Página Inicial » História Islâmica » Um Breve Introdução a trajetória das Ordens Sufis no Mundo Muçulmano
Livro Sol Nascente Mawlana Sheikh Nazim
DANCING DERVISHES, c1600. Whirling dervishes of the Mevlevi order, one of the many Sufi sects. Manuscript illumination, Persian, c1600.

Um Breve Introdução a trajetória das Ordens Sufis no Mundo Muçulmano

Diferentes ordens espirituais islâmicas (turuq) vieram e foram. Elas aumentaram e diminuíram em popularidade. Novas ordens se ramificaram das já existentes. Enquanto algumas estagnaram diante de novos desafios, outras surgiram para a ocasião e se estabeleceram como forças espirituais, sociais e políticas. Tentarei esboçar muito brevemente as ordens sufis mais proeminentes da história islâmica. Deixei de lado os honoríficos, pois eles tendem a ser bastante subjetivos e tornam o texto consideravelmente mais longo e menos legível. Isso não significa desrespeito a nenhum dos mestres espirituais, a todos por quem oramos e cuja sabedoria procuramos absorver.

Talvez a primeira ordem formalizada a florescer foi a Suhrawardiyya no Iraque e na Pérsia. O fundador da ordem foi Abu al-Najib al-Suhrawardi (1097-1168), e foi formalizado pelo seu sobrinho Abu Hafs al-Suhrawardi, autor de Awarif al-Ma’arif. A ordem se espalhou para o leste para a Índia pelo discípulo deste último, Baha al-Din Zakariyya.

Outra ordem surgida do Iraque, a Rifa’iyya, batizada em homenagem ao seu fundador Abu al-Abbas Ahmad al-Rifa’i (1118-1182). Esta ordem veio a dominar o Iraque e a Síria. Mais tarde, a Qadiriyya (nomeada  em homenagem a seu fundador, o estudioso da escola hanbali ‘Abd al-Qadir al-Jaylani) também cresceu e se tornou imensamente popular em grande parte do mundo muçulmano. No entanto, apesar do que alguns possam imaginar, o sucesso da Qadiriyya não foi instantâneo, mas um desenvolvimento gradual, e foi de longe ofuscado pela ordem mais popular de Rifa’i.

Do norte da África veio Abu al-Hasan al-Shadhili (1196-1258). Ele viajou para o leste visando tomar o caminho da ordem Rifa’i. A lenda diz que foi no Iraque que ele conheceu Abu al-Fath al-Wasiti, o estudante de Ahmad al-Rifa’i que estabeleceu a ordem no Egito (e alguns argumentaram que foi no Egito que eles se encontraram, não no Iraque). Abu al-Fath al-Wasiti informou al-Shadhili que o pólo espiritual daquele época (qutb), deveria ser encontrado no mesmo local de onde al-Shadhili partira. E assim Abu al-Hasan viajou para casa e acabou indo mais a oeste, onde conheceu ‘Abd al-Salam ibn Mashish. A corrente de transmissão de Ibn Mashish remonta a ‘Abd al-Qadir al-Jaylani através de Abu Madyan (1126-1198), mas o que muitos não sabem é que ele também estava ligado à ordem de Rifa através de seu professor’ Abd al-Rahman al- Attar. A ordem Shadhili se enraizou no norte da África, onde se tornou a ordem mais proeminente. O mais proeminente sábio sufi do Ocidente muçulmano desta era foi, sem dúvida, Abu Madyan. Se a ordem encontrasse sua fortaleza no Iraque ou na Síria, provavelmente seria vista como um desdobramento da Rifa’iyya, e as correntes que passavam por Ahmad al-Rifa’i enfatizavam a de Abu Madyan através de al-Jaylani.

Recomendado para você:  O Islam realmente se espalhou pela Espada?

A Rifa’iyya continuou a dominar o Iraque e a Síria, teve uma presença no Egito, assim como a afiliada Badawiyya, em homenagem a Ahmad al-Badawi (1200-1276). Tanto no Egito quanto na Síria, outro ramo da Rifa’i criou raízes, o Sa’diyya, em homenagem a Sa’d al-Din al-Jibawi.

