Página Inicial » Hadith e Sunnah » Verificação de alguns Hadiths – Por Sheykh G. F. Haddad

Verificação de alguns Hadiths – Por Sheykh G. F. Haddad

Hadith sobre a coragem.

Pergunta: O seguinte hadith é autêntico? “Deus ama a coragem, mesmo que seja apenas a coragem de matar uma cobra”.

Resposta: A frase citada faz parte de um hadith mais longo narrado por `Imran ibn Husayn (… – 673): “Ó `Imran, Em verdade, Deus ama a generosidade e detesta a mesquinharia. Gaste e alimente os outros, não contenha sua riqueza para que a obtenção dela não seja difícil para você. Saiba que Deus ama uma mente aguda em meio a ambiguidades e uma mente afiada quando os prazeres aparecem. Ele adora a tolerância, mesmo que ela só apareça em poucas datas, e ele adora a coragem, mesmo que seja apenas a coragem de matar uma cobra ou um escorpião”.
Narrado por Ibn Asakir (1106 – 1176 d.C) em Tarikh Dimashq (52: 138) e al-Quda`i em Musnad al-Shihab (2: 152 §1080). Como regra, tais fontes significam que o hadith é fraco, no entanto, é fortalecido pelo hadith de Ibn Mas`ud (594 – 653 d.C) em al-Nasa’i e de Abu Dawud (817 – 889 d.C): “Mate todas as cobras, pois quem teme sua vingança não é um de nós. ”

Pergunta: Existem outros hadiths exaltando a virtude da coragem física além do contexto de lutar contra os incrédulos?
Resposta: Al-Bayhaqi em Shu`ab al-Iman (7: 426 §10839) e al-Daylami (… – 673 d.C) em Firdaws (2: 199 §2989) narraram de ‘Abd Allah ibn `Amr que o Profeta (que a paz e bênçãos de Deus estejam sobre ele), disse: “Há dois traços que Allah o Altíssimo ama: generosidade e bravura. Existem dois traços de Allah, o Altíssimo, detesta: miséria e indecência”. No famoso hadith de Umm Zar sobre as virtudes dos maridos no Sahihayn e Shama’il, uma das esposas menciona que seu marido é “como um leopardo em casa e como um leão no exterior”, que é uma referência ao repouso e à bravura. “Não temer” é mencionado muitas vezes no Alcorão e também é o significado do verso da Caverna: “Não fique triste”.

Hadith sobre o endurecimento dos corações.

Pergunta: Shaykh Haddad, por favor, você poderia esclarecer o significado do seguinte hadith para mim:
Abu Harb b. Abu al-Aswad informou por meio da autoridade de seu pai que Abu Musa al-Ash’ari enviou os recitadores de Basra. Eles vieram até ele e eles eram trezentos em número. Eles recitaram o Alcorão e ele disse: Você é o melhor entre os habitantes de Basra, pois você é o melhor recitador entre eles. Então continue a recitá-lo. Mas seja temente de que a sua recitação por um longo período de tempo não possa endurecer seus corações, tal como endureceu os corações daqueles antes de você. Nós costumávamos recitar uma surah (capítulo do Alcorão) que se assemelhava em comprimento e severidade a Surah Bara’at. No entanto, eu a esqueci, com exceção desta parte: “Se houvesse dois vales cheios de riquezas, para o filho de Adão, ele desejaria um terceiro vale, e nada preencheria o estômago do filho de Adão, a não ser o pó”. E nós costumávamos também recitar uma surah que se assemelha a surah Musabbihat; eu esqueci de como realmente era, mas lembre-se (muito) disso: “ó, pessoas que acreditam, por que você diz o que você não pratica” ( Lxi 2.) e “isso é gravado em seus pescoços como testemunho (contra vocês) e será perguntado sobre isso no Dia da Ressurreição” (xvii. 13).
Sahih Muslim Livro 5, Número 2286 O Livro de Zakat (Kitab Al-Zakat).

Resposta: Existem dois erros graves de tradução.

