Página Inicial » História Islâmica » Nakba – A Catástrofe Palestina de 1948

Nakba – A Catástrofe Palestina de 1948

Um dos eventos mais bruscos e importantes da história islâmica recente tem sido o conflito árabe-israelense. Este conflito é multifacetado, complexo e ainda é uma das questões mais problemáticas do mundo em relações internacionais. Um aspecto desse conflito é o problema dos refugiados, que começou em 1948, com a criação do Estado de Israel. Mais de 700.000 palestinos tornaram-se refugiados naquele ano, no que é conhecido como a “Nakba”, que é árabe para catástrofe.

Contexto

Em 1800, um novo movimento nacionalista nasceu na Europa. O Sionismo foi um movimento político que defende a criação de um Estado judeu. Muitos judeus acreditavam que ter seu próprio Estado era necessário em face da discriminação e opressão pelos europeus. Depois de debaterem onde criar este novo estado no Primeiro Congresso Sionista em 1897, o movimento sionista decidiu visar a criação de seu estado na Palestina, que era então parte do Império Otomano. O sultão / califa do Império Otomano, Abdulhamid II, recusou-se a aceitar isso, mesmo em face de um pagamento de 150 milhões de libras britânicas proposta por Theodor Herzl, o fundador do movimento sionista, em troca da titularidade da Palestina.

A porta se abriria para o sionismo no entanto, após a Primeira Guerra Mundial. Durante a guerra, a Grã-Bretanha capturou a Palestina dos otomanos em 1917. Na mesma época, o secretário de Relações Exteriores britânico, Arthur Balfour, emitiu uma declaração para o movimento sionista prometendo apoio britânico para a criação de um Estado judeu na Palestina.

Depois da guerra, a Palestina se tornou um mandato da Liga das Nações sob controle britânico em 1920. Estando sob o controle britânico, o movimento sionista fortemente defendia a emigração de judeus europeus para a Palestina. O resultado foi um aumento exponencial do número de judeus que viviam na Palestina. De acordo com dados do censo britânico, em 1922, haviam 83.790 judeus na Palestina. Em 1931, eram 175.138. E, em 1945, o número saltou para 553.600 pessoas. Em 25 anos, os judeus tinham ido de 11% do total da população para 31% .1

Naturalmente, a reação dos árabes palestinos não era entusiasmática. A tensão entre os novos colonos judeus e palestinos nativos irrompeu em numerosas ocasiões. Eventualmente, os britânicos decidiram na década de 1940 que já não podiam controlar o território, e decidiram terminar o mandato da Palestina e deixar o país.

Recomendado para você:  A Mesquita Al-Aqsa durante as Eras

Plano das Nações Unidas e a Independência de Israel

O mapa da esquerda mostra as áreas de maioria judaica no mandato da Palestina. A direita do mapa ilustra o Plano de Partilha da ONU.

O mapa da esquerda mostra as áreas de maioria judaica no mandato da Palestina. A direita do mapa ilustra o Plano de Partilha da ONU.

Vendo o próximo fim do controle britânico sobre a Palestina, e o conflito inevitável entre os árabes e os judeus, a recém-criada Organização das Nações Unidas, abordou a questão em 1947. Ela veio com um plano conhecido como o Plano de Partilha das Nações Unidas para a Palestina. O plano defendeu a criação de dois estados no que tem sido historicamente conhecida como Palestina. Um para os judeus, conhecido como Israel, e um para os árabes, Palestina.2

Enquanto os judeus na Palestina aceitaram o plano com entusiasmo, os árabes rejeitaram veementemente ele. Na sua opinião, ele tirou a terra que tinha sido uma terra árabe historicamente muçulmana desde as Cruzadas e deu para a nova minoria judaica no país. A tensão aumentou novamente entre os dois lados.

Em meio a essa crescente tensão, a Grã-Bretanha declarou o fim do mandato da Palestina e retirou-se do país em 14 de maio de 1948. Naquele dia, o movimento sionista na Palestina declarou o estabelecimento de um novo país, Israel. No dia seguinte, os países árabes vizinhos declararam sua rejeição da declaração e invadiram Israel.

Sem entrar em detalhes sobre a guerra em si, o resultado da guerra de 1948 foi um enorme aumento no tamanho de Israel. O estado resultante era muito maior do que o estado proposto pela Organização das Nações Unidas, a captura de cerca de 50% do Estado árabe proposto.

Expulsão dos Palestinos

Talvez o maior impacto humano da guerra de 1948 foi a expulsão de grande parte da população palestina. Dentro das fronteiras do novo Estado de Israel, havia perto de um milhão de árabes palestinos antes da guerra. Até o final da guerra em 1949, entre 700.000 e 750.000 deles tinham sido expulsos.3 Apenas 150.000 permaneceram em Israel.

Refugiados palestinos em 1948

Refugiados palestinos em 1948

Refugiados são sempre um infeliz efeito colateral da guerra. Ao longo da história, grupos de pessoas fugiram para escapar da luta e conquista. O que faz com que os refugiados palestinos de 1948 sejam únicos, no entanto, é o motivo pelo qual eles se tornaram refugiados. Uma vez que este é ainda um conflito hoje, os historiadores que analisam as causas do êxodo palestino são fortemente influenciados pela política e relações internacionais. Os historiadores (incluindo historiadores israelenses) têm, porém, definido algumas razões principais para o êxodo:

Recomendado para você:  Como o Islã se disseminou na Índia?

