Página Inicial » Hadith e Sunnah » Quais são os princípios utilizados para classificação de hadiths? Como saber se são sahih (autênticos) ou da’if (fracos)?

Quais são os princípios utilizados para classificação de hadiths? Como saber se são sahih (autênticos) ou da’if (fracos)?

A ciência do hadith lida tanto com a narrativa (riwaya) quanto com a compreensão profunda (diraya) das declarações proféticas. Na seção de compreensão profunda, ele ainda se divide em fiqh al-hadith (compreensão do texto do hadith) e mustalah al-hadith (classificação dos hadiths). Neste último ramo da mustalah al-hadith, os hadiths são classificados em várias categorias, dependendo da cadeia de narração, do contexto do hadith, quem o narrou, do número de pessoas que o narram, entre outras coisas. Uma classificação é relativa à autenticidade (sihha) dos hadiths. Existem três categorias principais nesta classificação:

1) Sahih – o hadith rigorosamente autenticado

2) Hasan – o hadith razoavelmente autenticado

3) Da’if – o hadith fracamente autenticado

Para classificar os hadiths nessas três categorias, os estudiosos de hadith (muhaddithun) se esforçaram bastante, pesquisando cada narrador e cadeia de narração. Isso os levou à declaração de um hadith sendo sahih, hasan ou da’if. O ato de declarar um hadith como sahih é conhecido como tashih. Para os dois últimos, as palavras tahsin e tad’if são usadas.

Devido à intricada natureza dessa ciência, essa classificação, é claro, requer que a pessoa que lida com ela seja mestre na ciência do hadith. Requer que ele conheça os detalhes dos narradores, as diferentes classificações e, é claro, que conheça centenas de milhares de hadiths. Os estudiosos que lidaram com essas classificações eram especialistas. Eles passaram dezenas de anos treinando para entender essa ciência, muito menos aplicá-la. Depois passaram mais anos na companhia de outros que também eram especialistas nessa ciência. Então eles passaram mais anos pesquisando e escrevendo neste campo. Eles sacrificaram seu tempo e vivem em sua busca. Alguns dos luminares que se destacaram nesta ciência incluem: Imam Nawawi, Hafiz Dhahabi, Hafiz Ibn Hajar al-Asqalani, Imam Yahya ibn Ma’in, Imam Ali ibn al-Madini e Hafiz Iraqi (Allah tenha misericórdia de todos).

Neste artigo, desejamos destacar certos princípios de classificar e declarar hadiths como sahih e da’if, pois ignorá-los pode levar alguém a pensar que certos hadiths foram erroneamente classificados por estudiosos anteriores. No entanto, antes de explicar esses princípios, é vital saber exatamente o que é um sahih e daif que é hadith. Para um hadith ser classificado como sahih, ele precisa atender a cinco condições:

1) A cadeia de narração, do Mensageiro de Allah (Allah o abençoe e dê a ele a paz) ao narrador final, deve estar conectada (muttasil) de tal maneira que cada pessoa na cadeia tenha ele mesmo ouvido ou recebido esta narração da pessoa que ele está narrando.

2) Todos os narradores da cadeia devem ser probos (‘adil) – significando que eles devem ser:

a) Muçulmanos

b) Puberes (baligh)

c) São (“aqil)

d) Não pecadores depravados (salim min al-fisq)

e) Livres de maus hábitos (salim min khawarim al-muru’ah)

3) Todos os narradores devem possuir a capacidade de preservar o hadith precisamente (dabt).

4) O hadith não deve contradizer outros hadiths que vieram de narradores mais confiáveis ​​(‘adam al-Shudhudh).

5) Não há outras fraquezas ocultas (‘adam al-illah al-Qadiha) – como uma lacuna oculta na cadeia de narração.

Após a ausência de qualquer uma das cinco condições acima, o hadith imediatamente é classificado como da’if (fraco). Mas se todas as condições forem satisfeitas, com a terceira (preservação) sendo de um grau menor, então é classificada como hasan (razoável). Agora que entendemos as definições das três classificações, será mais fácil entender os princípios dados pelo Shaykh Mufti Muhammad Taqi Usmani. Os princípios em si são detalhados muito demoradamente na língua urdu. No entanto, eles foram simplificados aqui para que possam ser entendidos por aqueles que não estão muito familiarizados com as ciências dos hadiths. Eles são sete da seguinte forma:

Recomendado para você:  Dicas para o Ramadan

Princípio 1 – O que é um hadith Sahih?

