Página Inicial » História Islâmica » Rainhas do Islã – Shajarat Al-Durr, A Sultana do Egito

Rainhas do Islã – Shajarat Al-Durr, A Sultana do Egito

A história de Shajarat al-Durr, a primeira mulher a se sentar no trono egípcio desde Cleópatra, quase 1.300 anos antes.

Pouco é conhecido sobre suas origens, incluindo seu nome original e ano de nascimento no inicio do século 13. Entretanto, o nome pelo qual ela ficou conhecida, “Shajarat al-Durr” (”Árvore de Pérolas”). é dito ter sido inspirado pelo seu apreço pela joia do mar. Lendas dizem que ela veio de uma nobre linhagem árabe, contudo historiadores concordam que ela nasceu mais provavelmente na atual Armênia em uma família de nômades turcos kipchack, conhecidos pelos cronistas medievais ocidentais como “os loiros” e entre os quais mulheres geralmente possuíam um alto status. “Tenho testemunhado neste país uma coisa notável, ou seja, o respeito que eles devotam as mulheres”, lembrou o viajante do século 14 Ibn Battuta.

Por volta do período de tempo do nascimento de Shajarat al-Durr, os mongóis varriam o Ocidente através da Ásia, absorvendo algumas tribos kipchack e assentamentos ao deslocar e dispersar outras. Alguns membros destas tribos eram feitos cativos e vendidos para outros povos- incluindo aos governantes aiúbidas do Egito. O primeiro marido Shajarat al-Durr, o sultão al-Malik al-Salih, de fato, foi o primeiro a trazer grandes números de kipchaks ao Cairo. Os homens entre eles se tornavam servos militares, conhecidos como mamelucos, enquanto Shajarat al-Durr, como outras mulheres, entravam para os haréns.

Em sua história do sultanato mameluco do Egito o biografo, historiador e poeta  Al-Makrisi nascido no Cairo dos séculos 14 e 15, escreveu que o sultão:

”…amou-a tão desesperadamente que ele a levava com ele para suas guerras,
e nunca a abandonava… “

Em 1239, ela teve um filho, Khalil, e em 1240, Shajarat al-Durr e o sultão se casaram. Isso a libertou da servidão, mas seu filho morreu na infância, e ela não teve mais nenhum.

Al-Salih, no entanto, já tinha um outro filho no sudeste da Anatólia, o incômodo Turan Shah, um filho de sua primeira esposa. Como resultado, al-Salih confiava grandemente em sua esposa, cujas raízes kipchaks ajudaram o sultão aiúbida a mobilizar as tropas mamelucas para a tarefa – primeiro em manter seu domínio imediato, no Egito, e depois em estender o domínio para a Síria. Foi isso, “a capacidade de aconselhar seu marido sobre questões do Estado, incluindo campanhas militares”, que tem atraído mais atenção a Shajarat al-Durr hoje dos biógrafos, diz a historiadora Mona Russell da East Carolina University e autora de Creating the New Egyptian Woman (2004). Escrevendo pouco depois da morte de Shajarat al-Durr, um cronista sírio a chamou de “a mulher mais habilidosa de sua época”.

onlineMapwborder

Sua perspicácia se tornou amplamente aparente na primavera de 1249. O sultão al-Salih, na época em campanha na Síria, descobriu que os exércitos da Sétima Cruzada, liderados por Luís XII da França, estavam navegando para o Egito, com o objetivo de desembarcar 1.800 navios e 50.000 homens na cidade de Damietta no delta do rio Nilo. Shajarat al-Durr, atuando como regente no Cairo, despachou o principal comandante de al-Salih, Fakhr al-Din, a Damietta enquanto ela liderava os mamelucos na guarnição do Cairo.

 

Então vieram mais más notícias: O sultão havia sido ferido em batalha. Ele estava de volta ao Egito acamado.

Luis desembarcou em Damietta em 6 de junho de 1249. Superadas, as tropas muçulmanas, em número menor, abandonaram a cidade, relatou o historiador do século XIII Ibn Wasil. Eles se reagruparam na margem leste do Nilo, a cerca de 100 quilômetros a nordeste do Cairo, em al-Mansoura. Lá, o sultão al-Salih estava a caminho, e ele foi recebido à sua cabeceira por Shajarat al-Durr. No final de agosto, a saúde de al-Salih começou a se deteriorar a cada dia que se passava. Ibn Wasil descreveu a situação como “um desastre sem precedentes … houve grande pesar e espanto, e o desespero caiu sobre todo o Egito”.

Recomendado para você:  6 importantes conversões ao Islam

Em Novembro, o sultão al-Malik al-Salih faleceu. Desolada porém determinada em assegurar a continuidade da dinastia de seu marido e evitar demonstrar fraqueza aos cruzados, Shajarat al-Durr convoca Turan Shah da Anatólia e, até sua chegada, organiza a ocultação da morte do sultão.

