Página Inicial » Pratique o Islam » Para Refletir » O Significado do Ramadã e como os Muçulmanos devem receber o Mês Sagrado
Livro Sol Nascente Mawlana Sheikh Nazim

O Significado do Ramadã e como os Muçulmanos devem receber o Mês Sagrado

O jejum durante o Ramadã foi ordenado durante o segundo ano da Hégira (migração do profeta de Meca para Medina). Por que não antes? Em Meca, as condições econômicas dos muçulmanos eram ruins. Eles estavam sendo perseguidos. Muitas vezes passavam dias antes de comer alguma coisa. É fácil pular refeições se você não tiver nenhuma. Obviamente, o jejum teria sido mais fácil sob estas circunstâncias. Então porque não?

A resposta pode ser que o Ramadã não é apenas sobre pular refeições. Enquanto o jejum é parte integrante e primordial dele, o Ramadã oferece um programa abrangente para nossa revisão espiritual. Todo o programa exigia a paz e a segurança oferecidas por Medina.

Sim, o Ramadã é o mês mais importante do ano. É o mês que os crentes esperam com ansiedade. No início de Rajab – dois meses inteiros antes do Ramadã – o Profeta Muhammad,ﷺ , costumava suplicar assim: “Ó Allah! Nos abençoe durante Rajab e Sha’ban e nos deixe chegar ao Ramadã (com boa saúde). ”

Durante o Ramadã, os crentes se ocupam em buscar a misericórdia, o perdão e a proteção de Allah contra o Inferno. Este é o mês para renovar nosso compromisso e restabelecer nosso relacionamento com nosso Criador. É a estação da primavera para a bondade e as virtudes quando a retidão floresce em todas as comunidades muçulmanas. “Se combinarmos todas as bênçãos dos outros onze meses, elas não se somariam às bênçãos do Ramadã”, disse o grande erudito e reformador Shaikh Ahmed Farooqi (Mujaddad Alif Thani). Oferece a todo muçulmano a oportunidade de fortalecer seu Iman (fé), purificar seu coração e alma e remover os maus efeitos dos pecados cometidos por ele.

“Qualquer um que jejue durante este mês com pureza de crença e com expectativa de uma boa recompensa (do seu Criador), terá seus pecados anteriores perdoados”, disse o Profeta Muhammad, ﷺ. “Qualquer pessoa que orar durante suas noites com pureza de crença e expectativa de recompensa, terá seus pecados anteriores perdoados.” Como outros hadiths nos dizem, as recompensas por boas ações são multiplicadas durante o Ramadã.

Recomendado para você:  A Noite do Decreto

Juntamente com a possibilidade de uma grande recompensa, existe o risco de uma perda terrível. Se deixarmos qualquer outro mês passar descuidadamente, acabamos de perder um mês. Se fizermos o mesmo durante o Ramadã, perdemos tudo. A pessoa que perde apenas o jejum de um dia sem uma razão legítima, não pode compensar, mesmo que ele jejue todos os dias pelo resto de sua vida. E das três pessoas que o Profeta, ﷺ amaldiçoou, um é o infeliz muçulmano que encontra o Ramadã em boa saúde, mas não usa a oportunidade para buscar a misericórdia de Allah.

Aquele que não jejua, obviamente, está nesta categoria, mas também é a pessoa que jejua e ora, mas não faz nenhum esforço para ficar longe dos pecados ou alcançar a pureza do coração através das inúmeras oportunidades oferecidas pelo Ramadã. O Profeta, ﷺ disse: “Há aqueles que não obtêm nada do seu jejum, senão fome e sede. Há aqueles que não recebem nada de suas orações noturnas, exceto a perda do sono ”.

Aqueles que entendem isso, para eles, o Ramadã é realmente um mês muito especial. Além de jejum, orações obrigatórias, e salat tarawih, eles passam o mês inteiro em atos de culto como orações voluntários, Tilawa (recitação do Alcorão), zikr etc. Depois de mencionar que esta tem sido a tradição do povo piedoso desta Ummah ao longo dos séculos, Abul Hasan Ali Nadvi observa: “Vi com meus próprios olhos tal ulema e mashaikh que costumavam terminar a recitação de todo o Alcorão todos os dias durante o Ramadã. Eles passaram quase a noite inteira em orações. Eles costumavam comer tão pouco que se perguntava como eles poderiam suportar tudo isso. Esses grandes nomes valorizavam cada momento do Ramadã e não desperdiçavam nada disso em qualquer outra atividade … Observá-los fez acreditar nas histórias impressionantes de Ibada e na devoção de nossos antepassados registradas pela história. ”

Recomendado para você:  Algumas pessoas dizem seguir apenas o Alcorão e a Sunnah. Será verdade?

Essa ênfase nesses atos de adoração podem parecer estranha – até mesmo equivocadas – para alguns. Isso requer alguma explicação. Sabemos que o termo Ibada (adoração e obediência) no Islã se aplica não apenas aos atos formais de adoração e devoção como Salat, Tilawa e zikr, mas também se aplica a atos mundanos quando realizados em obediência à Shariah e com a intenção de agradar a Allah. Assim, um crente indo para o trabalho está realizando Ibada quando ele busca a renda Halal para cumprir sua responsabilidade como um ganhador de pão para a família. No entanto, uma distinção deve ser feita entre os dois. A primeira categoria consiste em Ibada direta, atos que são requeridos por eles mesmos. A segunda categoria consiste em Ibada indireta – atos mundanos que se tornam Ibada através da intenção e observação da Shariah. Enquanto a segunda categoria é importante, pois estende a idéia de Ibada a toda a nossa vida, há também um perigo, porque, por sua própria natureza, esses atos podem camuflar outros motivos. (Será que vou realmente trabalhar em Ibada ou por outro motivo?). Aqui a Ibada direta vem para a intenção. Através dela podemos purificar nossos motivos e restabelecer nosso relacionamento com Allah.

O Islã não incentiva o monasticismo. Não nos pede para nos isolarmos permanentemente deste mundo, pois nosso teste é viver aqui de acordo com os mandamentos de nosso Criador. Mas nos pede que façamos pausas periódicas. O Salat obrigatório (cinco orações diárias) é um exemplo. Por alguns minutos a cada tantas horas ao longo do dia, deixamos os assuntos deste mundo e comparecemos diante de Allah para nos lembrarmos de que ninguém a não ser Ele é digno de adoração e de nossa obediência inabalável. O Ramadã leva isso para o próximo plano mais alto, proporcionando treinamento intenso por um mês inteiro.

Recomendado para você:  10 Dicas de saúde que unem a ciência e a Sunnah!

Esse espírito é capturado no I’tikaf (retiro), uma Ibada única associada ao Ramadã, na qual uma pessoa desiste de todas as suas atividades normais e entra em uma mesquita por um período específico. Há um grande mérito nisso e toda comunidade muçulmana é incentivada a fornecer pelo menos uma pessoa que irá realizar o I’ikaf nos últimos dez dias do Ramadã. Mas mesmo aqueles que não podem poupar dez dias são encorajados a gastar tanto tempo na mesquita quanto possível.

Através da Ibada direta nós “carregamos nossas baterias”; as indiretas nos permitem usar o poder acumulado em conduzir o veículo de nossa vida. O Ramadã é o mês para reconstruir nossa força espiritual. Quanto nos beneficiamos disso depende de nós.

Fonte: http://www.ilmgate.org/the-meaning-of-ramadan/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.