Página Inicial » Sharia e Fatwas » Alimentação » A dieta do Profeta Muhammad ﷺ

A dieta do Profeta Muhammad ﷺ

Em nome de Allah, o Clemente, o Misericordioso

É importante que os muçulmanos mantenham uma dieta moderada, composta por alimentos saudáveis, em frequente consulta com especialistas médicos e nutricionistas confiáveis. Fazer uso de alimentos pouco saudáveis, ​​pode ser muito prejudicial à nossa saúde corporal e espiritual. 

A ameaça é sutil, porque quase todos os tipos de comida são permitidos, mas a extravagância e o excesso mesmo em alimentos permissíveis, podem se tornar pecaminosos.

Era a prática do Profeta, ﷺ, ser humilde com que ele comia, na maneira como ele se sentava enquanto comia, e em sua atitude geral com relação ao se alimentar.

Yahya ibn Kathir, رحمة الله عليه,  relatou: O Mensageiro de Allah, ﷺ, disse:

َكُلُ كَمَا يَأْكُلُ الْعَبْدُ وَأَجْلِسُ كَمَا يَجْلِسُ الْعَبْدُ فَإِنَّمَا أَنَا عَبْدٌ

Eu como como o servo come, e eu me sento como o servo se senta. Na verdade, sou apenas um servo.

Fonte: Shu’ab al Iman – 5519

Como líder de Medina, o Profeta, ﷺ, tinha todos os recursos da comunidade muçulmana à sua disposição, mas ainda assim ele doava qualquer alimento que tivesse por caridade, antes de alimentar a si mesmo e sua família.

Aisha relatou:

مَا شَبِعَ آلُ مُحَمَّدٍ صلى الله عليه وسلم مُنْذُ قَدِمَ الْمَدِينَةَ مِنْ طَعَامِ بُرٍّ ثَلاَثَ لَيَالٍ تِبَاعًا حَتَّى قُبِضَ

A família de Muhammad, ﷺ, nunca comeu pão de trigo durante três noites consecutivas, desde que chegaram a Medina, até que ele faleceu.

Fonte: Sahih al Bukhari – 6089

Omar Ibn al Khattab, رضي الله عنه, relatou:

رَسَولَ اللَّهِ صَلَّى اللَّهُ عَلَيْهِ وَسَلَّمَ يَظَلُّ الْيَوْمَ يَلْتَوِي مَا يَجِدُ دَقَلًا يَمْلَأُ بِهِ بَطْنَهُ

Eu vi o Mensageiro de Allah, , passar o dia inteiro sofrendo de fome. Ele não conseguia encontrar nem as piores tâmaras para encher seu estômago.

Fonte: Sahih Muslim – 2978 

Ibn Abbas, رضي الله عنه, relatou:

كان رسول الله صلى الله عليه وسلم يبيت الليالي المتتابعة طاويا وأهله لا يجدون عشاء وكان أكثر خبزهم خبز الشعير

O Mensageiro de Allah, , passaria várias noites seguidas com o estômago vazio e sua família não teria nada para o jantar. E a maioria dos pães eram feitos de cevada.

Fonte: Sunan at-Tirmidhi – 2360

Por tanto, não era hábito do Profeta, ﷺ, encher completamente seu estômago com comida ou bebida durante uma refeição. Às vezes ele se abstinha voluntariamente, como um ato de jejum ritual ou jejum intermitente, e em outras ocasiões passava fome porque preferia as necessidades dos outros às suas. O estômago humano simplesmente não necessita e não deve ser preenchido (completamente) durante cada refeição.

No tempo dos companheiros, o primeiro teste que provaram era o da prosperidade, já que abundância de riqueza e alimentos de qualidade enchiam os mercados. As pessoas começaram a se alimentar regularmente e, assim, a Sunnah de comer moderadamente foi esquecida por muitos.

Urwah Ibn Zubayr, رحمة الله عليه, relatou: Aysha, رضي الله عنها, disse:

إن أول بلاء حدث في هذه الأمة بعد قضاء نبيها صلى الله عليه وسلم الشبع فإن القوم لما شبعت بطونهم سمنت أبدانهم فتصعبت قلوبهم وجمحت شهواتهم

Em verdade, a primeira provação que nossa nação passou depois da morte de seu profeta, , era sobre as pessoas estarem se satisfazendo. Pois quando as pessoas enchem seus estômagos, seus corpos são engordados, seus corações endurecidos e seus desejos incontroláveis.

Fonte: al Ju’li Ibn Abi Duny – 22

Comer em excesso, provoca ganho de peso e problemas de saúde obviamente, mas também causa danos espirituais. Muita comida endurece o coração, entorpece a mente, aumenta a sonolência e torna ainda mais difícil controlar os desejos e luxúria.

Por essa razão, a Sunnah (tradição profética) em relação à alimentação diária é comer apenas o que é necessário para manter a saúde e a energia em níveis ideais. No máximo, deve-se encher o estômago com não mais que um terço de comida, um terço de água e deixar o terço restante vazio. Não se deve ter o hábito de encher completamente o estômago todos os dias.

