Página Inicial » Mundo Islâmico » Papa Bento XVI e o Islam: Análise sobre o primeiro ano de papado

Papa Bento XVI e o Islam: Análise sobre o primeiro ano de papado

Sheikh Abdal Hakim Murad analisa, em meados de 2006, os posicionamentos de Bento XVI em relação ao Islam. A análise se mostra assertiva anos depois.
  • Sheikh Abdal Hakim Murad analise em 2006 as dificuldades da igreja e os posicionamentos de Bento XVI.
  • Ele pontua que há um certo sentimento de inveja do papa pela integridade das instituições islâmicas.
  • Murad ainda afirma que um sucesso das ideias de Bento XVI seriam benéficas aos muçulmanos.

Imediatamente após a eleição de Joseph Ratzinger para o papado, as reações muçulmanas ao novo pontífice foram diversas e confusas. Os turcos ficaram consternados com sua oposição pública à entrada da Turquia na União Europeia, uma visão enraizada em sua convicção de que “a Europa foi fundada não na geografia, mas em uma fé em comum”. 

Outros apontaram para a ausência de qualquer menção aos muçulmanos em sua posse (um fato bem-vindo pelo Jerusalem Post) como uma dica de que a disposição do Vaticano de abrir mentes e corações para o diálogo com o Islam estava agora no fim. Apesar disso, no entanto, alguns muçulmanos, principalmente Akbar Ahmad, saudaram a nomeação de um homem de considerável seriedade e inteligência, na esperança de que ele revigorasse o debate moral do mundo.

Essa ambivalência muçulmana parece determinada a continuar, em parte graças ao fato de que, um ano depois do início de seu papado, Ratzinger não falou ou escreveu de maneira substancial sobre o Islam, percebendo, talvez, que os tolos correm para onde os anjos temem pisar. 

O papado de João Paulo II

O seu antecessor polonês certamente reconheceu a imensa importância do Islam e procurou encorajar uma visão muçulmana amigável do papado. Isso deu frutos em uma notável efusão de solidariedade muçulmana após sua morte.

O Sheikh al-Azhar descreveu sua morte como “uma grande perda para a Igreja Católica e o mundo muçulmano. Ele era um homem que defendia os valores da justiça e da paz”. O presidente iraniano da época, Khatami, elogiou João Paulo II como um mestre de três caminhos espirituais: filosofia, poesia e criatividade artística. Yusuf al-Qardawi elogiou sua oposição ao “muro do apartheid” de Israel e pediu aos muçulmanos que apresentassem suas condolências aos cristãos. No Afeganistão, um porta-voz do Taliban disse que “embora alguns tenham lançado uma guerra dos cruzados contra o Islam, a voz do Papa era para trazer paz ao mundo.” No geral, a afeição do mundo muçulmano por João Paulo II era clara.

João Paulo II obteve essa distinção de várias maneiras. Muitas vezes impulsivo, não se poderia dizer que ele manteve uma “política islâmica” distinta, mas fez vários gestos significativos que indicaram sua consciência da importância crescente da religião e sua integridade espiritual. Em 1985, ele se tornou o primeiro papa a visitar um país muçulmano e, em 2001, o primeiro a entrar em uma mesquita, onde irritou os católicos ultraconservadores beijando uma cópia do Alcorão.

‘O seu Deus e o nosso são o mesmo Deus, e somos irmãos e irmãs na fé de Abraão’, disse ele a uma multidão muçulmana. Seu apelo, disse ele, era para “o Islam religioso autêntico, o Islam que ora, o Islam que sabe como se unir em solidariedade aos necessitados”. Ele distinguia isso claramente do extremismo, que raramente deixava de condenar.

Críticas e articulações de Bento XVI contra o Islam

Até o momento, Ratzinger mostrou poucos sinais de dar continuidade a esse desejo teologicamente inarticulado, mas sincero, de alcançar a afirmação. Pelo contrário, ele já demonstrou ser severamente crítico. Ele preocupou os muçulmanos em toda a Europa quando, em um encontro de agosto de 2005 com líderes islâmicos na Alemanha, os quais estavam preocupados com a discriminação contra sua comunidade, deixou claro que a única questão que desejava levantar era “terrorismo islâmico”.

Aparentemente ecoando uma reivindicação padrão da direita (feita por Joerg Haider, Pim Fortuyn e Jean-Marie Le Pen em particular), ele disse que “o Islam não é simplesmente uma denominação que pode ser incluída no reino livre de uma sociedade pluralista.” Outro tema que ele compartilha com a extrema direita é sua aparente crença de que os muçulmanos na Europa não podem ser “assimilados”: “O Islam não faz nenhum tipo de concessão à inculturação.” (Ele não parece ter notado as imensas diferenças no estilo cultural muçulmano através do mundo.)

