Página Inicial » História Islâmica » A Primeira Guerra Mundial e a Dissolução do Califado
A "Jihad do Kaiser'', propaganda alemã da Primeira Guerra Mundial: "O auxilio vem de Deus, e a vitoria está próxima'', " A Fatwa'', ''O Sultão Declara a Jihad, a grande Guerra Santa, contra a Inglaterra, Rússia e França.''

A Primeira Guerra Mundial e a Dissolução do Califado

Os Balcãs eram o barril de pólvora que acendeu a grande guerra. Rodeado pelo mar Adriático ao oeste, o Mar Negro ao leste e o Mar Mediterrâneo ao sul, a penúria estratégica dos Bálcãs se encaixa e encontra-se com a massa terrestre da Ásia no Mar de Mármara. A antiga cidade de Istambul assenta-se sobre o estreito (estreito é um canal de água que une dois corpos aquosos – oceanos, mares – e separa duas massas de terra.) do Bósforo que separa a Ásia da Europa e fornece a única saída para o transporte marítimo do Mar Negro para as águas quentes do Mediterrâneo.

A península balcânica situa-se na encruzilhada de três grandes tradições religiosas. O expansivo mundo islâmico se estende desde a Ásia Ocidental até a Península com uma grande concentração de muçulmanos na Turquia, Albânia, Bósnia, Kosovo e Skopje. A Europa católica encontra-se com o mundo islâmico ao longo de um eixo que liga Istambul a Viena. Bifurcando-o quase a noventa graus está o mundo cristão ortodoxo que corre aproximadamente ao longo de um eixo que liga Atenas com Moscou. Compondo a pluralidade de crenças está também a multiplicidade de nacionalidades e grupos étnicos: os croatas, os eslovenos, os tchecos e os húngaros ao norte; bósnios, albaneses e macedônios a oeste; sérvios, búlgaros e romenos a leste; turcos e gregos ao sul. A presença simultânea de miríades de crenças religiosas, nacionalidades e grupos étnicos produziu uma mistura volátil de interesses concorrentes ao longo da história.

Na virada do século XIX, a influência islâmica se expandiu mais para o leste da Europa, ao norte da Trácia e aos territórios ao redor do mar Negro. Este foi o resultado do domínio otomano, que manteve os Balcãs unidos por mais de 500 anos sob um único ‘’guarda-chuva’’ político. A regressão do poder otomano encorajou as ambições dos Habsburgo na Áustria-Hungria e na Rússia czarista. Os czares encorajaram as revoltas nacionalistas locais contra os turcos, na esperança de dominar os emergentes estados ortodoxos orientais, enquanto os austríacos ampliam sua influência com os outros croatas católicos. Enquanto esses três grandes impérios da terra disputavam turfe no sudeste da europa, as potências marítimas da Inglaterra e da França tinham seus próprios interesses na prevenção do acesso russo às águas quentes do mediterrâneo e que continham a onda crescente do poder alemão na Europa continental.

Os interesses econômicos dominaram a geopolítica dos tempos. Após a guerra de 1871, a Alemanha, sob Bismarck (1815 – 1898), emergiu como poder terrestre mais poderoso da Europa continental. A Alemanha procurou cultivar influência nos Balcãs e manter os interesses concorrentes austríacos e russos à distância organizando uma série de tratados com as nacionalidades locais. A Alemanha também procurou compensar sua chegada tardia à cena colonial, expandindo sua influência na África Oriental e no Golfo Pérsico. O ativismo diplomático alemão alarmou a Inglaterra e a França que ocupavam a maior parte das colônias na Ásia e na África. Os interesses da França, da Inglaterra e da Rússia convergiram para conter ambições alemãs e os três entraram em um tratado chamado Triple Entente (a aliança militar entre o Reino Unido, a França e o Império Russo.). Para combater esta coalizão, os alemães formaram sua própria aliança com a Áustria-Hungria e a Itália.

A fraqueza militar dos otomanos era óbvia para os poderes europeus após a guerra da Criméia (1854-1856) e o jogo geopolítico era ver quem pegaria as peças assim que o império se separasse. Para os britânicos, o Egito foi a chave para o Império indiano. Os franceses, lembrando o reino normando do Levant, desejavam a Síria e também tinham os olhos no Marrocos. Os russos, como autoproclamados campeões da Igreja Ortodoxa Oriental, reivindicaram Istambul e o estreito de Dardanelos, mas seus interesses estavam no acesso a águas quentes, que os britânicos e os franceses estavam igualmente determinados a negá-los. Mesmo os italianos, retardatários do jogo imperialista, tiveram seus olhos na Líbia, na Etiópia e na Somália.

