Página Inicial » Sufismo » De onde vem a “pratica sufi” de se furar? – Sheykh Gibiril Fouad al-Haddad

De onde vem a “pratica sufi” de se furar? – Sheykh Gibiril Fouad al-Haddad

Pergunta:

Assalam Waleikom. Estava questionando alguns irmãos seguidores da escola hanafi, sobre se a prática da Ordem Sufi Rifai  de se furar com espetos e facas é algo mubah [permitido] ou não, e eles não souberam responder. Você poderia esclarecer o assunto ou se não souber, indicar quem possa? Eu gostaria de saber sobre isso porque a maioria dos desviados, especialmente os la-madhhabiyya [“anti-escolas”, salafistas] usam isso na Bósnia para atacar todos os sufis como inovadores e loucos. Por favor, me ajude, pois tentei obter informações sobre esse assunto em muitos livros, mas sem sucesso. Que Allah te abençoe e esteja satisfeito contigo.

Resposta: 

Que Allah o abençoe e esteja contente com você também. Uma mera palavra não é suficiente para fazer justiça à grandeza do fundador do Caminho Sufi Rifai, Sayyid Ahmad al-Rifa’i, mas deve ser conhecido por todos que ele foi um dos maiores Amigos de Allah e dos verdadeiros herdeiros do Mensageiro de Allah MHMD – que a paz esteja com ele – a caminhar sobre a terra. Suas palavras carregam o selo dos ensinamentos proféticos como se ele fosse um dos Califas corretamente guiados (que sucederam o Profeta). Entre as obras autenticamente transmitidas dele estão os Hikam ou ”Aforismos” no início dos quais ele afirma: “O ápice do conhecimento de Allah é saber que Ele existe sem direção ou espaço”. Ele também era um mestre das tradições proféticas (muhadith) e compilou um livro de Quarenta Hadiths essenciais e seus comentários. Embora ele fosse uma pessoa de dons Divinos (karamat), entre os quais sua capacidade de mover-se, pelo discurso, que levou muitas pessoas ao arrependimento dos pecados, ainda assim ele manifestava e manifestou em outros com a mais profunda humildade. Ele costumava se chamar de “al-la shay Uhaymid” “que significa”o Nada, Ahmadinho “. Allah santifique seu segredo e abençoe seus seguidores sinceros e aqueles de todos os grandes santos (awliya) dos Descendentes do Profeta, que a paz esteja sobre ele. Sayyid Yusuf Hashim al-Rifai, o corajoso e incansável conselheiro da nação muçulmana, é talvez o principal líder da Ordem Sufi Rifai no mundo muçulmano de hoje, além de ser um descendente do Profeta Muhammad, que a paz esteja com ele, através da linhagem de Sheykh Ahmad al-Rifai. Sayyid Yusuf escreveu em seu livro al-Sufiyya wal-Tasawwuf fi Daw ‘al-Kitab wal-Sunna (Sufis e Sufismo às Luzes do Alcorão e da Sunnah), pág. 162-163:

”Hoje, o Caminho da Rifai é notório por dois assuntos: o uso de objetos pontiagudos para se furar e a subjugação (ou “encantamento”) de cobras venenosas e outros animais peçonhentos [como escorpiões]. Essas duas práticas não existiam no tempo do fundador da Tariqa. Não há de autenticamente transmitido afirmando que ele se furou ou segurou cobras venenosas em suas reuniões. Essas duas práticas surgiram entre seus sucessores posteriores. Por volta de 100 anos pós a morte de Sayyid Ahmad al-Rifai (em 1182),  os mongóis invadiram Bagdá em 1258, saquearam-na da maneira mais brutal e mataram muitos muçulmanos. Conseqüentemente, alguns dos sucessores de Sayyid al-Rifai vieram mostrar a nação materialista que acreditava apenas em assuntos palpáveis ​​e tangíveis, os mongóis, que a força bruta pela qual eles se orgulhavam poderia muito bem ser disponibilizada por Allah para outros também. Começaram a mostrar aos mongóis vários feitos de força, como se golpear e perfurar-se com armas de ferro, abraçar cobras venenosas, entrar em fornos (sem se ferir, de forma miraculosa) e outros feitos semelhantes. Esses feitos impressionaram muito os mongóis e foram a causa de muitos deles entrarem no Islam e interromperem suas hostilidades contra os muçulmanos.