Esses mal-entendidos são a base da principal escritora anti-imigração da Itália, Oriana Fallaci, que foi acusada de incitação ao ódio religioso. Fallaci é autora de três obras islamofóbicas populares em círculos de direita e oferece visões do tipo xenófobo usual: “O Islam semeia o ódio no lugar do amor e a escravidão no lugar da liberdade.”

Um dos atos mais marcantes do papado de Bento XVI até agora tem sido a concessão incomum de uma audiência privada à Fallaci no palácio papal de Castelgandolfo. O encontro foi arranjado discretamente, mas foi descoberto por um jornalista italiano e posteriormente reconhecido pela assessoria de imprensa do Vaticano. O conteúdo da consulta não foi divulgado, mas fontes muçulmanas observaram que Fallaci, que havia repetidamente condenado o compromisso do papa anterior no diálogo com os muçulmanos, tem apoiado de forma consistente Bento XVI.

A aparente reviravolta do Vaticano em relação aos muçulmanos não é obra apenas de Ratzinger. O sociólogo Renzo Guolo, em seu livro Xenophobes and Xenophiles: Italians and Islam, observa uma “reviravolta na conferência dos bispos italianos nos últimos anos”. Um novo espírito de direita tomou conta de muitos setores.

O cardeal Biffi da Bolonha, por exemplo, pediu o fechamento das mesquitas da Itália e uma nova lei proibindo a imigração muçulmana, “porque essas pessoas estão fora de nossa humanidade”. Esse tipo de conversa é tão difundida que até mesmo o partido tradicionalmente anticlerical, a Liga do Norte, está fazendo experiências com a espada dos cruzados. O eurodeputado Francesco Speroni, por exemplo, pediu a proibição de permitir a entrada de muçulmanos na Itália, levando uma ativista dos direitos humanos, Rinella Cere, a concluir que ‘um “pacto com o diabo” estava claramente sendo feito entre seções do Igreja Católica e Liga do Norte. ‘E embora o papa anterior tenha deixado clara sua oposição à invasão do Iraque, muitos oficiais influentes da Igreja agora parecem apoiar a crença de Washington de que os modelos ocidentais de governo e sociedade podem ser impostos pela força das armas. Certa vez, segundo o jornalista católico Sandro Magister: “A diplomacia vaticana não se separou da política de manter boas relações com os ditadores árabes, especialmente os seculares e nacionalistas. No Iraque de Saddam Hussein, esta política obteve condições de relativo privilégio para os cristãos caldeus.” No entanto, no novo ambiente, A Santa Sé não exclui a possibilidade de que as forças militares possam intervir como “missionários da paz” quando necessário. O Iraque de hoje é um desses casos de necessidade, no julgamento dos líderes do Vaticano.

Uma guinada de posicionamento

Que Ratzinger é parte desse novo endurecimento de atitudes em relação aos muçulmanos pode ser deduzido de algumas de suas remodelações mais significativas do funcionalismo do Vaticano. O geralmente pacificador arcebispo Michael Fitzgerald, ex-chefe do Pontifício Conselho para o Diálogo Interreligioso e um conhecido adversário de Ratzinger, foi demitido e rebaixado para dirigir a missão papal no Egito. Ratzinger também se distanciou do cardeal Angelo Sodano, o secretário de Estado do papa anterior, que é amplamente considerado pró-palestino, e continua amigo próximo do Patriarca Latino de Jerusalém, Michel Sabbah. Espera-se que o provável sucessor de Sodano seja o Cardeal Ruini, o ex-presidente da Conferência Episcopal Italiana, que tem insistido abertamente que as crianças muçulmanas nas escolas italianas não devem ter o direito de estudar sua própria religião, porque, Ruini acredita, isso envolveria “perigosa doutrinação social.”

Na Palestina, duas nomeações importantes aumentaram o pessimismo dos palestinos sitiados. Sabbah recebeu um novo bispo auxiliar, que o sucederá automaticamente em dois anos: este é Fouad Twal da Jordânia, considerado em Israel como muito mais aceitável do que Sabbah, que tem sido um crítico destemido das políticas de Israel nos territórios ocupados. Não menos simbólica foi a escolha de Pierbattista Pizzabella como bispo dos católicos de língua hebraica em Israel. Pizzabella tem regularmente indignado ativistas palestinos de direitos humanos com seu apoio declarado a Israel, e sua nomeação foi aplaudida ruidosamente nos círculos de direita. Um líder palestino anglicano chamou isso de “notícias muito ruins” e o vê como um sinal de que o Vaticano está determinado a traçar um limite sob seu antigo apoio aos direitos palestinos, em favor de uma estratégia pró-Israel que o vinculará a aspirações de direita para o Oriente Médio. Ao fazer essa nomeação, Ratzinger deve ter conhecido muito bem a gravidade simbólica do passo que estava dando.

