Página Inicial » Sufismo » Como você se sentiria se estivesse no lugar daquela pessoa? – A resposta Sufi para corações aflitos

Como você se sentiria se estivesse no lugar daquela pessoa? – A resposta Sufi para corações aflitos

Será que podemos entender verdadeiramente o sofrimento dos outros? E como devemos responder quando as pessoas questionam a misericórdia de Allah perguntando-nos o que faríamos em situações de extrema dificuldade?

 

Antes de tudo, nosso caminho é um caminho de misericórdia, empatia e compaixão. Os ensinamentos do caminho sufi são profundamente transformadores e ressoam com a natureza primordial da humanidade, mas não devem ser exercidos como uma arma, empurrando os despreparados para o isolamento ou o desespero. Mesmo que você tenha sido abençoado por transcender a dor causada pela percepção imprecisa, seu despertar é incompleto se alguém esquecer a agonia que a falta de clareza pode infligir à alma. Por mais esclarecidos que acreditemos que somos, somos apenas um impulso bem direcionado para não sermos eliminados (o espermatozoide que conseguiu), uma realidade da qual devemos sempre ser conscientes e gratos.

Circunstâncias teóricas não são a preocupação do viajante. O caminho é profundamente pragmático e enraizado firmemente na realidade. Assim, questões que começam com “e se …” raramente são úteis, pois lidam com o imaginário, que, por definição, o Todo Poderoso não considerou adequado criou. Sua Criação é orquestrada de acordo com Sua Sabedoria Onisciente e, portanto, aquilo que Ele não criou contém tanta sagacidade quanto a que Ele criou. Assim, questionar se alguém seria capaz de administrar as circunstâncias em que o companheiro se encontra é interpretar mal a natureza da Realidade. Cada momento de existência é perfeitamente projetado de acordo com as necessidades da pessoa que o experimenta e, portanto, tentar entender ou racionalizar as experiências de outra pessoa é acariciar-se tolamente no escuro. Se a circunstância que se está analisando for imaginária (Como você reagiria se fosse diagnosticado com uma doença terminal?), O esforço é totalmente desnecessário, porque, por Sua misericórdia, você não foi diagnosticado com a doença e, portanto, não pode ter idéia porque o Todo-Poderoso faria isso. Se a circunstância estiver relacionada a outra (como você responderia se a sua casa estivesse queimada, como a dela), como saber como alguém reagiria? A dificuldade particular enfrentada por outra pessoa é feita sob medida para eles, destinada a expor áreas de sua existência que até então haviam sido ocultadas, ou erradicar laços ou obsessões que possam estar impedindo sua capacidade de enxergar com clareza. Dessa forma, é apenas a pessoa que experimenta a dor, e não uma espectadora (independentemente de quão iluminada ela é) que pode compreender a realidade da situação. O desperto pode postular idéias, relatar experiências passadas ou retransmitir histórias das pessoas abençoadas de antigamente, indicando como elas interpretaram circunstâncias semelhantes, mas, em última análise, o professor meramente aponta para a lua. O viajante deve ver por si mesma.

Recomendado para você:  Qual é a postura de Ibn Al-Jawzi em relação ao sufismo e por que ele escreveu Talbis Iblis?

A existência é um mistério insondável que gradualmente se desfaz diante do buscador que sintoniza sua condição interior para testemunhar Sua Majestade. O buscador se esforça para entender-se com precisão, quanto mais falar definitivamente sobre as experiências dos outros. O último exemplo de insanidade é o humano que tenta administrar o universo enquanto luta para organizar sua própria vida. A mente é um veículo importante que leva a pessoa à porta do Todo Poderoso. Mas é um escravo, não um mestre. O caminho é sobre degustação, não teorização. Em retrospecto, os episódios mais dolorosos, devastadores e exteriormente destrutivos da minha vida foram, de fato, os mais férteis para o despertar espiritual e, apesar da agonia que infligiram, eu não trocaria um único momento por todo o ouro do universo. Esses desastres me deixaram oco, golpearam meu ego em submissão (temporária) e me deixaram em paz, seguro no conhecimento de que Seu Abraço se torna cada vez mais gentil à medida que as circunstâncias se tornam cada vez mais tumultuadas.

Quando o outro enfrenta dificuldades, devemos abraçar, apoiar e ter empatia com eles. Devemos lembrá-los da misericórdia do Todo-Poderoso, mas sem julgar ou ser condescendente. Devemos ser consistentes em nossa linha, mas reconheçamos por experiência própria que a superfície da lagoa recentemente perturbada leva tempo para retornar à quietude. Devemos amar em face de raiva e mágoa, que são muitas vezes as conseqüências de dolorosos desafios. Poucos são capazes de ver a sabedoria no momento, e o desperto é, na maioria das vezes, um saco de pancadas para aqueles que estão lutando para processar os eventos que se desenrolam diante deles. Responda à dor dos outros com amor, gentileza e autenticidade, agindo de acordo com seus interesses e cuidando deles durante a cirurgia espiritual que eles estão passando. Não obrigue os outros a ver o mundo como você faz em um momento de agonia. Paciência, calor e compreensão são a receita, não os sermões e a condenação. E em verdade Ele sabe melhor.

Recomendado para você:  A Diferença entre Sufismo Islâmico e Pseudo-Sufismo

Fonte: https://yusufabdulrahman1.blogspot.com.br/2018/02/incomprehensible-hardship.html

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.