Ela então pediu a Fakhr al-Din e ao eunuco chefe de al-Salih, Jamal al-Din, que estava a cargo dos mamelucos, “para informá-los da morte do sultão e pedir sua ajuda para apoiar o peso do governo em tal  período crítico “, escreveu Al-Makrisi.

Seu disfarce exigiu uma elaborada conspiração. Todas as ordens do sultão foram de fato assinadas por Jamal al-Din, que forjou a assinatura de seu mestre. (Outras fontes dizem que Shajarat al-Durr tinha feito com que al-Salih assinasse lotes de documentos em branco antes de morrer.) Um médico também foi informado sobre o segredo, e ele foi visto visitando diariamente a câmara do sultão.

Refeições eram trazidas para a porta e provadas enquanto cantores e músicos tocavam fora das câmaras. Enquanto isso, Shajarat al-Durr arranjou um barco e, disfarçada com vestes negras, acompanhou o corpo de seu marido sob o manto da noite do alto Nilo até a ilha de Roda, ao sul do Cairo, onde as tropas mamelucas estavam estacionadas. Lá, ela escondeu o cadáver e emitiu ordens – também falsificadas – para que a construção começasse no mausoléu de al-Salih.

Desta forma, durante quase três meses, Shajarat al-Durr dirigiu secretamente o sultanato. Embora Fakhr al-Din tivesse caido em batalha, suas forças começaram a repelir os cruzados, e Turan Shah chegou a tempo para a derrota e captura de Luis XII.

No entanto, como sucessor de seu pai, Turan Shah rapidamente começou a dar passos em falso.
“Ele não tinha nenhuma confiança, exeto em um certo número de favoritos, que ele tinha trazido com ele da Síria”, registrou Al-Makrisi, e isso afastou os mamelucos.

Ele exigiu que Shajarat al-Durr entregasse o tesouro de seu pai e suas próprias jóias e pérolas que eram sua marca registrada. “A sultana, em alarme, implorou a proteção dos mamelucos”, relatou Al-Makrisi. Eles ficaram muito felizes em ajudá-la, considerando “os serviços que ela havia prestado ao Estado em tempos difíceis” e o fato de que Turan Shah era “um príncipe universalmente detestado”. Turan Shah foi assassino em 2 de maio de 1250.

Os mamelucos decidiram que “as funções de sultão e de governante [do Egito] deveriam ser assumidas por Shajarat al-Durr”, registrou Ibn Wasil, acrescentando que “os decretos deveriam ser emitidos por seu comando e … tornou-se chefe titular de todo o Estado; Um selo real foi emitido em seu nome com a alcunha “mãe de Khalil (seu filho falecido)”, e  khutba [sermão de sexta-feira] foi pronunciada em seu nome como Sultana do Cairo e todo o Egito.

Moedas cunhadas em nome de Shajarat al-Durr. [Nome real: Fatma al-Malikah ad-Din Umm-Khalil Shajarat al-Durr (árabe: الملكة عصمة الدين أم خليل شجر الدر) [Alcunha: أم خليل, Umm Khalil; Mãe de Khalil]

Moedas cunhadas em nome de Shajarat al-Durr. [Nome real: Fatma al-Malikah ad-Din Umm-Khalil Shajarat al-Durr (árabe: الملكة عصمة الدين أم خليل شجر الدر) [Alcunha: أم خليل, Umm Khalil; Mãe de Khalil]

Embora –  recordando as observações de Ibn Battuta – os mamelucos não estivessem desacostumados aos potentados femininos, ela estava inteiramente à altura da tarefa de sultana  “dotada de grande inteligência” e capacidade para “os assuntos do reino”, observou Khayr al-Din al- Zirikli, biógrafo e poeta moderno da Síria.

Um de seus primeiros atos como sultana foi concluir um tratado com os cruzados que devolveram Damietta e resgataram Luis IX. Esses termos ela negociou com sua homóloga francesa, a rainha Margaret de Provença. Assim, a Sétima Cruzada terminou com a diplomacia de duas rainhas – uma muçulmana e outra cristã.

Recomendado para você:  5 invenções Islâmicas que mudaram o mundo

Nem todos a apoiaram. A mais pungente objeção veio de Bagdá, onde o califa al-Musta’sim declarou: “Ouvimos dizer que agora vocês são governados por uma mulher. Se os homens no Egito se esgotaram, avisem-nos para que possamos enviar-lhes um homem para governá-lo. ” Desconfiada do alcance distante da influência abássida, a sultana e seu conselho sabiam que precisavam capitular se fossem em última análise, continuar.