A aparente dureza de Ratzinger é regularmente interpretada como um sinal de uma grande mudança de atitude que ocorreu na Igreja Católica nos últimos anos em resposta à crescente significância demográfica do Islam na Europa e ao aumento do terrorismo wahabi. No entanto, Ratzinger não é principalmente um político. Sua política emergente para o Islam está, em última análise, enraizada em um tipo distinto de teologia. Em particular, deve ser considerado no contexto de sua convicção conservadora mais ampla de que somente o catolicismo pode guiar os seres humanos à verdadeira salvação, uma visão que seu antecessor parecia menos ansioso para anunciar.

Os muçulmanos podem estremecer com sua opinião sobre o Islam, mas suas opiniões sobre os cristãos não-católicos não foram menos incisivas. Ele foi o principal contribuinte para a declaração católica “definitiva e irrevogável” de Dominus Jesus no ano 2000, que insistia que as igrejas não-católicas “não são igrejas no sentido adequado” e implicava que os não-católicos são naturalmente destinados ao fogo do inferno. Ele certamente concorda com a visão tradicional de que a ordenação de padres anglicanos é “totalmente nula e sem efeito”, tornando a maior parte das idas à igreja na Inglaterra uma espécie de teatro, um vago tatear atrás de uma verdade que só pode ser encontrada com segurança em Roma.

Na verdade, sua posição formal e seu hábito mental estão longe de qualquer tipo de pluralismo, e suas críticas ao Islam devem ser vistas sob essa luz. Não é muito correto dizer, como alguns muçulmanos fizeram, que ele escolheu o Islam para uma condenação única; ele é, pela lógica de sua teologia conservadora, um crítico apaixonado de tudo que falha em estar “em comunhão com Roma”.

Entre os comentaristas muçulmanos, ainda há pouca consideração das ideias que impulsionam esse membro do Vaticano de 78 anos e que podem fornecer uma pista para a compreensão de sua visão do Islam. Muitos muçulmanos pensam que o cristianismo na Europa “perdeu sua visão e está se tornando um clube para os idosos” (alegação de Lord Carey sobre a Igreja Anglicana), em total contraste com a situação americana, onde o cristianismo é politicamente dominante. No entanto, como a sobrevivência mais significativa do passado religioso da Europa, e como uma instituição ainda imensamente respeitada até mesmo por muitos europeus seculares, o Vaticano é potencialmente um importante intérprete do Islam para uma Europa que agora se encontra habitada por vinte milhões de muçulmanos, cujos direitos estão cada vez mais sob ameaça ou negados ativamente por políticos e municípios de direita, e onde a violência islamofóbica é cada vez mais comum.

Um novo círculo de conselheiros

O conhecimento de Ratzinger sobre o Islam é claramente irregular e baseado em pouco envolvimento prático. Os pensadores que ele prefere ouvir tendem a não ser especialistas acadêmicos em religiões não-cristãs, mas ativistas e teólogos pastorais. Um conselheiro que conversou com ele sobre o Islam, Joseph Fessio, acredita, por exemplo, que “o Islam está preso. Está preso a um texto que não pode ser adaptado, ou mesmo interpretado corretamente”, uma visão que os especialistas do Islam do Vaticano, como Daniel Madigan, descartam imediatamente.

Outra estrela em ascensão que se diz estar próxima do pensamento papal é Piersandro Vanzan, um professor jesuíta da Universidade Gregoriana de Roma. No início de 2006, Vanzan foi coautor de um artigo no jornal católico Studium que reproduzia com entusiasmo o discurso padrão da extrema-direita sobre o Islam, completo com noções como “o Islam moderado, propriamente falando, não existe”. Como Fessio, Fallaci e outros conselheiros nomeados para os assuntos islâmicos, Vanzan não tem experiência em estudos islâmicos e é considerado um constrangimento pelos mais bem informados; no entanto, esse tipo de denúncia jornalística, incapaz ou sem vontade de distinguir o extremo do ortodoxo, parece estar cada vez mais proeminente no círculo de Ratzinger. A demissão de Fitzgerald, um verdadeiro especialista na religião islâmica, é um sintoma dessa tendência.

