Página Inicial » História Islâmica » Timúridas derrotam Otomanos – A Batalha de Ancara
Timur encontra Bayezid no cativeiro após a derrota de Ancara.

Timúridas derrotam Otomanos – A Batalha de Ancara

A partir da Índia, Timur (1336 – 1405) voltou-se para Bagdá. Era o ano de 1400. Frente a ele havia uma série de inimigos que se estendiam em um arco do Iraque através da Síria, da Turquia e do Cáucaso. Ele estava ciente da força dos turcos otomanos e inicialmente desejava evitar um confronto com eles. Mas a marcha para o oeste dos tártaros tornou inevitável que fossem de encontro aos otomanos igualmente expansivos. A causa das hostilidades foi pela fuga de alguns dos inimigos de Timur em territórios otomanos onde receberam a tradicional proteção turca. Timur escreveu ao sultão Bayazid (1354 – 1403) otimista pedindo que os fugitivos fossem expatriados. A resposta não foi apenas negativa; Foi insultante. Seguiram-se mais correspondências, mais troca de insultos, até que ficou claro que uma prova de força entre os dois gigantes era inevitável.

Timur poderia ter levado Bagdá enquanto ele esteve lá, mas sempre planejou seus movimentos com o cuidado meticuloso de um grande conquistador. Primeiro, ele se concentrou em limpar os flancos. Subindo às cabeceiras do Tigris e do Eufrates (na atual Turquia), ele capturou a cidade-chave de Sivas. O contingente defensor turco fugiu. De lá, Timur enviou destacamentos para a Geórgia e as Montanhas do Cáucaso, eliminando os cruzados da Geórgia e da Armênia que ameaçavam sua retaguarda. Então ele virou para o oeste e avançou em direção a Síria. Seu objetivo era neutralizar os mamelucos antes de fazer um teste de força com os otomanos para que seu flanco não fosse ameaçado do Cairo. Os exércitos dos mamelucos estavam acampados em Aleppo, uma cidade fortemente defendida com altas muralhas. Os tártaros atraíram os mamelucos de seus lugares fortificados. Começou uma grande batalha em que os mamelucos pareciam ter sido derrotados e foram enviados para o Sul em direção ao Sinai. Timur levou Aleppo e mudou-se para Damasco. Em 1401, Damasco se rendeu e os mamelucos pediram por paz. Os termos de rendição foram negociados para os mamelucos por não menos que o grande historiador Ibn Khaldun (1332 – 1406), autor da Muqaddamah. Ibn Khaldun estava no momento servindo os sultões do sul do Cairo. Damasco encontrou o mesmo destino que antes, caiu Isfahan, Delhi e uma série de outras cidades. A cidade foi saqueada, incendiada e quase desapareceu. Timur capturou os artesãos e arquitetos da cidade e enviou-os para Samarqand para trabalhar em seus diversos projetos. Dizem que foi em Damasco que Timur viu uma cúpula em forma de romã que adornava uma das mesquitas. Esta abóbada, mais refinada, foi erguida em muitos túmulos em Samarqand. Duzentos anos depois, através dos descendentes de Timur, os Grandes Mongóis na Índia, esse mesmo conceito encontrou sua expressão sublime na cúpula do Taj Mahal.

Recomendado para você:  A vida do Imame Abu Hanifa

Com os flancos limpos, Timur voltou os passos para Bagdá. Os otomanos ainda estavam ocupados na Europa. Em 1386, o poderoso sultão Bayazid dos otomanos havia derrotado os sérvios na Batalha de Kosova e avançou na Bulgária (1392) e as terras além do Danúbio. Portanto, Timur teve o luxo de sitiar a cidade com uma deliberação cuidadosa. O sultão Ahmed de Bagdá fugiu e deixou a cidade a cargo de um tenente, Nuruddin, que valentemente defendeu a cidade. Bagdá, apesar dos estragos dos mongóis, ainda era uma cidade a ser reconhecida militarmente. Foi defendida de um lado pelas águas do rio Tigris e nos outros por altos muros equipados com baterias de longo alcance. Mas Nuruddin não suportou a investida dos tártaros e a cidade caiu. A matança geral seguiu a moda das conquistas timúridas. Os cronistas relatam que vinte e uma torres de caveiras foram erguidas na cidade. Os edifícios, exceto as mesquitas e zawiyahs sufis, foram derrubados. Este foi o último golpe de misericórdia para Bagdá, uma cidade que já foi a jóia da coroa do mundo. Depois de Timur, Bagdá deveria continuar sendo uma cidade provinciana na melhor das hipóteses, com a glória do passado inscrita apenas nas pedras espalhadas pelos monumentos outrora poderosos.

Timur subjugou os georgianos, obrigou os mamelucos a pagar tributo, conquistou a grande cidade de Bagdá e agora estava pronto para enfrentar os otomanos. Nessa batalha entre os dois grandes

conquistadores, Timur dos tártaros e Bayazid dos otomanos, vê-se um contraste entre planejamento cuidadoso de um lado e excesso de confiança casual do outro. Timur fez todos os movimentos com cuidado meticuloso, reunindo inteligência sobre os movimentos de seu inimigo, ocultando cuidadosamente os dele. Reforços foram trazidos em ambos os lados, de Samarqand e Afeganistão. Bayazid, por outro lado, parecia tão confiante que sua prudência habitual desapareceu. Ele se moveu tranquilamente das planícies da Hungria através dos Balcãs, atravessou o Bósforo e mudou-se para o seu acampamento em Ancara. De lá, ele avançou em direção a Sivas com um exército de mais de 100.000 cabeças, esperando enfrentar o inimigo. Mas Timur era um soldado consumado. Ele sabia que a força otomana estava em sua infantaria, que era bem disciplinada, bem armada e a mais formidável do mundo. Esquivando-se dos turcos e avançando em sua direção, Timur circundou atrás dos exércitos otomanos em direção a Ancara. Bayazid estava bem a mais de cem milhas de Ancara quando soube que os tártaros estavam indo para sua base. Ele foi obrigado a voltar para proteger sua base. Mas era tarde demais. Timur já havia ocupado Ancara e os campos otomanos. Além disso, os tártaros desviaram as águas do rio Ankara e envenenaram o único suprimento de água na restante na área, uma fonte de água fresca. Quando os turcos chegaram a Ancara, marcharam uma longa distância e estavam cansados, famintos e sedentos. O sultão turco havia recebido o xeque-mate. Após impossibilitado de ter acesso à água, Bayazid teve que ordenar um assalto contra a poderosa cavalaria Tatar. A batalha estava perdida antes de começar. A infantaria otomana, que era até então invencível na guerra defensiva, não era rival para a rápida cavalaria de Timur. Poucas horas do início da batalha, mais de 50 mil turcos morreram no campo de batalha. Bayazid lutou bravamente, mas foi capturado e foi trazido de volta a Timur em uma gaiola. Lá, na tenda do poderoso conquistador tártaro, ele teve que suportar a humilhante indignidade de ver a sua casa ficar nua. O desolado Bayazid morreu em cativeiro três meses depois. Assim, foi o fim de um dos mais valentes soldados entre os turcos e, sem dúvida, um dos conquistadores mais renomados. Timur avançou para Constantinopla, mas não atravessou o estreito na Europa. O Império Otomano, que foi quase aniquilado, sobreviveu sob Sulaiman (1494 – 1566), o filho resiliente de Bayazid e passou a se transformar no império mais poderoso do mundo durante os séculos seguintes.

Recomendado para você:  Carijitas: Quem são e qual sua origem?

A Batalha de Ankara em 1402 fornece uma referência na história islâmica. Foi a última das grandes batalhas travadas por Timur. Ele acabou com a dinastia Tughlaq na Índia, destruiu a Horda de Ouro e libertou os russos, deslocou os Muzaffars na Pérsia, eliminou os assassinos fatimídas, arrasou Bagdá, humilhou os mamelucos do Egito e quase extinguiu o Império Otomano. Ele havia destruído a velha ordem mundial e uma nova ordem estava em construção. Mas o grande conquistador ainda não estava satisfeito. Sua ambição era conquistar o mundo. Voltando a Samarqand, preparou-se para uma marcha à China. Dentro de três meses ele voltou a mover-se, na frente de 300 mil soldados, em direção a Pequim. Mas a morte reivindicou este poderoso conquistador aos 69 anos, em 1405 e a China foi poupada dos estragos sofridos pelo resto do conhecido mundo civilizado.

Timur havia forjado um império pela força de sua vontade, unindo os tártaros em guerra na máquina de combate mais temida do mundo desde os dias de Genghiz Khan (1162 – 1227). Com sua morte, esta unidade imposta se separou e as províncias distantes do Império Timúrida afirmaram sua independência uma a uma, exceto o seu núcleo na Ásia Central e na Pérsia, que foi herdada pelo iluminado Shah Rukh, filho de Timur.

Fonte: https://historyofislam.com/contents/the-post-mongol-period/the-battle-of-ankara/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.