Página Inicial » Notícias » Muçulmanos retornam a Ilha de Creta após 130 anos de Exílio
Livro Sol Nascente Mawlana Sheikh Nazim

Muçulmanos retornam a Ilha de Creta após 130 anos de Exílio

Quando um pedreiro sírio e sua família receberam asilo na Grécia no ano passado, eles foram imediatamente para a ilha de Creta – completando uma jornada iniciada por seus bisavós há 130 anos.

Entrando em uma pequena loja em Chania, na costa noroeste de Creta, Ahmed Tarzalakis  começou a se apresentar. O dono olhou para ele boquiaberto. Ele entendeu o que Ahmed estava dizendo, mas algumas das palavras que ele estava usando eram desconhecidas e antiquadas, e outras que ele não entendia nada. Era como se Ahmed tivesse chegado não apenas da Síria, mas de outra época.

“Ele não acreditava que alguém ainda estivesse falando a velha língua hoje”, diz Ahmed.

Ahmed, de 42 anos, estava falando em uma versão do dialeto cretense que aprendeu com seus pais, quando crescia em um vilarejo no norte da Síria nos anos 70 e 80. Seus pais haviam passado a vida toda na Síria – mas alguns membros da geração anterior nasceram em Creta e, vivendo juntos como exilados, mantiveram viva a cultura cretense.

“Aprendemos árabe na escola, mas sempre falamos grego em casa”, diz Ahmed. As crianças aprenderam danças gregas e recitam poemas cretenses curtos conhecidos como mantíades. Os pais transmitiram receitas tradicionais de Creta, como caracóis fritos, e casamentos mistos com a população síria eram raros. A esposa de Ahmed, Yasmine, também é de uma família cretense.

Ahmed surrounded by members of his family

Ahmed e sua família

Os pais do pai de Ahmed foram forçados a deixar Creta na década de 1890, quando o Império Otomano enfraqueceu. A ilha fazia parte do império havia dois séculos e aproximadamente um quarto da população, incluindo os ancestrais de Ahmed, havia se convertido ao islamismo. Mas revoltas no final do século 19 resultaram na expulsão da população muçulmana.

Recomendado para você:  Juíza cristã condena 3 homens muçulmanos a memorizarem versos do Alcorão por insultarem o Cristianismo no Líbano

Alguns foram para a Turquia, a Líbia, o Líbano ou a Palestina, mas a família de Ahmed viajou para al-Hamidiyah, uma aldeia na Síria estabelecida para os refugiados pelo sultão otomano Abdul Hamid II.

Nos últimos anos, seus 10.000 habitantes manteriam contato com a moderna Creta, assistindo televisão grega via satélite e, ocasionalmente, os moradores viajariam de volta à ilha para trabalhar.

 

A postcard showing Muslims near Chania on the traditional Friday day of rest

Um antigo cartão postal mostrando os muçulmanos perto de Chania em uma sexta-feira, o dia tradicional de descanso para muçulmanos.

“Sempre havia um fragmento de Creta em nossos corações”, diz Ahmed.

“Todo mundo sabia exatamente de qual aldeia a família de todos os outros vieram. Nossos avós falavam do quão linda Creta era e como eles tinham tudo que precisavam lá.”

“Sempre quisemos visitar, mas nunca tivemos a chance”.

Então a guerra civil da Síria chegou e deixou pouca escolha.

As irmãs de Ahmed, Amina, Faten e Latifa, e suas famílias foram as primeiras a sair. O próprio Ahmed se esforçou para encontrar trabalho depois de sofrer de uma lesão física e teve dificuldade em juntar o dinheiro para pagar um contrabandista de pessoas. Mas finalmente ele, Yasmine e seus quatro filhos – Bilal, 14, Reem, 12, Mustafa, 9, e Fatima, de quatro anos de idade – partiram para a Grécia na primavera de 2017.

View from the port of Chania, where Ahmed Tarzalakis and his family currently live.

Vista do porto de Chania, onde Ahmed Tarzalakis e sua família vivem agora

A viagem levou três meses e incluiu uma perigosa viagem de barco da Turquia para a ilha grega de Lesbos, em um bote que quase afundou. Quando a família assistiu à primeira entrevista para o pedido de asilo, Ahmed propositalmente colocou o dedo ao lado de seu sobrenome cretense – Tarzalakis – quando lhe pediram para mostrar seu passaporte.

Recomendado para você:  Os Níveis do Tahajjud (Oração Noturna)

“Ele começou a gritar para os colegas: ‘Veja, veja, há um cretense aqui! Venha e veja!'”, Diz Ahmed. “Todo mundo começou a se aglomerar por curiosidade.”

Embora muitos gregos soubessem que os enclaves cretenses existiam no exterior, eles ainda estavam intrigados com o dialeto da família Tarzalakis. Seus sotaques são tipicamente cretenses, mas muito do vocabulário que eles aprenderam na Síria não é mais usado nem em Creta nem na Grécia continental.