Ajuda lembrar que Ratzinger é europeu; mais particularmente, ele é intensamente bávaro e, portanto, de um distrito sem um longo envolvimento histórico com o Islam (a Polônia, com suas antigas e respeitadas comunidades tártaras, parece ter sido um caso diferente). Ele é um pianista talentoso, amante de Goethe, escultura barroca e vinhos finos, que se sente menos confortável em outras línguas do que seu antecessor. As referências em seus muitos textos teológicos são principalmente para o mundo introspectivo da teologia alemã; na verdade, é provável que ele conheça a teologia luterana melhor do que a teologia católica do Terceiro Mundo. A Baviera está no coração da Europa; e, de fato, era o coração pulsante do nazismo, a mais intensa das tentativas europeias de rejeitar os não-brancos e não-europeus.

Ratzinger não é nazista; na verdade, seu pensamento é, em grande medida, melhor entendido como uma reação contra o tipo de modernidade que produziu os grandes totalitarismos obcecados pela ciência do século XX. No entanto, ele é profundamente europeu. Diante de vários candidatos do Terceiro Mundo, no conclave de abril de 2005, os cardeais escolheram deliberadamente um ícone da europeidade, talvez como uma tentativa de conter o afastamento da Europa do cristianismo. A nomeação de um europeu não foi realmente uma surpresa; o mais interessante foi a escolha de um ícone da reação anti-totalitária que viu a violência do século XX como uma consequência da modernidade, não como uma aberração estranha. Aqui, Ratzinger se separa dramaticamente de outros pensadores católicos como Hans Küng, um ex-amigo, cuja leitura dos tempos é muito mais otimista do que a sua. Na verdade, Ratzinger investigou e castigou tais homens durante seu tempo à frente de sua Congregação do Vaticano, a descendente distante da Inquisição.

Um passado progressista moderado

Para entender o novo papa, é importante lembrar que, apesar de seu papel de cão de guarda, ele já foi um líder da ala “progressista moderada” da Igreja. Durante o Segundo Concílio Vaticano em meados da década de 1960, ele colaborou com figuras reformistas como Karl Rahner em empurrar a Igreja na direção aproximada que havia sido sugerida pelos reformadores protestantes quatrocentos anos antes. A missa tridentina foi descartada, a noção do clero como uma casta separada de seres humanos foi criticada, muitas tradições medievais pitorescas foram proibidas e espaço foi dado aos católicos leigos para discutir questões antes monopolizadas pela hierarquia. O pano de fundo não era, entretanto, um austero fundamentalismo bíblico, mas o curioso idealismo dos anos do pós-guerra.

Aparentemente alheios à presença ameaçadora de um império soviético implantando ogivas nucleares em silos em toda a Europa Oriental, muitos no Ocidente acreditavam que era hora de o conservadorismo religioso dar lugar a uma atitude mais “inclusiva” e afirmativa aos desejos humanos, o que permitiria aos cristãos participar da cultura lúdica do Ocidente moderno. Ratzinger, que no início dos trinta anos se comprometeu cautelosamente com essa visão, arrependeu-se repentinamente quando seus alunos da Faculdade de Teologia Católica da Universidade de Tübingen, inflamados pelas ideias marxistas na excitação inebriante de 1968, saíram das palestras gritando “Maldito Cristo! Maldito Cristo!”. Daquele momento em diante, ele solidificou sua posição como um crítico líder do que ele via como o otimismo ingênuo dos anos 1960, que fez com que muitos na igreja considerassem o Vaticano II um momento populista. Sua permanente suspeita permanece de que o Segundo Concílio Vaticano foi um ralo pelo qual a fé e a tradição foram drenadas, para serem substituídos por uma modernidade protestante liberal.

“A crise não é desculpa para a inércia”

Talvez por culpa de seu antigo flerte com o liberalismo, pelo resto de sua movimentada carreira como bispo, Ratzinger dedicou-se a uma cruzada contra a subversão pela cultura secular e igualitária do Ocidente. Ele chegou a se opor ao princípio de que as conferências regionais dos bispos podem tomar decisões separadamente da hierarquia do Vaticano. Mais visivelmente, ele usou sua posição como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé para defender a fortaleza da Igreja das hordas liberais bárbaras de fora. Teólogos que, apesar das recentes lições de Hitler e Stalin e do exemplo da cultura secular materialista, foram influenciados por um otimismo moderno ingênuo, foram reprovados, geralmente em particular, mas às vezes aos olhos do mundo. É por isso que Küng, depois de perder sua licença para ensinar como teólogo católico, comparou a Congregação de Ratzinger à KGB. Os teólogos da libertação na América Latina estavam otimistas demais sobre a possibilidade de um ativismo revolucionário bem-sucedido em favor dos pobres. Os liberais que tentaram “atualizar” a Igreja apenas pareciam fazê-lo com referência a uma cultura secular circundante de mudança e trivialidade. Daí o perigo letal, como Ratzinger o via, de permitir que as preferências populares moldem a adoração. “Estou convencido”, escreveu ele, “que a crise na igreja que vivemos hoje se deve em grande parte à desintegração da liturgia”.

