Página Inicial » Mundo Islâmico » A Vida dos Mexicanos que se Converteram ao Islam

A Vida dos Mexicanos que se Converteram ao Islam

“Quero falar a minha língua, eu quero colocar o vestido indígena, mas também quero acreditar em Allah”. Conheça a comunidade mexicana convertida ao Islam.
  • Uma reportagem da National Geographic mostrou que o Islam está crescendo no México.
  • Em 15 anos, a comunidade triplicou de tamanho e, atualmente, já são mais de 5 mil muçulmanos em todo o país.
  • Os muçulmanos conseguem adequar os costumes locais à sua nova fé, apesar de enfrentarem algumas dificuldades.
  • Os adeptos do Islam no México encontram ajuda para aperfeiçoar as práticas religiosas. 

A comunidade islâmica no México triplicou de tamanho nas últimas duas décadas. Parte deste acontecimento se deve à influência dos refugiados que vieram do Líbano e da Síria. Atualmente, há cerca de 5.270 muçulmanos vivendo no país.

Durante os anos 1990, alguns muçulmanos espanhóis chegaram a converter uma comunidade zapatista que vive no país. Recentemente, comunidades indígenas que vivem ao redor da Cidade do México começaram a conhecer a mensagem de Allah e a praticar a nova religião.

Durante algum tempo, a comunidade da Cidade do México se reunia na casa do imam local para fazer suas atividades religiosas. Agora, eles contam com uma mesquita para poder cumprir com suas obrigações espirituais.

A nova identidade religiosa

Uma reportagem feita pelo site National Geographic mostrou que os muçulmanos carregam uma fé inspiradora. As novas práticas religiosas não impedem que os povos sigam a cultura local.

A fotógrafa italiana Giulia Iacolutti contou que uma das nativas afirmou: “Quero falar a minha língua, eu quero colocar o vestido indígena, mas também quero acreditar em Allah”.

Em algumas situações, o Islam se encaixa facilmente na rotina dos nativos. Por exemplo, as mulheres indígenas no estado de Chiapas, no sul do país, já tinham o costume de andar com lenços na cabeça. 

Por outro lado, os costumes alimentares, em especial a carne halal, tornou a alimentação um pouco mais difícil. O abate islâmico no México é raro e Chiapas é um estado muito pobre. A comunidade costuma providenciar as próprias vacas, abatê-las e dividi-las entre muçulmanos e os vizinhos de comunidades cristãs.

“Um ideal do Islam é que você precisa ajudar uma pessoa mais pobre que você”, diz uma mulher. “Não importa se você acredita em outro deus – você é meu vizinho e pode comer a mesma comida.”

Fortalecendo novos hábitos

Todos os muçulmanos recém convertidos precisam de ajuda para praticar os novos costumes. No México, professores de árabe ensinam o idioma aos novos muçulmanos e oferecem bolsas de estudo em cidades do Iêmen.

Na cidade de San Cristobal de las Casas, foi construída a primeira mesquita da comunidade, onde acontecem as orações e as celebrações religiosas. A existência do templo tem sido fundamental para fortalecer a interação religiosa local.

Ao contrário da Europa, a reação dos mexicanos ao Islam não é negativa. Apesar da tradição católica no país, ter fé é algo mais importante do que seguir uma determinada religião.

Para os novos fiéis, as obrigações do Islam, como fazer as cinco orações e evitar álcool e carne de porco, são considerados hábitos agradáveis, nos quais eles estão em constante aperfeiçoamento. Portanto, o Islam para eles não é um fardo, e sim um caminho proveitoso a ser seguido.

Links para Leitura

Sobre a Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.