  1. (1) A tradução correta não é “Mas seja temente de que a sua recitação por um longo período de tempo possa não endurecer seus corações como endureceu os corações daqueles antes de você”, mas sim “Não deixe o tempo endurecer seus corações como endureceu o coração daqueles antes de você”. Esta é uma referência a Surat al-Hadid (57:16): {mas o termo foi prolongado para eles e assim seus corações foram endurecidos}. Em outras palavras, Abu Musa está dizendo: seja paciente e se esforce ao máximo até a morte sem mudar.
  2. (2) A última frase de Abu Musa consiste em apenas uma citação do Alcorão, e não duas. A frase “que está registrada em seus pescoços como testemunho (contra vocês) e será perguntado sobre isso no Dia da Ressurreição” não é uma citação reivindicada, mas uma paráfrase ou referência a xvii. 13. Que afirma: ‘’E o augúrio de todos os homens nos ter presos aos seus próprios pescoços, e traremos para ele, no dia da ressurreição, um livro bem aberto para que se depare}. Abu Musa está dizendo: Você conhece o Alcorão e, portanto, você deve praticar o que você conhece (citando o versículo 51: 2) e você será responsável por isso no Dia da Ressurreição. E Allah sabe melhor.
Recomendado para você:  A utilização de amuletos (ta´wiz) de acordo com a Sunnah

Quanto às palavras citadas por Abu Musa como parte do Alcorão;

Há mais de 5 anos atrás em SRI para a refutação de um artigo de S W respondi que Ubay também considerou a opinião de Abu Musa até chegar à conclusão oposta:

Bukhari 8: 297 (# 446): “Consideramos isso como um dito do Alcorão até que a Sura da rivalidade mútua (102) foi revelada”.

De acordo com o que Von Denffer aponta, primeiro, o códice de Ubayy (… – 631) era uma compilação não contínua do Alcorão e hadith para seu uso pessoal e, segundo, o hadith de Ubayy em Bukhari mostra que havia consenso entre os companheiros quanto ao que definitivamente pertencia ao Alcorão e o que não pertencia. (Von Denffer, `Ulum al-Quran p. 48n.)

Anas (612 – 709 d.C) e Ibn Abbas (619 – 687 d.C) no mesmo capítulo de Sahih Muslim relata isso como uma frase do Profeta.

Note-se que o resto da Surah a que Abu Musa considerou que esses versículos pertencem não compartilha necessariamente o mesmo códice.

Hadith (fraudulentamente) sobre os jins.

Pergunta: Shaykh poderia verificar o status do seguinte hadith?

Abdullah Ibn Masud (594 – 653 d.C) narrou: O mensageiro de Allah (Que a paz e bênçãos de Deus estejam sobre ele) ordenou-me que o seguisse, na noite dos Jins. Eu fui com ele até chegarmos ao alto de Meca… O profeta disse: “Foi-me prometido que os Jins e os humanos acreditarão em mim. Quanto à humanidade, creram em mim; quanto aos Jins você já viu” e ele continuou: “Eu sinto que meu fim está se aproximando”. Então eu disse: ó Mensageiro de Deus, você não fará Abu Bakr (573 – 634 d.C) seu califa? Ele se afastou de mim, então percebi que ele não estava de acordo; eu disse então: ó Mensageiro de Deus, você não fará de Umar (586 – 644 d.C) como seu califa? Ele se afastou de mim, então percebi que ele não estava de acordo; eu disse então: ó Mensageiro de Deus, você não fará de Ali (600 – 661 d.C) seu califa? Ele disse: “é isso, ele. Por Aquele além do qual não há outro Deus ao lado Dele, se vocês o escolheram e o obedeceram. Ele (Allah) lhes concederá Paraíso”. Referências: – Majma ‘al-Zawa’id, por al-Haythami (965 – 1040 d.C), v8, p314 – também mencionado por al-Tabarani (873 – 918 d.C)

Resposta: Al-Haythami disse: “Al-Tabarani [em al-Mu`jam al-Kabir 10:67] narra isso em sua cadeia que contém Yahya ibn Ya`la al-Aslami, que é fraca”.

Ibn Hajar (1372 – 1449 d.C) em Al-Taqrib, na verdade, classifica esse narrador como “fraco e xiita.” Uma vez que esta narração particular promove o xiismo, é categoricamente rejeitada até verificada de forma independente, além de não ser encontrada em qualquer outro lugar.

Além disso, a maioria de seus narradores parece ser completamente desconhecida, como se nunca houvessem narrado qualquer coisa a mais em suas vidas exceto este relato.

Nota: um de seus narradores de um relato desconhecido é um certo “Abu Murra al-San`ani”. Não pude deixar de lembrar que Ibn Tulun (868 – 905 d.C), em sua enciclopédia dos méritos de Al Sham, citou um relatório profético que menciona San`a entre as quatro cidades que pertencem ao inferno. E Ibn Hajar em Nuzhat al-Albab fi al-Alqab (# 3078) definiu Abu Murra como um apelido para Iblis (satanás).

