Página Inicial » Sufismo » Reconhecer Beleza e Perfeição: Crescendo no Amor Divino

Reconhecer Beleza e Perfeição: Crescendo no Amor Divino

O que é o amor? Como ele pode ser definido? Pode, ao menos, ser definido? O amor pode realmente ser colocado em palavras? Há ainda questões mais profundas para os crentes, como o que é o amor de Deus? E como podemos nutrir o amor de Deus em nossos corações? De fato, dizer que esta é a maior questão existencial do homem seria, com toda a probabilidade, um absoluto eufemismo; pois tal é a sua centralidade para uma vida de fé verdadeira.

Houve certa relutância por parte dos estudiosos clássicos quando se tratava de definir o amor (mahabbah). Não é que eles não tenham tentado, mas as definições tendem a ser causas, sintomas, efeitos ou conseqüências do amor, em vez do amor em si. Uma descrição geral do amor como “mayl” ou “inclinação” à parte, alguns sentiram que aqueles que tentaram definir o amor o fizeram em termos de seu próprio gosto experiencial, ou dhawq; ou até o ponto de seu próprio anseio por Deus, ou shawq.

Tal hesitação é encontrada em Ibn Qayyim al-Jawziyyah que, ao discutir a questão do amor, opta por não dar sua própria definição, mas lista trinta sugestões de outras; observando como elas são definições incompletas ou são descritivas das conseqüências do amor. A única definição para obter aceitação próxima (embora não exatamente uma definição) é uma descrição bastante lírica de um jovem Junayd al-Baghdadi que fala sobre a auto-anulação do amante de Deus na adoração e serviço dEle.

Assim, ao encerrar suas tentativas de definir o amor, Ibn Qayyim al-Jawziyyah diz: “O trigésimo – sendo o mais abrangente do que se diz sobre ele: Abu Bakr al-Kattani relatou que uma discussão sobre o amor aconteceu em Meca ( que Deus, exaltado seja Ele, honre-a) durante a temporada de peregrinação. Os shaykhs discutiam sobre isso, com Junayd sendo o mais novo deles. Eles perguntaram-lhe: ”Diga-nos a sua opinião, ó iraquiano!” Com a cabeça baixa e os olhos cheios de lágrimas, ele disse: “Quando o servo é apagado de si mesmo, unido à lembrança de seu Senhor, faz o que é devido a Ele, e o vê com o coração, então seu coração é incendiado por as luzes do temor divino; e sua bebida da taça do amor divino é feita pura e o Poderoso ergue o véu do invisível para ele. Então, quando ele fala, ele fala através de Deus. Quando ele diz algo, ele se expressa sobre Deus. Quando ele se move, ele se move pela vontade de Deus. Quando ele está descansando, ele descansa com Deus. Então ele é para Deus, por Deus e com Deus! ” Os shaykhs começaram a chorar, dizendo: ”O que mais pode ser dito. Que Deus te recompense, ó coroa dos gnósticos.”

Recomendado para você:  A Diferença entre Sufismo Islâmico e Pseudo-Sufismo

Subhana’Llah!

No entanto, de qualquer forma que se defina o amor, em seu coração está a idéia de ma’rifat al-kamal – “reconhecer a perfeição”. Uma das grandes portas para o homem nutrir um profundo e permanente amor de Deus é a apreciação dos atos de bondade e beneficência de Deus à Sua criação. “Os corações”, foi dito, “foram criados com uma disposição natural para amar aqueles que fazem o bem a eles.” À medida que essa apreciação se aprofunda, o amante é levado a uma porta ainda maior: a porta da mafifat kamal – reconhecimento da beleza e perfeição absoluta de Deus em termos de Seus atos (af’al), atributos (sifat) e essência (dhat). Em um célebre hadith, lemos: “Deus é lindo e ama a beleza”. Ibn Qayyim al-Jawziyyah escreve:

“A maior maneira de conhecer a Deus é conhecer o Senhor por meio de Sua beleza, transcendente é Ele: é assim que a elite da criação o conhece. Os outros O conhecem através de um dos Seus atributos, enquanto os mais perfeitos deles O conhecem por meio de Sua perfeição, admiração e beleza – [embora afirmando que] não há nada que remotamente se pareça com Ele em termos de atributos. Agora, se, apenas por argumento, toda a criação tivesse belas formas, então a mais bela delas (interior e exterior), quando comparada à beleza do Senhor, seria mais fraca do que a mais fraca luz das velas em comparação com o resplandecente brilho do sol. É suficiente [conhecer] sobre Sua beleza que “se Ele removesse o véu de Sua face, o esplendor de Seu semblante consumiria Sua criação até onde Seu olhar se estende”.  Também é suficiente que toda beleza, interior ou exterior, neste mundo ou na vida após a morte, é obra de Sua obra. O que então há para se dizer da beleza do Criador de tal obra?”

Recomendado para você:  Qual o posicionamento da Jurisprudência Islâmica com relação ao zikr em movimento dos sufis?

Ele também disse: “Assim, Seus nomes são todos belos. Seus atributos são todos perfeitos. E Seus atos são todos sábios, benéficos, justos e compassivos. Quanto à beleza de Sua essência e como é, então é algo conhecido apenas por Ele; nenhum outro sabe disso. Nenhuma de Suas criaturas possui qualquer conhecimento dela, exceto que alguns a quem Ele honra recebem algum conhecimento dela … De fato, um servo progride do conhecimento dos atos divinos, para conhecer os atributos divinos; e do conhecimento dos atributos divinos, para conhecer [algo sobre] a essência divina. Sempre que ele testemunha alguma coisa da beleza dos atos divinos, ele infere daí a beleza dos atributos divinos; e da beleza dos atributos divinos, ele infere daí a beleza da essência divina.”

Tal é o significado de ma’rifat al-kamal, que em quase todos os versos do Alcorão há menção aos belos atos e atributos perfeitos de Deus. Porque Deus quer o reconhecimento de Sua perfeição para que conduza ao amor de Sua própria essência; isto é, ao amor Dele.

Fonte: https://thehumblei.com/2013/09/06/love-the-recognition-of-beauty-perfection/

 

Sobre A Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.