Assim, é possível dizer que tais questões não são uma inovação na Religião porque, o que é possível como um milagre evidencial (mujiza) para um Profeta também é possível como um presente miraculoso (karama) para um amigo de Allah (wali ). O Profeta Abraão, que a paz esteja com ele, foi jogado no fogo e não se queimou. Assim também, Allah, o Altíssimo, é capaz de sujeitar o fogo a um piedoso da Comunidade de Muhammad – que a paz esteja sobre ele e os membros de sua Casa. Isto é precisamente o que aconteceu com o grande [tabi’, sucessor dos sahabas] Abu Muslim al-Khawlani, como mencionado em Sifat al-Safwa de Ibn al-Jawzi e al-Zuhd de Imam Ahmad.

Da mesma forma, Allah, o Altíssimo, submeteu o fogo aos seguidores de al-Sayyid Ahmad al-Rifai. Eles costumavam e continuam a entrar ou carregá-lo sem serem prejudicados, no mínimo. No entanto, eles carregam-no em nome de Allah, não como uma forma de exibicionismo, mas como um dos dons miraculosos. Assim como as pessoas ficaram surpresas que Moisés, que a paz esteja sobre ele, pudesse lidar com uma cobra venenosa sem prejudicá-lo, hoje, há aqueles que fazem isso entre os seguidores de Sayyid Ahmad al-Rifai.

Esta é uma prática é realizada, entre os Mestres da Ordem Sufi Rifai,  apenas em tempos de necessidade e extrema precisão, como um desafio [para os não-crentes]. Minha preferência pessoal é me afastar de tais coisas, não enfatizá-las e manter minhas próprias reuniões longe delas. No entanto, digo que, se for permissível, isso é um desafio. Isso realmente aconteceu com especialistas russos que vieram para a Síria. Os seguidores da Ordem Rifai anunciaram a eles que os desafiariam a acreditar e entrar no Islam, e eles o fizeram (apos testemunharem tais coisas). Da mesma forma, os talentos com cobras: se tirar as pessoas do caminho do perigo (a incredulidade), não há perigo algum. Estamos agora em extrema necessidade de reafirmar para todas as pessoas a crença no invisível, de forma a despertar as consciências daqueles que são negligentes e fornecer provas irrefutáveis ​​para os materialistas e ateus.”

Tive a honra de estar em muitas reuniões do Diwan de Sayyid Yusuf (agora com 70 anos) e posso descrevê-las como reuniões do Alcorão,  envio de bençãos sobre o Profeta, súplicas pelos muçulmanos, conselhos para os visitantes e realizações das orações obrigatórias assim que sua hora chegava. Eu acredito que esta tem sido sua prática desde os anos sessenta com aqueles que ele visita e que o visitam, sejam eles presidentes ou plebeus. Nunca há palavra de práticas de perfuração de espada ao redor dele.

Recomendado para você:  A Eliminação do Islã dos poemas de Rumi - Como um mestre da Sharia Islâmica foi transformado num "guru'' da New Age?

Também é sabido que Mawlana al-Shaykh Nazim al-Naqshbandi al-Haqqani, proíbe os atos de se cortar com facas quando é convidado para as reuniões da Rifai na Síria e em outros lugares. O grande santo marroquino, Sayyidi Abdul Aziz al-Dabbagh, observou em seu livro al-Ibriz que os presentes miraculosos (karaamaat) são característica exclusiva, no passado e presente, do Povo da Sunnah, e que tais milagres são categoricamente ausentes de todas as seitas não-sunitas, desde a primeira até a última. Portanto, é normal que os partidários de tais seitas se oponham ao que não possuem nem compreendem. A maioria dos objetores fica ainda mais confusa pelo fato de que a proeza externa de andar sobre brasas ou flutuar no ar não necessariamente se qualificam como um karama, uma vez que também podem ser realizadas por não-muçulmanos, como os iogues e outros. Nas palavras de Sahl al-Tustari, “as crianças recebem bugigangas”, enquanto o maior de todos os milagres é praticar e instilar a retidão todos os dias. Al-Dabbagh disse que o último está ligado ao mundo celestial de luz (al-`alam al-`ulwi al-nurani) e desconectado do mundo escuro inferior (al-` alam al-sufli al-zalami) enquanto feitos materiais podem ir de qualquer maneira. E Allah sabe melhor.

Fonte: https://www.abc.se/home/m9783/ir/f/Rifa%20i%20knife-piercing%20feats.htm

Sobre A Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.