Página Inicial » Novidades » O Profeta Muhammad disse que iria exterminar todos os não-muçulmanos na Península Arábica?

O Profeta Muhammad disse que iria exterminar todos os não-muçulmanos na Península Arábica?

Em nome de Allah, o Clemente, o Misericordioso

Na época do Profeta Muhammad, havia conflitos entre muçulmanos e não muçulmanos que prestaram uma resistência violenta à disseminação da nova religião. Os conflitos se refletem em alguns versos e tradições, mas o conflito não é a regra geral no Islam. Esses textos precisam ser interpretados no contexto histórico e dentro do conjunto mais amplo dos ensinamentos islâmicos.

Um desses textos é a narração de que o Profeta Muhammad pretendia expulsar todos os não-muçulmanos da Península Arábica.

Omar Ibn al-Khattab relatou: ‘’O Mensageiro de Allah, que a paz e as bênçãos estejam com ele, disse: 

‘’Certamente expulsarei os judeus e cristãos da península até que não deixe ninguém além dos muçulmanos.’’

Fonte: Ṣaḥīḥ Muslim, hadith n° 1767, Grau: Sahih

Este texto é apenas uma parte dentro da narrativa maior da biografia do Profeta (al-Sirah). Outras narrações demonstram que esta afirmação foi feita após a conclusão de uma batalha que havia sido instigada por uma das tribos judaicas hostis.

Ibn Umar relatou: Quando o Mensageiro de Allah, que a paz e as bênçãos estejam com ele, foi vitorioso na batalha de Khaybar, ele pretendia expulsar os judeus de lá, mas eles perguntaram se poderiam permanecer com a condição de trabalharem na terra e pagarem em troca metade de seus frutos. O Profeta disse:

Nós permitiremos que vocês permaneçam assim pelo tempo que desejarmos.

Fonte: Ṣaḥīḥ Muslim, hadith n° 1551, Grau: Sahih.

Eles permaneceram na área depois disso até que Omar os enviou para Tayma e Ariha. Isso foi feito para a proteção da região do Hijaz, que contém os dois locais mais sagrados do Islam nas cidades de Meca e Medina.

Al-Nawawi comenta essa tradição, dizendo:

Nesta narração há evidências de que o Profeta pretendia expulsar os judeus e cristãos de apenas uma parte da Península Arábica, especificamente a região do Hijaz, porque Tayma fica na Península Arábica, mas não faz parte do Hijaz. E Allah sabe mais.

Fonte: Sharḥ al-Nawawī ‘alá Ṣaḥīḥ Muslim, 1551.

A região do Hijaz é dedicada à peregrinação a Meca e à visitação da Mesquita do Profeta em Medina, então elas foram proibidas para não-muçulmanos que poderiam instigar conflitos ou interromper a peregrinação fazendo proselitismo e pregando uma mensagem anti-islâmica. No entanto, a maioria dos estudiosos permitiu que não-muçulmanos visitassem Meca e Medina com permissão do governo para fins comerciais legítimos.

Ibn Hajar comenta:

Aqueles entre os idólatras estão proibidos de residir especificamente no Hijaz, que é Meca, Medina e Yamamah e seus arredores, não o que está além daquilo que é referido como a '’Península Arábica’'. Todos concordam que eles não são proibidos no Iêmen, junto com o resto da Península Arábica. Esta é a opinião da maioria. Os hanafis dão a eles permissão irrestrita, exceto para a mesquita sagrada, os malikis permitem que eles entrem no santuário para o comércio, e Al-Shafi'i disse que nenhum deles pode entrar no santuário por omissão, a menos que a permissão seja dada pelo líder muçulmano no específico interesses dos muçulmanos.

Fonte: Fatḥ al-Bārī 2888

Como tal, mesmo depois de determinar a expulsão de tribos judaicas específicas, o Profeta continuou a negociar com judeus e não muçulmanos até o final de sua vida, demonstrando que seu decreto era limitado pelo contexto em que foi dado.

Aisha, que Allah esteja satisfeito com ela, relatou:

O Profeta, que a paz e as bênçãos estejam sobre ele, faleceu enquanto sua armadura foi hipotecada a um judeu por trinta porções de cevada.

Fonte: Ṣaḥīḥ al-Bukhārī hadith n° 2759, Grau: Muttafaqun Alayhi

Este fato é consistente com a regra geral declarada no Alcorão, de que os muçulmanos podem e devem manter boas relações com não-muçulmanos pacíficos.

Allah disse:

''Deus nada vos proíbe, quanto àquelas que não nos combateram pela causa da religião e não vos expulsaram dos vossos lares, nem que lideis com eles com gentileza e equidade, porque Deus aprecia os equitativos.''

Surat al-Mumtahanah 60:08

Em suma, a ordem do Profeta Muhammad de expulsar judeus, cristãos e idólatras da Península Arábica era específica para a região do Hijaz e com o objetivo de proteger a peregrinação regional de forças hostis. Os não-muçulmanos têm permissão para visitar Meca e Medina por motivos legítimos e com permissão dos líderes muçulmanos, mas não para fazer proselitismo e pregar contra o Islam.

O sucesso vem de Allah, e Allah sabe mais.

Fonte: abuaminaelias.com

Sobre a Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por especialistas na Religião Islâmica, profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês). Acesse nosso Quem Somos.