pelo ḥadῑth de fezes e sangue.

Assim, as evidências indicativas acima corroboram a possibilidade de revogação. Na existência de uma possibilidade tão forte, não é correto inferir do ḥadῑth sob discussão a pureza da urina – em relação à imundícia de que há muitos ḥadῑths.

Uma terceira explicação para o ḥadῑth sob discussão é que o comando era beber leite de camelo e fungar [25] urina de camelo, enquanto a urina foi posta em conjunção com leite por meio de inclusão na expressão [apenas]. […] Isto foi elaborado por Ibn Hishām [26] em Mughni ‘l-Labῑb (2: 193, 2: 169, 1:32) no início do quinto capítulo do segundo volume. [27] [O que afirmei acima] é comprovado por outras transmissões variantes deste ḥadῑth. Por exemplo, no Sunan de al-Nasā̕ i, não há menção de urina. A formulação precisa é:

فبعث بهم رسول الله صلى اللهعليه وسلم إلى لقاح ليشربوا من ألبانها ، فكانوافيها… إلخ

“O Mensageiro de Allah enviou-os a alguns camelos leiteiros para que pudessem beber seu leite. Eles fizeram isso […] ”

Da mesma forma, a palavra “urina” não foi mencionada na narração de Anas [ibn Mālik] que foi relatada por al-Ṭaḥāwi através da transmissão de ῾Abd Allāh ibn Bakr, de Ḥumayd, de Anas. Isso foi mencionado por nosso shaykh, al-Binnori [28], em seu Maharif al-Sunan (1: 275). Ele então diz:

“Com base nisso, é muito provável que a menção de urina com leite no contexto do comando do Mensageiro de Allah fosse obra de um dos transmissores do ḥadῑth. O Mensageiro de Allah poderia ter ordenado que bebessem leite de camelo e lavassem suas narinas com urina de camelo, mas também podem ter bebido a urina. Assim, ambos foram mencionados juntos [por um transmissor] no contexto de beber leite, em vista do que realmente aconteceu – e não porque o Mensageiro de Allah mandou que bebessem urina de camelo.

Em resumo, não é correto usar o hadith em discussão para provar a pureza da urina de camelo, na presença dessas fortes possibilidades.

Quanto às provas da sujeira de toda a urina, elas são muitas. [Vamos mencionar algumas aqui.]

  • Al-Tirmidhi relatou o ḥadῑth de Ibn ῾Umar:
    نهى رسول الله صلى اللهعليه وسلمعنأكلالجلالةوألبانها.                                                                                                            “O Mensageiro de Allah proibiu o consumo da carne e a ingestão de leite de animais que comem fezes de animais”.

O motivo da proibição é comer fezes de animais. Assim, sabemos que a carne de tal animal é impura, pois a imundícia [das fezes consumidas] se espalharia em sua carne.

O ḥadῑth de Abu Hurayrah que foi mencionado por Ibn Mājah, al-Dāra Quṭni, al-Ḥākim em seu Mustadrak – e ele disse: [é] autêntico de acordo com as condições dos dois sheykhs (al-Bukhāri e Muslim). Al-Dhahabi concordou com isso:
استنزهوا من البول, فإن عامة عذاب القبر منه.

“Limpe-se da urina. Pois, a maioria das punições do túmulo são devido a [descuido a este respeito]. ”

[…] ”[29]

Imām Sayyid Muhammad Anwar Shāh Kashmῑri em suas palestras de comentários transcritos em árabe sobre Ṣaḥῑḥ al-Bukhāri, intitulado Fayḍ al-Bāri (1: 429), questiona como, quando o contexto do ḥadῑth e as palavras precisas usadas pelos transmissores é tão claro em que a permissão para beber urina de camelo era para fins médicos, pode ser usada para provar a pureza geral ou absoluta da urina. Não há absolutamente nenhuma indicação no texto do hadῑth que se refira à pureza da urina.

