Página Inicial » História Islâmica » Cristianismo e a Conquista Islâmica da Espanha

Cristianismo e a Conquista Islâmica da Espanha

Poucas guerras na história islâmica foram tão decisivas ou tão influentes como a conquista muçulmana da Península Ibérica nos anos 710. Um pequeno exército muçulmano chegou nas costas do sul da Península Ibérica no ano 711 e por volta do ano 720, quase toda a península estava sob controle muçulmano. Algumas pessoas gostam de enquadrar esta conquista como dos muçulmanos imperialistas e agressivos conquistando e submetendo um povo cristão com terror e força.

A verdade, no entanto, está longe de ser isso. É um conflito muito complexo que não pode ser facilmente enquadrado em “Islam versus Cristianismo” ou “Oriente x Ocidente”. A história da invasão muçulmana da Espanha é de justiça, liberdade e tolerância religiosa. Compreender a verdade por trás da invasão muçulmana da Península Ibérica é fundamental para a compreensão da história subsequente do pluralismo religioso visto em toda a história da Espanha muçulmana – al-Andalus.

Cristãos Unitários

Para entendermos completamente o conflito, nós temos que voltar centenas de anos antes do nascimento do Profeta Muhammad saws, no ano 570. Nós temos que entender uma fração vital dentro da comunidade cristã nos anos após o Profeta Jesus (Isa).

Embora hoje em dia quase todos os cristãos acreditem em um conceito chamado Trindade, este não foi sempre o caso. A Trindade é a crença de que Deus tem três partes – o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Jesus é descrito como sendo o Filho de Deus, e, portanto, parte do próprio Deus. Essa crença começou a surgir durante o tempo de Paulo, um missionário que introduziu a idéia de fazer o cristianismo mais popular entre os politeístas do Império Romano nos anos 40 até os anos 60 AD.

Esta inovação nas crenças era altamente perturbadora para muitos que seguiram a verdadeira mensagem do monoteísmo e devoção à Deus de Jesus. Logo surgiram dois grupos no início da Igreja Cristã – aqueles que aceitaram Jesus como o Filho de Deus (os trinitários), e aqueles que simplesmente aceitou-o como um profeta (os Unitários).

Para o governo romano, a distinção entre os dois grupos não era importante. Ambos os Trinitários e os Unitários eram oprimidos nas primeiras décadas da era AD. Tudo isso mudou no final dos anos 200 e início dos anos 300, AD. Durante este tempo, um pregador unitarista, Arius, começou a acumular um grande número de seguidores entre os povos do Norte de África. Ele pregou a Unicidade de Deus, e do fato de que Jesus era um profeta de Deus, e não seu filho. Como tal, ele foi duramente combatido pelos defensores da Trindade, que o atacou e tentou marginaliza-lo como um louco enlouquecido. Apesar de sua oposição, suas crenças se fixaram em sua Líbia nativa, e em todo o Norte da África.

Imperador Constantino queimando os livros de Arius

Imperador Constantino queimando os livros de Arius

Neste momento, o imperador romano era um homem com o nome de Constantino. Ele é mais lembrado por sua transformação do declínio do Império Romano. Ele mudou a capital para Constantinopla (Istambul moderna), e conseguiu derrotar algumas das tribos bárbaras que estavam atacando Roma a partir do norte.

Recomendado para você:  A vida do Imame Abu Hanifa

Quando Constantino mudou-se para Constantinopla (que deu o nome de si mesmo), ele se tornou consciente da Igreja Cristã trinitária, que lhe informou que, se ele se convertesse ao cristianismo, ele poderia ter todos os seus pecados anteriores perdoados. Tendo feito isso, ele percebeu que poderia usar a Igreja Cristã para fortalecer-se politicamente. Como tal, ele começou a promover a visão trinitária do cristianismo, e violentamente oprimir Unitários, como Arius. Durante este tempo, o Concílio de Nicéia foi convocado em 325. O objetivo era resolver finalmente se Jesus era o filho de Deus.

Naturalmente, a conclusão do Conselho foi a de que Jesus era uma parte de Deus e Seu Filho, e quem negasse isso deveria ser excomungado da Igreja cristã. Os Unitários, que eram até agora uma grande maioria da população do norte da África e na Península Ibérica, foram, assim, oficialmente banidos e forçados a praticarem suas crenças na clandestinidade. Constantino ordenou que todos os documentos Unitários fossem queimados e Arius fosse exilado.

