Página Inicial » História Islâmica » Imam Ahmad ibn Hanbal: O Campeão da Crença Islâmica

Imam Ahmad ibn Hanbal: O Campeão da Crença Islâmica

Quem foi Ahmad ibn Hanbal, o precursor da escola Hanbali, famosa por ser a escola de jurisprudência aplicada na Arábia Saudita.
  • O Imam Ahmad ibn Hanbal foi responsável por resgatar a ortodoxia islâmica.
  • Sua motivação não era motivado por fundamentalismo, mas por questões políticas da época que colocaram a tradição em risco.
  • Suas convicções foram importantes não só para criar a escola Hanbali, mas para preservar a crença islâmica.

Até agora, em nossa série de quatro partes sobre os quatro grandes imames de fiqh (jurisprudência islâmica), temos visto que cada um dos imames tem um papel especial e duradouro na história islâmica. Imam Abu Hanifa foi o pioneiro quando se tratava da codificação do fiqh e de estabelecer os princípios de como deve ser estudado. Imam Malik confirmou a importância dos hadith no campo de fiqh através de sua coleção de hadiths, al Muwatta. E Imam al Shafi revolucionou o estudo do fiqh, estabelecendo o campo de Usul al fiqh, os princípios por trás do estudo do fiqh.

Para o último dos quatro grandes imames, Ahmad ibn Hanbal, sua contribuição foi além de apenas fiqh. Embora ele fosse um dos maiores juristas e estudiosos de hadiths de seu tempo, talvez seu maior legado tenha sido a sua coragem para defender as crenças ortodoxas do Islam como foram transmitidos ao Profeta Muhammad em face da perseguição e prisão nas mãos da autoridade política. Por esta razão, o legado de Imam Ahmad é muito mais do que apenas o estabelecimento do madhab Hanbali, pois também inclui a preservação de crenças islâmicas centrais contra a opressão política.

Vida Pregressa

Ahmad ibn Hanbal al Shaybani nasceu em 778 em Bagdá, a capital do califado abássida. A cidade relativamente nova foi rapidamente se tornando um centro de estudos de todas as formas. Assim, quando criança, Ahmad teve inúmeras oportunidades de aprender e expandir seus horizontes intelectuais. Desta forma, quando ele tinha 10 anos, já havia memorizado o Alcorão inteiro e começou a estudar as tradições do Profeta Muhammad, os hadiths.

Imam Ahmad viajou por toda a Península Arábica em busca de conhecimento
Imam Ahmad viajou por toda a Península Arábica em busca de conhecimento

Como Imam Shafi, Imam Ahmad perdeu o pai em uma idade muito jovem. Assim, além de gastar seu tempo estudando fiqh e hadith sob a orientação de alguns dos maiores estudiosos de Bagdá, ele também trabalhou em uma estação de correios para ajudar a sustentar a família. Ele era, portanto, financeiramente capaz de lidar com os estudos sob um dos alunos mais destacados do Imam Abu Hanifa, Abu Yusuf. A partir de Abu Yusuf, o jovem Ahmad aprendeu o básico de fiqh, como ijtihad (tomada de decisão intelectual) e qiyas (dedução analógica).

Depois de se tornar proficiente na madhab Hanafi, Ahmad ibn Hanbal começou a estudar Hadiths sob alguns dos maiores estudiosos de Hadith de Bagdá, incluindo Haitham ibn Bishr. Ele estava tão ansioso para expandir seus conhecimentos  sobre os ditos e feitos do Profeta que esperava seus professores fora de suas casas após o Fajr, regularmente, pronto para começar a lição do dia. 

Depois de estudar em Bagdá, ele passou a estudar em Meca, Medina, Iêmen e Síria. Durante este tempo, ele ainda encontrou o Imam al Shafi em Meca. Al Shafi ajudou o jovem Ahmad a ir além de apenas memorização de hadiths e fiqh e ser capaz de compreender também os princípios por trás deles. Esta colaboração entre dois dos quatro grandes imames mostra claramente que as escolas da lei islâmica não são opostas umas às outras, mas sim trabalham de mãos dadas. Na verdade, quando Imam al Shafi deixou Bagdá, ele foi registrado como tendo dito: “Eu estou deixando Bagdá, quando não há ninguém mais piedoso, nem um jurista maior do que Ahmad ibn Hanbal.”