Amro Ibn Maadi, رضي الله عنه, relatou: O Mensageiro de Allah, ﷺ, disse:

ما ملأ آدمي وعاء شرا من بطن بحسب ابن آدم أكلات يقمن صلبه فإن كان لا محالة فثلث لطعامه وثلث لشرابه وثلث لنفسه

O filho de Adão não pode encher um vaso pior do que o seu estômago, pois é suficiente para ele dar algumas mordidas para endireitar as costas. Se ele não pode fazer isso, então ele pode preenchê-lo com um terço de sua comida, um terço de sua bebida e um terço de sua respiração.

Fonte: Sunan at-Tirmidhi – 2380

Esta é a regra geral de comer com moderação, mas há exceções para ocasiões especiais. Durante celebrações como banquetes, jantares de família e assim por diante, não há mal nenhum em encher o estômago. Esta é uma concessão para promover boas relações entre os membros da comunidade, comendo juntos e compartilhando refeições.

Anas ibn Malik, رضي الله عنه, relatou:

أَنَّ رَسُولَ اللَّهِ صَلَّى اللَّهُ عَلَيْهِ وَسَلَّمَ لَمْ يَجْتَمِعْ لَهُ غَدَاءٌ وَلَا عَشَاءٌ مِنْ خُبْزٍ وَلَحْمٍ إِلَّا عَلَى ضَفَفٍ

O Mensageiro de Allah, , nunca combinou um prato seu com carne e pão para o almoço, nem para o jantar, a menos que ele estivesse comendo com as pessoas.

Fonte: Musnad Ahmad – 13447

Malik ibn Dinar, رحمة الله عليه, relatou:

مَا شَبِعَ رَسُولُ اللَّهِ صَلَّى اللَّهُ عَلَيْهِ وَسَلَّمَ مِنْ خُبْزٍ قَطُّ وَلا لَحْمٍ إِلا عَلَى ضَفَفٍ

O Mensageiro de Allah, , nunca se alimentou até ficar cheio de pão ou carne a menos que estivesse comendo com as pessoas.

Fonte: al-Shama’il al-Muhammadiyah – 71

Além dessas exceções comemorativas, comer normalmente muita comida no dia à dia, é uma manifestação da incapacidade de controlar seus desejos e apego aos prazeres mundanos.

Ibn Omar, رضي الله عنه, relatou: O Mensageiro de Allah, ﷺ, disse:

الْكَافِرُ يَأْكُلُ فِي سَبْعَةِ أَمْعَاءٍ وَالْمُؤْمِنُ يَأْكُلُ فِي مِعًى وَاحِدٍ

O incrédulo come com sete intestinos, e o crente come com um intestino.

Fonte: Sahih al Bukhari – 5079

O incrédulo, uma pessoa que não acredita na outra vida, geralmente não tem razões filosóficas convincentes para restringir sua ingestão de alimentos e, portanto, eles tendem a comer sete vezes mais comida do que seu corpo precisa. Até mesmo muitos muçulmanos comem demais dessa maneira. A melhor maneira de quebrar esse hábito de comer em excesso é gradualmente comendo menos e menos até que o corpo se acostume a comer uma quantidade moderada de comida.

É preciso também refletir sobre as consequências na próxima vida. As pessoas que regularmente e extravagantemente comerem demais, serão punidas com fome na outra vida, pois a repetida saciedade desnecessária leva à todos os tipos de pecados.

Salman al Farsi, رضي الله عنه, relatou: O Mensageiro de Allah, ﷺ, disse:

إِنَّ أَكْثَرَ النَّاسِ شِبَعًا فِي الدُّنْيَا أَطْوَلُهُمْ جُوعًا يَوْمَ الْقِيَامَةِ

Em verdade, as pessoas que se alimentaram em demasia neste mundo, serão as mais famintas no Dia da Ressurreição.

Fonte: Sunan Ibn Majah – 3351

E Abu Ja’far, رحمة الله عليه, disse:

إِذَا امْتَلأَ الْبَطْنُ طَغَى الْجَسَدُ

Quando a barriga está cheia, o corpo transgride.

Fonte: Al Ju’li Ibn Abi Dunya – 23

Ao contrário, o verdadeiro crente reconhece os benefícios para a saúde e espirituais de uma alimentação moderada, porque comer demais resulta em pecado, transgressão e desperdício de recursos.

Uma dos sinais do excesso de comida é o desenvolvimento de uma grande barriga ou gordura visceral, que pode ser incrivelmente perigosa para a saúde de uma pessoa. Mesmo assim, os muçulmanos não devem permitir o ataque e preconceito aos que se encontram acima do peso, porque as pessoas ganham peso por diversas razões hormonais que não são necessariamente culpa delas. Em vez disso, deve-se gentilmente e sinceramente encorajar as pessoas com excesso de peso a perdê-los para seu próprio benefício.

Em uma ocasião, o Profeta, ﷺ, gentilmente informou à um homem com uma grande barriga que teria sido melhor se ele tivesse oferecido a comida extra em caridade.

