Página Inicial » História Islâmica » Estados Árabes » Quem inventou o Líbano?
Bandeira do Líbano Islam Islamismo Allah Muhammad
Bandeira do Líbano

Quem inventou o Líbano?

Se você olhar para o mapa do mundo árabe moderno, pode parecer confuso. As fronteiras políticas entre os países pode parecer arbitrária, sem sentido ou simplesmente estranho. Em alguns lugares você vê linhas retas através do deserto dividindo dois países. Em outros casos, linhas onduladas e linhas casuais dividindo nações separadas. De onde é que essas linhas na areia vem?

No caso do Líbano, as linhas que separam o Líbano de países vizinhos são relativamente recentes. A guerra civil entre dois grupos na área levou a uma intervenção europeia em 1860, que elaborou as linhas, separando o Líbano a partir das áreas circundantes na qual historicamente ele foi unido.

Líbano sob o domínio Otomano

Em 1517, o Império Otomano conquistou a maior parte árabe da Ásia Ocidental, a partir do sultanato mameluco. O Sultão Selim decidiu organizar a região que engloba a moderna Síria, Líbano, Palestina e Jordânia em um distrito chamado Eyalet Sham (إيالة شام em turco otomano), o que traduz aproximadamente a “Província da Síria”. A província foi dividido em subdivisões administrativas chamadas sanjaks.

A partir dos anos 1600 a 1800, a região foi reorganizada inúmeras vezes. Às vezes, partes do Líbano moderno seriam organizados sob distritos governados a partir de Damasco, Beirute, Tripoli ou Jerusalém.

O controle Otomano foi geralmente restrito às cidades, no entanto. Nas montanhas e áreas rurais do Líbano, os otomanos deram regras semi-autônomas para as comunidades locais de drusos e cristãos, geralmente sob as famílias Ma’an ou Shihab. Durante todo o Império Otomano, muitas partes rurais permaneceram sob controle local, com as autoridades locais na qualidade de cobradores de impostos para as autoridades otomanas. O mesmo aconteceu no Líbano. Embora os otomanos mantivessem a autoridade nominal, as famílias locais receberam liberdade para governarem como quisessem, desde que eles reconhecessem a autoridade Otomana.

Recomendado para você:  O Islam realmente se espalhou pela Espada?

Cristãos maronitas e os Drusos

O sistema que os otomanos tinham implantado de governo no Líbano possibilitou que eles geralmente governassem com pouco conflito. No entanto, em 1800, o conflito religioso entre os cristãos maronitas e os drusos começou a transbordar.

Os maronitas são um grupo religioso católico que deve sua fidelidade ao Papa, em Roma. Eles haviam existido na Síria desde antes da conquista muçulmana nos anos 600. Eles são a prova viva da política de tolerância religiosa que o Islam exerceu nos últimos 1400 anos, com eles tendo liberdade religiosa sem serem incomodados pelas autoridades muçulmanas.

Um monge maronita no Líbano

Um monge maronita no Líbano

Os drusos são um grupo religioso único. Eles surgiram nos anos 1000 como um desdobramento do grupo xiita extremista, os Fatímidas ismaelitas. Embora tomem emprestado inúmeras idéias originais do Islam, do Cristianismo e do Judaísmo, os drusos insistem em ser seu próprio grupo religioso, separados de qualquer outro.

Na década de 1840, o conflito entre os drusos e os maronitas começou a se tornar um problema na região costeira da Síria, onde os dois grupos compunham a maioria da população. A fim de tentar resolver o problema, as autoridades otomanas decidiram dividir a região em dois distritos administrativos em 1842. A zona norte foi governada pelos maronitas e o sul pelos drusos.

Intervenção Europeia

Os franceses e os britânicos neste momento estavam buscando aumentar a sua influência no mundo muçulmano, enquanto ainda competiam uns com os outros. Como resultado, os franceses tenderam a apoiar os maronitas (seus irmãos católicos em todo o caso) e os britânicos apoiaram os drusos. Com o apoio internacional, os dois grupos começaram a escalada de violência. No verão de 1860, mais de 10.000 cristãos maronitas foram massacrados pelos drusos em Damasco.