Um hadith é classificado como sahih se satisfizer as cinco condições acima, conforme descrito. Alguns pensam erroneamente que apenas os hadiths em Sahih al-Bukhari e Sahih Muslim (conhecidos juntos como Sahihayn) são sahih, ou que todos os hadiths sahih foram cobertos neles. A autenticidade de um hadith não se baseia em qual livro ele está, mas no cumprimento das cinco condições acima. O próprio Imam Bukhari menciona que seu livro não cobre todos os hadith sahih. De fato, alguns hadiths em outros livros são mais autênticos do que alguns dos encontrados nos sahihayn – vários estão no Sunan do Imam ibn Majah. O trabalho do imã Bukhari é chamado de “o livro mais autêntico depois do Livro de Allah” em um sentido geral; isso não significa que cada hadith encontrado dentro dele esteja acima de cada hadith encontrado em outros livros.

Princípio 2 – Quem está autorizado a declarar hadiths como sahih e / ou da’if?

Declarar um hadith como sahih (tashih) ou da’if (tad’if) é uma tarefa complicada que requer profunda compreensão e profundo conhecimento da ciência dos hadiths. Apenas a elite (mujtahidun) é capaz de fazer isso. Imam Ibn al-Salah menciona em seu livro Ulum al-Hadith (mais comumente conhecido como Muqaddima ibn al-Salah) que desde a virada do quinto século hijri, os eruditos não podem mais ser considerados qualificados para declarar um hadith particular como sahih ou da’if se uma classificação já foi dada em relação a ela (que será na maioria dos casos). No entanto, os estudiosos do mainstream são da opinião de que a capacidade de qualificar um hadith não depende da era do muhaddith; pelo contrário, depende do seu conhecimento. Essa é uma abordagem mais aceita, já que os estudiosos que assumiram essa tarefa mais tarde foram os mais famosos por ela. Eles incluem Hafiz Dhahabi, Hafiz Ibn Hajar, Allama Ayni, Hafiz Sakhawi, Hafiz Zayla’i, Hafiz Iraqi entre muitos outros. O Imam Anwar Shah al-Kashmiri, falecido há menos de um século (1933), também foi considerado como estando neste nível.

Princípio 3 – Os eruditos podem discordar sobre a autenticidade de um determinado hadith

Uma vez que a classificação de hadiths é baseada na pesquisa independente de cada estudioso, às vezes encontramos opiniões mistas de estudiosos especializados (mujtahids) sobre a autenticidade de um narrador ou hadith em particular. É uma questão de ijtihad (pensamento crítico); Daí nenhum estudioso pode ser condenado ou repreendido por sua posição. Além disso, quando um especialista Imam (mujtahid) usa um hadith em particular como prova de uma decisão, isso mostra que ele acredita ser digno o suficiente para ser usado como prova. Seria errado, nesse caso, apresentar a opinião de outro estudioso especialista e dizer que o hadith não é digno de ser usado como prova, já que ambos são especialistas (mujtahids). Lembre-se de que quando um estudioso diz que esse hadith é sahih ou da’if, não é uma declaração factual; é meramente sua opinião pessoal baseada em sua pesquisa.

Recomendado para você:  O que é o Islam?

Princípio 4 – Um hadith sahih pode ser considerado em tempos posteriores

Às vezes, é possível que um estudioso anterior – como Imam Abu Hanifa – ache um hadith em particular completamente autêntico quando o alcança através dos Companheiros (sahaba) e daqueles que os sucedem (tabi’un). No entanto, uma fraqueza na cadeia de narração poderia ter aparecido à medida que ela progride além desse Imame. Nesse caso, seria errado acusar o Imam anterior de usar um hadith fraco se ele fosse percebidamente sahih em seu tempo, mas depois disso. Portanto, um hadith que foi considerado como da’if no tempo do Imam Bukhari, por exemplo, não era necessariamente como tal na época dos primeiros estudiosos.

Princípio 5 – Quão autêntico é um hadith sahih? Os hadiths da’if (fracos) devem ser todos rejeitados?

Imam ibn al-Salah, o renomado especialista em hadith, afirma em seu Muqaddima que só porque um hadith recebe o status de sahih, não é necessário que na verdade ele seja inegavelmente sahih. Significa meramente que, a partir de um aspecto técnico em termos de cumprir as cinco condições, o hadith é sahih e, portanto, é mais provável que seja sahih em termos reais também. No entanto, permanece a possibilidade de que mesmo um hadith considerado como sahih possa não ser realmente assim, já que um narrador confiável (conhecido como thiqa) também pode cometer um erro. Mas essa “possibilidade” não recebe qualquer crédito, a menos que haja indícios e provas fortes em outro lugar (como o hadith que se opõe a um verso alcorânico claro ou a outros hadiths mais autênticos) sugerindo que um erro possa ter sido cometido por um narrador desse sahih. Se tais provas fortes forem encontradas, é perfeitamente aceitável não agir de acordo com este hadith mesmo ele sendo sahih.

