Página Inicial » História Islâmica » 5 invenções Islâmicas que mudaram o mundo

5 invenções Islâmicas que mudaram o mundo

Quais as principais invenções islâmicas que mais influenciaram o mundo que conhecemos? Listamos 5 delas pra você ver o quão valiosas foram as invenções dos muçulmanos.

Café

Cerca de 1,6 bilhões de xícaras de café são consumidas a cada dia em todo o mundo. Bilhões de pessoas dependem dele como parte de suas rotinas diárias. E, no entanto, muito poucas pessoas estão conscientes das origens muçulmanas desta bebida onipresente.

De acordo com o registro histórico, em 1400 o café tornou-se uma bebida muito popular entre os muçulmanos no Iêmen, no sul da Península Arábica. A lenda é que um pastor (alguns dizem que no Iêmen, alguns dizem que na Etiópia) notou que suas cabras ficavam muito enérgicas e pulavam enquanto comiam feijão de uma árvore particular. Ele teve a coragem de experimenttar a planta, observando que a mesma lhe deu um impulso de energia. Ao longo do tempo, a tradição de assar o feijão e imergir em água para criar uma bebida amarga porém poderosa foi desenvolvida e, portanto, o café nasceu.

Grãos de Café Tostado

Grãos de Café Tostado

Independentemente de que a história do pastor nunca realmente tenha acontecido, o café encontrou o seu caminho desde as terras altas do Iêmen para o resto do Império Otomano, até o premier do império muçulmano no século 15. Casas especializadas na nova bebida começaram a surgir em todas as grandes cidades do mundo muçulmano: Cairo, Istambul, Damasco, Bagdá. Do mundo muçulmano, a bebida encontrou seu caminho para a Europa através da grande cidade mercadora de Veneza. Apesar de ter sido a primeira denunciada como “bebida muçulmana” pelas autoridades católicas, o café tornou-se parte da cultura europeia. As casas de café de 1600 eram os lugares onde os filósofos se encontraram e discutiram questões como os direitos do homem, o papel do governo, e da democracia. Essas discussões sob o efeito do café gerou o que se tornou o Iluminismo, um dos mais poderosos movimentos intelectuais do mundo moderno.

A partir de um pastor iemenita / etíope para moldar o pensamento político europeu, para mais de 1 bilhão de xícaras por dia, esta invenção muçulmana é uma das invenções mais importantes da história da humanidade.

Recomendado para você:  6 importantes conversões ao Islam

Álgebra

Enquanto muitos alunos do ensino secundário que lutam através de aulas de matemática podem não apreciar particularmente a importância da álgebra, é uma das contribuições mais importantes da Idade de Ouro muçulmano para o mundo moderno. Ela foi desenvolvida pelo grande cientista e matemático, Muhammad ibn Musa al-Khawarizmi, que viveu 780-850 na Pérsia e no Iraque.

Em seu livro monumental, Al-Kitab al-Mukhtasar fī Hisab al-Jabr wa-l-muqabala (Inglês: The Compendious Book on Calculation by Completion and Balancing), ele estabeleceu os princípios básicos de equações algébricas. O nome do livro em si contém a palavra “al-jabr”, que significa “conclusão”, a partir do qual a palavra álgebra Latina é derivado. No livro, al-Khawarizmi explica como usar equações algébricas com variáveis desconhecidas para resolver problemas do mundo real, tais como o cálculo zakat e divisão de herança. Um aspecto único de seu raciocínio para o desenvolvimento de álgebra é o desejo de fazer cálculos exigidos por lei islâmica mais fácil para completar em um mundo sem calculadoras e computadores.

A página do título do livro de al-Khawarizmi

A página do título do livro de al-Khawarizmi

Livros de Al-Khawarizimi foram traduzidos para o latim na Europa nos 1000s e 1100s, onde era conhecido como Algoritmi (o algoritmo palavra é baseado em seu nome e suas obras matemáticas). Sem o seu trabalho no desenvolvimento de álgebra, aplicações práticas modernas de matemática, como engenharia, não seriam possíveis. Suas obras foram usados como livros didáticos de matemática nas universidades europeias para centenas de anos após sua morte.

Universidades com concessão de Diplomas

Falando de universidades, que é também uma invenção possível graças ao mundo muçulmano. Logo no início da história islâmica, mesquitas também se tornaram escolas. As mesmas pessoas que levaram orações iria ensinar grupos de estudantes sobre ciências islâmicas, como Alcorão, fiqh (jurisprudência) e hadith. À medida que o mundo muçulmano cresceu no entanto, foi preciso que houvesse instituições formais, conhecidos como madrassas, dedicados à educação dos estudantes.

