Página Inicial » Perguntas e Respostas » Qual é a regra para um muçulmano entrar numa Ordem Sufi?

Qual é a regra para um muçulmano entrar numa Ordem Sufi?

Pergunta: Qual é a regra para um muçulmano entrar numa Ordem Sufi? Por que há numerosas ordens? Se Sufismo é ascetismo, invocação e percorrer o caminho para Deus, não seria suficiente para um muçulmano se satisfazer com o Alcorão e a Sunna como um manual para crescimento espiritual?

Resposta:

O Sufismo é o sistema de crescimento espiritual e de se adquirir bom caráter, o que leva um muçulmano para o nível de perfeição (ihsân) que o Mensageiro de Deus (s.a.w.s.) descreveu como “adorar a Deus como se O visse, pois mesmo que você não O veja, Ele vê você.” Logo o Sufismo é um programa de crescimento que se preocupa em purificar o ego de todas as as doenças que nos impeçam de alcançar a Deus e busca retificar as tortuosidades do ego humano no que se relaciona com Deus, os outros, e a si mesmo com seu próprio ego.

A Ordem Sufi é o corpo que toma conta dessa autopurificação e retificação e o shaikh sufi é a pessoa que provê o treinamento necessário para aqueles buscando estar com Deus.

O ego humano por sua natureza acumula doenças tais como arrogância, desdém, vanglória, superficialidade, malícia, raiva, ostentação, inclinação para atos pecaminosos, vingança, ódio, repulsa, trapaça e avareza. Deus diz: “Não me culpo. Ah, a alma (humana) se junta com o mal, salvo aquele de quem meu Senhor teve misericórdia. Ah, meu Senhor é Perdoador, Misericordioso”. Por essa razão nossos ancestrais reconheciam a importância da disciplina espiritual que poderia livrar o ego de suas doenças, estar em harmonia com a sociedade e por último obter sucesso em levar as pessoas a Deus.

Para manter a ortodoxia as Ordens Sufis devem conter certas características tais como uma aderência estrita ao Alcorão e à Sunna pois o Sufismo não é nada além do que a atualização do Alcorão e da Sunna. Qualquer coisa que vá contra ambos Alcorão e Sunna não é algo que seria ou poderia ser parte do Sufismo. Outro traço é que o Sufismo não pode se ver como algo separado do conhecimento da Sharî’a; pelo contrário, é sua essência.

Recomendado para você:  Julay'beeb, o amado pelo Profeta Muhammad

O Sufismo tem três princípios que são derivados do Alcorão e Sunna relativo ao ego humano: “E uma alma e Ele o Qual a aperfeiçoou. E a inspirou (com a consciência de) o que é errado para ela e (o que é) certo para ela. É sem dúvida bem sucedido aquele que lhe causa o crescimento. E é sem dúvida falho aquele que a prejudica”; uma abundância de invocação: “Ó você que crê! Lembre-se de Deus com muita lembrança”. O Mensageiro de Deus (s.a.w.s.) disse: “deixe sua língua ficar úmida com a lembrança de Deus”; e finalmente a renúncia deste mundo e um desejo pelo Além: “Não é a vida do mundo senão um passatempo e um lugar. Bem melhor é a morada do Além para aqueles que guardam seu dever (com Deus). Não raciocinam?”

Quanto ao papel do shaikh do qual o sufi toma suas litanias e o qual o guia através do processo de remover as doenças de seus corações, ele é o que encontra o programa mais adequado para cada um de seus discípulos (murids) assim como era a prática do Profeta (s.a.w.s.) que costumava aconselhar às pessoas o que lhes traria mais para perto de Deus de acordo com seu arcabouço psicossomático.