Finalmente, em Sahih Muslim de `Alqama, está relatado: perguntei a Ibn Mas`ud (593 – 653 d.C) se ele estava com o Mensageiro de Allah (que paz e bênçãos de Deus estejam sobre ele) na noite dos Jins e ele disse que não.

WAllahu a`lam (E Deus sabe mais).

 

Hadiths fraudulentos.
Pergunta: Estou à procura de referências a dois incidentes particulares que ouvi terem ocorrido no nascimento e wisaal (falecimento) nasal de Rasulullah (sal-Allahu ‘alaihi wasallam).
O primeiro é: ‘’quando Rasulullah (sal-Allahu ‘alaihi wasallam) nasceu, prostrou-se e disse ‘Rabi Habli Ummati.’ ‘’

O segundo é: ‘’quando os Sahaba (companheiros do profeta, ridwan-Allahi Ajma’een) estavam abaixando seu corpo abençoado à sepultura, eles o ouviram dizendo algumas palavras que já haviam sido ouvidas antes.)’’

Resposta: Ambos os relatórios parecem fraudulentos à luz do fato de que nenhum dos livros impressos (de Sira, Dala’il, Shama’il e Mawlid) escritos pelos Imames de Hadith os menciona, e observe-se que, quanto mais raro o relato, mais provável é a sua falsificação. E Allah sabe melhor.
“O Livro de Deus e minha sunna”

Uma pergunta sobre o hadith: “Eu vos deixo duas coisas, o Livro de Deus e minha sunna”

Assalamu ‘alaykum,

Sua alegação de que o hadith sobre as coisas mais importantes que nos foram deixadas serem realmente o Alcorão e a sunna, é considerado falso por Muhammad bin yahya ninowi (1966) em seu Shar Aquidah tahawiyyah ”satisfying the needs’’, declara: por favor, note que algumas pessoas andam usando o suposto hadith ”eu vos deixo duas coisas, o Livro de Allah e minha sunna.” Por favor, esteja consciente que este hadith é extremamente fraco. Ademais, muitos proeminentes estudiosos de hadith o declararam fraudulento.
O hadith que contém escrito ”minha sunna’’ foi narrado por Al hakem (996 – 1021 d.C) em seu Mustadrak por meio de ibn abi owais por meio de seu pai por meio de thawr (764 – 854 d.C) por meio de zayd (581 – 629 d.C) por meio de Ikrima (598 – 636 d.C), por meio de Ibn abbas (619 – 687 d.C); no entanto, ibn abi e seu pai são pessoas e relatores pouco confiáveis. Veja ”tahtheeb al kamal” 3/127 de Imã hafez Mizzy, e ”sharhh saheeh al Bukhari” into/391 de imã hafez ibn hajr (1372 – 1449 d.C), também imã nasaaiy estava entre os estudiosos a denunciar aqueles narradores em seu livro ”aljarhh wat ta’deel em Elm al hadith”, outros que também mencionaram a falta de confiabilidade são, Llakaiy, Assideeq, Ibn Mueen, Ibn Habban (883 – 965 d.C), etc. Até mesmo Imã Al hakem que mencionou este hadith em seu livro após adicionar o status de fraco a ele, declara o hadith imediatamente como sendo de fraca confiabilidade e admitindo sua grande inconfiabilidade.” Citado de http://www.ummah.net/aqeedah/satisfying_the_need
Qual é o seu comentário sobre tal reivindicação?

Recomendado para você:  Sobre o Mawlid

Resposta: Wa-alaykum as-Salam.

Obrigado pela pergunta. O hadith em questão afirma que o Profeta disse, (Que a paz e bênçãos de Deus estejam sobre ele) “Eu vos deixo duas coisas, que por se apressarem a se agarrar, vós jamais sereis desviados: o Livro de Deus e a Sunna de Seu Profeta.”

