Página Inicial » Perguntas e Respostas » O muçulmano pode deixar o bigode crescer?

O muçulmano pode deixar o bigode crescer?

Os ahâdîth do Mensageiro de Allah (s.a.w.s.) têm que ser entendidos devidamente pelos sábios que conhecem todas as outras tradições relevantes, a língua árabe e a prática dos salaf da Umma, as primeiras gerações de muçulmanos e seus sábios. Tão cedo quanto o tempo do Imâm de Medina, o Imâm Mâlik ibn Anas (93 h. – 179 h.) (r.a.), as inovações começaram a se arrastar para a religião pelas pessoas que agiam sobre as tradições proféticas sem entendê-las devidamente. Isto é, porque não consultaram sábios eruditos sobre seus significados devidos. Ibn Wahb disse: “Qualquer um que conheça um hadîth mas não tenha um imâm em fiqh é desviado, e se Allah não nos salvasse através de Mâlik e al-Laith (o imâm do Egito), teríamos nos desviado.”

Um exemplo disso são as interpretações dos ahâdîth sobre o bigode. Os diferentes ahâdîth usam as palavras árabes “qass”, “ihfâ” e “inhâk”. Há um fenômeno bem difundido hoje: pessoas que entendem errado as últimas duas palavras, pensando que significam que se deva raspar totalmente o bigode. Mas os primeiros sábios dos salaf e aqueles que os seguiram nas gerações mais tarde entenderam seu significado próprio, que era “qass”: encurtá-lo cortando. Entenderam que as duas últimas palavras são para ser explicadas pela primeira. O Profeta (s.a.w.s.) disse num hadîth narrado pelos imâms Ahmad, al-Tirmidhi e al-Nasâ’i que o declararam como autêntico: “Aquele que tira do seu bigode não é um dos nossos.” (Al-Tirmidhi disse: Hasan Sahîh).

Shaikh Muhammad Zaki Ibrâhîm disse: “Este hadîth é claro no que é querido dizer com “qass”, “ihfâ” e “inhâk”, é simplesmente tirar um pouco do bigode, isto é: reduzir sua grossura, e esse sentido é compartilhado entre todos o ahâdîth neste tópico, e o que é viável ao bom gosto, harmonia, a fitra e ao que as criações equilibradas de Allah estão acostumadas.

É por isso que o Muhaddith do Alto Egito (o mujaddid do século VII e mestre dos Madhâhib Mâliki e Shâfi’i), o Imâm Ibn Daqîq al-’Id disse: “Não estou ciente de ninguém que tenha dito que o bigode inteiro era para ser cortado e removido.”

Recomendado para você:  Uma clarificação sobre o tema da música no Islam

O Shaikh Muhammad Zaki Ibrâhîm acrescenta: “É por isso que todos os fuqahâ’ escolheram que a borda do lábio deve aparecer debaixo do bigode. Isto é: que há um bigode, mas que não vem descendo pela boca. e a coordenação entre o bigode e a barba cria um sentido de reverência, e é por isso que os sábios fizeram como uma condição que os lados do bigode conectassem com a barba.”

Para o Imâm Mâlik especialmente, um hadîth deve ser entendido de acordo com a prática dos sábios de Medina, começando com o Companheiro e segundo Califa, sayyidunâ ‘Umar ibn al-Khattâb (r.a.a.) e seu filho ‘Abdullah ibn ‘Umar. O entendimento deles da Sunna e o do resto dos Companheiros foi preservado pela geração que veio depois dela. Viram os Companheiros e aprenderam deles. Mâlik herdou o fiqh de ‘Umar ibn al-Khattâb e seu filho ‘Abdullah através da “corrente dourada” do isnad: Mâlik de Nâfi’ de Ibn ‘Umar. Al-Bukhâri considera isso como o isnad mais preciso que existe.

O Imâm Mâlik costumava deixar seu bigode, só cortando as bordas, e o deixava crescer de ambos os lados. Ele disse que estava seguindo o caminho de ‘Umar ibn al-Khattâb, que era conhecido por torcer seu bigode quando algum assunto o preocupava. Ninguém em seu tempo conhecia melhor a Sunna de ‘Umar ibn al-Khattâb do que o Imâm Mâlik.

É também narrado por al-Tabarâni de ‘Âmir bin ‘Abdallah bin al-Zubair que: “Amîr al-Mu’minîn ‘Umar ibn al-Khattâb, se ficava com raiva, torcia seu bigode e bufava.” Os sábios disseram: quer dizer que ele torcia os “sabbalain,” os dois lados do bigode. E ninguém sabe melhor a Sunna do Mensageiro de Allah (s.a.w.s.) do que os quatro califas (r.a.a.).

