Página Inicial » Perguntas e Respostas » “Se o Hadith é autêntico, então é minha Escola” – Entendendo o dito dos Sábios
Blue Mosque and Bosphorus in Istanbul, Turkey

“Se o Hadith é autêntico, então é minha Escola” – Entendendo o dito dos Sábios

Pergunta: Os Imams dos madhahib (escolas) declararam: “Se o hadith é autêntico, então é o meu madhhab”. Portanto, se encontrarmos um Hadith no Bukhari e Muslim que contradiz nossa madhhab, devemos agir de acordo com o Hadith e deixar o dito de nosso madhhab. Não é assim? 

Resposta: Esta afirmação é frequentemente usada, mas infelizmente é frequentemente mal entendida ou interpretada por grupos que vulgarizam as ciências religiosas a todo custo. O conjunto dos Imams do madhahib [1]  disse que se a sua opinião do madhhab contradiz um Hadith, então o Hadith tem que ser seguido e a opinião deixada de lado.

No entanto, quando eles disseram isso, eles referiram aos seus alunos que eram sábios, não para o homem comum, tão pouco, para alguns ocidentais que chegaram 1200 anos depois, totalmente ignorantes das ciências da Shariah.Foi assim que se entendeu essa afirmação dos grandes Imams, segundo os grandes sábios do passado: 

Ibn Abidine declarou em “al-Hashiyah ” (01/68):

«Isso também foi dito pelos quatro imams pelo Imam Ash-Sharani. Não há dúvida que se refere àqueles capacitados para analisar as evidências, que têm conhecimento do muhkam (lei estabelecida) e sua mansukh (ab rogação). Pois, se os sábios de um madhhab analisam uma evidência e então agem de acordo com o resultado dessa análise, é correto atribuí-lo a um madhhab, porque seria então concedida com a permissão do fundador do madhhab, pois se ele conhecesse a fraqueza de sua evidência, teria seguido a evidência mais forte.” 

Ibn Abidine diz claramente que somente os sábios são capacitados e autorizados a agir sobre essas questões, e não o homem comum. 

Sheikh Abd al-Ghaffar Uyun As-Sud transcreveu em “Daf al-Awham ” (pág. 15) as condições estipuladas por Ibn Abideen que permitiram seguir o Hadith e deixar de lado o madhhab:  

«É uma boa transcrição, porque em nosso tempo vemos muitas pessoas que têm a ilusão de conhecimento, que pensam estar no topo das estrelas, mesmo que estejam à um nível mais baixo. Talvez esse tipo de pessoa tenha lido um dos seis livros – por exemplo – e tenha encontrado um Hadith que parece contradizer o madhhab de Abu Hanifa. Esta pessoa então diz: «deixe o madhhab de Abu Hanifa … e pegue o Hadith do Mensageiro de Allah (s.a.w.s)! Embora, possa ser que este Hadith seja ab rogado, ou que contradiga algo mais forte do que ele, em termos de cadeia de transmissão (Sanad), ou é parte das coisas que não são levadas em consideração. Essa pessoa não está ciente disso, porque ele não tem as habilidades necessárias que permitem uma classificação... Como o Sheikh diz, quantas dessas pessoas enganadas existem em nosso tempo? Aqueles que nos dizem para tomar tal Hadith e deixar o madhhab, em contrapartida, ignoram as bases mais elementares da escola e da Shariah? 

Recomendado para você:  O uso do Rosário (tasbih ou masbaha)

Imam An-Nawawi  disse :

“O que o Imam Ash-Shafi disse, não significa que quem quer que veja um hadith Sahih diga: “É o madhab ash-Shafi!”, Simplesmente aplicando o significado literal ou o significado aparente dessa palavra. O que ele disse se aplica apenas às pessoas que alcançaram o posto de ijtihad no madhhab. E isto, com a condição de que a pessoa esteja firmemente convencida de que o Imam Ash-Shafi não tinha o conhecimento do hadith ou de sua autenticidade. E isso não é possível até depois de ter pesquisado todos os livros do Imam Ash-Shafi e as obras de seus companheiros, aqueles que tiraram sua ciência dele e de outras pessoas semelhantes.”

