Página Inicial » História Islâmica » Andaluzia » O Ícone Cultural de Andaluzia

O Ícone Cultural de Andaluzia

A cultura é muitas vezes um tema difícil de estudar historicamente. Como é que as culturas atuais se desenvolveram? Que outras regiões e tempos afetaram as nossas culturas modernas? Como eram as antigas culturas diferentes das nossas? Uma das melhores maneiras de lidarmos com essas questões é olhar para alguns dos gigantes culturais do passado. Um desses gigantes era um homem muçulmano que viveu em al-Andalus (Espanha muçulmana) nos anos 800. Ele era carinhosamente conhecido como Ziryab e ele revolucionou tudo, desde a moda, o jantar, a música, penteados e higiene. Ele foi um dos maiores ícones culturais da Idade Média e o impacto que ele causou ainda é sentido no mundo de hoje.

Música e Origens

O nome de nascimento do Ziryab foi Abu al-Hassan. Ele nasceu em 789, mas o seu local de nascimento é debatido. Os historiadores ao longo dos tempos têm afirmado que ele foi árabe, persa, curdo, ou negro africano. Sem dúvidas existe essa confusão pois cada grupo quer reclamá-lo como seu. Seu apelido de Ziryab significa “Pássaro Negro”, em árabe. Ele tem esse apelido por causa de sua pele escura e bela voz para cantar.

Ele tinha como função originalmente entreter os tribunais durante o reinado de Harun al-Rashid, o califa abássida em Bagdá. A história conta que ele era tão bom músico que outros na corte real tinham inveja dele o suficiente para quererem exíla-lo, para não perderem os seus empregos para seu imenso talento. Uma vez exilado, ele buscou refúgio na África, oferecendo suas habilidades para qualquer governante local que estava disposto a patrocinar ele. Ele teve sua grande chance, no entanto, quando foi convidado para o emirado omíada da Espanha, pelo emir omíada al-Hakam.

Um alaúde medieval.

Um alaúde medieval.

Quando Ziryab finalmente chegou à al-Andalus, ele foi recebido pelo sucessor de al-Hakam, Abd al-Rahman II. Abd al-Rahman era fascinado pelos talentos de Ziryab e imediatamente o fez uma parte importante na corte real em Córdoba. Ziryab foi dado um salário elevado, um palácio para se viver, e controle sobre o desenvolvimento cultural de al-Andalus.

Recomendado para você:  Ramadan perigoso

Ele estabeleceu um instituto para educar as pessoas em artes musicais e de entretenimento. No instituto, ele ensinou os estudantes ricos e pobres. Ele ensinou os estilos musicais tradicionais e canções de sua antiga casa, Bagdá, mas também acrescentou o seu próprio toque de muitas canções, inovando com o passar do tempo. Ele ainda acrescentou uma quinta corda para o instrumento tradicional, o alaúde. Isto mais tarde abriu o caminho para o desenvolvimento da guitarra. Ele era respeitado por todos em al-Andalus na época como o músico mais importante.

Moda e Comida

Como muitos músicos famosos de hoje, Ziryab também foi um ícone da moda e cultural em Andaluzia. As pessoas olhavam para ele para saberem as melhores e mais recentes formas de se vestir, penteados, e as tendências culinárias. E Ziryab nunca decepcionava quanto à isso.

Antes de sua chegada, al-Andalus era uma terra sem graça nesses quesitos. Não havia muito ênfase em roupas da moda, ou outras formas de se parecer elegante. Ziryab mudou tudo isso. Ele ditou que certas cores das roupas devem ser reservadas para certas épocas do ano. Roupas de inverno devem ser de cor mais escura e material mais pesado, tendo a pele de animais compondo uma parte importante das vestimentas. No Outono e Primavera as roupas deveriam refletir as cores dominantes das estações. No Outono deve-se usar vermelho, amarelo e laranja, que refletem a mudança de cores das folhas. Na Primavera, ele acreditava que cores mais brilhantes reminiscentes das flores desabrochando deveriam ser usadas. No Verão, o brancos e outras cores claras deviam ser usadas. Esta foi a origem da regra moderna de “sem roupas brancas depois do Dia do Trabalho (início de setembro)”.