Assim, após 80 dias de governo titular, Shajarat al-Durr casou-se e renunciou a seu título a um oficial mameluco menor, Izz al-Din Aybek, que “não tinha nada a dizer”, observou um contemporâneo. Ela insistiu que Aybek divorciasse sua primeira esposa, Umm ‘Ali. Embora esse comando se revelasse fatídico, nos próximos sete anos “o poder de decisão e administração” permaneceu em suas mãos, como observou o historiador contemporâneo Ibn ‘Abd al-Zahir. Ela assinava todos os decretos reais, dispensava a justiça e emitia comandos.

Ela fez suas marcas culturalmente, também. Diz-se que ela instituiu um entretenimento noturno na Cidadela que apresentava acrobacias à luz das tochas aos ritmos de música. A lenda popular também atribui a ela a fundação da tradição do mahmal, um palanquim decorado na parte de trás do camelo principal na caravana anual de peregrinação do Egito para Maca – uma tradição que sobreviveu até meados do século XX.

Por volta de 1254, Aybek começou a se cansar de seu papel nominal. Ele derrotou uma ou duas rebeliões  e lutou amargamente com Shajarat al-Durr pelo tesouro de al-Salih, que ela manteve escondido. Em 1257, procurando aumentar seu poder, Izz al-Din Aybek pretendia tomar uma segunda esposa, filha de um poderoso príncipe. Para Shajarat al-Durr, isso era traição contra a rainha e sultanato. Aybek entrou num pavilhão perto dos campos de polo.

Em 12 de abril ele recebeu uma convocação apologética de Shajarat al-Durr. Chegando ao palácio saido de uma recente partida de polo, Aybek foi cumprimentado pelas espadas dos eunucos da sultana.

Ela afirmou que Aybek tinha morrido dormindo, mas desta vez os mamelucos se recusaram a protegê-la. Relatos dizem que ela passou vários dias sob prisão na Cidadela, moendo suas jóias e pérolas em pó. O filho de 15 anos de Aybek, Al-Mansur Ali, filho da jubilada Umm Ali, teve sucesso como sultão. Ele ofereceu Shajarat al-Durr ao julgamento de sua mãe, que teve sua ex-rival “arrastada pelos pés e jogada do topo da Cidadela”, de acordo com o historiador do século 15 Ibn Iyas. Seus restos foram enterrados no mausoléu que ela encomendara para si, um dos mais requintados do Cairo. Seu mihrab, ou nicho de oração, é decorado em mosaicos de vidro ao estilo bizantino, o mais antigo da cidade, e sua peça central é uma “árvore da vida”, adornada com pérolas.

Mihrab (nicho de oração) no mausoléu de Shajarat al-Durr

Mihrab (nicho de oração) no mausoléu de Shajarat al-Durr

Até hoje ela continua sendo uma das figuras históricas mais populares do Egito e, como tal, ela tem sido muitas coisas para muitas pessoas. Para os historiadores ocidentais das Cruzadas, ela era incidental. Para os cronistas muçulmanos medievais, ela era uma governante respeitada que sagazmente negociou um fim à Sétima Cruzada e intermediou a transição de duas grandes dinastias – o fim dos Aiúbidas (dinastia fundada por Saladino) e o início dos Mamelucos. Com “talentos extraordinários … percebidos através da crise, e frustrados pela lei, tradição e força bruta”, afirmou Susan J. Staffa, da Universidade Americana do Cairo, sua história permanece hoje “a história de uma mulher do começo ao fim”.

Recomendado para você:  Carijitas: Quem são e qual sua origem?

 

Tumba de Shajarat el Dur / Darih Shajarat al-Durr no Cairo. 1980 e início do século XX.

Mausoléu de Shajarat al-Durr no Cairo. 1980.

Bibliografias:

