Página Inicial » História Islâmica » Rainhas do Islã – De Khayzuran a Zubayda, As Senhoras de Bagdá

Rainhas do Islã – De Khayzuran a Zubayda, As Senhoras de Bagdá

Da Indonésia ao Paquistão, do Quirguistão à Nigéria, do Senegal à Turquia, não é particularmente raro em nossa época que as mulheres em países de maioria muçulmana sejam nomeadas e eleitas para altos cargos, incluindo chefes de Estado. Nem nunca foi.

Estendendo-se por mais de 14 séculos desde o advento do Islã, as mulheres têm ocupado posições entre muitas elites dirigentes, desde malikas, ou rainhas, a poderosas conselheiras. Alguns ascenderam para governar por direito próprio; Outras se levantaram como regentes para maridos incapacitados ou sucessores masculinos ainda muito jovem para o trono. Algumas se mostraram administradoras perspicazes, corajosas comandantes militares ou ambos; Outras diferiam pouco de potentados masculinos igualmente falhos que semearam as sementes de suas próprias quedas.

O historiador al-Masudi (896-956) escreveu que em solenidades de Estado, Zubayda “mal podia andar sob o peso de suas jóias e vestidos.” Ela patrocinou mais obras de caridade para os peregrinos de Meca que qualquer governante de sua época.

A história de Khayzuran é uma de trapos a riquezas, do cativeiro a soberania. Nascida na parte sudoeste da Península Arábica em meados do século VIII, um pouco mais de 100 anos após a morte do Profeta Muhammad, ela foi sequestrada por traficantes de escravos enquanto ainda era uma criança. Em algum momento entre 758 e 765, ela foi vendida em Maca para ninguém menos que o fundador de Bagdá, o califa Abássida al-Mansur, que a deu a seu filho e sucessor, al-Mahdi.

Ela deu a al-Mahdi uma filha e dois filhos, ambos se tornaram califas – um o renomado Harun al-Rashid (763-809). Na época em que morreu em 789, sua renda anual havia chegado a 160 milhões de dirhams, o que representava cerca de metade da receita total do Estado, segundo o historiador do século X, al-Masudi. Sua riqueza pessoal a fez “sem dúvida, ao lado de [seu filho o califa Harun al-Rashid], a pessoa mais rica no mundo muçulmano de seu tempo”, observa a historiadora Nabia Abbott, autora de Two Queens of Baghdad: Mother and Wife of Harun al-Rashid um trabalho seminal no estudos de mulheres do Oriente Médio.

O caminho de Khayzuran para o poder político, como o de muitas mulheres na longa era anterior aos estados-nação de hoje, era via o harém real, ou quartos das mulheres. Como favorita de al-Mahdi, ela desfrutava de um nível de confiança que rivalizava, e pode ter ultrapassado, o de Rita, a primeira esposa e prima de Al-Mahdi cujas origens não poderiam diferir mais das de Khayuran: Rita era linhagem real, a filha de Abu Abbas Abdullah, fundador do império abássida.

Uma breve declaração na monumental ”História dos Profetas e Reis”, de al-Tabari, mostra o respeito de al-Mahdi por sua primeira-dama do haram: “Neste ano [775] al-Mahdi alforriou sua escrava … al-Khayzuran e Casou-se com ela “. Numa época em que se esperava que os califas se casassem com membros da aristocracia, elevar Khayzuran a rainha era” uma ruptura ousada com a convenção “, observou o historiador moderno Hugh Kennedy.

E não é de se esperar, as crônicas árabes medievais indicam que isso levou à intriga da corte: As senhoras de alto nível da corte abássida zombavam da presença de Khayzuran, embora ela tenha desviado seu esnobismo com graça cordial. Embora a história não forneça evidência de tensão direta entre Rita e Khayzuran, o fato de que os filhos desta última – Musa al-Hadi e Harun al-Rashid – foram nomeados como herdeiros do califado enquanto os primeiros  nunca foram considerados indicam o “reconhecimento tácito de Rita da futilidade de desafiar “Khayzuran, Abbot especula.