Aspargos foram usados pela primeira vez como um alimento por Ziryab

Aspargos foram usados pela primeira vez como um alimento por Ziryab

Ele também mudou a forma como os alimentos eram comidos em al-Andalus. Antes dele, ninguém em al-Andalus (ou em outras partes do mundo muçulmano) se importou muito para o alimento a ser servido. Diferentes sabores e tipos de alimentos, desde doces até carnes e saladas foram todos servidos juntos. Ziryab determinou que deveria haver uma ordem de como o alimento é ingerido. A sopa foi servida pela primeira vez como um aperitivo. Esta foi então seguida pelo prato principal, que incluem carnes, peixes e outros pratos mais pesados. Por fim, a refeição era finalizada por frutas e outros doces, com nozes sendo servidas mais tarde como um lanche. Isso revolucionou a forma como chefs preparavam os alimentos e como as pessoas comiam. Refeições modernas multi-curso também seguem este mesmo processo, hoje, mais de 1000 anos depois que Ziryab o iniciou.

Recomendado para você:  Granada - O Último Reino Espanhol Islâmico

Ziryab também inovou em muitos outros aspectos do jantar. Ele foi o primeiro a reconhecer os aspargos como um vegetal comestível e saboroso. Ele se livrou dos desajeitados velhos cálices de metal que pessoas utilizavam desde antes dos tempos islâmicos e substituiu-os por uns mais leves, mais atraentes taças e copos de cristal e de vidro, outra inovação que ainda hoje existe.

Higiene

Não sendo um homem de apenas alguns truques, Ziryab mudou a maneira como os andaluzes olhavam para a higiene. Ele foi o primeiro a introduzir o creme dental para a península (sem dúvida, para o prazer de todos que tinham que falar com alguém de perto). Ele foi o primeiro a sugerir desodorantes como uma forma de cheiro agradável, mesmo nos verões quentes andaluzes. Ele trouxe novos penteados também. Antes de seu tempo, o povo de al-Andalus (homens e mulheres) geralmente tinham cabelos compridos e despenteados. Ziryab fez penteados populares que mantinham o cabelo dos homens um pouco mais curto e mais limpo, e sugeriu franja para as mulheres. Estes novos penteados foram tratados com uma nova forma de shampoo que Ziryab criou a partir da água de rosas e sal, deixando o cabelo mais saudável do que antes.

Como um ícone cultural, suas regras auto-impostas sobre moda, higiene e alimentos rapidamente se espalharam por toda a Península Ibérica e além. Em toda a Europa Medieval e no mundo muçulmano, seus estilos foram imitados e adicionados às culturas existentes. Suas inovações permanecem até hoje na forma de comermos, vestirmos e cuidarmos de nós mesmos. Ele era verdadeiramente um ícone cultural cujo estilo durou muito além de sua vida.

Bibliografia

Ibn Khaldūn. The Muqaddimah, An Introduction To History. Bollingen, 1969. 230. Print.

Recomendado para você:  Rez bicharie ou Arroz com macarrão

Lebling, Robert. “Flight of the Blackbird.” Saudi Aramco World. 2004: n. page. Web. 23 Dec. 2012. <http://www.saudiaramcoworld.com/issue/200407/flight.of.the.blackbird-.compilation..htm>.

Najeebabadi, Akbar Shah. The History of Islam. 3. Riyadh: Darussalam, 2001. Print.

Fonte: http://lostislamichistory.com/the-cultural-icon-of-al-andalus/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam tem o objetivo de trazer informação de qualidade às pessoas que apreciam a busca do conhecimento. Não discutimos religião, não apoiamos terrorismo, não apoiamos guerras ou ditaduras.