É certamente uma condição difícil de cumprir. Poucos são aqueles que têm a capacidade de fazê-lo em nosso tempo. O que nós explicamos envolve condições, porque o Imam Ash-Shafi, parou de agir de acordo com significado aparente  de muitos ahadith (ditos), que ele considerava [autênticos] e que ele conhecia. No entanto, ele estabeleceu regras para criticar os ahadith ou a sua ab rogação ou a sua circunstância específica ou a sua interpretação, e etc… Assim, qualquer um entre os Shafi encontra um hadith que contradiga a sua escola, se é absolutamente cumprido [em termos de competências] em todas as disciplinas do ijtihad, ou sobre esta questão em particular, ou sobre questões específicas. Se este é o caso, se o fato de ir contra o Hadith o oprime – depois de ter procurado e não encontrado nenhuma justificativa para fazê-lo – então você deve aplicá-lo se um imam independente (mujtahid) que diferente de Ash-Shafi o aplicar. Então, nesse caso há uma boa razão para ele deixar a opinião do madhhab de seu Imam. 

Imam Taqi As-Subki escreveu um tratado chamado “Maana Qawl Imam al-Muttalibi” no qual esta questão com os ahadith e Madhahib é muito bem explicada. Ele começou contando as palavras do Imam Ibn Salah e Imam An-Nawawi (que Allah tenha misericórdia deles) e disse:

“Isso confirma que é difícil alcançar esse posto e que todos devem ter cuidado para não serem enganados por isso”. Abordar a maneira pela qual o Imam As-Subki claramente afirma em que ponto é difícil alcançar o posto e a posição que permitem agir de acordo com a declaração dos fundadores do Madhahib, e também que não se deve enganar imaginando-se suficientemente qualificado para agir de acordo com o Hadith deixando de lado o madhhab. Falando desta afirmação, Sheikh Yusuf Bin Isma’il Nibhaani disse:

“Em verdade, a seguinte declaração: “Se o Hadith é autêntico, então é meu madhhab” foi relatado de cada um desses quatro Imams que estavam isentos de opinião pessoal. Na verdade, essa afirmação não se dirige apenas aos seus companheiros (As-hab), isto é, aos juristas (Fuqaha) das escolas que eram grandes e ilustres imams, plenamente qualificados nas ciências racionais e narrativas da religião. A afirmação é dirigida àqueles que vieram depois destes ilustres Imams entre os grandes sábios de seus Madhahib, isto é, aqueles que eram os Ahl ut-Tarjeeh (as eminências). Cada um deles, que era o Hafidhin do Hadith de Rassulullah (s.a.w.s), conhecia o dalil (evidência) de todo o Madhahib. Na verdade, é para eles que essa declaração foi abordada, porque (estes grandes Fuqaha) conseguiram conciliar o Hadith à partir do qual o Imam tirou a evidência e o Hadith (que veio depois) que foi estabelecido como autêntico depois do Imam. (Estes ilustres Fuqaha) podem ver qual desses dois ahadith é mais autêntico e mais forte, e qual desses dois ahadith vieram depois, sendo que aquele que vem depois pode ser o Naasikh (ab-rogador) do primeiro.» 

Recomendado para você:  Qual a definição de um mártir no Islam? - Sheykh Muhammad Akram Nadwi

Assim como temos nessas citações, o fato de um Hadith ser autêntico não é suficiente para permitir que o homem comum o aplique, porque há muitos outros critérios, que apenas os estudiosos mais instruídos podem levar em conta. Além disso, um Hadith pode ser Sahih e não ser seguido, devido a várias razões. 

Pode, por exemplo, ser autêntico (Sahih), mas anulado. 

Al-Hafidh Ibn Hajar declarou em “Fath Al-Bari ” (01/413): “E quantos ahadith são mansukh (anulados), mas são Sahih em termos de critérios de autenticação”.

Um Hadith pode enganar aqueles que não são especialistas. 

Imam Al-Hafidh Ibn Abd al-Barr relata do Qadi al-Mujtahid Ibn Abi Lailah que disse:   “Seguimos à quatro no conhecimento: Dois no Egito e dois em Medina. Laith bin Saad e Amr bin al-Harith no Egito, e Malik e al-Majishun em el-Madinah, e sem eles, teríamos sido desviados

Khatib al-Baghdadi narra em “Al-Faqih wal Mutafaqqih” (02:80): 

“Um homem perguntou a Ibn Uqdah à respeito de um Hadîth, então disse: Não se preocupem com esses ahadith, porque eles não são bons, exceto para aqueles que conhecem sua explicação (Ta’wil), e Yahya bin Suleiman relata de Ibn Wahb que disse: Eu ouvi Malik dizer: Muitos desses ahadith são fonte de diversão… »

É obrigatório consultar os juristas (fuqaha) para a compreensão de Hadîth.