Isto é narrado de Anas por Abu al-Shaykh (887 – 979 d.C) em Tabaqat al-Muhaddithin fi Asbahan (4:67 §549);
Também de `Amr ibn` Awf de Ibn `Abd al-Barr em al-Tamhid (24: 331);

E também de Ibn Abbas por meio de Ibn Nasr al-Marwazi (817-906) em al-Sunna (p. 25-26 §68), al-Hakem em seu Mustadrak (1: 93 = 1990 ed. 1: 171 §318 ) que declarou que todos os seus narradores estão “de acordo” nos dois livros de Sahih; Al-Bayhaqi em al-Sunan al-Kubra (10: 114 §20108) e al-I`tiqad (p.222), Malik – sem cadeia – em seu Muwatta ‘, mas Ibn Abd al-Barr (978 – 1071 d.C) narrou sua cadeia em todos Tamhid (24: 331) e descreve-o como “tão famoso e difundido como um relato profético entre as pessoas de conhecimento” que pode ser tratado como sendo de transmissão em massa(mahfuz ma`ruf, mashhur `al-Nabi salla Allahu `Alayhi wa-Sallam thamma ahl al-`ilm shuhratan yakadu yustaghna biha` an al-isnad); E Ibn Hazm (994 – 1064 d.C), que o declarou sahih (autêntico) em al-Ihkam (6: 243 = 6: 810), embora ele seja excessivamente rigoroso em seu critério de solidez, conforme afirmado por Shaykh Ahmad al-Ghumari (1902 – 1961 d.C) nas notas biográficas de seu aluno Abd Alá Al-Talidi, Darr al-Ghamam al-Raqiq.

Outra versão afirma:
”Eu vos deixo duas coisas pelas quais caso se apressem em se agarrar, nunca serão desviados: o Livro de Deus e minha Sunna. E estes dois nunca se separarão até que sua fonte se esgote’’

Narrado de Abu Hurayra (601 – 681 d.C) por Ibn Shahin (… – 979 d.C) em al-Targhib fil-Dhikr (2: 406 §528) como afirmado por Ahmad al-Ghumari em al-Mudawi (3: 482 §3923), al-Hakim no Mustadrak (1:93 = 1990 ed. 1: 172 §319), al-Bayhaqi (994 – 1066 d.C) em al-Sunan al-Kubra (10: 114 §20109), al-Daraqutni (918 – 995 d.C) em seu Sunan (4: 245 §149), Abu Bakr al-Shafi`i (767–820 d.C) em Ghaylaniyyat, como afirmado por al-Suyuti (1445 – 1505 d.C) no Jami` al-Saghir (§3923), al-Lalika’i (… – 1025/1026) em Sharh Usul I`tiqad Ahl al-Sunna (1:80), al-Khatib (1313 – 1374 d.C) em al-Jami` Li-Akhlaq al-Rawi (1983 ed. 1: 111 = 1991 ed. 2: 165-166 §89) e al-Faqih wal-Mutafaqqih (1:94), Ibn Abd al-Barr (978 – 1071 d.C) em al-Tamhid (24 : 331), e Ibn Hazm (994 – 1064 d.C) em al-Ihkam (6: 243 = 6: 810), enquanto Al-Suyuti declarou-o hasan (“bom”, o termo – hasan – é usado para descrever hadith cuja autenticidade não está tão bem estabelecida como os ?a?i? hadith, mas suficiente para se usar como evidência (religiosa) em al-Jami` al-Saghir (§3923). Uma vez que todas essas cadeias de Abu Hurayra contêm Salih ibn Musa al-Tulahi, que é descartado embora honesto, entende-se que al-Suyuti significa o hadith em geral, não esta cadeia em particular).

Recomendado para você:  Onde está a misericórdia?

Narrado por mursal a partir de `Urwa como citado por al-Suyuti em Miftah al-Janna (p. 29, e
também narrado por mursal através de Ibn Ishaq (704 – 768 d.C) por meio de ‘Abd Allah ibn Abi Najih por meio de al-Tabari (838 – 923 d.C) em seu Tarikh (2: 205-206) e Ibn Hisham (… – 833 d.C) em sua Sira (6: 8-10).

Portanto, há cadeias através de pelo menos quatro companheiros diferentes correspondentes a duas versões que têm em comum a redação: “Deixei-vos com duas coisas, pelas quais, caso se apressem em se agarrar, nunca serão desviados: o Livro de Deus e a minha Sunna.”

O fato de que esta redação está em Muwatta é prova suficiente de que é sahih, conforme confirmado pelas observações de Ibn Abd al-barr (978 – 1071 d.C). Ambas essas fontes realmente refletem que há mais cuidados para a classificação de hadith que a mera documentação de cadeias de transmissão. Nominalmente, é a prática desta merecedora Umma encarnada em suas autoridades.

