Página Inicial » História Islâmica » O nascimento do Império Otomano
O nascimento do Império Otomano Islam Allah Muhammad Islamismo

O nascimento do Império Otomano

De acordo com a filosofia política de Ibn Khaldun, impérios têm expectativa de vida como seres humanos. Eles nascem, crescem, atingem a maturidade, e depois declinam e morrem. Compreender a infância dos impérios é crucial para entender por que um império torna-se poderoso, e de onde ele retira a sua força.

Este artigo irá olhar para a infância do Império Otomano. A partir de um pequeno Estado turco na Anatólia em 1300, a Casa de Osman acabou governando um estado que se estendeu por toda a Europa do Leste, Sudoeste da Ásia e África do Norte em 1500. O período inicial do Estado Otomano lançou as sementes para este grande império.

Sociedade Ghazi

No calor do verão, no ano 1071, uma batalha história de mudança acontecia na parte oriental da Anatólia (atual Turquia). Os turcos seljúcidas, um grupo com origem na Ásia Central, havia construído um império muçulmano poderoso em todo Sudoeste da Ásia nas décadas anteriores, e agora estavam chocando-se com o Império Bizantino poderoso, que tinha governado nestas terras há séculos. Na verdade, a guerra entre os bizantinos e os muçulmanos tinham sido um caso de vai e volta desde os anos 600. O resultado da Batalha de Manzikert em 1071 foi uma vitória decisiva Seljuk como nenhum exército muçulmano tinha visto antes, deixando o exército bizantino em farrapos.

Os beyliks da Anatólia por volta do ano 1300, com beylik (território) de Osman em vermelho.

Os beyliks da Anatólia por volta do ano 1300, com beylik (território) de Osman em vermelho.

Ao longo das próximas décadas e séculos, a Anatólia foi aberta para assentamento turco. Turcos migraram de suas pátrias para o antigo território bizantino e criaram suas próprias vilas e cidades, enquanto casando com as populações locais, que estavam se convertendo ao Islam.

Apesar de estarem seriamente derrotados em Manzikert, o Império Bizantino ainda era uma ameaça para os turcos. Como resultado, os turcos estavam em conflito constantemente com os bizantinos e acabaram por desenvolver uma sociedade que levantou soldados que lutaram contra os bizantinos de uma maneira lendário. Estes guerreiros que lutaram pela defesa do Islam contra os bizantinos eram conhecidos como ghazis. Grupos de guerreiros se reuniam em torno dos ghazis populares e bem sucedidos, criando pequenas milícias que se deslocavam por todo o campo de Anatólia.

Recomendado para você:  Jerusalém e Umar Ibn Al-Khatab

Ao longo do tempo, as milícias desenvolveram pequenos estados independentes. Estes estados eram conhecidos como beyliks e foram centrados em torno da idéia de uma sociedade ghazi. No centro de cada estado estava um líder que dirigia os ghazis daquele beyliks, e os liderava à guerra. No final dos anos 1200, numerosos beyliks existiram em toda a península de Anatólia.

Osman Ghazi

Um destes beyliks era de um ghazi chamado Osman. Ele nasceu em 1258, mesmo ano em que Bagdá foi destruída pelos mongóis, e o destino de seu beylik foi interligado com estas guerras mongóis. Diz a lenda que Osman teve um sonho em que uma árvore cresceu para fora de seu peito. Suas raízes e ramos cresceu para cobrir a Ásia, Europa e África. O Shaykh de Osman, que ele buscava regularmente para receber orientação islâmica interpretou o sonho como um sinal de que os descendentes de Osman estariam no centro de um império que controlava esses três continentes.

Osman Ghazi

Osman Ghazi

Bem antes de que seus descendentes pudessem tentar fazer o seu sonho uma realidade, o beylik de Osman foi centrado em torno da cidade de Sogut no noroeste de Anatólia. As fronteiras de seu pequeno estado pressionava contra o Império Bizantino. Isso fez com que ser um ghazi fosse muito mais importante e fundamental para a vida de Osman. Como resultado, sua estatura cresceu entre os outros beyliks turcos da Anatólia, e ghazis correram de todas as regiões para participarem de seu estado em crescimento.

Outra fonte de população para Osman foram os refugiados que fogiam das invasões mongóis no Oriente. Os exércitos mongóis ainda estavam causando estragos no Sudoeste da Ásia, e os refugiados fugiram para as bordas do mundo muçulmano para escaparem. Assim, muitos deles encontraram um novo lar no beylik de Osman.