Da mesma forma, só porque um hadith recebeu o status de ser da’if, isso não exige que, na verdade, seja inegavelmente incorreto. Significa apenas que, a partir de um aspecto técnico, o hadith é da’if e, portanto, é mais provável que ele também seja feito em termos reais. No entanto, permanece a possibilidade de que um narrador não autêntico tenha narrado corretamente o hadith; ninguém está errado todas as vezes. Mas assim como com o sahih , é necessário ter fortes indicações e provas para sugerir que esse hadith é aceitável. Se tais provas fortes forem encontradas, é perfeitamente aceitável agir sobre esse hadith, ainda que ele seja da’if (fraco).

Com base nisto, se um Imame mujtahid – devido a outras provas fortes – opta por não agir sobre um hadith tecnicamente considerado como sahih, ou opta por agir de acordo com um hadith considerado tecnicamente como da’if, ele não pode ser acusado de “deixar a sunnah”. Ou como “aquele que age sobre narrações fracas”.

Imam Tirmidhi, um dos seis autores das seis coleções hadith amplamente ensinadas, menciona em seu Sunan que ele incluiu dois hadiths em seu livro, que são sahih, mas ninguém os influenciou. Os estudiosos chegaram a um consenso em deixar ambos, apesar de serem sahih, devido a outras provas fortes – mas ninguém foi acusado de “deixar a sunah”. Há também um hadith da’if encontrado na mesma coleção que é usada e aceito por muitos estudiosos devido a outras provas fortes, como Imam Malik, Imam Shafi’i, Imam Ahmad e Imam Awza’i – mas ninguém foi acusado de “agir de acordo com uma narração fraca”.

Recomendado para você:  Por que o Islam é tão violento?

Princípio 6 – Aceitar um hadith se for apoiado pelas ações do Sahaba e Tabi’un

Muitos especialistas em hadith e estudiosos de princípios da jurisprudência islâmica (usul) afirmam que se um hadith é da’if em sua cadeia de narração, mas a decisão dada nele foi influenciada pelos Companheiros (sahaba) e aqueles que os seguiram (tabi ‘un), pode ser usado como prova, apesar de ser da’if. Um exemplo disso é a decisão do divórcio e do período de espera de uma escrava. Em um hadith, é narrado dois divórcios e dois ciclos menstruais. Apesar de ser, ainda assim, este foi o entendimento comum dos sahaba e dos tabi’un. Esse é exatamente o mesmo princípio que o Imam Abu Hanifa usa em muitas de suas decisões. Ele aceita certas narrações tecnicamente consideradas como da’if atualmente, mas os sahaba comprovaram sua exatidão através de suas ações.

Além disso, um hadith razoável (hasan) pode ser usado para derivar decisões tais como hadiths sahih. Por isso, é importante saber que a narração de uma pessoa pode ser elevada ao nível de um hadith razoável (hasan) se houver várias cadeias de narração para ela. Este tipo de razoabilidade no hadith é conhecido como hasan li ghayrihi (que significa “ razoável devido ao suporte de outras narrações”).

Princípio 7 – O que acontece se dois hadiths autênticos se contradizem em seu contexto?

No caso de hadiths autênticos e aceitáveis ​​que se contradizem, alguns juristas (fuqaha) e especialistas em hadith (muhaddithun) comparam as cadeias de ambos e atuam sobre o que é considerado mais autêntico. Outros, como Imam Abu Hanifa, no entanto, nem sempre preferem aquele que tem a cadeia mais autêntica de narração; em vez disso, eles selecionam aquele que se enquadra mais no Alcorão e no espírito geral de Shari’ah, independentemente de ter uma cadeia menos autêntica. Embora essa decisão possa parecer “excêntrica” para alguns, é mais provável que seja a correta, já que você está tomando uma decisão baseada no que os limites da Shari’ah ditam. Apenas ter uma cadeia de narração mais forte não requer a superioridade de um hadith; é muito mais que isso.

Esta é uma das razões pelas quais não é recomendado para pessoas que não possuem o domínio das ciências hadith assumirem uma posição onde eles planejam suas próprias decisões com base no que eles entendem dos hadiths que leem. Mais do que frequentemente, eles encontrarão muitas contradições nas coleções hadith. Isso os levará a confusões desnecessárias, conflitos, brigas com os outros e, pior de tudo, a separação e desunião da Ummah. Mantendo os princípios gerais acima de “verificação e aceitabilidade de hadith” em mente, grande parte da objeção imposta contra os imames mujtahid anteriores não permaneceriam mais.

E Allah sabe melhor.

Fonte: http://www.ilmgate.org/principles-of-hadith-verification-and-acceptance/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.