A oposição idealista de Ratzinger à modernidade encontrou expressão nas páginas do jornal Communio, que ele ajudou a lançar em parceria com seu amigo, o antimodernista suíço Hans Urs von Balthasar. Abandonando a desagradável atmosfera liberal de Tübingen, mudou-se em 1968 para Regensburg para lançar um novo corpo docente, onde treinou energicamente dezenas de pensadores neoconservadores. Muitos deles, como o americano Joseph Fessio, serviram como firmes contrafortes contra a ascensão das agendas protestantes e tendências modernizadoras na igreja, e foram constantemente recrutados por João Paulo II para preencher o colégio de cardeais que um dia elegeria um novo papa.

A teologia que Ratzinger defendeu ao longo desse período não foi baseada nas repetições empoeiradas do monge do século XIII, Tomás de Aquino, que dominou o mundo católico antes do Vaticano II. Nem, no entanto, era o tipo de livre pensamento subjetivo que alguns temiam que resultasse das convulsões da Igreja em meados da década de 1960. Em comum com muitos católicos em busca de renovação, Ratzinger voltou ao pensador norte-africano do século IV, Santo Agostinho, e à seu intérprete medieval, Bonaventure. A crise, para Ratzinger, não era uma desculpa para a inércia, mas para uma terrível lembrança da pecaminosidade humana; e Agostinho e Bonaventure, com sua forte ênfase no pecado original, o defeito herdado com o qual eles pensavam que todos os humanos nascem, muitas vezes serviram como os alicerces das tentativas de produzir a renovação católica. Ratzinger está certamente convencido da pecaminosidade radical dos seres humanos; e é essa convicção que sustenta sua investida contra o liberalismo e a teologia da libertação, e seu ceticismo sobre as religiões não-cristãs. Sem os sacramentos da Igreja Católica, tudo é implicitamente uma forma de maldade, embora possa conter fragmentos quebrados da verdade.

Em sua compreensão das religiões judaica e do islâmica, Ratzinger é guiado pelo mesmo pessimismo agostiniano, que acaba encontrando nas cartas de São Paulo. Os rituais de wudu e ibada são essencialmente inúteis, pois estão fora da graça que só é mediada pela única igreja verdadeira de Deus. Como ele escreve: “a lei de Moisés, os rituais de purificação, os regulamentos relativos à comida e todas as outras coisas não devem ser cumpridas por nós, caso contrário, a Palavra bíblica seria sem sentido e incoerente”. Tais rituais são “escravidão”, da qual só a submissão à Igreja oferece a salvação. O princípio semítico é, portanto, categoricamente inferior; judeus e muçulmanos, ele parece sugerir, são escravos, e sua capacidade de verdadeiramente agradar a Deus deve ser posta em dúvida biblicamente.

Mas não é apenas “a Lei” que é governada pelo pecado; para Ratzinger, o pecado também domina a modernidade, o que representa a “ameaça humana a todas as coisas vivas”. Reduz tudo, incluindo a religião, a causa e efeito cegos. Consequentemente, aos olhos modernos, a Bíblia não deve ser entendida como uma história que leva a uma conclusão, cada uma de cujas partes só pode ser lida em termos dessa conclusão, mas como uma série de fragmentos desconectados sujeitos a argumentos sobre a autoria. Para os modernos, também, a ideia de um consenso medieval como parte do sensus fidelium, a visão da comunidade de crentes (uma ideia que se assemelha ao princípio muçulmano de ijma ‘), não tem sentido. Mas, aos olhos do Papa, a credibilidade da providência divina é irremediavelmente prejudicada pela ideia protestante de que a maioria dos crentes do passado estavam radicalmente enganados. E se os católicos recuarem de algumas certezas anteriores sobre a doutrina e as escrituras, ele acredita, então haverá inexoravelmente um recuo dos outros, até que “finalmente, um grande número de pessoas tenha a impressão permanente de que a fé da igreja é como uma água-viva.”