Com um enorme afluxo de guerreiros, Osman foi capaz de continuar pressionando contra o Império Bizantino. Os bizantinos neste momento estavam em pleno declínio. A idade de ouro tinha terminado há muito tempo, e o império incipiente mal conseguia segurar as pressões de Osman e seus ghazis ferozes. O resultado foi que Osman ampliou em muito seu território ao longo dos anos e décadas de 1300. Foi neste momento que os historiadores consideram a transformação do beylik de Osman em um império. Os otomanos se chamavam seu estado Devlet-i Osmaniyye, turco para “O Estado de Osman”. A palavra portuguêsa “otomano” é uma corruptela do nome de Osman.

Recomendado para você:  O Islam realmente se espalhou pela Espada?

Depois de Osman

Osman morreu em 1326, depois de ter lançado os alicerces para um império que duraria até 1922. Todos os sultões futuros do Império eram cingidos com a espada de Osman quando assumiam o poder. Isto significava que o seu papel era como um ghazi em primeiro lugar e seu apego ao patriarca da dinastia. O filho de Osman, Orhan, tomou o poder depois de seu pai, e recebeu um muito importante conselho de Osman:

“Filho! Tenha cuidado com as questões religiosas antes de todos os outros direitos. Os preceitos religiosos constroem um Estado forte. Não dê deveres religiosos para homens descuidados, sem fé e pecaminosos ou dissipados, pessoas indiferentes ou inexperientes. E também não deixe as administrações estaduais para essas pessoas. Porque alguém, sem medo de Deus, o Criador, não tem medo do criado. Aquele que comete um grande pecado e continua a pecar não pode ser leal. Estudiosos, homens virtuosos, artistas e homens de letras são o poder da estrutura estatal. Tratá-los com bondade e honra. Construa estreita relação quando você ouvir falar de um homem virtuoso e dê riqueza e conceder-lhe… Coloque em ordem os direitos políticos e religiosos. Tome lição de mim, assim que eu vim para esses lugares como um líder fraco e cheguei com a ajuda de Deus, embora eu não merecesse. Você, siga o meu caminho e proteja o Din-i-Muhammadi [Islam] e os crentes e também seus seguidores. Respeite o direito de Deus e Seus servos. Não hesite em aconselhar os seus sucessores desta forma. Dependa da ajuda de Deus para a estima da justiça e equidade, para remover a crueldade, as tentativas em cada plantão. Proteja o seu público da invasão do inimigo e da crueldade. Não se comporte como qualquer pessoa de forma inadequada com injustiça. Satisfaça o público e salve tudo que eles amam.”

A partir disso podemos ver claramente o ênfase que os otomanos colocaram no Islam. Não só Osman deu ao filho um conselho sobre a administração, mas ele entrelaça esse conselho com as características de um bom muçulmano. Este discurso não foi feito apenas para o seu filho Orhan. Todos os sultões otomanos subsequentes iriam olhar para este conselho de seu antepassado para ajudá-los a governarem o império de forma eficaz e islamicamente.

O túmulo de Osman em Bursa

O túmulo de Osman em Bursa

Orhan passou a expandir o império de seu pai ao conquistar a importante cidade de Bursa dos bizantinos no início de seu reinado. Durante as próximas décadas, Orhan, então Murad I, e, em seguida, Bayezid I continuaram a expandir o Estado otomano. Por um lado, eles iriam conquistar o território dos bizantinos (eventualmente expandindo sobre o território bizantino na Europa) no Ocidente, e, por outro, eles iriam absorver os outros estados turcos através de alianças, casamento, e em alguns casos, a guerra. Até o final de 1300, o império tinha crescido e incluido a maior parte do antigo Império Bizantino, com exceção da cidade de Constantinopla, o que não seria conquistada até 1453.

Recomendado para você:  A Mesquita Al-Aqsa durante as Eras

Enquanto o Império Otomano iria experimentar muitos altos e baixos em sua ilustre história de 600 anos, as origens e ascensão do império devem ser entendidas para compreendermos plenamente como os otomanos viam a si mesmos e o seu papel no mundo. A partir de suas origens como uma pequena beylik turca centrada em torno de uma sociedade ghazi, eles expandiram para se tornarem um dos impérios mais poderosos da história moderna. Com ênfase de que os primeiros otomanos colocaram no estilo de vida ghazi e a defesa do Islam, podemos começar a entender como esse império subiu para as alturas a que chegou em 1400 e 1500.

Bibliografia

Hourani, Albert Habib. A History Of The Arab Peoples. New York: Mjf Books, 1997. Print.

Itzkowitz, Norman. Ottoman Empire And Islamic Tradition. Chicago: University Of Chicago Press, 1981. Print.

Fonte: http://lostislamichistory.com/the-birth-of-the-ottoman-empire/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.