Imām Sayyid Muhammad Anwar Shāh Kashmῑri questiona, então, a suposição de que a aplicação medicinal da urina de camelo foi feita por via oral. Em vez disso, ele argumenta que foi realmente através da administração nasal, sem beber. Isto é inferido das narrações variantes do ḥadῑth relatado por imāms al-Ṭaḥāwi e al-Nasā̕ i. O editor-transcritor de Fayḍ al-Bāri, Allāmah Muḥammad Badr ĀĀlam Miruthi [30], em uma nota de rodapé, acrescenta outro ḥadῑth do Sunan do Imām Abu Dawūd, que foi relatado em um capítulo muito improvável, no qual o narrador, o companheiro Abu Dharr, afirma que não tem certeza se o Mensageiro de Allah também o instruiu a beber urina de camelo quando o instruiu a beber seu leite devido a doença. Ele diz que Imām Abu Dawūd declara que não é autêntico. [31] No relato de Imām al-Nasā̕ i, na narração que foi transmitida através de Saïd ibn al-Musayyib [32], há menção de beber leite de camelo, mas nenhuma menção à urina. Há também outra narração que foi relatada por Imām al-Nasā̕ i, em que se menciona a ingestão de leite e urina, mas não há menção se beberam a urina sob instrução do Mensageiro de Allah ou por sua própria vontade. [33] A questão é ainda mais obscurecida pelo fato de que a narração encontrada no Muṣannaf  de Abd al-Razzāq menciona a administração nasal, em vez de beber. [34]

Quanto à prova da imundícia da urina, Imām Sayyid Muhammad Anwar Shāh Kashmῑri argumenta que isso pode ser inferido do Nobre Alcorão. Allāh o Altíssimo afirma:

وإن لكم في ٱلأنعم لعبرة نسقيكم مما في بطونه من بين فرث ودم لبنا خالصا سآئغا للشربين

”E tendes exemplos nos animais; damos-vos para beber o que há em suas entranhas; provém da conjunção de sedimentos esangue, leite puro e saboroso para aqueles que o bebem. (Alcorão 16: 66)

Ele mencionou, neste verso, fezes com sangue. Um ḥadῑth afirma:

نهى رسول الله صلى اللهعليه وسلمعنأكلالجلالةوألبانها.

“O Mensageiro de Allah proibiu o consumo da carne e a ingestão de leite de animais que comem fezes de animais”.

O Mensageiro de Allah ordenou em um hadῑth:

من دخل المسجد ، فليمط الأذى عن نعليه.

“Aquele que entra na mesquita, deve remover de seus sapatos aquilo que causa desconforto (ou seja, fezes e urina).”

Limitar a definição de fezes, mencionada no hadith anterior, às fezes humanas é improvável. Além disso, outro ḥadῑth afirma:

وأن النبي صلىاللهعليهوسلمننىعنالصلاةفيالمزبلة.

“O Mensageiro de Allah proibiu a oração em aterros sanitários (ou seja, onde o lixo é despejado)”.

وأنه ألقى الروث وقال: إنها ركس.

“O Mensageiro de Allah  atirou esterco e disse: ‘De fato, isso é imundo’”. [35]

Conclusão

Se a urina de camelo fosse permitida para consumir ou mesmo uma cura, ela teria sido amplamente usada pelo Mensageiro de Allah e seus Companheiros e todas as gerações posteriores ao nosso tempo. Teria sido um método muito popular de medicação, sobre o qual cada comunidade muçulmana do mundo, em todas as épocas, teria sabido – quase como o modo como todos os muçulmanos sabem sobre a água de Zamzam e suas virtudes. De fato, os muçulmanos ao longo da história não teriam permitido que uma única gota de urina de seus camelos fosse desperdiçada. No entanto, a realidade é completamente contrária. Para a maioria dos muçulmanos, a ingestão de urina de camelo é inédita e, quando relatada, é vista como abominável e desagradável.

Fonte: http://www.ilmgate.org/consumption-of-camel-urine-clarification-from-islamic-tradition/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.