Página Inicial » História Islâmica » A Posição Sunita em relação a Divergência entre Ali e Muāwiyah
Blue tiles of Samarkand.

A Posição Sunita em relação a Divergência entre Ali e Muāwiyah

Antes de nos aprofundarmos nesta questão, é importante entender que ambos Alī e Muāwiyah رضي الله عنهما eram companheiros ilustres do Profeta Muhammad صلى الله عليه سسم. Ser concedido o posto de um sahabi (companheiros do profeta) significa que ambos, juntamente com o resto dos sahabah رضي الله عنهم, possuem um grande status aos olhos de Allah o Altíssimo, devido a  numerosos versos do Alcorão e hādīths expressarem as virtudes dos sahabah. [1] Como tais, nós não temos o direito subjugar qualquer de suas ações, e nem podemos criticar a decisão tomada por qualquer um dos sahabah depois que Allah atestou a sua piedade e retidão.

Agora vamos resumir brevemente os eventos que cercam a batalha entre Alī e Mu’āwiyah رضي الله عنهما mais comumente conhecida como ”A Batalha de Siffīn ” (657) :

Depois do martírio de Sayyiduna Osman رضي الله عنه no ano 35 da hégira, o califado foi entregue a Alī رضي الله عنه. Muitos lhe juraram lealdade, como os Ansār e Muhājirīn, mas houveram alguns que não estavam dispostos a fazê-lo até que os perpetradores e conspiradores por trás do martírio de Osman رضي الله عنه fossem levados a justiça e punidos pela morte do califa. [2] Dentre estas pessoas estava Muāwiyah رضي الله عنه que na época era governador da Síria. [3] Sendo parente próximo de Osman رضي الله عنه, ele também desejava que a primeira iniciativa de Alī رضي الله عنه fosse punir os assassinos. [4] ‘Alī رضي الله عنه também desejava o mesmo, mas achava que o atual estado das coisas exigia que o império fosse primeiramente controlado antes de dar o próximo passo. Aqueles que conspiraram contra Osman رضي الله عنه estavam em grande número e se lidados muito cedo causariam mais rebeliões e discórdias dentro do já abalado califado. [5]

Assim, quando Muāwiyah رضي الله عنه exigiu que fossem tomadas medidas contra essas pessoas, Alī رضي الله عنه não respondeu afirmativamente e discordou ainda mais com o plano de ação de Muāwiyah رضي الله عنه. Aqueles que estavam com Muāwiyah رضي الله عنه lhe disseram que Alī رضي الله عنه estava apenas procrastinando e não queria ir atrás dos conspiradores do martírio de Osman رضي الله عنه. Isto foi ainda mais agravado por alguns mal informados insinuarem a Muāwiyah رضي الله عنه que ‘Alī رضي الله عنه havia aberto o caminho para os conspiradores derrubassem Osmān. [6] Incompreendendo os motivos de Alī’ رضي الله عنه, Muāwiyah رضي الله عنه tomou a decisão de seguir adiante com sua própria agenda, mesmo que Alī رضي الله عنه não concordasse. [7]

Recomendado para você:  Quero me converter ao Islam, e agora?

Quando ‘Alī رضي الله عنه ouviu falar sobre o plano de ação de Muāwiyah رضي الله عنه, ele primeiro enviou emissários para negociar com Muāwiyah رضي الله عنه. Após o fracasso, ele tomou a decisão de reunir seu exército e ir em direção a Muāwiyah رضي الله عنه para detê-lo e assumir o controle da situação antes que enfraquecesse o império muçulmano. Logo, isso resultou em um confronto entre os dois exércitos em torno de um lugar chamado Siffin na Síria. Começou com negociações [8], mas acabou levando a uma batalha completa com muitas baixas em ambos os lados. Quando o exército de Alī رضي الله عنه ganhou a vantagem, uma proposta foi feita pelo exército de Muāwiyah رضي الله عنه para ter negociações de paz e cessar as agressões. [9] Com a persistência de algumas pessoas de seu exército, ‘Alī رضي الله عنه decidiu prosseguir com as negociações. Foi decidido que cada parte escolheria uma pessoa para representá-las e fazer essas negociações, também conhecidas como tahkim. Amr bin al-As رضي الله عنه foi escolhido para representar o exército de Muāwiyah رضي الله عنه enquanto Abu Mūsā al-Ash’arī رضي الله عنه foi escolhido para representar o exército de ‘Alī. [10] Foi decidido ainda que os combates cessariam e a decisão final seria tomada durante o Ramadã [11] do mesmo ano (ou seja, 37 da hégira). [12]