As ambições concorrentes da Áustria-Hungria e da Rússia e seu apoio secreto aos nacionalismos dos Balcãs aumentaram as convulsões nos Balcãs. Ambos procuraram expandir sua influência à custa dos otomanos. O sultão Abdul Hamid (1876-1909) travou uma valente batalha para frustrar as ambições europeias. Mas ele estava contra as probabilidades. O Império estava profundamente em dívida após a guerra da Criméia. O custo de conter os nacionalismos dos Balcãs era alto. As pressões militares dos austríacos e dos russos eram implacáveis. O endividamento continuou a aumentar, por vezes, mais de 80% do orçamento otomano foi destinado a serviço da dívida. Para atender essas dívidas, o Sultão Abdul Hamid teve que engolir uma série de acordos capituladores com os poderes europeus e concordar com a ocupação britânica do Egito (1882). As tensões no antigo sistema otomano continuaram a crescer até quebrar sob o duplo martelo das pressões europeias e os apelos internos para a reforma. Finalmente, em 1908, o sultão Abdul Hameed foi forçado a entregar seus poderes aos Jovens Turcos.

No mesmo ano, em 1908, o império da Áustria-Hungria, encorajado pela Alemanha, anexou a Bósnia-Herzegovina, um movimento que liberou os incêndios do nacionalismo nos Balcãs. O primeiro a explodir foi a Albânia. Buscando expandir sua influência para o sul, os Habsburgo encorajaram a minoria católica na Albânia a exigir maior autonomia dos otomanos. Tomados pela propaganda, um grande número de muçulmanos também se juntou aos protestos, exigindo uma maior participação do poder político no império e o reconhecimento da língua e cultura albanesas. Enquanto os otomanos estavam preocupados com a Albânia, os italianos invadiram a Líbia (1911). As cidades de Trípoli e Benghazi foram bombardeadas e as guarnições otomanas foram forçadas a render-se. Os otomanos enviaram dois de seus mais poderosos generais, Enver Bey (1881 – 1922, que mais tarde, se tornará o ministro de defesa otomano durante a primeira guerra mundial) e Mustafa Kemal (1881 – 1938, que mais tarde liderou a guerra da Independência da Turquia) para evitar que os italianos penetrassem mais profundamente na Líbia. Os generais foram parcialmente bem sucedidos em seus esforços graças ao apoio recebido dos Sufis da Sanusiya e o avanço italiano foi contido nas cidades costeiras.

A invasão italiana da Líbia e os distúrbios na Albânia foram apenas um prelúdio para uma ofensiva total nos territórios otomanos europeus. Quando os Habsburgos católicos anexaram a Bósnia, cada um dos Estados dos riachos balcânicos pressionou sobre suas reivindicações sobre a Macedônia. O czar em São Petersburgo apoiou abertamente os projetos agressivos da Sérvia, Montenegro, Bulgária e Grécia. Em 1913, esses estados chegaram a um entendimento sobre os Balcãs e iniciaram um assalto mancomunado aos otomanos. Enquanto os turcos estavam ocupados defendendo a Líbia, os sérvios avançaram no leste da Albânia e levaram Kosovo. Os montenegrinos invadiram o norte da Albânia, os gregos se mudaram para a Trácia ocidental, enquanto os búlgaros ocuparam a cidade de Edirne e avançaram em direção a Istambul. A força combinada dos exércitos invasores foi de 700.000 contra guarnições defensivas otomanas com 100.000. Incapazes de se defender, os otomanos recuaram em todas as frentes. O terrorismo sérvio contra os camponeses turcos aumentou. Dezenas de milhares de muçulmanos foram destruídos pelos chamados exércitos cristãos e mais de um milhão de refugiados foram enviados para Istambul. A Guerra dos Balcãs de 1913 marcou o fim do Império otomano na Europa. Com o tratado de Bucareste (1913), os otomanos se retiraram dos Balcãs, exceto em uma pequena porção da Trácia.

A ocupação dos territórios dos Balcãs não satisfazia as reivindicações rivais dos estados ortodoxos orientais, que estavam em pouco tempo lançando-se uns nas gargantas dos outros. A Bulgária passada para trás e lutou em uma guerra perdida com a Sérvia e a Grécia. Os sérvios, encorajados pelos russos, iniciaram uma guerra de guerrilha contra os Habsburgo católicos na Bósnia para forçá-los a se retirar e engolir o território para si. Com os Bálcãs na confusão, Francisco Ferdinand (1863 – 1914), o Arqueduque da Áustria, partiu para Sarajevo para controlar a situação na Bósnia. Ali, um terrorista sérvio, Gavrilo Princip (1894 – 1918), o assassinou em 18 de junho de 1914. A Áustria, culpando a Sérvia como responsável pelo assassinato, declarou a guerra em 28 de julho. A Rússia, como protetora da Sérvia Ortodoxa Oriental, declarou guerra à Áustria. A Alemanha, ligada à Áustria por linguagem e tratado, declarou guerra ao czar. Os russos, franceses e britânicos foram vinculados como parceiros na Triple Entente. A França e a Inglaterra, portanto, juntaram-se à briga do lado russo. Em 3 de agosto, a Alemanha declarou a guerra à França. Em 4 de agosto, o Reino Unido declarou a guerra à Alemanha. A grande guerra havia começado.