Recomendado para você:  A vida do Imame Abu Hanifa

Os muçulmanos na Síria geralmente mantiveram-se neutros e ajudaram muitos dos cristãos que estavam tentando escapar dos massacres. Abd al-Qadir, um erudito muçulmano argelino que viveu no exílio em Damasco foi particularmente notável em seu apoio aos cristãos em Damasco. Seus esforços para salvá-los dos paramilitares drusos foi recebido com reconhecimento pelos governos franceses e americano.

O bairro Cristão de Damasco após os massacres drusos em 1860

O bairro Cristão de Damasco após os massacres drusos em 1860

Em qualquer caso, as autoridades otomanas foram capazes de suprimir a violência entre os dois lados dentro de poucos meses do início da guerra. Os otomanos, em seguida, restabeleceram o controle direto sobre a área para evitar mais violência. Independentemente do sucesso dos otomanos em pararem a violência, os franceses aproveitaram a oportunidade para intervirem.

As principais potências europeias da época (Áustria, Grã-Bretanha, Prússia e Rússia), todas concederam à França a autoridade para enviar tropas para o Líbano para proteger os cristãos maronitas, apesar da cessação da violência lá. Os franceses logo impuseram um tratado sobre o sultão otomano Abdülmecid I em 1861. Este tratado forçou os otomanos a nomearem um governador cristão não-Libanês para a região que deveria ser aprovado pelas grandes potências da Europa.

Efeitos nacionalistas do Tratado

O tratado que a França impôs aos otomanos efetivamente criou uma colônia francesa independente chamada Líbano, no meio do mundo muçulmano. Embora os otomanos mantivessem oficialmente o controle sobre a área até 1918, a França exerceu grande influência no novo país. No tratado, a França ditou as fronteiras do Líbano moderno para os otomanos. As fronteiras foram feitas para apenas cercar as áreas cristãs, criando um país de maioria cristã no meio do mundo muçulmano que os franceses poderiam usar para exercerem o seu poder na Síria.

Recomendado para você:  Carijitas: Quem são e qual sua origem?

O tratado criou a primeira separação política do Líbano do resto da Síria desde o início do governo islâmico nos anos 600. Considerando que historicamente o atual Líbano tinha sido considerado como uma parte da “Grande Síria”, agora ele foi considerado o seu próprio país com a sua própria identidade nacional centrada em torno de nacionalismo cristão e ideias europeias. Etnicamente, culturalmente e religiosamente, a Síria

As tropas francesas chegando em Beirute em 1860

As tropas francesas chegando em Beirute em 1860

(incluindo o Líbano, Palestina e Jordânia) sempre foram consideradas uma região unificada.

A criação francesa do Líbano começou o processo de rompimento das terras muçulmanas em estados desunidos independentes. Muito ênfase foi colocado sobre o nacionalismo como uma força unificadora em vez das semelhanças religiosas ou culturais. Como resultado, o povo do Líbano começou a se ver como inerentemente diferente e separados das pessoas em todo o resto da Síria – uma mentalidade que continua até hoje em todo o mundo árabe. Esta política europeia de promoção do nacionalismo para diminuir a unidade árabe ou islâmica tem sido muito bem sucedida para eles.

Hoje, o mundo muçulmano permanece completamente desunido com linhas arbitrárias desenhadas na areia por potências europeias para manterem as pessoas separadas e, assim, aumentar a influência europeia e “ocidental” na região. Sem a unidade demonstrada em eras muçulmanas anteriores, os grandes sucessos e poderes do mundo muçulmano não podem ser recuperados.

Bibliografia

Hourani, Albert Habib. A History Of The Arab Peoples. New York: Mjf Books, 1997. Print.

Ochsenwald, William, and Sydney Fisher. The Middle East: A History. 6th. New York: McGraw-Hill, 2003. Print.

Fonte: http://lostislamichistory.com/the_creation_of_lebanon/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.