Medo: Muitos palestinos partiram devido ao medo de ataques israelenses e atrocidades. Estes receios não eram injustificados. Em 9 de abril de 1948, cerca de 120 combatentes israelenses entraram na cidade palestina de Deir Yassin, perto de Jerusalém. 600 moradores foram massacrados.4 Alguns morreram defendendo a cidade na batalha contra as forças israelenses, enquanto outros foram mortos por granadas lançadas em suas casas, ou executados após serem humilhados pelas ruas de Jerusalém.

Naturalmente, uma vez que a notícia deste massacre se espalhou por toda a Palestina, os palestinos temiam o pior dos israelenses. Em muitos casos, inteiras aldeias palestinas fugiram dos avanços israelenses, na esperança de evitarem o mesmo destino de Deir Yassin. Alguns grupos israelenses, como Yishuv, acelerou esse sentimento através de uma guerra psicológica destinada a intimidar cidades palestinas a se entregarem ou fugirem. As transmissões de rádio foram ao ar em árabe, alertando os moradores árabes que não podiam levantar-se aos avanços israelenses, e que a resistência era inútil.

Expulsão por forças israelenses: Medo foi o principal fator motivador para os refugiados no início da guerra. À medida que a guerra se arrastava até 1948, no entanto, a expulsão de Israel deliberada tornou-se mais popular. Como os israelenses conquistavam mais e mais território, suas forças se tornaram mais repartidas por todo o país. Como resultado, muitas aldeias recém-conquistadas foram violentamente esvaziada pelas forças israelenses.

Exemplos notáveis disto foram as cidades de Lida e Ramla, perto de Jerusalém. Quando eles foram conquistados em julho de 1948, Yitzhak Rabin assinou uma ordem de expulsão de todos os palestinos das duas cidades, na quantidade de entre 50.000 e 70.000 pessoas.5 Forças israelenses despacharam por ônibus alguns deles para as linhas de frente árabes, enquanto outros foram forçados a caminhar, só sendo permitido ter com eles tudo o que podiam carregar. Esta expulsão sozinha representou cerca de 10% do total da expulsão palestina em 1948.

Recomendado para você:  Carijitas: Quem são e qual sua origem?

Incentivo por forças árabes: Em alguns casos, os exércitos árabes de países vizinhos, particularmente Jordânia, incentivaram cidades palestinas a evacuarem. Uma possível razão para isso foi fornecer um campo de batalha aberto sem os civis no meio do fogo cruzado. Em todo o caso, muitos civis palestinos deixaram suas casas, sob a direção de exércitos árabes, na esperança de voltarem em breve, após a vitória árabe inevitável, porém acabaram por se tornarem refugiados nos países vizinhos.

Depois da Guerra

A guerra de 1948 entre árabes e israelenses criou um problema de refugiados em massa no Oriente Médio. Mais de 500 vilas e cidades em toda a Palestina foram completamente despovoadas durante este tempo. Os mais de 700.000 refugiados destas cidades se tornaram um fardo

Um campo de refugiados palestinos em 1948 perto de Damasco, na Síria.

Um campo de refugiados palestinos em 1948 perto de Damasco, na Síria.

econômico e social dos países vizinhos e na Cisjordânia, território palestino sob a autoridade jordaniana. Em 1954, Israel implantou a Prevenção da Lei de infiltração. Ela permitiu que o governo israelense expulsasse qualquer palestino que conseguisse esgueirar-se de volta para sua casa em que era agora Israel. Ela também permitiu que o governo expulsasse qualquer palestino deslocado internamente ainda dentro Israel se ele tentasse voltar para sua antiga casa.

Hoje, o direito de retorno ainda é um grande problema que ainda tem que ser resolvido por negociações de paz entre palestinos e israelenses. A expulsão forçada de palestinos em 1948 provou ser um problema que continua a durar até depois da vida dos refugiados originais que chegaram à morte no início de 2.000.

Citações

  1. Tessler p.266
  2. http://unispal.un.org/unispal.nsf/0/7F0AF2BD897689B785256C330061D253
  3. Ochsenwald and Fisher p. 538
  4. Ochsenwald and Fisher p. 538
  5. Morris p. 207

Bibliografia

Hourani, Albert Habib. A History Of The Arab Peoples. New York: Mjf Books, 1997. Print.

Ochsenwald, William, and Sydney Fisher. The Middle East: A History. 6th. New York: McGraw-Hill, 2003. Print.

Tessler, Mark. A History of the Israeli-Palestinian Conflict. 2nd ed. Bloomington, Indiana: Indiana University Press, 2009. Print. p.266

Morris, Benny. The Birth of the Palestinian Refugee Problem, 1947–1949. Cambridge, United Kingdom: Cambridge University Press. 1987.

Fonte: http://lostislamichistory.com/the-nakba-the-palestinian-catastrophe-of-1948/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.