A entrada otomana na guerra não era inevitável. Em retrospectiva histórica, Istambul poderia ter esperado com sucesso a guerra e poderia ter se beneficiado do derramamento de sangue entre as potências europeias. Mas o ministro de defesa otomano, Enver Bey, viu nas hostilidades que se seguiram uma oportunidade de ouro para recuperar os territórios dos Bálcãs perdidos e conter a ameaça russa. Os sucessos iniciais alemães contra os franceses e os russos pareciam indicar que a Alemanha e a Áustria-Hungria poderiam muito bem vencer a guerra. Em seu impulso inicial, os exércitos alemães ocuparam a Polônia em agosto de 1914 e avançaram para a Sérvia e Romênia. Na frente ocidental, eles atacaram pela Bélgica, atravessaram as defesas francesas e, em setembro de 1914, ficaram a 20 milhas de Paris. O parecer no gabinete turco foi dividido. O Peru não estava pronto para a guerra após a desastrosa guerra dos Bálcãs de 1913. Mas Enver estava determinado em seu curso. As negociações com os alemães foram conduzidas em sigilo estrito. Somente Enver e o grande vizir conheciam as negociações e o tratado de defesa foi apresentado ao gabinete como um fato consumado somente depois que foi assinado e selado. Percebendo que a maioria dos turcos ainda eram vacilantes, a Alemanha enviou dois bilhões de kurush (subunidade de moeda turca) de ouro para Istambul, em 21 de outubro de 1914. Para os otomanos em dívidas, essa infusão de dinheiro era uma notícia bem-vinda. O ouro equilibrou as balanças e os otomanos foram à guerra. As hostilidades começaram entre as marinhas otomanas e russas no Mar Negro. Em 5 de novembro de 1914, Grã-Bretanha, França e Rússia declararam guerra aos otomanos.

Recomendado para você:  Jerusalém e Umar Ibn Al-Khatab

Assim, os otomanos entraram na grande guerra para a qual eles não estavam preparados. Nos grandes momentos históricos, os instintos dos que estão no poder desempenham um papel decisivo no destino das nações. Enver Bey e seus apoiadores estavam tão preocupados com a ameaça russa que eles não entenderam a total importância de sua decisão fatídica. Os instintos deles falharam nesse momento crítico. A Alemanha permaneceu a favor da guerra em razão da entrega de ouro a um império que estava exausto pela guerra e estava profundamente em dívida com os banqueiros da Europa.

Os objetivos otomanos durante a primeira guerra mundial eram diferentes dos alemães. Seu principal objetivo era evitar as ambições russas na Anatólia. Um objetivo secundário foi recuperar os territórios nos Bálcãs perdidos durante a guerra dos Balcãs de 1913. Os alemães inicialmente incentivaram os objetivos turcos nos Balcãs. Mas quando muitos dos estados dos Balcãs optaram pela neutralidade, os alemães empurraram a Turquia para abrir uma segunda frente contra os russos no Cáucaso e no Azerbaijão. Uma região de influência germano-turca foi estabelecida em torno de Tabriz e os alemães tentaram envolver a Pérsia na guerra contra a Rússia. Os russos responderam ocupando o norte da Pérsia. A Grã-Bretanha era um aliado nominal da Rússia, mas seus interesses estratégicos de longo prazo ditavam que aos russos seria negado o acesso a águas quentes. Preocupado de que os russos pudessem atravessar o Golfo Pérsico, uma força britânico-indiana ocupava Isfahan e o sul da Pérsia. Durante grande parte da grande guerra, a Pérsia manteve-se um país ocupado por três poderes contestadores, a Rússia ao norte e ao sul e guarnições otomanas e alemãs ao oeste.

Do ponto de vista muçulmano, a condução da grande guerra pode ser dividida em três fases. A primeira fase, 1914-1916, foi um impasse, sem ninguém marcar vitórias decisivas. A segunda fase, 1916-1918, foi marcada por levantes árabes no Hejaz e na Síria e um avanço metódico dos exércitos britânico-indianos para ocupar as províncias árabes. Dois outros grandes eventos ocorreram no final da guerra. Os Estados Unidos entraram na guerra em abril de 1917 e a revolução Bolchevique retirou a Rússia da guerra em outubro de 1917. Ambos os eventos afetaram profundamente o curso da guerra. Na terceira fase, o Império Otomano foi desmembrado, a Grécia invadiu a Anatólia e foi esmaga, a Turquia tornou-se uma república e o califado foi abolido.

O primeiro grande envolvimento para os otomanos ocorreu no início da guerra. O secretário naval britânico, Winston Churchill (1874 – 1965), ordenou um assalto aos Dardanelos. Sua estratégia era ocupar o Estreito, depois passar para Istambul e, assim, derrubar os otomanos da guerra. Em abril de 1915, uma força combinada de tropas britânicas, australianas e neozelandesas, quase um milhão de pessoas, desembarcou no lado oeste do estreito. Os franceses tentaram desembarques semelhantes no lado leste do estreito. Uma determinada resistência otomana derrubou as forças invasoras mais de uma vez. Após um esforço que durou mais de nove meses, os exércitos invasores se retiraram (janeiro de 1916), com 213,980 baixas durante essa campanha. Foi aqui, nas campanhas Dardanelos, que Kemal Ataturk se distinguiu pela primeira vez.