Descrita como “esbelta e graciosa como uma cana”, de acordo com Abbott (khayzuran é o árabe para “cana”), ela dificilmente confiou na beleza sozinho para o seu sucesso. Ela era uma poetisa inteligente, recitando livremente e estudando o Alcorão e hadith (ditos do Profeta Muhammad) e a lei islâmica aos pés dos principais estudiosos.

Diz-se que ela também gostava de piadas práticas e compartilhava o senso de humor de al-Mahdi, como por exemplo, zombando em privado das mudanças de temperamento do califa al-Mansur. No entanto, quando se tratava de governar, ela era toda uma questão de negócios: “No inicio do califado [do seu primeiro filho, al-Hadi], al-Khayzuran costumava exercer sua autoridade sobre ele em todos os seus assuntos sem consultá-lo em absoluto … supondo o único controle sobre as questões de ordenar e proibir, assim como ela tinha feito anteriormente com seu pai “, al-Tabari observa sobre a adesão de al-Hadi sobre a morte de al-Mahdi em 785.

O novo califa sofria no domínio de sua mãe. Talvez fosse porque al-Hadi não estava à altura das expectativas de Khayzuran, ou talvez ele se ressentia da sua preferência de longa data por seu irmão mais novo, Harun al-Rashid. A discórdia não durou muito: Al-Hadi morreu no ano seguinte.(Os rumores diziam que Khayzuran o envenenou, mas não há um relato autoritário). Harun al-Rashid tornou-se califa de um império que se estendia do Marrocos a Pérsia e inaugurou o zênite da era abássida. Quando sua mãe morreu em 789, o califa mostrou as profundezas de sua dor e devoção, ajudando a carregar seu corpo, descalço, através da lama.

As histórias não detalham as realizações políticas de Khayzuran, mas moedas foram cunhadas em seu nome, palácios foram nomeados em sua homenagem, e os cemitérios nos quais descansavam os soberanos abássidas também levavam seu nome, testificando não somente ao status mas também a uma generosidade cívica. Notavelmente, ela passou este sentido de dever cívico para Amat al-Aziz, conhecida na história pelo seu desagradável e sonoro nome de ”Zubayda”.

A história de Khayzuran é uma de trapos a riquezas, mas Zubayda nasceu em luxo quase ilimitado.

malika_i_04

Zubayda era sobrinha de Khayzuran e, depois do casamento de Zubayda com Harun al-Rashid, sua nora. Foi seu avô, al-Mansur (714-775), que sem dúvida pretendia afeição ao apelidar sua neta de Zubayda (que significa “Pequena bola de Manteiga”) “por ser gordinha” enquanto criança, de acordo com o biógrafo do século XIII, Ibn Khalikhan.

Quando adulta, o cronista continua dizendo que sua “generosidade era ampla, e sua conduta virtuosa”. Ele acrescenta que em suas câmaras, uma centena de meninas escravas eram encarregadas de memorizar o Alcorão e recitavam um décimo diariamente “, ”de tal forma que seu palácio ressoava com um zumbido contínuo como o das abelhas “.

Nascida no seio do extremo luxo do Império Abássida no seu zênite, Zubayda rapidamente desenvolveu gostos extravagantes. De acordo com o Livro de Presentes e Raridades do 11º século de al-Zubayr – uma espécie de “Estilos de Vida dos Ricos e Famosos” de seu tempo – o custo de seu casamento, “os quais nunca tinham sido vistos em tempos (islâmicos) “, foi de 50 milhões de dinares. (Em comparação, o custo de vida anual de uma família média em Bagdá era de cerca de 240 dinares.) O evento contou com um colete incrustado de rubis e pérolas “cujo valor não poderia ser avaliado” para a noiva; Os convidados receberam presentes de dinares de ouro em taças de prata e dinares de prata em taças douradas.

malika_i_05

Moedas de prata cunhadas por Zubayda, a Esposa de Harun al-Rashid

Zubayda foi a “pioneira em introduzir as modas de chinelos bordados com pedras preciosas e  velas de âmbar- que se espalham para o público”, de acordo com al-Masudi. Em ocasiões estatais, dizia-se, ela “mal podia andar sob o peso de suas jóias e vestidos”, e ela tinha que ser apoiada por criados.