A entrada do Islam na Espanha

Essa opressão de Unitários continuou nos anos 600, quando uma nova força, Islam, se tornou conhecida na Península Arábica. Quando os exércitos muçulmanos começaram a aparecer nas bordas do Império Romano, os Unitários do Norte da África perceberam que eles compartilhavam muitas coisas em comum com esta nova religião. Ambos acreditavam na Unicidade de Deus. Ambos acreditavam que Jesus era um profeta. Ambos acreditavam que a posição trinitária oficial da Igreja foi uma inovação que deveria ser combatida. Como tal, eles perceberam que o Islam era simplesmente a conclusão dos ensinamentos originais de Jesus, e a maior parte do norte da África se converteu ao Islam dentro dos anos 600.

Recomendado para você:  5 invenções Islâmicas que mudaram o mundo

O novo império muçulmano, que era dirigido pela dinastia Omíada, entre os anos 661 até 750, se estendia do Oceano Atlântico, a oeste com as fronteiras da Índia, a leste, a menos de 100 anos após a morte do Profeta Muhammad saws. Histórias da justiça e da equidade em que os muçulmanos governavam rapidamente se espalharam para além das fronteiras muçulmanas, particularmente na Península Ibérica.

No início dos anos 700, a Ibéria foi controlada por um rei visigodo, Roderic, que era visto como um tirano por seu povo. Ele continuou a política romana da Santíssima Trindade, e tentou impor suas crenças sobre a população, que era principalmente Unitária. Historiadores muçulmanos, como Ibn Khaldun, contam a lenda de um nobre Ibérico com base no norte da África, Julian, que foi para um dos líderes militares muçulmanos no norte da África, Tariq ibn Ziyad, e pediu ajuda para derrubar Roderic. Além de ser um tirano opressivo, Roderic havia seqüestrado e estuprado a filha de Julian.

Espanha muçulmana nos anos 1000

Espanha muçulmana nos anos 1000

Assim, em 711, Tariq liderou um exército de alguns milhares para a costa sul da Península Ibérica. Depois de algumas pequenas escaramuças, ele conheceu o grosso do exército de Roderic na Batalha de Guadalete em 19 de julho, 711. O resultado foi uma vitória decisiva para Tariq, e a morte de Roderic. Com a ameaça visigótica indo embora, os exércitos muçulmanos foram capazes de conquistar o resto da península nos próximos 7 anos.

Unitários e Muçulmanos

A história descrita acima de como os muçulmanos conseguiram conquistar a Espanha parece muito simplista e altamente improvável. Um exército de alguns milhares dificilmente poderia conquistar um país inteiro de 582.000 km2 em apenas 7 anos. No entanto, tendo em conta a presença Unitária, faz muito mais sentido.

Recomendado para você:  Jerusalém e Umar Ibn Al-Khatab

Quando os muçulmanos chegaram à Ibéria em 711, os Unitários ficaram muito felizes em ajudar os seus irmãos no monoteísmo contra o governo trinitário opressivo. Por esta razão, após a principal batalha contra Roderic, a maioria das cidades e vilas da Espanha abriram suas portas para Tariq, sem luta. Os muçulmanos ofereciam um sistema jurídico justo, a liberdade de praticar a religião, e da eliminação de impostos opressivos e injustos. Não é à toa que o exército de Tariq era capaz de conquistar toda a península com um pequeno exército em poucos anos.

A conquista muçulmana da Espanha não deve ser vista como uma conquista estrangeira e subjugação de uma população nativa. Em vez disso, é uma revolta dos cristãos Unitários (auxiliados por muçulmanos) contra um governo opressivo trinitário. Os exércitos muçulmanos foram especificamente convidados para a Espanha para removerem a opressão e estabelecerem a justiça, que eles conseguiram fazer com o apoio dos moradores. Com um reinado tão justo e moral, os muçulmanos conquistaram centenas de milhares de convertidos ao Islam. É claro que, a semelhança de crenças entre os muçulmanos e Unitários também contribuiu muito para a conversão da população da Ibéria para o Islam. Dentro de 200 e 300 anos da invasão inicial, mais de 80% da população da Espanha era muçulmana, com o número total de mais de 5 milhões de pessoas, a maioria delas pessoas de origem espanhola cujos antepassados se converteram, não imigrantes.

Bibliografia

‘Ata ur-Rahim, Muhammad. Jesus: Prophet of Islam. Elmhurst, New York: Tahrike Tarsile Quran, Inc. , 1991. Print.

Carr, Matthew. Blood and Faith: The Purging of Muslim Spain. New York: The New Press, 2009. Print.

Khaldun, Ibn. Tarikh Ibn Khaldun. Beirut: Dar al-Fikr, 1988. Web. http://shamela.ws/index.php/book/12320 .

Fonte: http://lostislamichistory.com/christianity-and-the-muslim-conquest-of-spain/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.