Quando o Ramadã surgiu, Amr bin al-As رضي الله عنه e Abu Mūsā al-Ash’arī رضي الله عنه se reuniram e tentaram chegar a paz, e foram levados a uma decisão mútua em relação ao califado e ao futuro do império muçulmano. No final, essas negociações não deram frutos e ambas as partes partiram sem nenhuma conclusão provável. [13]

Recomendado para você:  Dicas para o Ramadan

Isto conclui o resumo da batalha que ocorreu entre ‘Alī e Mu’āwiyah رضي الله عنهما. Nós não desejamos dar mais detalhes, uma vez que tal informação é baseada apenas em narrativas históricas que incluem muitas narrações fracas também. Além disso, esta é uma questão de credo e crença em relação ao Sahabah رضي الله عنهم e como dito antes, o Alcorão descreve o grande status dos sahabah رضي الله عنهم. Como tal, não podemos desconsiderar nossas crenças sobre a dignidade e honra dos sahabah baseado em análises históricas simplistas dos eventos que aconteceram durante esse tempo. [14]

Antes de concluir, aconselhamos que você tenha em mente os seguintes pontos:

1) Mu’āwiyah رضي الله عنه foi um grande companheiro [15] do Santo Profeta صلى الله عليه سسم, a quem o Profeta صلى الله عليه سسم fez uma súplica pelas seguintes palavras:

اللَّهُمَّ اجْعَلْهُ هَادِيًا مَهْدِيًّا وَاهْدِ بِهِ

“Ó Allah, faça dele um meio de orientação, que seja guiado e guie (outros) através dele.” [16]

2) Ambas as partes estavam lutando pelo bem da religião e pelo que eles acreditavam estar certo. No entanto, é a crença consensual entre os eruditos sunitas de que Muāwiyah رضي الله عنه errou em sua decisão e Alī رضي الله عنه estava no verdadeiro caminho da justiça. Isso não significa que Muāwiyah رضي الله عنه fosse pecador; isso significa apenas que ele errou em sua decisão, mas foi desculpado porque foi por causa do que ele acreditava estar certo naquele momento. Isso não desacredita seu status como um sahābī de qualquer forma; em vez disso, nos mostra que, quando ocorre discórdia, há sempre um lado que está no caminho verdadeiro, deixando o escopo para o outro lado também. Devemos mostrar gratidão tanto a Muāwiyah como a ‘Alī رضي الله عنهما por seus sacrifícios e esforços no caminho da religião.

Recomendado para você:  Imam Al Bukhari e a Ciência dos Hadiths

Em apoio ao acima exposto, considere as seguintes duas narrações:

Em relação a este evento, o Santo Profeta صلى الله عليه سسم disse:

قَالَ رَسُولُ اللَّهِ صَلَّى اللهُ عَلَيْهِ وَسَلَّمَ: «لاَ تَقُومُ السَّاعَةُ حَتَّى يَقْتَتِلَ فِئَتَانِ دَعْوَاهُمَا وَاحِدَةٌ»

“O Dia do (Julgamento) não será estabelecido até que haja uma guerra entre dois grupos cujas reivindicações serão as mesmas.”

Hāfidh Ibn Hajar al-‘Asqalānī escreve em seu comentário sobre Sahih al-Bukhārī que o hadith mencionado acima se refere a Alī e Muāwiyah رضي الله عنهما e esta “reivindicação” se refere a ambos lutando pela mesma religião, isto é, o Islã [18]

É relatado no Tarīkh de Ibn Khaldūn que quando ‘Alī رضي الله عنه foi perguntado sobre os mártires da batalha de Siffīn, ele respondeu nas seguintes palavras:

«والّذي نفسي بيده لا يموتنّ أحد من هؤلاء وقلبه نقيّ إلّا دخل الجنّة»

“”Juro pelo Ser que controla minha vida que nenhum daqueles (mártires) que morreram (naquele evento) partiram deste mundo sem que seus corações estivessem puros e suas almas garantidas ao Paraíso.” [19]

3) Ao ler qualquer material sobre tais assuntos, devemos sempre manter uma mente aberta e nunca deixar nossas línguas serem sujas fazendo menção de qualquer sahābī de uma maneira negativa.

Vamos concluir com palavras de sabedoria expressas pelo grande califa Omar bin‘ Abdul ‘Azīz:

تِلْكَ دِمَاءٌ طَهَّرَ اللَّهُ أَيْدِينَا مِنْهَا فَلَا نُلَوِّثُ أَلْسِنَتَنَا بِهَا

“Este é o sangue (referindo-se às batalhas entre o Sahabah) do qual Allah, o Todo-Poderoso, manteve nossas mãos limpas. Portanto, não é adequado para nós sujarmos a nossa língua mencionando tais assuntos ”. [20]

E Allah o Altíssimo sabe mais.

Fonte: http://www.ilmgate.org/disagreements-between-ali-and-muawiyah/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.