A ameaça real para os otomanos era a Rússia ao nordeste. Os armênios viram uma oportunidade de ouro na guerra para expulsar a população turca e estabelecer um estado armênio independente no leste da Turquia. Uma campanha sistemática de terror foi iniciada contra os camponeses turcos antes das invasões russas. Os exércitos do czar avançaram em uma ampla frente levando a província de Kars e finalmente capturando Erzurum, Trebizond e Erzincan. Os armênios apoiaram este impulso com propaganda maciça contra os turcos e o fornecimento de material de guerra. Os russos e os armênios expulsaram os turcos de suas casas no leste da Anatólia e dezenas de milhares foram abatidos enquanto procuravam fugir do avanço russo. Os otomanos finalmente estabeleceram uma linha de defesa a oeste de Erzurum sob a liderança de Ahmed Izzet Pasha (1864 – 1937) e estabilizaram a frente. Em retaliação, 200 mil armênios foram expulsos e um grande número deles pereceu.

Todas as partes no conflito usaram a religião para promover seus interesses nacionais. O sultão otomano, que também era califa, declarou um jihad (guerra) na Inglaterra, na França e na Rússia, esperando o apoio dos turcomanos na Ásia Central e dos muçulmanos na Índia. Os britânicos na Índia eram particularmente vulneráveis. A Índia, com uma população de mais de 300 milhões no início da guerra, proporcionou o império com um vasto conjunto de mão-de-obra. O exército indiano, com um milhão de fortes, foi amplamente utilizado no Iraque, Egito, África do Norte, Palestina e Síria. Houve recrutamento principalmente das regiões entre Delhi e Peshawar e tinha um forte componente muçulmano. Os britânicos também recrutaram um grande número de egípcios, enquanto os franceses fizeram o mesmo na Argélia. Pela primeira vez na história moderna, um grande número de soldados muçulmanos foram confrontados com um dilema, quer seja o de lutar contra outros muçulmanos enquanto serviam nas forças armadas de um poder colonial (nominalmente cristão), ou de se recusar a fazê-lo. Os britânicos combatiam com sucesso o chamado otomano ao jihad na Índia e no Egito e os otomanos só conseguiram parcialmente neutralizar os muçulmanos na Índia. Em mais de uma campanha no Iraque, tropas muçulmanas indianas sobre as cabeças da defesa das tropas otomanas para evitar matar outros muçulmanos. Os russos obtiveram resultados semelhantes na Ásia Central, tanto pela propaganda quanto pela força.

Na frente iraquiana, uma força britânica-indiana entrou no Shatt al Arab (rio do Oriente Médio formado pela confluência dos rios Tigre e Eufrates, que deságua no golfo Pérsico após um percurso de cerca de 200 km.) em novembro de 1914 e ocupou Basra. A resistência otomana foi determinada. Em novembro de 1915, os otomanos quebraram as forças britânicas perto de Bagdá, cortaram suas linhas de abastecimento de Basra e as enviaram de volta para o Golfo Pérsico. Na frente egípcia, uma forte força de 80 mil soldados otomanos se moveu para o sul da Síria para o Canal de Suez. A resistência britânica foi rígida e um impasse se desenvolveu em torno da área do Canal de Suez, que durou até o verão de 1916.

Com as fileiras militares que pararam em todas as frentes, o foco mudou para a guerra de propaganda e, nesta esfera, os poderes da Entente tiveram uma vantagem. O Império Otomano continha um grande número de minorias nacionais e religiosas que poderiam ser incitadas contra a guerra portuária em Istambul. O caldeirão balcânico levou ao início das hostilidades. Os armênios foram intercalados entre os russos e os turcos. Agora, o foco mudou para o Oriente Médio. Os árabes na Arábia Peninsular eram ressentidos e impressionáveis. A Palestina evocou emoções profundas entre muçulmanos, cristãos e judeus. O Líbano tinha uma grande comunidade maronita. Estes eram materiais feitos sob medida para uma guerra de propaganda. A inteligência britânica foi particularmente ativa nesta área. Três grandes acordos assinados durante o período 1916-1918 não só alteraram o curso da grande guerra, mas tiveram um grande impacto nos desenvolvimentos históricos na Ásia Ocidental na segunda metade do século XX. O primeiro, entre Henry McMahon (1862 – 1949) da Grã-Bretanha e Sharif Hussain (1854 – 1931) de Hejaz, conseguiu o apoio deste último pelos esforços de guerra britânicos em troca da promessa de criar um estado árabe independente. O segundo, entre a Grã-Bretanha e o Emir Abdulaziz Ibn Saud (1875 – 1953), que implicava subsídio dos britânicos ao último em troca de uma promessa de não atacar Sharif Hussain em Hejaz. O terceiro, entre os líderes sionistas britânicos e mundiais, para estabelecer uma pátria judaica na Palestina o que levou à Declaração de Balfour de 1917. É desnecessário dizer que houve promissórias contradições nessas promessas e declarações.