Por exemplo, um homem veio até o Mensageiro de Deus (s.a.w.s.) e disse: “Diga-me o que me deixará longe da ira de Deus” e ele (s.a.w.s.) disse: “não se enraiveça”, e outra pessoa veio e perguntou: “dê-me algo para eu me apegar”, e ele (s.a.w.s.) disse: “deixe sua língua úmida com a lembrança de Deus”. Há aqueles entre os Companheiros que aumentaram suas rezas noturnas, outros que leram o Alcorão com mais frequência, outros que participaram no jihâd com mais frequência, outros invocavam a Deus com mais frequência e ainda outros que davam caridade com mais frequência.

Recomendado para você:  Três coisas que aprendemos sobre ISIS após a morte de Moaz al Kasasbeh

Não é necessário para isso deixar certos assuntos da religião. Pelo contrário, há alguns atos de adoração que um viajante no caminho para Deus aumenta para ajudá-lo a alcançar seu objetivo. Essa é a razão pela qual há muitas portas para o Paraíso, mas há apenas um Paraíso. O Profeta (s.a.w.s.) disse: ” Para cada povo de um certo ato reto há uma porta dentre as muitas portas do Paraíso que chamam a essas pessoas, e para aqueles que jejuam há uma porta especial chamada al-Rayyân.” Por essa razão as Ordens Sufis têm métodos diferentes de disciplina espiritual dependendo do shaikh e discípulo específicos.

Da discussão acima está claro o que o Sufismo é, o que é o real caminho para Deus assim como o que é um shaikh verdadeiro: aquele que adere ao Alcorão e à Sunna. Também aprendemos o raciocínio por trás de variadas ordens, quando a realidade delas é uma só.

Deveriamos também mencionar que a descrição acima não se aplica a muitos daqueles que chamam para o caminho do Sufismo hoje, que na realidade distorcem as realidades do caminho. Encontramos muitos que não têm qualquer religiosidade, nenhuma piedade tais como os que dançam desordenadamente em diferentes ocasiões e que também agem como aqueles que estão em transe mas não não nada além de charlatães. Isso não é da conta do Sufismo e não deveríamos formular nossa opinião do Sufismo baseado nisso. Aqueles dentre os sábios que entendem e praticam o Sufismo deveriam se reunir e explicar esses problemas com mais detalhes para ajudar as massas a entenderem a verdade e a distinguirem da falsidade.

Há mais um assunto ainda a ser discutido: tomar a metodoloigia espiritual direto do Alcorão e Sunna. Essa é uma afirmação que exteriormente parece lógica, mas na realidade pode trazer destruição. Não aprendemos a rezar e suas condições lendo o Alcorão e a Sunna. Ao contrário, aprendemos a rezar de uma ciência chamada fiqh (jurisprudência) que foi desenvolvida pelos juristas que derivaram regras que constituem o corpus do Direito islâmico baseado no Alcorão e na Sunna usando muitas ferramentas codificadas na ciência da metodologia jurídica (‘Ilm Usûl al-Fiqh). Nunca houve ninguém que pôde ler o Alcorão e a Sunna e criar leis diretamente.

Recomendado para você:  Os 7 atos mais amados por Allah

Há também assuntos não tratados pelo Alcorão e Sunna, especialmente na ciência do Sufismo, que o torna necessário ser aprendido de um shaikh qualificado. Esses assuntos não podem ser postos em livros como as regras de recitação alcorânica. A ciência do Sufismo foi codificada desde o tempo de al-Junaid no quarto século islâmico. Com o tempo e as condições sociais piorando, também assim ocorreu com as Ordens Sufis que se prenderam a aparências externas e contravieram com o Alcorão e Sunna. A despeito disso, Deus continuará a proteger e preservar o Sufismo como o verdadeiro caminho a Ele, “Oh, Deus defende àqueles que são verdadeiros. Oh, Deus não ama a nenhum ingrato traiçoeiro”.

Da discussão acima as diferentes partes da pergunta foram endereçadas, e pedimos a Deus para nos dar intuição de Sua religião e Ele é o mais Alto e Sábio.

Fonte: http://eng.dar-alifta.org/foreign/ViewFatwa.aspx?ID=5840&text=sufism

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.