As terras otomanas estavam repletas de ordens sufis, e Konya era o centro da Mawlawiyya, nomeada em homenagem a Jalal al-Din al-Rumi (1207-1273-, muitas vezes referido como Mawlana, o apenas “Rumi” como no Ocidente. Ele se tornou sinônimo de amor, paz e tolerância. A Índia viu a ascensão da Chishtiyya, em homenagem a Mu’in al-Din Chishti (1142–1236). Seu homônimo foi uma força maciça na conversão pacífica de muitos hindus politeístas para o Islã e, finalmente, acabou por ser percebido como uma espécie de santo padroeiro da Índia e muito parecido com Mawlana Rumi, um símbolo de amor, paz e tolerância.

O Oriente viu a ascensão da Naqshbandiyya. Em contraste com as ordens acima mencionadas, que conduziram o dhikr (recordação de Allah) audível, às vezes em êxtase, Shah Baha al-Din Naqshband (1318–1389) ensinou a lembrança silenciosa  (dhikr khafi), às vezes referida como o método da imaginação (takhayyul). A ordem espalhou-se pela Pérsia, na Índia, e chegou à Anatólia otomana e às terras árabes. Atualmente, a maioria dos ramos ativos sobreviventes passa pelo shaykh indiano Ahmad al-Sirhindi, muitas vezes chamado de al-Imam al-Rabbani, ou Mujaddid Alf al-Thani (o Renovador do Segundo Milênio).

[Nota: De seu ramo veio o mawlana Khalid al-Baghdadi, que fundou seu próprio sub-ramo distinto, que é essencialmente o que resta da ordem na Turquia moderna e nas terras árabes.]

No momento em que essas ordens foram estabelecidas, fora da Índia, a Suhrawardiyya havia diminuído em popularidade, mas seu ramo Khalwatiyya ganhou proeminência e se tornou uma força massiva na Turquia Otomana, onde ao lado da Naqshbandiyya era vista como a ordem sufi dos estudiosos da shariah (tariqat al-‘ulama).

Recomendado para você:  Imam Al Bukhari e a Ciência dos Hadiths

A ordem Khalwati recebeu seu nome em homenagem a Siraj al-Din ‘Umar al-Khalwati (conhecido como tal devido à sua prática de reclusão contínua, em árabe chamada khalwa), e o wird (litania) universal da ordem, Wird al-Sattar, foi escrito por Yahya al-Bakubi, também conhecido como al-Shirwani. A ordem produziu uma infinidade de ramos, a maioria dos quais estavam centrados na Turquia otomana. Entre eles, a Sunbuliyya, Sha’baniyya, ‘Ushaqiyya, Jerrahiyya e muitos outros. O ramo Gulshani se espalhou da Pérsia para o Egito, mas não parece ter conquistado seguidores importantes entre a população árabe local. Um dos ramos mais proeminentes da ordem Khalwati, a Sha’baniyya, chegou às terras árabes, onde um novo ramo foi fundado por Mustafa al-Bakri, que no mundo árabe é muitas vezes erroneamente chamado de fundador da Khalwatiyya.

Com poucas exceções, todas as outras ordens que encontramos são ramos de uma das opções acima, ou uma combinação delas. Isso foi até que alguns sufis anunciaram que haviam recebido autorização espiritual do próprio Profeta, diretamente ou por intermédio de al-Khidr, como Abd al-‘Aziz al-Dabbagh e Ahmad b. Idris al-Fasi. Os sheykhs nomeados formalmente complementavam essa autorização profética com uma das ordens tradicionais, no seu caso principalmente a Shadhiliyya.

De todas as ordens espirituais de ordens tradicionais, as duas ordens mais bem servidas em termos de metodologia documentada são as ordens Shadhili e Naqshbandi. Isso não quer dizer que outras ordens não tenham documentação metodológica completa. De fato, a maioria das grandes ordens tem manuais descrevendo os seus princípios básicos e seu histórico. No entanto, eu entendo as ordens de Shadhili e Naqshbandi, respectivamente, como tendo sido mais completas na documentação e divulgação de instruções mais detalhadas e explicações de tais princípios. Muito mais pode ser dito, mas espero que isso atenda ao seu pedido, e que possa servir como um breve resumo.

Recomendado para você:  A Mesquita Al-Aqsa durante as Eras

Que Allah Ta’ala tenha misericórdia de todos os Seus servos.

Do servo dos buscadores de Allah, Isa Husayn Johansson

Fonte: https://bit.ly/2K1AWFd

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.