Recomendado para você:  Carijitas: Quem são e qual sua origem?

Os poderes da Entente chegaram a acordos secretos entre eles para dividir as províncias otomanas no término das hostilidades. O mais notório destes, o acordo de Sykes-Picot (16 de maio de 1916), deu o Egito, o Iraque e a Palestina aos britânicos. Aos franceses foram prometidos a Síria e o Líbano. O Estreito e Istambul foram prometidos aos russos junto com as províncias da Anatólia oriental. A própria Anatólia deveria ser dividida entre os russos, britânicos, franceses, italianos, gregos e armênios. Da mesma forma, a Pérsia deveria ser dividida em uma zona do norte da Rússia e uma zona do sul da Inglaterra. Assim, foram semeadas as sementes de conflitos que deveriam causar atrito entre os turcos e os árabes, destruir as boas relações históricas entre muçulmanos e judeus e perseguir a Ásia Ocidental ao longo do resto do século XX.

Enquanto isso, uma combinação de sabotagem interna e uma mobilização do Império britânico deram aos britânicos uma vantagem. Em outubro de 1916, a revolta árabe estava em pleno andamento, auxiliada e encorajada pelos oficiais de inteligência britânicos, como T.E. Lawrence (1888 – 1935), que mudou o curso da guerra. Sharif Hussain, acreditando que os Poderes da Entente realmente honrarão sua promessa de criar um estado árabe sob sua regência, organizou ataques de guerrilha contra guarnições otomanas. Seus comandos destruíram com sucesso a ferrovia Hejaz e invadiram as cidades de Meca e Jidá. Centenas de soldados otomanos foram mortos no deserto. A guarnição otomana em Medina foi cercada enquanto a no Iêmen, na entrada do Mar Vermelho estava isolada.

A enorme vantagem do Império Britânico em mão de obra e material começou a ter seu efeito. Em dezembro de 1916, os britânicos atacaram em duas frentes. Os exércitos britânicos e indianos avançaram ao longo do Shatt al Arab, enquanto outra frente foi aberta através do Sinai em direção a Palestina. No verão de 1917, as forças britânicas ocuparam Bagdá e avançaram para Mossul no norte do Iraque. A resistência otomana foi fraca, já que a maioria das forças otomanas havia sido desviada para o noroeste da Pérsia para apoiar as ambições alemãs nos campos petrolíferos do Azerbaijão.

O avanço britânico sobre a Palestina foi ainda mais ameaçador. Movendo-se metodicamente, construindo uma ferrovia quando foi para manter suas forças fornecidas através do deserto do Sinai, os britânicos levaram Gaza, Accra, Jafa e Ramalá. Os otomanos defenderam valentemente Jerusalém, mas a cidade caiu, sob repetidos assaltos, em 9 de dezembro de 1917. Os franceses aterraram na costa do Líbano e assumiram o controle de Beirute. Allenby (1861 – 1936) continuou sua marcha pela Síria. Os nacionalistas árabes em Damasco se rebelaram e as forças otomanas foram retiradas dessa cidade. Ao liderar as vitoriosas forças indianas e britânicas após o túmulo de Saladino (1137 – 1193), Allenby teria parado, batido os sapatos e dito: “Estamos aqui! Estamos aqui! O sonho dos cruzados finalmente se tornou realidade!”

Até o verão de 1916 não era óbvio quem venceria a guerra. Os otomanos derrubaram com sucesso os exércitos britânico-indianos no Iraque e no Egito e pararam o avanço da Rússia no leste da Anatólia. A frente ocidental entre a Alemanha e a França chegou a um impasse com a guerra das trincheiras exigindo seu preço em todos os lados. Os submarinos alemães estavam pesando muito no transporte transatlântico. A taxa de tonelagem afundada era quase igual à capacidade aliada para substituí-la.

A entrada americana na guerra não era algo inevitável. Os Estados Unidos tinham fortes laços étnicos tanto com a Inglaterra quanto com a Alemanha e, inicialmente, forneceram crédito e material para ambos os lados. A perda de transferências americanas para a Grã-Bretanha era preocupante para os americanos, mas Woodrow Wilson (1856 – 1924) estava relutante em se envolver em um conflito europeu. No entanto, à medida que o impasse continuava e a guerra gerava seus efeitos, havia uma crescente preocupação na comunidade financeira de Nova York de que, se a Alemanha vencesse a guerra, a Grã-Bretanha talvez não pudesse pagar suas dívidas de guerra. Esse medo inclinou a balança em favor dos intervencionistas. A opinião pública nos Estados Unidos foi preparada e o Presidente Wilson finalmente entrou na guerra como um aliado dos Poderes da Entente em abril de 1917. Os otomanos, no entanto, formalmente nunca declararam guerra aos Estados Unidos.