No entanto, vejamos a evidência transmitida pelo negador de seu sihha.
Ele diz: ‘’ Por favor, note que algumas pessoas estão usando o suposto hadith (‘eu vos deixo com duas coisas, o livro de Allah e minha Sunnah.’) Por favor, informe que este Hadith é extremamente fraco. Além disso, muitos estudiosos e imames de Hadith declararam que é fraudulento.’’

Quais estudiosos de hadith declararam este hadith ”extremamente fraco”? E quais estudiosos declararam-no ”fraudulento”?

Eu listei mais de duas dúzias de dicionários de falsificações em um artigo intitulado, the famous hadiths “Os hadiths famosos’’ e compilações de falsificação “, disponível na íntegra em: abc.se/home/m9783/ir/d/itp.html

Certamente, se “muitos estudiosos e imames de Hadith o declararam fraudulento”, seria fácil dizer onde, em qualquer desses livros, um desses supostamente “muitos estudiosos e imames” são encontrados declarando tal coisa.

Então ele afirma que o hadith ‘’é narrado por Al Hakem em seu “Mustadrak” por meio de Ibn abi owais por meio de seu pai por meio de thawr por meio de Zayd através de Ikrima, através de ibn abbas, no entanto, ibn abi owais e seu pai não são pessoas e relatores confiáveis.’’

Diz a quem exatamente? Imã al-Bukhari (810 – 870 d.C) narra mais de 200 hadiths de Ibn Abi Uways. Mais de 170 são hadiths que Ibn Abi Uways narra de seu tio materno, Imam Malik (711 – 795 d.C). Quanto a seu pai, Abd Allah Abu Uways, ele é um dos narradores de Sunan e o muslim também o usa em seu Sahih.

‘’Veja “tahtheeb al kamal” 3/127 por Imam Hafez Mizzy e “Sharhh saheeh Al Bukhari” intro/ 391 por Imam Hafez Inb Hajr, também Imam Nasaaiy estava entre outros estudiosos a denunciar aqueles narradores descrevendo-os como “fracos e não confiáveis “, Do mesmo modo, Abu Hatem Arrazy em seu livro” aljarhh wat ta’deel em Elm Al Hadeeth “, e outros que também mencionaram sua falta de confiabilidade são Llakaiy, Assideeq, Ibn Mueen, Ibn Habban… etc.’’

Nennhum dos citados acima chamou esses dois narradores de ”pessoas e relatores não confiáveis. ” Pelo contrário, Ibn Hajar, Abu Hatim e Ibn Ma’in o chamaram de sinseros (saduq).

“Até mesmo Imã Al hakem que mencionou este hadith em seu livro após adicionar o status de fraco a ele, declarando o hadith imediatamente como sendo de fraca confiabilidade e admitido sua grande inconfiabilidade.”

Na verdade, al-Hakim seguiu com outra cadeia porque veio através de outro companheiro, o que fortalece o hadith. Em nenhum lugar ele declara o primeiro hadith fraco.

A página da internet acima citada diz que o crítico deste hadith, Shaykh Muhammad bin Yahya Ninowi (Allah recompene-o pela sua tradução do Tahawiyya), narra o Tahawiyya com a seguinte cadeia:
Eu o narrei através e com a permissão de meu shaykh e pai Sayyedi as-sayed yahya bin Muhammad bin sa’eed bin Muhammad an-ninowy Al-Musawy Al-Husayny – Que Deus o perdoe e eleve sua estação no Paraíso -… E da mesma maneira, e através da mesma honorável cadeia de estudiosos, narrei-o através de Sayyedi Abdullah bin Assideeq, e Sayyedi Ibrahim bin Assideeq e eles o narraram por meio de , Al-Hafedh Al-Mujtahed As-Sayyed Abul-Fayd Ahmad bin Assideeq Al-Ghumari Al-Hasany, que Allah abençõe a alma deles.

Note-se que Shaykh Abu al-Fadl Ahmad al-Ghumari (1910–1993 d.C) em seu livro al-Mudawi li -Ilal al-Munawi (3: 482 §3923) apoia a autenticidade deste hadith e que seu irmão Shaykh Abdallah ibn al-Siddiq Al-Ghumari, Deus tem piedade de ambos, incluiu esse hadith entre os hadiths autênticos em sua compilação dos hadith sahih e hasan de al-Jami` al-Saghir do Imam al-Suyuti que ele intitulou al-Kanz al-Thamin fi Ahadith al-Nabi al-Amin salla Allahu `alayhi wa Sallam. E Allah sabe melhor.

Fonte: http://www.livingislam.org/n/hv_e.html#bas

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.