Ahmad ibn Hanbal o Estudioso

Depois de estudar com o Imam al Shafi, Imam Ahmad foi capaz de começar a formular suas próprias opiniões jurídicas em fiqh. Quando Imam Ahmad tinha 40 anos de idade, no ano de 820, o seu mentor Imam al Shafi faleceu. Neste ponto, Imam Ahmad começou a ensinar hadith e fiqh ao povo de Bagdá. Os alunos corriam para suas palestras e ele cuidou especialmente dos mais pobres, tendo em mente suas próprias origens humildes.

Apesar de estar na capital do mundo muçulmano, Bagdá, Imam Ahmad se recusou a ser atraído para uma vida de luxo e riqueza. Ele continuou a viver de forma muito humilde e rejeitou os inúmeros presentes que as pessoas lhe ofereciam, escolhendo viver das pequenas quantias de dinheiro que tinha. Ele insistiu, especialmente, em não aceitar presentes de figuras políticas, garantindo sua independência em relação ao poder político, que poderia afetar os seus ensinamentos.

O Mihna

Imam Ahmad estava em Bagdá durante o tempo do califa abássida Al Mamun, que reinou entre 813 e 833. Embora al Mamun fosse vital para o estabelecimento de Bagdá como um centro intelectual, ele foi fortemente influenciado por um grupo conhecido como Mutazila. A filosofia Mutazili defendeu o papel do racionalismo em todos os aspectos da vida, incluindo a teologia. Assim, em vez de depender do Alcorão e da Sunnah para compreender Deus, eles contaram com técnicas filosóficas que foram primeiramente desenvolvidas pelos gregos antigos. A principal entre suas crenças era a de que o Alcorão era um livro criado, ao contrário das literais palavras não-criadas de Allah.

Al Mamun acreditava na linha Mutazili de pensamento e procurou impor este sistema novo e perigoso de crença em todo o seu império, incluindo aos estudiosos. Enquanto muitos estudiosos fingiram concordar com as ideias Mutazili a fim de evitar a perseguição, Imam Ahmad se recusou a comprometer suas crenças.

Escritos jurídicos baseados na madhab Hanbali escrito por Abu Dawud no final dos anos 800.
Escritos jurídicos baseados na madhab Hanbali escrito por Abu Dawud no final dos anos 800.

Al Mamun instituiu uma inquisição conhecida como o Mihna. Quaisquer estudiosos que se recusaram a aceitar as ideias Mutazili foram severamente perseguidos e punidos. Imam Ahmad, como o mais famoso estudioso de Bagdá, foi levado perante al Mamun, que o ordenou a abandonar suas crenças islâmicas tradicionais sobre teologia. Quando ele se recusou, foi torturado e preso. Seu tratamento nas mãos da autoridade política era extremamente pesado. Pessoas que testemunharam a tortura comentaram que até mesmo um elefante não poderia ter lidado com o tratamento a que Imam Ahmad foi sujeitado.

Apesar de tudo isto, Imam Ahmad se manteve firme às crenças islâmicas tradicionais e, assim, serviu de inspiração para os muçulmanos em todo o império. Seus ensaios estabeleceram o precedente de que os muçulmanos não deveriam desistir de suas crenças, independente do que a autoridade política lhes impunha. No final, Imam Ahmad sobreviveu a Al Mamun e seus sucessores, até que o califa al Mutawakkil subiu ao poder em 847 e terminou a Mihna. Imam Ahmad foi novamente livre para ensinar o povo de Bagdá e para escrever. Durante este tempo, ele escreveu seu famoso Musnad Ahmad ibn Hanbal, uma coleção de hadiths que serviram como base para a sua escola de pensamento jurídico, a madhab Hanbali.

Imam Ahmad faleceu em Bagdá em 855. Seu legado não se restringiu à escola de fiqh que ele fundou, nem à enorme quantidade de hadiths que ele compilou. Ao contrário dos outros três imames, ele teve um papel vital na preservação da santidade da crença islâmica em face da intensa perseguição política. Embora a madhab Hanbali historicamente tenha sido a menor das quatro, inúmeros grandes estudiosos muçulmanos ao longo da história foram grandemente influenciados pelo Imam Ahmad e os seus pensamentos, incluindo Abdul Qadir al Gilani, Ibn Taymiyyah, Ibn al Qayyim, Ibn Kathir e Muhammad ibn Abd al Wahhab.

Bibliografia

Haddad, Gibril. The Four Imams and their Schools. Muslim Academic Trust, Print.

Khan, Muhammad. The Muslim 100. Leicestershire, United Kingdom: Kube Publishing Ltd, 2008. Print.

Fonte: Lost Islamic History

Links para Leitura

Sobre a Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.