Al-Khatib narra em “al-Faqih wal Mutafaqih” (02:15-19), uma longa declaração de Imam Al-Muzani, que foi um dos mais brilhantes estudantes do Imam Ash-Shafi . 

No final, Al-Muzani declara: “Bem, olhe – que Allah tenha misericórdia- os ahadith que você compilou, e busque conhecimento com o povo do Fiqh para que você possa se tornar um dos jurista (fuqaha)”. Para os Maliki, um dos critérios que permitem que um Hadith seja posto de lado é a prática do povo Madinah (ahl ul-Madinah ). 

Recomendado para você:  Muçulmanos podem celebrar festas não-religiosas? - Sheykh Abdullah Bin Bayyah

Imam Abi Zaid al-Qairawani Al-Maliki, explicou a posição do Salaf, quanto ao ato de agir de acordo com certos ahadith e de não agir de acordo com outros, e que tudo o que é Sahih, não deve ser sistematicamente aplicado. 

Ele disse em “Kitab al-Jami” (p.117), ao listar as crenças de Ahl al-Sunna: “Devemos nos submeter à Sunnah. Os Salaf salih não devem ser contrariados pela opinião pessoal e não podem ser discutidos pelo raciocínio analógico. Sua interpretações são nossas interpretações, suas ações são nossas ações, e o que eles abandonaram, nós abandonamos […] »

Imam Malik ibn Anas disse:

«A prática (do povo da Medina) é mais solidamente estabelecida do que a do Hadith. O irmão de Muhammad Ibn Abi Bakr Ibn Hazms lhe disse: “Por que você não faz um aviso de acordo com este Hadith ou de acordo com tal outro?” 

Ele respondeu: “Eu não vi ninguém praticando de acordo com este Hadith”.

Os Salaf salih, imitavam os Companheiros, embora aparentemente parecessem contradizer o Hadith. 

Ibrahim al-Nakhai disse: “Se eu tivesse visto os Companheiros fazendo ablução até o pulso, teria feito o mesmo, mas li que eles estavam indo até os cotovelos.” 

E em “al-Hujjah fi Bayan al-Mahajjah, Abul Qasim al-Taymi al-Asbahani (02:401) relata que Ibrahim An-Nakhai disse: 

“Se eles tivessem lavado somente as unhas, não teríamos lavado mais…”

Imam Ahmad disse do Imam Ash-Shafi que isso basta como prova. 

Imam Al-Bayhaqi em “Ash-Shafi Manaqib ” (02:154) relata que o Imam Ahmad disse: “Hammad bin Ahmad al-Basri disse: Eu estava com Ahmad Ibn Hanbal e falávamos sobre uma questão, um homem disse a Ahmad: Óh Abu Abdallah! Não há hadith autêntico sobre isso! (Ahmad) respondeu: Embora não exista Hadith autêntico, há a opinião de Ash-Shafi, e sua prova é a mais estabelecida a esse respeito”.

Todas essas citações de nossos sábios mostram que a autenticidade de um Hadith não é suficiente para possibilitar a qualquer homem aplicá-lo, como pensam alguns. 

Pelo contrário, um conhecimento profundo e completo é necessário para reunir todos os ahadith em relação à um determinado assunto, e em seguida, ser capaz de obter uma opinião. Este é o trabalho dos melhores juristas (fuqaha). 

Se aventurar no Hadith, sem ter conhecimento suficiente, pode desviar as pessoas como foi testemunhado e mencionado pelos Imams do passado. 

Que Allah nos preserve da ignorância e do desvio. 

Notas: [1] Malik ibn Anas, Ahmad ibn Hanbal, Ash-Shafi, Abu Hanifa (Que Allah esteja satisfeito com eles).

Fonte: https://fiqh-maliki.blogspot.com/2012/06/si-el-hadith-es-autentico-entonces-se.html fbclid=IwAR2PEvcN8UtFGM8cwKEz7lDpinRyJ1dvIkApV6jg6VlqCPqSLcOMVUgZ3OI

Sobre A Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.