As pessoas dizem que “comer bem é viver bem”, mas essa atitude é enganosa, na melhor das hipóteses. Embora devamos ser gratos a Allah quando tivermos comida boa o suficiente para comer, o hábito de comer demais não é uma bênção e na verdade, é um castigo.

Al Hasan relatou: Omar ibn al Khattab, رضي الله عنه, viu um homem com uma grande barriga e disse: “O que é isto?” O homem disse: “É uma benção de Allah”. :

بَلْ عَذَابٌ

Não, pelo contrário, é uma punição.

Fonte:Hadith Muhammad ibn ‘Abd Allah al Ansari – 42

A gordura visceral enterrada profundamente dentro de uma barriga grande é severamente prejudicial à saúde de uma pessoa e, subsequentemente, diminui sua capacidade de se envolver em atos de adoração, como a oração da noite ou o serviço comunitário. Nesse sentido, é uma punição por comer demais.

Os substitutos justos (al abdal), que são os verdadeiros crentes existentes em cada geração, podem ser reconhecidos por seus saudáveis ​​hábitos físicos e espirituais. 

Eles comem moderadamente, o que resulta em uma aparência magra e saudável. Eles guardam suas línguas e se comprometem a contemplação silenciosa, eles utilizam a noite para oração e estudo, e eles estão no hábito regular de se isolarem para o culto privado.

Sahl al Tustari, رحمة الله عليه, disse:

اجتمع الخير كله في هذه الأربع خصال وبها صار الإبدال إبدالا إخماص البطون والصمت والسهر والاعتزال عن الناس

Tudo de bom é combinado nesses quatro traços, e por eles os substitutos justos tornaram-se substitutos: ter barrigas esbeltas, silêncio, insônia e se afastar das pessoas.

Fonte: Qut al-Qulub – 01/170

A chave para o sucesso deles é a alimentação moderada, que otimiza a saúde, regula os ciclos de sono, aguça suas mentes e maximiza seu potencial.

No entanto, o problema não é simplesmente comer demais. Os muçulmanos também devem evitar junk food na forma de farinha branca refinada, alimentos processados ​​e qualquer coisa com uma quantidade excessiva de açúcar, sal, gordura e outros ingredientes insalubres.

Allah disse:

يَا أَيُّهَا الَّذِينَ آمَنُوا كُلُوا مِن طَيِّبَاتِ مَا رَزَقْنَاكُمْ وَاشْكُرُوا لِلَّهِ إِن كُنتُمْ إِيَّاهُ تَعْبُدُونَ

Ó fiéis, desfrutai de todo o bem com que vos agraciamos e agradecei a Allah, se só a Ele adorais. (02:172)

“Todo o bem” (at-tayyibat) são todos os alimentos naturais que são saudáveis ​​para nossos corpos: frutas, vegetais, proteína magra, gorduras saudáveis, grãos integrais, frutos do mar, castanhas, legumes e assim por diante.

Hoje em dia, muitos tipos de alimentos e bebidas industrialmente processados ​​contêm ingredientes refinados que são isentos de benefícios para a saúde, como sucos de frutas comprados em lojas comuns, nos quais o açúcar é adicionado e a fibra é retirada. O pão branco refinado amplamente consumido hoje não é o mesmo que o pão integral que foi comido pelo Profeta, ﷺ, e seus companheiros.

Abu Hazm relatou: Ele perguntou a Sahl: “Você viu farinha branca refinada (al-naqi) no tempo do Profeta, ﷺ?” Sahl disse que não. E ele disse: “Você peneirava a farinha de cevada?” E Sahl disse:

لَا وَلَكِنْ كُنَّا نَنْفُخُهُ

Não, mas nós assoprávamos as cascas dela.

Fonte: Sahih al Bukhari – 5094

Os chamados “alimentos brancos” ou “carboidratos ruins”, cuja superabundância é a causa direta de muitos problemas de saúde modernos, eram conhecidos no tempo dos companheiros e eles não os comiam. 

Farinha branca refinada em seu tempo era cara e demorada para produzir, ao contrário de hoje, quando é facilmente produzida por máquinas. Os muçulmanos devem evitar esses alimentos processados ​​e comer alternativas naturais e saudáveis.

Em suma, os muçulmanos devem adotar um hábito alimentar moderado, enchendo seus estômagos com não mais de um terço de comida em cada refeição, exceto em ocasiões especiais. Os alimentos que eles comem devem ser nutritivos, equilibrados e saudáveis. Essas práticas alimentares proféticas ajudarão a facilitar a saúde corporal e o crescimento espiritual.

O sucesso vem de Allah, e Allah sabe melhor.

Fonte: https://abuaminaelias.com/the-perils-of-overeating-in-islam/?fbclid=IwAR2Ibu2B__JmFQLc4td1B2SedOeE97xpKfOMKzOu6TMJ0VlrjhPUhv15cf8

Sobre A Redação

A Equipe de Redação do Iqara Islam é multidisciplinar e composta por profissionais da área de Marketing, Ilustração/Design, História, Administração, Gestão de Recursos Humanos, Tradutores Especializados (Árabe e Inglês) e especialistas na Religião Islâmica. Atualmente a equipe é composta por 10 profissionais.