Como muitos observadores muçulmanos e ortodoxos orientais do Vaticano, o novo papa considera que a Igreja Católica está sofrendo de uma crise profunda. A teologia, apesar das tentativas de controle firme do centro, tem vagado na direção do subjetivismo. A proibição da Missa Tridentina e sua substituição por formas variadas de culto em línguas locais não só separou as congregações de uma fonte de unidade, de séculos de devoção e de uma linguagem não poluída pela modernidade, mas abriu as comportas para experiências triviais que pode fazer a adoração parecer uma forma de entretenimento. Como ele diz com franqueza, “estremece-se com a face opaca da liturgia pós-conciliar tal como se tornou, ou simplesmente ficamos entediados com o seu anseio pela banalidade”. Abuso sexual por parte do clero e subsequentes encobrimentos por bispos têm gravemente prejudicado a autoridade moral da igreja em muitos lugares (dois em cada sete graduados de um seminário americano morreram de AIDS; os principais jornais afirmam que metade dos padres americanos são homossexuais; várias dioceses americanas pediram falência em face de reivindicações de indemnização por vítimas de molestamento). Na Europa, o número de padres cai um por cento a cada ano. Tudo isso equivale, aos olhos de Ratzinger, a “uma noite escura e trágica que caiu sobre a Igreja”. “Tudo”, ele sente, “está em um estado de desintegração.”

Existem muçulmanos que consideram isso uma oportunidade para o Islam; e é certamente o caso que as conversões do catolicismo aumentaram nos últimos anos, embora os números ainda sejam pequenos em termos históricos. No entanto, está longe de ser claro que a “crise”, como o papa a vê, da instituição moral e espiritual mais significativa do Ocidente, será útil para o progresso muçulmano. A Europa está afundando em um clima de crescente intolerância liberal aos valores tradicionais, como foi demonstrado no início de 2005, quando o comissário da UE Rocco Buttiglione foi forçado a renunciar ao se recusar a condenar os ensinamentos católicos sobre a homossexualidade. Se o liberalismo está excluindo os crentes religiosos de altos cargos, há razão para esperar que uma perseguição mais completa se seguirá, com a perseguição de todos aqueles cujas consciências os impedem de aceitar crenças homossexuais, feministas ou outras crenças liberais.

Ratzinger escreve bem sobre o ‘agnosticismo que não reconhece mais as normas doutrinárias e fica apenas com o método de colocar as coisas a um teste prático.’ Embora ele não concorde com seu predecessor, o Papa Leão XIII, que a separação entre Igreja e Estado é uma heresia, ele deixa claro que a indiferença radical dos governos nacionais à moral baseada na religião pode resultar em um resvalamento para a tirania. O terrorismo foi inventado pela Revolução Francesa; no império anti-religioso de Bonaparte, tornou-se a norma política da primeira União Europeia. O perigo é que uma doutrinação secular profundamente arraigada na Europa possa, a longo prazo, produzir um resultado semelhante. Para Ratzinger, como no pensamento muçulmano clássico, o erudito religioso não deve ser o governante; mas o governante também não deve ser imune ao conselho do estudioso ou à ética apresentada na revelação. Os muçulmanos podem ficar nervosos com o fato de a autoridade religiosa no catolicismo ser altamente centralizada e, em princípio, monolítica (o ponto em que a teoria política islâmica e cristã clássica mais obviamente divergem), mas precisarão dar as boas-vindas aos esforços católicos para responsabilizar os governantes perante absolutos morais atemporais. O catolicismo é claro que a separação entre Igreja e Estado não significa que os governos não podem ser religiosos.

Visão míope sobre governos islâmicos

Política sagrada é o tipo de área em que a interpretação de Ratzinger do Islam precisará ser mais bem informada. Talvez presumindo que o Islam levará tanto tempo quanto o catolicismo para aceitar a ideia de democracia, ele é cético quanto à autenticidade de um governo popularmente responsável nas sociedades muçulmanas. Aqui, novamente, ele se beneficiaria com o estudo de casos importantes como a Turquia e a Indonésia, onde teólogos muçulmanos estiveram na vanguarda do processo de democratização e da oposição aos regimes militares autoritários. Certamente, há uma dificuldade na ideia, implícita no discurso católico de direita, de que os estudiosos do Islam operam de forma democrática para produzir autoritarismo político, enquanto a Igreja opera de forma autoritária para apoiar a ideia e as práticas da democracia política. Uma leitura do estudo de Noah Feldman sobre as discussões islâmicas sobre a soberania popular, After Jihad, ajudaria o Vaticano a resolver esse aparente enigma.

Valores islâmicos preservados. E os cristãos?

