Página Inicial » História Islâmica » Introdução do Islã na Malásia

Introdução do Islã na Malásia

Imprensado entre a ilha de Sumatra e a península malaia, o Estreito de Malaca é a artéria para o comércio entre a China, Japão, Índia, Arábia e África Oriental. Na Idade Média, esse estreito foi o centro de negócios e comércio, tanto como é hoje. Aproveitando-se das monções, os navios de lugares tão distantes como Cantão na China visitavam Malacca de janeiro a maio. A partir de Julho, as monções invertiam o fluxo de ventos, facilitando o retorno dos navios para a Índia e Sri Lanka. Os padrões semelhantes de monção no Mar da Arábia permitiram que navios de Aden na África Oriental fizessem comércio com Gujarat e Costa do Malabar na Índia.

O interior da Península Malaia é dotado de recursos abundantes. florestas exuberantes, coqueirais, um solo rico, uma fonte abundante de chuva e uma população dotada de perseverança, trabalho duro e hospitalidade fazendo desta terra um resort tropical idílico. Através dos tempos, os navios têm usado a costa da península para atracar e realizar negócios. Se fosse você visitasse esta área em torno do ano 1400, encontraria chineses, indianos, omanis, iemenitas, persas e africanos misturados com os comerciantes de Sumatra, Java, Bali e Cantão, trocando bens e estabelecendo relações comerciais. A China exportava seda, brocados, porcelana e perfumes. A Índia oferecia madeira, esculturas, pedras preciosas, algodão, açúcar, pecuária e armas. A partir do interior da Malásia vinha o estanho, cânfora, ébano e outros produtos valorizados. Sumatra fornecia arroz, ouro, pimenta preta e maça. Java era a fonte de corantes, especiarias e perfumes. Cravo era exportado de Malaca e sândalo vinha do Timor.

Comerciantes muçulmanos dominavam o comércio internacional no Mar da Arábia, na Baía de Bengala e no Mar da China Oriental.

Uma religião comum, a integridade impecável nos negócios e as leis de transação universal baseadas na shariah (lei islâmica) tinham permitido aos muçulmanos estabelecerem uma rede de comércio que ligava as zonas costeiras do leste da África, sul da Arábia, Golfo Pérsico e da costa Malabar com as ilhas da Indonésia e da costa sul da China. Já no século 8, havia um posto de troca muçulmano em Cantão. O litoral da Malásia era cosmopolita, no qual os comerciantes de Malabar, Arábia e África viviam e interagiam com a população malaia indígena e mandarins chineses.

Recomendado para você:  Jerusalém e Umar Ibn Al-Khatab

Foi nesse universo que a providência fez surgir um príncipe. Por volta do ano 1390, um príncipe de Java, Parameswara, foi forçado a fugir de sua terra natal. O desembarque na costa oeste da Malásia com uma legião fiel de cerca de mil jovens, o príncipe viveu da pirataria por quase dez anos. Naquela época, Siam (atual Tailândia) era o poder imperial na área. Parameswara expulsou os siameses e estabeleceu a cidade de Malaca, em 1403. O nome Malaca deriva da palavra árabe ‘’malakut ‘’ que significa mercado. Os árabes tinham mantido uma colônia de negociação lá desde o século 8.

Uma vez instalado, o príncipe encorajou o comércio pacífico. A fama e fortuna do posto de comércio cresceu até que atraiu a atenção internacional. Os muçulmanos dominavam o comércio no Oceano Índico. O árabe tornou-se a língua franca dos comerciantes nesta região. O Islã foi ganhando uma sequência de ilhas da Indonésia. Do outro lado do Estreito de Malaca, o poderoso reino muçulmano de Acheh estava emergindo. O folclore local diz que por volta do ano 1405, o príncipe Parameswara se apaixonou por uma princesa da corte de Pasai, aceitou o Islã, se casou com ela e mudou seu nome para Sultão Iskander Shah.

Este foi o amor que trouxe o Islã para Malásia. A noiva trouxe com ela boa sorte para Malaca. No ano seguinte, o Imperador da China, Chu Tin (1403-1424) enviou uma delegação sob o almirante Yin Ching, oferecendo comércio e amizade. A oferta foi de bom grado aceita pois o sultão estava sob crescente pressão militar dos siameses no norte. Mais transações corteses se seguiram. Em 1409, o grande almirante chinês Zheng Yi (vulgarmente conhecido como Almirante Ho) visitou Malaca liderando uma grande frota de imensos navios. O almirante Zheng Yi foi o maior marinheiro do século 15. Ele era muçulmano. O imperador da China, percebendo a importância do Islã na região do Oceano Índico, o havia nomeado almirante da grande viagem. Zheng Yi continuou com a sua frota indo a Acheh, Sri Lanka, Calicut, Bijapur, Hormuz, Aden, Jeddah, Zanj (África Oriental), Zanzibar, Shofala e em seguida para sul, atravessando o que é hoje o Cabo da Boa Esperança para a costa oeste da África. O almirante Zheng Yi trouxe um convite para o sultão Iskander Shah para visitar Pequim.

Recomendado para você:  A Mesquita Al-Aqsa durante as Eras

Em 1411, Iskander Shah visitou a China, e foi recebido calorosamente e foi dado presentes de seda, jóias, cavalos, ouro e prata. Malaca também recebeu um “mais favorecido estatuto de nação” da China e entrou em acordos de defesa mútua para afastar outras invasões tailandesas na Península Malaia. Após seu retorno, Iskander Shah governou como um monarca benevolente. Ele convidou estudiosos muçulmanos de lugares tão distantes como Meca, honrou e incentivou a propagação do Islã. Malacca se tornou não apenas o centro do comércio internacional, mas também um centro de aprendizado islâmico e um prêmio rico que era para seria disputado nos séculos por impérios europeus emergentes.

O sultão Iskander Shah morreu em 1424. Sua sepultura não pode ser vista porque os portugueses, quando capturaram Malaca, em 1510, desenterraram os túmulos de todos os sultões da Malásia e destruíram as lápides. Mas o legado de Iskander Shah não morreu. Ele foi o príncipe que trouxe o Islã para Malásia por amor a uma linda princesa.

Fonte: http://historyofislam.com/contents/the-post-mongol-period/malaysia-introduction-of-islam-into/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.