Muhammad ibn Hilâl disse: “Vi (o imâm dos Tâbi’în) Sa’îd ibn al-Musayyab. Não raspava seu bigode muito curto, só tirava uma boa parte dele. E ainda pessoas que vieram de outras partes do mundo muçulmano e não viram os sábios dos salaf em Medina como Mâlik viu, nem entenderam o significado próprio das palavras dos ahâdîth começaram a raspar seus bigodes completamente. O Imâm Mâlik sobre raspar totalmente o bigode: “é uma bid’a (inovação) que apareceu entre as pessoas.” Ashhab disse: “Perguntei a Mâlik sobre aqueles que raspam seu bigode. Ele disse: ‘Minha opinião é que ele deveria ser espancado dolorosamente.'”Isso quer dizer que para o Imâm Mâlik a remoção do bigode era uma desobediência e inovação que necessitava duma punição dolorosa.

Recomendado para você:  Resposta de uma muçulmana a pergunta: ''Por que você está dirigindo?'' ''A shariah não te proíbe?''

Além do mais foi relatado que ambos Mâlik e al-Shâfi’i disseram: “A remoção do bigode é muthla (mutilação).” E qualquer forma de mutilação do corpo é estritamente proibida.

Yahya bin Sa’îd disse: “Ouvi Mâlik dizer: ‘Deve-se cortar do bigode para que a borda do lábio apareça, e isso quer dizer cortar os cabelos em volta dos lábios. Mas não se deve cortá-lo muito curto e assim se mutilar.'” Ibn Abi Zaid al-Qairawâni disse:

“Mâlik foi questionado sobre alguém que raspe seu bigode completamente (ihfâ) e ele disse: “Ele deve ser espancado dolorosamente. É uma inovação. O ihfâ que é mencionado no hadîth significa aparar o bigode, e significa aparar as pontas dos pelos. ‘Umar costumava torcer seu bigode quando algo o irritava, e se o tivesse removido totalmente não teria encontrado nada para torcer.”

Os sábios mâlikis disseram: cortar o bigode é uma sunna leve (sunna khafîfa), e a ordem para fazê-lo não é obrigatória. Os sábios shâfi’is disseram: o significado de “ihfâ” é cortar bem curto, mas só tem a ver com os pelos que vão descendo pela boca. Assim, somente os pelos que chegaram abaixo dos lábios e das bordas do bigode são para se aparar, mas não a raiz dos pelos. Os sábios hanbalis disseram que a sunna é cortar os pelos em volta dos lábios, ou cortar suas bordas, mas que “ihfâ”, que é cortar muito curto, tem prioridade pelo significado literal do hadîth. Shaikh al-Islâm ‘Abd al-Qâdir al-Jîlâni disse em al-Ghunya, que é baseado em fiqh hanbali: “quanto a raspá-lo com uma lâmina, é desrecomendável (makrûh) pelo que foi narrado por ‘Abdullah Ibn ‘Umar (r.a.a.) que o Mensageiro de Allah (s.a.w.s.) disse: ‘Não é um dos nossos aquele que raspa seu bigode.’ E porque é uma mutilação e remove a dignidade e beleza do rosto. E manter as raízes dos pelos do bigode é beleza e adorno.” E foi narrado dos Companheiros (r.a.a.) que eles costumavam cortar seus bigodes curtos.”

Recomendado para você:  O uso do Rosário (tasbih ou masbaha)

Quanto aos hanafis, os sábios mais recentes disseram que a Sunna é cortar o bigode. O Rei dos Sábios, o Imâm al-Kasani, disse: “E essa é a posição correta.” Quanto a al-Tâhâwi, disse: “Cortar é bom, mas raspar é melhor, e é a posição dos três sábios.” Entretanto, os hanafis disseram que é encorajado para o guerreiro lutando em terras não muçulmanas a deixar seu bigode, pois cria uma aparência mais temerosa. Entretanto a posição dos primeiros hanafis de raspar o bigode deve ser entendida de acordo com a afirmação do Imâm Ibn Daqîq al-’Id de que nenhum sábio disse que deve ser removido completamente. O que ele quer dizer é para cortá-lo curto e reduzir sua grossura, como era a posição dos hanbalis. E Allah sabe melhor. Que Allah nos perdoe a todos e nos guie na Sunna e nos evitando a bid’a.

O Imâm da nobre Mesquita de al-Azhar, Shaikh Sâlih al-Ja’fari disse:

“Uma vez eu estava no barbeiro, e cortei meu bigode daqui (e o shaikh (r.a.) apontou para seu bigode). O Profeta (s.aw.s.) veio até mim e disse: ‘Por que você vai contra minha Sunna? ‘’ Ó Allah, envie bênçãos sobre ele!”

15 de março de 2013

 

Fonte: https://beneficialilm.com/2013/03/15/on-keeping-the-moustache/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.