Enquanto isso, a Rússia explodia. Em primeiro lugar, entrou na guerra para ajudar a Sérvia e expandiu suas operações na frente polonesa para desviar os alemães pressionando em Paris. Exceto no nordeste da Anatólia, os russos pagaram um alto preço em baixas de guerra, sofrendo grandes reveses na Batalha de Tannenberg (agosto de 1914) e durante sucessivos ataques na Polônia em agosto de 1916 e abril de 1917. A guerra causou grande escassez e a economia russa se tornou uma confusão. Os camponeses morreram de fome enquanto os aristocratas em Moscou deitavam e rolavam em seus luxos. Esta era uma explosiva mistura político-social, pronta para a ignição. Em abril de 1917, os alemães libertaram o líder bolchevique Lenin (1870 – 1924) para a Rússia, na esperança de aumentar a pressão sobre o czar para abandonar a guerra. Lênin pediu o fim das hostilidades e o estabelecimento de uma república soviética que abarca todos os nacionalistas do império czarista. Após a derrota de abril de 1917 na frente ocidental, o exército russo começou a entrar em colapso. A revolução seguiu em outubro de 1917 e selou o destino do Czar. Em novembro de 1917, os bolcheviques chegaram ao poder. Os Aliados, alarmados com a perspectiva de uma revolução camponesa varrendo a Eurásia, intervieram e prestaram assistência aos “russos brancos” lutando contra os bolcheviques. Os britânicos, franceses, japoneses e americanos desembarcaram suas tropas na Rússia, mas foram finalmente expulsos pelos vitoriosos bolcheviques.

A revolução Russa foi uma grande virada na história da grande guerra. A revolução bolchevique de outubro de 1917 retirou a ameaça russa à Anatólia a partir do leste. Em 5 de dezembro de 1917, os russos chegaram em um tratado com os otomanos, renunciando a todas as reivindicações do território otomano. É concebível que os russos tenham superado com sucesso a Anatólia oriental e o Irã ocidental se seus exércitos não se dissolvessem no caos da revolução. Uma vez que estavam fora da guerra, os russos tornaram públicas as disposições secretas dos acordos Sykes-Picot (16 de maio de 1916) dividindo o Império Otomano entre as potências europeias. Isso causou algum constrangimento para os britânicos aos olhos de seus clientes árabes. Mas era tarde demais, porque agora os Estados Unidos haviam entrado na guerra e estavam apoiando os esforços de guerra dos poderes da Entente e a maré da guerra havia virado.

Com os recursos dos Estados Unidos, a guerra de atrito na Europa inclinou-se para a vantagem da França, enquanto os britânicos completaram com sucesso suas invasões da Síria e do Iraque. Tanto a Alemanha como os otomanos foram quebrados financeiramente e o colapso dos Poderes Centrais veio rapidamente no verão de 1918. Os otomanos fizeram aberturas para a paz através do presidente Wilson, acreditando que seu programa de 14 pontos (plano para a paz mundial a ser tidos em conta nas negociações da paz após a primeira guerra mundial), se aplicaria à Turquia. Quando não houve resposta, os otomanos não tiveram escolha senão aceitar uma rendição incondicional. Os britânicos ganharam o direito de ocupar Istambul e o Estreito. Os italianos pousaram no sul da Turquia. Os franceses ampliaram sua zona da Síria para o sul da Anatólia, enquanto os britânicos tomaram todas as áreas curdas no sudeste da Anatólia. O peru ficou com uma pequena área em torno de Ancara.

Os termos do armistício eram extremamente rigorosos. A Turquia desmantelaria suas forças armadas, exceto por uma unidade de força armada levante de 50 mil homens. A administração e as finanças deveriam estar sob a direção dos oficiais dos poderes vencedores. A discriminação contra os muçulmanos tornou-se uma norma aceita. Somente os cristãos foram autorizados a frequentar escolas estaduais. Os missionários cristãos foram encarregados dos orfanatos muçulmanos onde os filhos turcos foram abertamente convertidos ao cristianismo. As forças policiais foram colocadas sob a direção de oficiais gregos e armênios que mataram rapidamente um grande número de soldados turcos recentemente demitidos, enquanto as forças vitoriosas não fingiram nada saber, como também toleravam tais práticas.

Os britânicos e os franceses desejavam nada menos do que o desmembramento total do Império e a subjugação dos árabes e dos turcos. Mesmo antes da rendição otomana, era óbvio que as promessas feitas aos árabes eram apenas uma artimanha. Na Conferência de Londres em 1919, Sharif Hussain sequer foi convidado a participar e apenas a intervenção de última hora do Ministério de assuntos Estrangeiros britânico permitiu que ele se sentasse como observador. A ocupação das terras árabes foi total e completa. Os locais sagrados em Jerusalém, bem como a riqueza petrolífera do Golfo Pérsico, estavam inteiramente à disposição da Europa.