“Mas com um pouco de paciência, podemos nos entender”, diz Ahmed.

E apesar de falarem a língua que nunca aprenderam a ler ou a escrever, ainda precisavam de ajuda para preencher formulários.

Fatima, 4, is playing with a balloon at her new home in Chania. Fatima is Ahmed's youngest daughter. On the background, the cable TV is showing the news from a Syrian TV channel.

A filha mais nova de Ahmed, Fátima, brinca com um balão em sua nova casa – enquanto a televisão está sintonizada em um canal sírio

Depois de um mês em Lesbos, Ahmed e sua família receberam asilo em agosto de 2017. Eles imediatamente pegaram um barco para Creta, onde as irmãs de Ahmed, dois primos e suas famílias, já morando na cidade de Chania, estavam esperando por eles.

Na chegada, Ahmed foi hospitalizado imediatamente, devido a problemas decorrentes da epilepsia crônica. A equipe médica ficou impressionada ao ouvir o velho dialeto sendo falado, chamando um repórter do jornal local.

“Quando saí do hospital, todos na cidade já me conheciam”, diz Ahmed, cuja família estava instalada em um apartamento perto do histórico porto veneziano de Chania.

View of the city of Chania in Crete where Ahmed Tarzalakis and his family are staying. At the centre lies Giali Tzamisi, an imposing mosque in the harbour, that used to be one of the earlier buildings of the Ottomans in Crete.

Uma das três antigas mesquitas em Chania fica bem em frente ao mar – agora é usada como um espaço para exposições

“As pessoas me param na rua para fazer perguntas sobre a Síria e a guerra.

“Eles nos vêem como cretenses que retornaram.”

Ahmed, em seguida, fez uma peregrinação à aldeia nativa de seus avós, Skalani, perto da capital, Heraklion.

Recomendado para você:  Plovdiv: a Granada do Oriente - Sheykh Abdul Hakîm Murad

Andando pelas ruas, olhando para as tavernas e pequenas casas de pedra, sentiu arrepios por todo o corpo. Embora fosse a primeira vez que visitava a aldeia, ele ouvira falar disso a vida toda.

“Eu não consegui encontrar suas casas exatas, mas os moradores locais me mostraram os campos que a comunidade muçulmana teria trabalhado”, diz ele.

Ahmed e seus irmãos têm que seguir com cuidado ao examinar sua história familiar. “Não quero que as pessoas que moram lá pensem que estou tentando recuperar a terra”, diz Mustafa, cunhado de Ahmed.

Esraa Afandaki, 16, in the center, along with her sister Fatima,21, Reem Tarzalaki,11, Yasmin Afandaki,32,and Faten Tarzalakis, 36 go for an afternoon walk at Chania harbor. Behind them lie Giali Tzamisi, an imposing mosque in the harbor, that used to be one of the earlier buildings of the Ottomans in Crete. It is called Giali Tzamisi, which means "The Seaside Mosque", because it was built next to the sea.

A irmã de Ahmed, Faten (à direita) e sua esposa Yasmine, vão passear com as irmãs mais novas de Yasmine e a filha Reem (de 11 anos), passando pela mesquita Giali Tzamisi.

A família está aprendendo a ler e a escrever grego moderno e as crianças estão matriculadas na escola. “Estamos aprendendo novas frases, mas ainda vamos manter nossa própria linguagem por perto, porque é parte de quem somos”, diz Ahmed.

Embora Chania não tenha uma comunidade muçulmana há mais de um século, as coisas estão mudando. Além dos 25 membros da família de Ahmed, várias centenas de refugiados do Oriente Médio se estabeleceram na cidade nos últimos anos. A antiga mesquita otomana à beira-mar é agora usada como uma galeria de arte, então os muçulmanos rezam em quartos alugados.

Um supermercado árabe recém-inaugurado vende produtos importados, e Ahmed e sua família gostam de comer uma fusão de comida local e síria, como salada grega, pão pitta e homus.

Reem,11 is walking early in the morning in order to reach the public school she and her siblings are attending for the past year in the city of Chania.

Reem, de onze anos, caminha para a escola

Até agora, Creta não é exatamente a terra do leite e mel descrita pelos avós de Ahmed. Ele é grato pela ajuda financeira do programa Estia (Casa), financiado pela UE, dirigido pelo ACNUR, mas diz que não é suficiente educar quatro crianças. Os homens da família gostariam de montar um negócio de pedreiro e as mulheres falam sobre fazer cabelo de noivas, mas isso continua sendo uma meta para o futuro.

E embora Ahmed aprecie a chance de experimentar a vida na terra natal de seus ancestrais, as circunstâncias que o levaram até aqui tornam a experiência agridoce.

“Quando você é forçado a sair do lugar onde nasceu, perde uma parte de si mesmo”, diz ele.

“Se Assad não estivesse no poder e fosse seguro voltarmos a al-Hamidiyah, eu o faria. Mas gostaria de manter laços com Creta e visitar regularmente.”

Fonte: http://www.bbc.com/news/stories-44242621

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.