Recomendado para você:  Carijitas: Quem são e qual sua origem?

A primeiro madrassa formal foi al-Karaouine, fundada em 859 por Fatima al-Fihri em Fez, Marrocos. Sua escola atraiu alguns dos principais estudiosos do Norte de África, bem como os alunos mais brilhantes da terra. Em al-Karaouine, os alunos eram ensinados por professores para um número de anos em uma variedade de assuntos que vão desde ciências seculares às ciências religiosas. No final do programa, se os professores considerava seus alunos qualificados, iram então conceder-lhes um certificado conhecido como ijaza, que reconhece que o aluno compreendeu o material e agora está qualificado para ensiná-lo.

Universidade de Karaouine em Fez

Universidade de Karaouine em Fez

Estes primeiros institutos de ensino com certificação rapidamente se espalharam por todo o mundo muçulmano. Universidade Al-Azhar, no Cairo, foi fundada em 970, e nos anos 1000, os seljúcidas estabeleceram dezenas de madrassas em todo o Oriente Médio. O conceito de institutos que concedem certificados de conclusão (graus), foram difundidos para a Europa através de Espanha muçulmana, onde os estudantes europeus viajavam à estudo. As Universidades de Bolonha, na Itália e Oxford, na Inglaterra foram fundadas nos séculos 11 e 12 e continuou a tradição muçulmana de concessão de graus para os alunos que os mereciam, para usá-lo como um juiz das qualificações de uma pessoa em um assunto particular.

Bandas Militares

Muitos estudantes que frequentaram escolas e universidades no mundo ocidental estão familiarizados com banda militar. Formada por um grupo de algumas centenas de músicos, uma banda de marchas se situa em um campo durante um evento esportivo para entreter o público e animar os jogadores. Estas bandas de escola se desenvolvem a partir da utilização de bandas militares durante a Idade Pólvora na Europa, que foram projetados para encorajar os soldados durante a batalha. Esta tradição tem suas origens nas faixas Mehter otomana em 1300, em que ajudaram a tornar o exército otomano um dos mais poderosos do mundo.

Como parte do corpo de janízaros da elite do Império Otomano, o propósito da banda de mehter era tocar música alta que iria amedrontar inimigos e incentivar aliados. Usando enormes tambores e címbalos, os sons criados por uma banda mehter poderia se estender por quilômetros. Durante a conquista otomana nos Balcãs ao longo dos séculos 14 aos 16, bandas Mehter acompanharam os exércitos otomanos temíveis, que pareciam quase invencíveis, mesmo em face de grandes alianças europeias.

Uma banda militar mehter Otomana

Uma banda militar mehter Otomana

Eventualmente, a Europa cristã também pegou a utilização de bandas militares para assustar inimigos. Diz a lenda que após o cerco otomano de Viena, em 1683, o exército otomano recuou, deixando dezenas de instrumentos musicais para trás cujo os austríacos coletaram, estudaram e colocaram para seu próprio uso. Exércitos de toda a Europa em breve começaram a implementar em suas marchas bandas militares, revolucionando a forma como a guerra foi travada na Europa durante séculos.

Recomendado para você:  A vida do Imame Abu Hanifa

Câmeras

É difícil imaginar um mundo sem fotografia. Bilionárias empresas como Instagram e Canon são baseadas na idéia de captar a luz de uma cena, criando uma imagem a partir dela, e reproduzir essa imagem. Mas isso é impossível sem o trabalho pioneiro do cientista muçulmano do século 11, Ibn al-Haytham, que desenvolveu o campo da óptica e descreveu como a primeira câmera funcionava.

Conceito da câmera Pinhole

Conceito da câmera Pinhole

Trabalhando na cidade imperial de Cairo no início dos anos 1000, Ibn al-Haytham foi um dos maiores cientistas de todos os tempos. Para regular os avanços científicos, ele desenvolveu o método científico, o processo básico pelo qual toda a investigação científica é conduzida. Quando ele foi colocado sob prisão domiciliar pelo governante fatímida al-Hakim, ele tinha o tempo e capacidade de estudar como funciona a luz. Sua pesquisa parcialmente focada em como a câmera pinhole funcionava. Ibn al-Haytham foi o primeiro cientista a perceber que quando um pequeno furo é colocado para o lado de uma caixa à prova de luz, raios de luz a partir do exterior são projetadas através desse pinhole (abertura) na caixa e na parede de trás dele. Ele percebeu que quanto menor o pinhole, mais nítida seria a qualidade da imagem, dando-lhe a capacidade de construir câmeras que foram incrivelmente precisas ao capturarem uma imagem.

Fonte: http://lostislamichistory.com/5-muslim-inventions-that-changed-the-world/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.