Um dos objetivos estratégicos da Grã-Bretanha e da França era destruir o califado. Esta instituição, estabelecida pelos Companheiros do Profeta Mohamed para fornecer continuidade histórica ao Islã, havia sobrevivido há 1300 anos de turbulenta história islâmica. Nem mesmo a selvageria dos mongóis pôde extirpá-la. O califado mudou-se de Medina para Damasco (662 d.C), de Damasco para Bagdá (751 d.C), de Bagdá para o Cairo (1262 d.C) e do Cairo para Istambul (1517 d.C). Mesmo quando sua influência estava em uma maré baixa, era o eixo universalmente aceito em torno do qual a política islâmica girava. Em Istambul, provou ser uma instituição vinculativa para o Império Otomano unindo os turcos, os árabes, os curdos, os albaneses, os bósnios, os berberes, os egípcios e os sudaneses a uma comunidade universal. As potências europeias vitoriosas estavam bem cientes de que, com o califado, os muçulmanos eram uma força unitária. Retire o Califado e o que resta é uma infinidade de nacionalidades, cada uma se debatendo por poder e posição.

Recomendado para você:  Como o Islã se disseminou na Índia?

As tentativas de encerrar o Califado trouxeram uma reação mundial. Na Índia, nasceu o movimento califado (1919). Seu objetivo declarado era pressionar a Grã-Bretanha a não adotar uma política que removesse o califado. O movimento ganhou o apoio dos líderes nacionais indianos, incluindo Gandhi (1869 – 1948) e continuou até que os próprios turcos decidiram dissolver a instituição.

A resistência turca à ocupação começou quase imediatamente após o armistício. Todos os estratos da sociedade turca, desde os camponeses pobres até os burocratas – ao próprio sultão – contribuíram para a resistência de forma velada ou explicitamente. As sociedades para a defesa dos direitos turcos surgiram nas áreas sob ocupação estrangeira. Inicialmente, tentaram convencer as forças de ocupação de seus direitos humanos. Quando isso se mostrou inútil, se seguiu a resistência armada. As “Sociedades” se juntaram rapidamente às “Forças Nacionais” e receberam apoio direto do governo nacionalista em Ancara. Homens e materiais foram contrabandeados sob a cobertura da noite da zona independente para as zonas de ocupação. No início, os nacionalistas receberam apoio material dos bolcheviques da Rússia, que esperavam que a turbulência na Anatólia lhes proporcionasse uma oportunidade de ouro para promover o governo comunista na Turquia. Os nacionalistas representaram o trunfo bolchevique com muita habilidade, recebendo armas para a guerra da Independência turca, porém mantendo os comunistas muito bem armados.

Foi a invasão grega que galvanizou os turcos e determinou o formato da Turquia pós-guerra. Os gregos sempre cobiçaram os territórios otomanos e viram uma oportunidade histórica para pegar o que podiam. As potências ocidentais consentiam com os gregos. Em 14 de maio de 1919, uma frota de navios britânicos, franceses e americanos aterrou uma divisão das tropas gregas em Izmir. A cidade foi entregue aos invasores e se seguiu um massacre geral dos turcos. De Izmir, os gregos se mudaram para Bursa, estuprando e matando no processo. A população grega local se juntou na pilhagem em massa.

Em momentos críticos, a história lança personalidades fortes, que dobram o fluxo da história pelo puro poder de sua vontade. Mustafa Kemal era um desses homens. Apesar de considerado controverso por muitos muçulmanos por causa de suas inclinações seculares e seu quinhão na dissolução do califado, não há dúvida de que ele era o único líder a quem a nação turca se voltou no momento de necessidade.

Nascido em uma família pobre na Trácia, Kemal mostrou capacidades incomuns quando jovem, participou da academia dos oficiais em Istambul e se distinguiu no serviço militar na Líbia e na Síria. Este foi um momento difícil para os turcos. O Império estava em ruínas e os turcos procuravam novas modalidades para o seu relacionamento mudado com o mundo. A ideia de uma nação turca, despojada de seus apegos aos árabes e a outros povos não turcos, estava ganhando impulso. Dois centros de poder separados surgiram em Anatólia, um alocado em Istambul em torno do sultão-califa, o outro alocado em Ancara em torno de um parlamento nacional. Os britânicos encorajaram abertamente os grupos descontentes a fazerem guerra armada aos nacionalistas. Os soviéticos, embora apoiassem os nacionalistas, tinham sua própria agenda. Neste contexto, Kemal estava tentando organizar um exército para repelir os invasores. Foram feitas declarações a Moscou, a qual estava mais do que disposta a ajudar em armas, na esperança de que, no processo, o país se juntasse ao lado comunista.