No entanto, ela não gastava menos ricamente em obras públicas de caridade, para seu renome duradouro. Ela fez pelo menos cinco peregrinações a Meca, e enquanto em sua quinta, em 805, na qual estava angustiada por ver que a seca tinha devastado a população e reduzido a sagrada fonte de Zamzam a um mero gotejamento. Ela ordenou que o poço fosse aprofundado, e gastou quase 2 milhões de dinares melhorando o abastecimento de água de Meca e da província circundante.

Isto incluiu a construção de um aqueduto na Fonte Hunayn, 95 quilômetros ao leste, assim como a famosa  “Fonte de Zubayda” na planície de Arafat, uma das posições do ritual no Hajj (peregrinação a Meca). Quando seus engenheiros a advertiram sobre a despesa, sem falar nas dificuldades técnicas, ela respondeu que estava determinada a realizar o trabalho “cada golpe de picareta da construção custava uma moeda de ouro”, de acordo com Ibn Khalikhan.

Além de Meca, ela financiou um dos maiores projetos de obras públicas da época: a construção de um darb (estrada) de 1.500 quilômetros de Kufa, ao sul de Bagdá, até Maca, com estações de água a intervalos regulares, e balizas iluminadas para guiar os viajantes à noite. Seu historiador contemporâneo al-Azraqi declara que “o povo de Meca e os peregrinos devem sua própria vida a [Zubayda] ao lado de Deus”, e os gritos dos peregrino de “Deus abençoe Zubayda” ecoaram por gerações ao longo da rota que ainda é chamada Darb Zubayda. (Caiu em desuso quando os peregrinos optaram por trens, carros e viagens aéreas ao invés de caravanas de camelos).

Em uma decisão pessoalmente dolorosa, em 813, Zubayda colocou os interesses do estado à frente de sua própria carne e sangue, endossando finalmente seu enteado de al-Ma’mun para trono do califado quando seu próprio filho, o califa al-Amin, se tornou intoleravelmente corrupto. Seus instintos não erraram, e o culto al-Ma’mun provou ser um governante justo e erudito que fundou o famoso centro do saber de Bagdá, Bayt al-Hikma (A Casa da Sabedoria), que se tornou um centro para a tradução dos conhecimentos gregos, romanos e outros textos clássicos para o árabe, oque não só informou o ambiente intelectual abássida, mas também mais tarde se tornaram as fundações do Renascimento europeu.

Zubayda morreu em 831, contudo sua reputação como uma mulher de influência sobreviveu na história e na literatura. Seu marido, Harun al-Rashid, tornou-se o califa protagonista na coleção européia de alf layla wa layla (1001 Noites), e foi Zubayda que se tornou a base da vida real para o personagem fictício de Sheherazade.

Bibliografias:


-Primárias:

[1] Al-Mansur and Al-Mahdi, History of al-Tabari. Albany: State University of New York Press, 1990, vol. 29

[2] Al-Mas’udi, The Meadows of Gold, The Abbasids. Oxon: Routledge, 1989

[3] Al-Zubayr, Book of Gifts and RaritiesMassachusetts: Harvard University Press, 1996

[4] Ibn Khallikan’s Biographical Dictionary. Paris: Oriental Translation Fund of Great Britain and Ireland, 1, 1843, vol. 1

Secundárias:

[5] Francis E. Peters, Mecca: A Literary History of the Muslim Holy LandNew Jersey: Princeton University Press, 1994

[6] Hugh Kennedy, When Baghdad Ruled the Muslim World. Cambridge: Da Capo Press, 2005

[7] Nadia Abbott, Two Queens of Baghdad. Chicago: University of Chicago Press, 1946

[8] Richard F. Burton, Personal Narrative of a Pilgrimage to Mecca and MedinaLeipzig : Bernhard Tauchnitz, 1872, Vol. 2

[9] Sr. William Muir, The Caliphate: Its Rise, Decline, and Fall. Oxford: The Religious Tract Society, 1892, 2nd ed.

Fonte: https://muslimheritage.com/article/malika-i-khayzuran-zubayda

 

Sobre a Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.