  1. M. W. Daly, Carl F. Petry, The Cambridge History of Egypt. Cambridge: Cambridge University Press, 1998,  vol. 2
  2. Urbain Vermeulen, Egypt and Syria in the Fatimid, Ayyubid and Mamluk Eras. Leuven: Peeters Publishers, 2001
  3. Glenn E. Perry, The History of Egypt. London: Greenwood Press, 2004
  4. Beth Baron, The Women’s Awakening in Egypt: Culture, Society, and the Press. New Haven: Yale University Press, 1994
  5. Amalia Levanoni. “Shajar Al-Durr: A Case of Female Sultanate in Medieval Islam.” World History Connected 7, no. 1 (February 2010). Accessed August 5, 2016. http://worldhistoryconnected.press.illinois.edu/7.1/levanoni.html
  6. “Mamluk Secondary Bibliography.” The University of Chicago. Accessed August 5, 2016. http://mamluk.lib.uchicago.edu/mamluk-secondary.php?caller=3&start=1&op=AND&searchauthor0=&searchauthor1=&searchauthor2=&searchtitle0=&searchtitle1=&searchtitle2=&searchsubject=Individuals–Shajar al-Durr&limit=50&searchlanguage=
  7. Richard of Devizes and Geoffrey De Vinsauf, Chronicles of the Crusades, being contemporary narratives of the crusade of Richard Coeur De Lion. London: J. & H. Cox (brothers), 1848
  8. Al-Malik Al-Zahir Rukn Al-duniya Wa-d-Din Baybars Al-Bundukdari Al-Salih. Arab Academy. Accessed August 5, 2016.
  9. M. C. Lyons, The Arabian Epic: Texts: Heroic and Oral Story-telling. Cambridge: University of Cambridge Oriental Publications, 2005, vol. 3
  10. R. Stephen Humphreys, From Saladin to the Mongols: The Ayyubids of Damascus, 1193-1260. New York: State University of New York Press
  11. Amin Maalouf, The Crusades Through Arab Eyes. London: Al Saqi Books, 1984
  12. Academia De Danza Arabe Priscilla Adum. “SHAGARET EL DOR—Queen of Egypt.” Facebook. Accessed August 5, 2016. https://www.facebook.com/Academia-de-Danza-Arabe-Priscilla-Adum-388753295647/photos/?tab=album&album_id=10153610814255648
  13. “Shagrat Al-Durr.” Badass Ladies of History. June 09, 2014. Accessed August 5, 2016. https://badassladiesofhistory.wordpress.com/2014/06/09/shagrat-al-durr/
  14. “Shagrat Al-Durr.” Women In World History. Accessed August 5, 2016. http://www.womeninworldhistory.com/heroine1.html
  15. Ross E. Dunn, The Adventures of Ibn Battuta: A Muslim Traveler of the Fourteenth Century. California: University of California Press, 1992
  16. Ibn Batuta, The Travels of Ibn Batūta. Michigan: University of Michigan Libraries, 1817
  17. Medieval Sourcebook: Al-Makrisi:  Account of the Crusade of St. Louis. New York: Fordham University, 1848
  18. “Shajar al-Durr الدر شجر”. المدنيـة مصـر ةحركـ. Accessed August 5, 2016. http://www.civicegypt.org/?p=53968
  19. Moše Šārôn, Studies in Islamic History and Civilization: In Honour of Professor David Ayalon. Leiden: Brill Publishers, 1986
  20. Lawrence I. Conrad, On the Arabic Chronicle of Bar Hebraeus: His Aims and Audience. Lebanon: Faculté Pontificale de Théologie de l’Université Saint-Esprit de Kaslik, 2010
  21. Behrens-Abouseif, Doris, Architecture of the Ayyubid Period in Islamic Architecture in Cairo: An Introduction. New York: E.J. Brill, 1989
  22. Jimmy Dunn. “Shajarat (Shaggar, Shagar, Shagarat) Al-Durr And Her Mausoleum in Cairo.” Tour Egypt. Accessed August 5, 2016. http://www.touregypt.net/featurestories/shajarat.htm
  23. R. L. Devonshire, Some Cairo Mosques and Their Founders. London: Constable & Company Limited, 1921
  24. “An Old Hajj Tradition: The Mahmal.” Middle East Journal, October 15, 2012. Accessed August 5, 2016. http://mideasti.blogspot.co.uk/2012/10/an-old-hajj-tradition-mahmal.html
  25. Nasser O. Rabbat, The Citadel of Cairo: A New Interpretation of Royal Mameluk Architecture. Leiden: E. J. Brill, 1995
  26. Johann Karl August Musus, Kitab Wafayat Ala’yan. Ibn Khallikan’s Biographical Dictionary Transl. by Guillaume Baron Mac-Guckin de Slane. Miami: Rare Books Club, 2012, vol 3
  27. Basarab the Wary, An Illustrated Introduction to the Kipchak Turks. Russia: Basarab the Wary, 1999.
  28. Robert Irwin, The Middle East in the Middle Ages: The Early Mamluk Sultanate 1250-1382. Illinois: Southern Illinois University Press, 2008
  29. David J. Duncan. “Scholarly Views of Shajarat Al-Durr: A Need For Consensus.” University of Central Arkansas, 1998. Accessed August 5, 2016. https://www.library.cornell.edu/colldev/mideast/duncan.htm
  30. Peter Thorau, Sultan Baibars der Erste von Ägypten. London: Longman, 1992
  31. Kenneth M. Setton, Robert Lee Wolff, Harry W. Hazard, The Later Crusades, 1189-1311. Madison: The University of Wisconsin Press, 1969, vol. 2

Fonte: http://muslimheritage.com/article/malika-iii-shajarat-al-durr

 

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.