Em 19 de junho de 1919, Kemal reuniu-se com líderes do movimento de resistência em Amásia e redigiu um protocolo para um Movimento de Resistência Nacional, que declarava que a pátria turca estava em perigo e o objetivo do movimento era de livrar o país de todas as forças estrangeiras. Nesta fase, Kemal e seus apoiadores ainda apoiam o sultão-califa. A posição do governo de Istambul era menos equívoca quanto aos nacionalistas. Considerando que Istambul estava sob ocupação, o grande vizir e o sultão dificilmente estavam em posição de assumir abertamente uma posição independente, mantendo, em vez disso, o futuro da nação turca em cooperação com as forças de ocupação. Suas ações, no entanto, mostraram grandes simpatias para os nacionalistas. Na verdade, quando Ali Reza Pasha (1860-1932) se tornou o Grande Vizir em outubro de 1919, negociou com os nacionalistas um tratado reafirmando que nenhuma província muçulmana de Anatólia seria cedida ao inimigo. Os britânicos não tolerariam essa cooperação. Eles pressionaram o governo de Istambul a condenar o movimento nacionalista. Muitos deputados nacionais foram presos e extraditados para Malta.

Em agosto de 1920, o Tratado de Sevres foi imposto ao governo de Istambul. O Tratado deu toda a Trácia à Grécia até os portões de Istambul. Os distritos de Izmir e Bursa também foram deixados sob administração grega. O exército turco deveria ser dissolvido. O que restava da Turquia dependeria do controle financeiro e militar dos poderes invasores. Os nacionalistas de Ancara rejeitaram o tratado. Para eles, era outra indicação de que o sultão não era um agente livre e não era digno de confiança para com os assuntos da nação.

Os gregos iniciaram uma ofensiva geral em junho de 1920 para capturar mais território. Alashehir, Bahkesir, Bandrma e Bursa foram conquistados um após o outro. Em outubro de 1920, começou uma segunda ofensiva. Simultaneamente, os armênios sofreram uma investida no leste da Turquia, que avançou até Erzurum. As forças turcas primeiro contiveram o avanço armênio e os empurraram para além das antigas fronteiras otomanas. Os armênios intentaram por paz. Enquanto isso, as forças de resistência turcas tomaram sua posição contra os gregos no rio Inonu sob a liderança de Ismet Inunu (1884 – 1973). Os invasores gregos foram esmagados e bateram em retirada. Vendo a força do movimento nacionalista, os Poderes da Entente tentou a armadilha diplomática. Uma conferência em Londres realizada em março de 1921 tentou convencer o governo de Ancara a concordar com o governo de Istambul. Mas até agora o rompimento entre Istambul e Ancara estava completo. Os representantes nacionalistas nem sequer conversaram com os representantes de Istambul.

Foi em Londres que os nacionalistas alcançaram sua primeira vitória diplomática. A França recuou dos acordos de capitulação, logo seguidos pelos soviéticos (março de 1921). Os italianos não tinham estômago para lutar. Mas os gregos ainda não tinham desistido. Após a conferência de Londres, eles tentaram novamente, desta vez com forças muito maiores. Sua ofensiva levou-os até os pórticos de Ancara. A batalha se desenrolou no rio Sakarya. Finalmente, em 2 de setembro de 1922, os turcos atravessaram e enviaram os exércitos gregos em direção a Izmir. Atenas tentou manter Izmir através da diplomacia, usando a Grã-Bretanha como intermediária. Mas Kemal não considerou isso. O inimigo grego foi perseguido e, até 18 de setembro de 1922, os gregos invasores foram destruídos ou perseguidos pelo Mar Egeu. Kemal cercou as forças britânicas ocupantes no Estreito e forçou-os a se retirarem. Os turcos ganharam sua guerra de independência.

A situação interna na Turquia estava longe de ser estável. O Movimento de Resistência Nacional representou todos os estratos da sociedade – dos comunistas da esquerda aos ulemá da direita. Mas a cooperação do sultão-califa Vaheeduddin (1861 – 1926) com os britânicos durante a guerra de independência turca destruiu qualquer confiança que existisse entre os nacionalistas e o sultanato.

Em outubro de 1922, Vaheeduddin, consciente de sua insustentável posição, fugiu de Istambul em um navio de guerra destroyer britânico. Abdul Majid II (1868 – 1944) foi escolhido como o próximo califa. Quando os que se opuseram aos nacionalistas reuniram-se em torno do califa e tentaram desestabilizar os nacionalistas, a Assembleia Nacional turca respondeu abolindo o califado em 3 de março de 1924. O mundo islâmico ficou chocado. Os protestos vieram de todo o mundo. Mas era tarde demais. A experiência da primeira guerra mundial ensinou aos turcos que o califado era um fardo que não podiam mais carregar e que terminaram por decidir abandoná-lo.

Foi assim que no século XX, o sol se pôs para o califado, uma instituição que havia sobrevivido há 1300 anos de história turbulenta.

Fonte: https://historyofislam.com/contents/resistance-and-reform/the-first-world-war-and-the-dissolution-of-the-caliphate/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.