Ratzinger também pode parecer dominado por uma contradição latente quando considera os poderosos instintos sociais conservadores do Islam. Em seu livro Salt of the Earth (1997), ele observa que “o Islam se opõe às nossas idéias modernas sobre a sociedade”; no entanto, em outro lugar ele é famoso por sua insistência de que o catolicismo é radicalmente oposto a muitas dessas idéias e aos hábitos intelectuais de modernidade dos quais são o resultado/expressão. A mesma tensão reaparece onde ele escreve, explicando o recente renascimento islâmico, que “em face das profundas contradições morais do Ocidente e de seu desamparo interno … a alma islâmica despertou”. Sua relutância em falar longamente sobre o Islam, ao contrário a realizar sessões privadas com ativistas anti-muçulmanos, provavelmente decorre de uma profunda ambigüidade interna sobre uma religião que conservou sua liturgia e sua moralidade familiar intacta, que não tem nenhum ‘lobby gay’ significativo, o que é claro sobre a natureza de homens e mulheres , e que lê as escrituras como um todo integral e autorizado da maneira como todos os cristãos faziam.

Se, como ele suspeita, o relativismo na teologia cristã, liturgia e prática moral que se tornou tão prevalente é um sinal de distância de Deus, então como interpretar o enorme sucesso do Islam nas mesmas questões? Particularmente perturbador, pode-se supor, é a percepção de que, embora a tomada de decisão católica desde o Concílio Vaticano I tenha sido autoritária e de cima para baixo, um método dificilmente desafiado por João Paulo II, o ijma islâmico ‘é resultado de um debate igualitário entre os estudiosos sobre séculos do tipo que Ratzinger chamaria de “congregacionalista”; no entanto, a integridade interna da liturgia e da doutrina que uma igreja ultramontana e autoritária deveria defender parece ter sido melhor alcançada, de muitas maneiras, pelos mecanismos aparentemente caóticos do Islam. Os intelectuais católicos que, no levante de René Guénon, se converteram ao Islam e costumam oferecer exatamente esse motivo para justificar sua escolha. Será que o neoconservadorismo do Vaticano é hostil ao Islam porque se impressiona em particular com ele, não porque é principalmente exercido por questões de “integração” e democracia?

Se for assim, talvez possamos desvendar um dos grandes mistérios que cercam o discurso de Ratzinger sobre o Islam. Rahner e os outros roteiristas do Vaticano II abordaram o Islam em termos das questões que mais importam para os próprios muçulmanos. “Os muçulmanos também olham com favor”, disseram eles, e as razões que deram diziam respeito à auto identificação do Islam com Abraão, sua reverência por Jesus e Maria, sua preocupação com o Juízo Final e sua vida de oração e jejum. É digno de nota que Ratzinger dificilmente se envolveu com o Islam nesses níveis, preferindo, em vez disso, retomar a retórica atual sobre a “crise do Islam”. Isso é estranho, visto que ele geralmente deplora a redução das discussões religiosas a questões de sociologia e política. Aqui, talvez, está uma sugestão de que a integridade do Islam é um fato muito grande para ele estar pronto para abordar, embora ele possa muito bem estar se preparando para alguma declaração futura.

Uma união entre muçulmanos e conservadores é bem vinda

Quaisquer que sejam as razões para o novo conservadorismo, os muçulmanos devem buscar aliados. As desprezadas e empobrecidas minorias muçulmanas da Europa, parecendo em muitos aspectos monoteístas fugitivos nas catacumbas romanas, não podem reunir forças para fazer campanha por uma maior tolerância aos valores não-liberais. Portanto, é crucial para as comunidades muçulmanas estabelecerem laços com outros defensores da humanidade tradicional e desejar-lhes o melhor.

A Igreja Católica difere do Islam em algumas questões morais, como contracepção e divórcio, mas geralmente defende o conjunto de éticas que é normal para sociedades sagradas e que sustentou as maiores conquistas culturais da Europa medieval, tanto muçulmanas quanto cristãs. Como o Islam, não é apenas uma questão de fé e adoração privada, mas de regras fixadas na revelação (o papa falou contra ‘a visão de que o Decálogo no qual a Igreja baseou sua moralidade objetiva nada mais é que um’ produto cultural ‘ ligada ao antigo Oriente Médio semítico’). Com Ratzinger no controle do leme, é improvável que a Igreja aceite mais concessões aos valores do establishment secular, e menos ainda à exigência jacobina e hitleriana de que “os padres não devem se intrometer na política”. O desafio será convencer as comunidades muçulmanas de que são os conservadores, não os liberais, os nossos parceiros mais naturais na grande tarefa de conduzir a Europa de volta a Deus, e que as críticas de Ratzinger se baseiam no respeito, talvez até mesmo em algo que se aproxima da inveja; não em qualquer tipo de racismo ou chauvinismo populista. Independentemente do que alguns muçulmanos possam alegar, o fato de que os partidos de extrema direita se beneficiam da nova linguagem do Vaticano sobre o Islam não significa que a Igreja está tentando recuperar sua antiga popularidade na Europa cavalgando o tigre da nova xenofobia.

