Página Inicial » Mundo Islâmico » São João Batista: Uma figura respeitada e admirada por muçulmanos

São João Batista: Uma figura respeitada e admirada por muçulmanos

João Batista é mencionado no Alcorão como um dos profetas islâmicos. Seu túmulo está localizado dentro de uma mesquita em Damasco, na Síria.
  • João Batista é uma figura extremamente estimada e homenageada entre muçulmanos.
  • Ele é considerado um profeta islâmico que viveu uma vida dedicada a Allah e previu a vinda de Jesus.
  • O Alcorão diz que todas as pessoas serão julgadas por alguma falta no Dia do Juízo Final, exceto João Batista.
  • O santuário onde está seu túmulo fica dentro de uma mesquita em Damasco.

No Brasil, Junho é um mês especial pelas festas católicas juninas, ou “São João”. Estas festividades surgiram originalmente para comemorar uma figura bíblica famosa, João Batista, um profeta ou pregador itinerante que previu o advento de Jesus, o Messias.

Contudo, João Batista, ou através da forma arábica de seu nome, Yahya, é um dos grandes profetas mencionados no livro sagrado islâmico, o Alcorão, onde aparece pelo menos cinco vezes, e é uma das muitas figuras ambivalentes entre o cristianismo e o Islam.

Muçulmanos honram João Batista através de sermões nas mesquitas e nomeando seus filhos em sua homenagem – por isso, Yahya é um nome muito comum entre muçulmanos. Até mesmo o local final de descanso desta grande figura bíblico-corânica se encontra em um templo atualmente islâmico.

A versão islâmica da história de João Batista (Yahya)

No Alcorão, a história de João Batista começa com as intensas súplicas de seu pai, o Profeta Zakariya, para que tivesse um herdeiro. A preocupação de Zakariya não era infundada, afinal, em idade avançada, ele e sua esposa já não tinham esperanças de conceber. Então, Allah atendeu-lhe a súplica, dando-lhe a notícia milagrosa de que sua esposa conceberia um filho, cujo nome seria escolhido por Allah: “Yahya”, ou “aquele que vivifica”, devido ao seu nascimento de uma mulher que todos julgavam estéril. “Ouça minha súplica como atendestes a súplica de Teu servo Zakariya” é uma oração comum entre muçulmanos até hoje.

O jovem João Batista era uma criança única, profundamente tocada pelo dom divino. Enquanto alguns profetas receberam a revelação, ou até mesmo a consciência da Profecia na fase adulta, desde criança ele já sabia porque e para que foi criado. Allah diz no Alcorão: 

“Ó Yahya (João Batista), observa fervorosamente o Livro!” E o agraciamos, na infância, com a sabedoria, assim como com as Nossas clemência e pureza, e foi devoto. E piedoso para com seus pais, e jamais foi arrogante ou rebelde. A paz esteve com ele desde o dia em que nasceu, no dia em que morreu e estará no dia em que for ressuscitado.” (19:12-15)

Nos ditos do Profeta Muhammad, é dito que todo filho de Adão terá alguma falta pela qual será julgado por Deus, exceto João Batista, filho de Zakariya. Nas fontes sagradas islâmicas, são relatadas algumas outras passagens e diálogos entre Jesus e seu primo João Batista, que tiveram juntos um período de vida cheio de lições. Ele costumava pregar no Monte do Templo e tinha uma vida de ascetismo tão pura que é dito que se alimentava de folhas e por vezes gafanhotos, e permaneceu solteiro pelo resto de sua vida.

Os mandamentos de João Batista para os israelitas foram cinco: o monoteísmo, a adoração, o jejum, a caridade e a recordação constante de Allah e seus favores, e dentre seu povo ele era bastante popular. 

Contudo, um conflito entre ele e as autoridades da Judeia teve início. O tirano Herodes Antipas estava apaixonado por Salomé, filha de seu irmão. Ele estava planejando se casar com sua linda sobrinha. O casamento foi incentivado por sua mãe e por alguns dos homens instruídos de Sião, por medo ou para ganhar favores com o governante. Porém, ao ouvir o plano do governante, João declarou que esse casamento seria incestuoso. Ele não o aprovaria sob nenhuma circunstância, pois era contra a Lei da Torá. 

O pronunciamento de João Batista se espalhou como fogo e colocou a opinião pública contra o rei. Salomé estava em fúria, pois era sua ambição governar o reino com seu tio. Ela conspirou para alcançar seu objetivo. Vestindo-se de forma atraente, ela cantou e dançou diante do tio, despertando a luxúria de Herodes. Abraçando-a, ele se ofereceu para cumprir qualquer coisa que ela desejasse. Então, imediatamente, ela lhe disse: “Adoraria ter a cabeça de João Batista, pois ele manchou  sua honra e a minha por toda a terra. Se você me conceder esse desejo, ficarei muito feliz e me entregarei a ti”. Enfeitiçado por seu charme, ele se submeteu a seu pedido monstruoso. João foi executado e sua cabeça foi levada à Salomé. A mulher cruel exultou de alegria. Mas a morte do amado profeta de Allah foi vingada. Não apenas ela, mas seus apoiadores e povo foram severamente punidos por exércitos invasores que destruíram o reino. 

O Túmulo de João Batista 

O local de descanso final de João Batista, em Damasco, na Síria, até hoje é um grande centro que recebe visitas de pessoas de todo o mundo. Primeiro, começou como uma Igreja, a Basílica de São João Batista, que anteriormente havia sido um templo romano pagão, até que a cidade de Damasco foi tomada do Império Bizantino pelas forças do Califado Rashidun sob o general Khalid ibn Walid em 634, muitos séculos após a morte de João. Nesta altura da conquista islâmica, o templo tornou-se uma “igreja-mesquita”, com muçulmanos compartilhando o local com cristãos nos serviços religiosos. Até 649, um bispo cristão nestoriano escreveu:

“Esses árabes não lutam contra a nossa religião cristã, e sim defendem nossa fé, respeitam nossos sacerdotes e santos e trazem presentes às nossas igrejas e mosteiros”.

Contudo, décadas mais tarde, no reinado do califa omíada al Walid I (705–715), este último tomou a decisão de organizar as orações islâmicas da cidade no local da Basílica, que seria consagrada como Mesquita, e assim o fez, dando outras igrejas em compensação aos cristãos da cidade. Daí em diante, o mausoléu do Profeta João Batista tornou-se um local bastante popular de visitação islâmica, e assim é até hoje, atraindo centenas de muçulmanos devotos que vêm prestar respeito e saudações a este grande personagem de ambas as religiões. 

Links para Leitura

Sobre a Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.