Página Inicial » Notícias » Ozil critica Arsenal pela falta de apoio aos muçulmanos chineses

Ozil critica Arsenal pela falta de apoio aos muçulmanos chineses

Clube inglês declarou que não se envolve com política, no entanto, em 2020 havia prestado solidariedade a outros movimentos sociais.
  • Desde 2019, o jogador Mesut Ozil se manifesta abertamente contra a perseguição sofrida pelo povo uighur, na China.
  • O atleta esperava que seu clube, o Arsenal, se posicionasse contra a violência promovida pelo governo chinês.
  • No entanto, o Arsenal declarou que a opinião de Ozil é pessoal e que o clube não irá se manifestar sobre o assunto.

O jogador Mesut Ozil, uma das estrelas do time inglês Arsenal, criticou o clube nesta quarta-feira (12/08) pela falta de apoio aos muçulmanos perseguidos e detidos pelo governo chinês. A declaração foi dada ao jornal The Athletic, na qual o atleta afirmou que “a reação foi decepcionante”. 

Em dezembro de 2019, Ozil começou a se manifestar abertamente sobre o assunto, quando publicou em sua conta no Instagram uma mensagem se posicionando contra a perseguição aos uighurs, uma etnia predominantemente islâmica que vive na província de Xinjiang e que está sofrendo forte perseguição pelo regime chinês, que acusa os detidos de terem ligações com o terrorismo.

Na publicação, Ozil descreveu alguns detalhes da perseguição vivida pelos muçulmanos que foram denunciados pelas vítimas, familiares e veículos de imprensa: “Eles queimam seus Alcorões. Eles fecharam suas mesquitas. Eles proíbem suas escolas. Eles matam seus homens santos. Os homens são forçados a entrar em campos e suas famílias são forçadas a viverem com homens chineses. As mulheres são forçadas a se casar com homens chineses.”

No texto, ele ainda questiona os países islâmicos por não se posicionarem diante da perseguição: “Eles não farão barulho. Eles os abandonaram. Eles não sabem que dar consentimento para a perseguição é a própria perseguição?” 

Arsenal não se envolverá na causa

O clube inglês decidiu que não irá colocar em risco os seus negócios na China. Em um comunicado divulgado na rede social chinesa Weibo, o Arsenal declarou que “o conteúdo publicado é a opinião pessoal de Ozil. Como clube de futebol, o Arsenal sempre aderiu ao princípio de não se envolver na política”

No entanto, a declaração foi questionada pelo jogador. “Eles disseram que não se envolvem na política, mas isso não é política e eles se envolveram em outras questões”.

Neste ano, o Arsenal apoiou o movimento Black Lives Matter durante os protestos contra o racismo, após o americano George Floyd morrer sufocado em uma abordagem policial nos EUA. O clube chegou a entrar em campo com uniformes especiais para prestar solidariedade ao movimento. Ozil, no entanto, esperava que o mesmo apoio pudesse ser dado aos muçulmanos.

“Há muitos jogadores e torcedores negros do Arsenal e é fantástico que o clube esteja apoiando”, afirmou Ozil. “Mas eu gostaria que as pessoas tivessem feito o mesmo pelos muçulmanos porque o Arsenal também tem muitos torcedores muçulmanos e é importante para o mundo dizer que a vida dos muçulmanos é importante”, completou.

Com informações de: mailonline

Links para Leitura

Sobre a Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.