Os muçulmanos europeus enfrentam, portanto, um dilema interessante. Devemos apoiar o Vaticano porque ele defende os valores tradicionais que são a base da estabilidade social e política, e desenvolver a cooperação em questões sociais que os líderes muçulmanos e católicos alcançaram no passado (a Cúpula de População da ONU de 1994 foi um exemplo)? Tal colaboração pode fornecer suporte a tradicionalistas em apuros em órgãos como a Igreja da Inglaterra, aparentemente à beira de validar práticas homossexuais. Esta é uma noção atraente; no entanto, não devemos ter cuidado com um homem cujo senso da verdadeira identidade da Europa nos exclui substancialmente? Afinal, se a Turquia não pode ingressar na Europa por suas características islâmicas, até que ponto os turcos em Hamburgo podem ser aceitos como europeus? Tariq Ramadan criticou a definição cristã de Europa do Papa, alegando que “devemos reconhecer que todas as religiões monoteístas são parte das raízes da Europa”. Seu medo compreensível é que as ideias de Ratzinger sobre as religiões semíticas confortem as legiões crescentes de chauvinistas europeus e Islamofóbicos. No entanto, não está claro que um monoteísmo genérico do tipo que Tariq Ramadan recomenda será suficiente para derrotar o relativismo na Europa.

Isso significa que os muçulmanos têm mais benefícios em uma Europa oficialmente cristã? Os muçulmanos americanos, governados por uma administração efetivamente teocrática em que os discursos presidenciais são intensamente bíblicos e o estado fornece financiamento maciço para movimentos sociais cristãos, provavelmente resistiriam a essa noção. Um número crescente de bispos católicos americanos denuncia os políticos católicos ‘acomodacionistas’ que não seguem a linha da Igreja. O arcebispo Charles Chaput, de Denver, por exemplo, reclama que “muitos católicos americanos – talvez a maioria – não conectam mais suas escolhas políticas com sua fé religiosa de uma forma consistente e autêntica”. No entanto, uma aliança maior entre os católicos e os politicamente dominantes evangélicos, um cenário às vezes previsto pelos muçulmanos americanos, na realidade parece improvável. O apoio a uma resposta violenta a Saddam Hussein, por exemplo, foi mais forte no eleitorado evangélico de Bush; ao passo que os bispos católicos se opuseram a ela. As tensões teológicas entre as duas grandes seitas do cristianismo americano foram intensificadas por Dominus Jesus, e a cooperação em questões de política religiosa (na questão do aborto, mais notavelmente) provavelmente progrediu tanto quanto pôde.

A Europa não pode ser como a América; e uma forte presença religiosa aqui não terá as consequências militaristas que os muçulmanos americanos testemunharam com tanto desânimo. Os evangélicos na Europa são muito mais fracos e pensam de forma diferente em questões políticas. Uma Europa definida em termos cristãos tem mais probabilidade de seguir a orientação de Ratzinger do que de qualquer pensador reformado (há poucos batistas do sul aqui, e quanto aos pensadores cristãos liberais, eles normalmente não diferem do consenso secular sobre questões morais, e são portanto, irrelevante). Além disso, não há razão para supor que a atual frieza do continente em relação às reivindicações do Cristianismo seja uma condição permanente. O crescente aumento no número de muçulmanos pode ironicamente desencadear um renascimento cristão, como previu o romancista belga Jacques Neirynck. Nessa situação, o domínio ético-político do continente pelo Vaticano provavelmente aumentaria o sentimento de segurança da maioria da população, e isso só pode ser de interesse dos muçulmanos, para quem a ameaça não é a Igreja, mas a extrema direita. Movimentos esses que podem reivindicar princípios cristãos, mas serão, podemos razoavelmente esperar, sempre mantidos a uma distância firme por instituições da Cúria, que nunca podem rejeitar decisivamente as decisões do Vaticano II.

Muitos muçulmanos ficaram incomodados com Ratzinger por causa de suas declarações públicas sobre o Islam. No entanto, devemos ser cautelosos com as respostas emocionais; e agir em prol dos nossos interesses, que são também os de uma Europa bem integrada, tolerante e bem sucedida. Bento XVI pode não ter essa intenção, mas no geral suas políticas provavelmente serão boas para o Islam.

Escrito em 2006 por Sheikh Abdal Hakim Murad

Fonte: Masud.co.uk

Sobre a Redação

Responsável religioso: Sheikh Khaled Taky El Din. A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica.