Página Inicial » Perguntas e Respostas » Sobre manter a barba – Shaykh Nuh Ha Mim Keller

Sobre manter a barba – Shaykh Nuh Ha Mim Keller

Em Nome de Allah, O Clemente, O Misericordioso

Caro Irmão Isa Robert Martin:

Obrigado pela sua carta de 10 de Augusto de 1995 que diz em parte:

… Minha pergunta não é em relação à obrigação de deixar a barba crescer e aparar o bigode. Isto está claro segundo os ditos do Profeta (que a paz e bênçãos de Allah estejam sobre ele), os ensinamentos dos grandes Imames e a prática das primeiras gerações de Muçulmanos e pessoas virtuosas até o presente. Minha pergunta é a respeito do tamanho da barba. O que os antigos grandes Imames disseram a respeito disso? Qual é a posição das quatro madhhabs nesta questão específica?

Ibn ‘Umar relata que o Profeta (que a paz e bênçãos de Allah estejam sobre ele) disse: “Não façam como aqueles que associam parceiros a Allah (al mushrikin): deixem crescer a barba e aparem o bigode”. E ibn ‘Umar, quando foi fazer o hajj e a ‘umra, pegou a barba com uma mão e removeu o que passava dela (Sahih al Bukhari. 9 vols. Cairo 1313/1895. Reimpressão «9 vols em 3». Beirute: Dar al Jil, s.d., 7.206:5892 e Sahih Muslim, 5 vols. Cairo 1376/1956. Reimpressão. Beirute: Dar al Fikr, 1403/1983, 1.222: 259).

Na madhhab Hanafi. não há mal (la ba’s) em aparar as pontas da barba, embora a mão cheia seja sunnah, pois quando um narrador (Ibn ‘Umar, neste caso), faz alguma coisa em contradição flagrante com o que ele narrou (as palavras “deixem crescer a barba”), as bases Hanafi de jurisprudência dizem que isto mostra que o narrador sabe que o Profeta (que a paz e bênçãos de Allah estejam sobre ele) indicou que a regra original foi substituída (mansukh) por uma posterior que permitia que a barba fosse aparada, neste caso. Mas apará-la quando ela já é menor do que uma mão cheia não é permitido pela escola Hanafi (Ibn ‘Abidin: Radd al muhtar ‘ala al durr al mukhtar. 5 vols. Bulaq 1272/1855. Reimpressão. Beirute: Dar Ihya al Turath al ‘Arabi, 1407/1987, 2113).

Muhammad ibn Hassan al Shaybani relata no Kitab al athar, do Imam Abu Hanifa, que “a sunnah em relação a ela «a barba» é a mão cheia, e consiste em um homem segurando a barba com uma mão, e o que ficar para fora, ele corta”. (ibid, 5.261).

Um Sheikh Hanafi com o qual eu e minha esposa estudávamos, nos contou (sem mencionar a fonte) que há um desacordo sobre onde estão “mão cheia” deve começar. Alguns dizendo que se coloca o dedo indicador logo abaixo do lábio inferior, e outros dizendo que se coloca ele abaixo da base do queixo. Os primeiros irão, obviamente, chegar a uma “mão cheia” bem menor.

O sábio Shafi’i Imam Nawawi em seu comentário sobre o Sahih Muslim diz a respeito do hadith acima:

Quanto a aparar o bigode, é também uma sunnah. É louvável começar pelo lado direito … Em relação a quanto deve ser aparado, a posição mais forte é que se apara até que a ponta do lábio apareça, e não até as raízes. Quanto às versões do hadith contendo as palavras tirar os bigodes, (ihfu al shawarib) elas querem dizer “tirar aquilo que cresce sobre os lábios”, e Allah sabe melhor.

Recomendado para você:  O uso do Rosário (tasbih ou masbaha)

Quanto a deixar crescer a barba, significa “torná-las largas” (Ar. tawfir, fazer muito abundante, copioso) e também significa deixar as barbas plenas (awfu al liha) em outras versões do hadith. Era costume dos Persas cortarem suas barbas, então a Lei Sagrada proibiu isso (Sahih Muslim bi Sharh al Nawawi. 18 vols. Cairo 1349/1930. Reimpressão «18 vols em 9». Beirute: Dar al Fikr, 1401/1981, 3.149).

Imam Baghawi relata que “Malik disse, ‘Retirar o bigode é uma inovação (bid’a) que apareceu entre nossos povo’ “. (Sharh al sunna. 16 vols. Damasco: al Maktab al Islami, 1400/1980, 12.108).

Ibn Daqiq al ‘Eid diz: “Eu não conheço ninguém que tenha entendido com a ordem de deixar a barba crescer, ser permissível deixá-las crescer excessivamente como algumas pessoas fazem”. (Ibn Hajar al Asqalani: Fath al Bari bi sharh Sahih al Bukhari. 14 vols. Cairo: al Maktaba al Salafiyya, 1390/1970, 10.351).

Em seu comentário do Sahih al Bukhari, o grande Hanafi e Imam do hadith Badr al Din al ‘Ayni diz:

Se alguém objeta: “O que ‘deixai a barba crescer’ significa, quando ‘crescer’ (al i’fa’) literalmente significa ‘tornar pleno’, e há pessoas, que, se fossem deixar a barba crescer, seguindo o sentido externo de deixai a barba crescer, a sua barba se tornaria exagerada em comprimento e largura, e pareceria repugnant, tanto que a pessoa se tornaria motivo de conversa, ou um provérbio” – A resposta é que está estabelecido pelo Profeta (que a paz e bênçãos de Allah estejam sobre ele) que este hadith está condicionado a um contexto específico «i.e. a demanda para fazer o contrário do que os Persas e não-árabes faziam, estabelecido pelas primeiras palavras do hadith», e a quantidade e definição da barba que deve ser mantida teve diferentes opiniões entre os primeiros Muçulmanos … O significado, em minha opinião, é “desde que não exceda o que é comum entre as pessoas (religiosas)”. ‘Ata’ (ibn Abi Rabah, Mufti de Meca, m. 114/732), disse, “Não há mal em se aparar um pouco o comprimento e os lados da barba, se ela crescer comprida e larga, para se evitar chamar a atenção, se alguém teme ser zombado” (‘Umda al qari sharh Sahih al Bukhari. 20 vols. Cairo: Mustafa Babi al Halabi, 1392/1972, 18.76)

Imam Baghawi diz: ” Deixai a barba crescer significa ‘fazê-la larga’ (tawfiruha)… Está relatado por Ibn ‘Umar que ele costumava segurar sua barba com a mão, então removia o que ficava fora dela. Isto também foi relatado por Abu Hurayra. Ibrahim (al Nakha’i, m. 108/726) disse, ‘Eles (os Sahabas) costumavam aparar suas barbas nos lados’ ” (Sharh al sunna, 12.1089)

Quanto a aparar a barba, pode-se trazer como evidência o hadith de ‘Umar ibn Harun, de Usama ibn Zayd, de ‘Amr ibn Shu’ayb, do seu pai, do seu avô, que o Profeta (que a paz e bênçãos de

Recomendado para você:  Uma clarificação sobre o tema da música no Islam

Allah estejam sobre ele) “costumava aparar sua barba, nos lados e no seu comprimento” (Sunan al Tirmidhi. 5 vols. Cairo s.d. Reimpressão. Beirute: Dar Ihya al Turath al ‘Arabi, s.d., 594:2762). O único narrado na cadeia de transmissão de hadith, ‘Umar ibn Harun, é unanimemente considerado pela maioria dos Imames do Hadith como sendo “fatalmente fraco” (matruk) apesar (ou talvez por causa) Tirmidhi menciona, após citar o hadith de que seu próprio Sheikh, Bukhari, tinha uma boa opinião do narrador. O hadith talvez permaneça fraco, mas a opinião de Bukhari carrega seu peso. Meu Sheikh no fiqh Shafi, ‘Abd al Wakil Durubi costumava citá-lo, e eu não achei um único sábio Shafi’i (faqih) que não tenha aparado sua barba a um comprimento consideravelmente menor do que uma mão abaixo do queixo.

Os pontos seguintes podem ser inferidos a partir do exposto acima, para responder sua pergunta:

(1) Os hadiths sobre “Deixar a barba crescer” são incondiocionais, ou seja, podem ser lidos para indicar que é obrigatõrio não cortar a barba de forma alguma.

(2) Esta regra parece ser condicionada por várias considerações da verdadeira prática dos Sahabas, que eram treinados pelo Profeta (que a paz e bênçãos de Allah estejam sobre ele) e eram intimamente familiados com sua aparência, como em:

(a) que Ibn ‘Umar, um dos Sahabas de maior conhecimento e devotado seguidor da sunnah, costumava cortar sua barba quando ia para o hajj ou ‘umra, ou seja, presumivelmente antes de entrar no estado de ihram, no qual é proibido ao Muçulmano cortar our remover qualquer cabelo da sua barba, uma situação na qual esperava-se que uma pessoa de conhecimento aparasse o máximio permitido, pois não seria possível fazê-lo (enquanto em ihram) por algum tempo adiante. Isto mostra que a incondicionabilidade dos hadiths era, na visão de Ibn ‘Umar, condicionado pelo aparar da barba, com toda probabilidade como instrução ou exemplo do Profeta (que a paz e bênçãos de Allah estejam sobre ele), pois os Sahabas eram todos legalmente justos (‘udul) por consenso (ijma’) dos sábios Islâmicos, e é inconcebível que eles institucionalizassem lançassem um precedente para algo que fosse em oposição a uma obrigação religiosa.

(b) Imam Baghawi relata que aparar a barba foi também a prática de Abu Hurayra, outro dos mais destacados sábios entre os Sahabas, e Baghawi relata de Ibrahim al Nakhawi, o Sheikh da primeira comunidade Islâmica no Iraque, que os Sahabas costumavam aparar suas barbas nas laterais.

(c) Se todos os primeiros Muçulmanos tivessem suas barbas compridas até os pulsos ou joelhos, por nunca terem-na cortado, isto teria chegado até nós pelos hadiths – mas não chegou.

(3) A sabedoria de se deixar a barba crescer, como no hadith acima, de Bukhari e Muslim, é agir diferente dos não-muçulmanos. Em outros hadiths, relatados no Musannaf de Ibn Abi Shayba e outras fontes, declaram explicitamente que os Persas costumavam retirar a barba e deixar os bigodes crescerem. Poderíamos nos distinguir deles com bem menos do que uma barba longa.

Recomendado para você:  Um muçulmano pode trabalhar para um restaurante que serve carne de porco e álcool?

(4) Valores Islâmicos em geral promovem a beleza no comportamento, etiqueta e vestimenta. Quando um homem perguntou se gostar de roupas e calçados bonitos era uma forma de arrogância, o Profeta (que a paz e bênçãos de Allah estejam sobre ele) respondeu,

“Verdadeiramente, Allah é Belo e Ama a Beleza” (Sahih Muslim, 1.93:91)

(5) A demanda Islâmica por beleza em geral requer refinamento e a moderação, significando no mínimo, que não se busca deliberadamente a notoriedade através da aparência. O Profeta do Islam (que a paz e bênçãos de Allah estejam sobre ele) disse, “Aquele que coloca uma vestimenta de notoriedade neste mundo, Allah irá vesti-lo com humilhação no Dia do Juízo”. (Musnad al Imam Ahmad. 6 vols. Cairo 1313/1895. Reimpressão. Beirute: Dar Sadir, s.d., 2.139), um hadith bem autenticado (hasan). Os padrões de alguém para isso não são os não-muçulmanos, entretanto, com o Profeta (que a paz e bênçãos de Allah estejam sobre ele) disse, “Quem imita um povo se torna um deles” (Sunan Abi Dawud. 4 vols. Cairo s.d. Reimpressão (4 vols em 2). Istambul: al Maktaba al Islamiyya, s.d. 4.4:4031). Pelo contrário, o padrão são outros Muçulmanos religiosos.

(6) Em consideração aos valores gerais («4» e «5») acima, Imam al ‘Ayni investigao comprimento que obriga alguém a cortar a barba, embora ele relate que as antigas autoridades não tinham um consenso sobre esta questão.

Resumindo, ter uma barba é obrigatório para o homem Muçulmano. Pelas palavras dos hadith sahih acima, ela deve ser abundante, embora isto seja condicionado pelo ‘urf, ou reconhecimento comum entre os Muçulmanos religiosos e praticantes. Os primeiros Muçulmanos aparavam suas barbas, e não há um texto inequívoco (nass) qie estabeleça um limite legal fixo para o seu comprimento e tamanho. Enquanto a sunnah é considerada por muitos ulama (estudiosos) como sendo a “mão cheia”, meus próprios Sheikhs aparam suas barbas consideravelmente mais curto do que isso, e eles são ulama. É minha convicção e a premissa de minha abordagem à lei Islâmica que Allah não irá punir o Muçulmano comum por algo sobre o qual os ulama tradicionais não possuem um acordo.

Estas considerações são particularmente relevantes para a atual circunstância do Islam que se espalhou virtualmente para todos os povos da Terra e, geneticamente, nem todo homem é capaz de cultivar uma barba como aquela de Ibn ‘Umar. Em meu ponto de vista, estas capacidades variadas tornam mais preferível um critério geral de fiqh de (1) ter uma barba, (2) “abundância” de acordo com a capacidade pessoal, desde que não se assemelhe aos não-muçulmanos, (3) bons cuidados, de acordo com os padrões islâmicos gerais de beleza (entre as pessoas que são Muçulmanos praticantes), e modéstia – ao contrário de um certo comprimento obrigatório. E Allah sabe melhor.

Eu continuo ao seu serviço, sinceramente,

Nuh Keller

© Nuh Ha Mim Keller 1995

Fonte: http://untotheone.com/articles/letters/on-keeping-the-bear/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.