Página Inicial » História Islâmica » A História de um Conquistador – Babur

A História de um Conquistador – Babur

Zahiruddin Muhammed Babur (1483-1530 d.C), fundador da dinastia Mogol no subcontinente, era um descendente de Timur (1336 – 1405 d.C) pela ascendência de seu pai e de Genghiz Khan (1162 – 1227 d.C) por meio da ascendência de sua mãe. Como o próprio Timur era um Tatar (Tártaro) e se casou com uma mulher de família turca, também pode-se afirmar que Babur era um turco. A palavra Mogol é uma corrupção do Farsi da palavra Mongol, e ficou com a dinastia de Babur, mesmo que a casa de Babur preferisse uma associação com o nome de seu grande bisavô, Timur, e chamassem a si mesmo de timúridas.

No ano de 1500, o subcontinente da Índia-Paquistão era um Estado de fronteira no mundo islâmico maior. Foi um pouco isolado da Ásia Central devido à sua geografia e as altas montanhas Hindu Kush e os críticos passes na fronteira Paquistão-Afeganistão. Mas foi um prisma que nenhum candidato a conquistador poderia ignorar. As ricas planícies Indo-Gangéticas e as terras altas do sul do Decão foram exportadores de produtos até o século 18. Desde os tempos antigos, as especiarias, marfim, ferro e bens manufaturados do subcontinente eram os valores em todo o mundo. Os comerciantes do Império Romano, e mais tarde do Império Islâmico baseado em Bagdá, continuou a liderar o comércio com a costa ocidental da Índia, e a noroeste, a Rota da Seda para a China e a rota terrestre para Tabriz com a atividade comercial. Os comerciantes pagavam as especiarias em ouro e prata, pelo que o subcontinente teve uma entrada excedente de metais preciosos. Muitas das riquezas encontraram caminho para os governantes e as principais cidades como Deli, Lahore, Multan, Surat e Dacca. Essas cidades tornaram-se ricos prêmios para um potencial conquistador. Foi por esta razão que a Índia foi saqueada inúmeras vezes por invasores em busca de pilhagem. Muitas vezes, os conquistadores gostavam da vida fácil de Hindustão, estabeleciam-se e fundavam novas dinastias. Às vezes, como aconteceu com Timur (1400) e Nadir Shah (1739), eles simplesmente levaram o saque e partiram. Outros, como os britânicos, levaram o saque e permaneceram o tempo que puderam para explorar continuamente a terra.

O colapso do Império Timúrida pôs a Ásia Central e Ocidental em turbulência. Fora dessa turbulência surgiram novos impérios. Shah Ismail I (1487 – 1524 d.C), o chefe da irmandade safávida, consolidou com sucesso seu poder na Pérsia e fundou a dinastia Safávida. Zahiruddin Babur, um príncipe Timúrida, era um contemporâneo de Shah Ismail. Ele era filho de Omar Shaykh, outro príncipe Timúrida que havia herdado o generoso vale de Ferghana, incluindo a capital de Timur, Samarqand. Omar Shaykh, que governou Farghana da cidade de Andijan, morreu em 1494 quando Babur era um menino de onze anos. Na habitual tradição timúrida, houve uma briga entre os irmãos e filhos de Omar Shaykh sobre tomar o trono. O tio de Babur, Sultan Ahmed, foi o primeiro a fazer o seu movimento. Mas a morte súbita de Ahmed e a incapacidade de seus filhos deixaram Babur na posse de Farghana e Samarqand. As batalhas internas continuaram com a vantagem de Babur e seu irmão Jehangir . Enquanto isso, ao leste de Farghana, surgiu um poderoso reino uzbeque, liderado por Muhammed Shaibani Khan (1451-1510). Os uzbeques se expandiram para o norte à custa dos mongóis e para o oeste à custa dos Timúridas. Aproveitando as lutas internas na casa de Timur, Shaibani invadiu Farghana em 1501, derrotou Babur em Sar-e-Pul e ocupou Samarqand. Babur fugiu e, durante três anos, vagou pelas colinas do Afeganistão e pelas planícies de Khorasan. Ele fez várias tentativas para recuperar Samarqand, mas em todas as investidas sofreu derrota nas mãos de Shaibani. Babur e seus descendentes, os Grandes Mongóis de Deli, nunca desistiram de suas reivindicações em Samarqand. Até 1630, o imperador Shah Jehan (1592 – 1666), bisneto de Babur, lançou uma expedição sem sucesso de Agra para recuperar Samarqand.

Recomendado para você:  Imam Al Bukhari e a Ciência dos Hadiths

Na turbulência política dos tempos, sempre havia oportunidades para um príncipe empreendedor. Babur encontrou uma casa em Cabul, que ele assumiu em 1504. Enquanto isso, o avanço do Uzbeque

continuou para o sul. Em 1505, Shaibani invadiu os territórios de Hussain Baiqara (1438 – 1506), outro príncipe timúrida que governou da cidade de Herat. Em resposta a um pedido de ajuda de Baiqara, Babur avançou em direção a Herat, mas retirou-se porque Baiqara morreu (1506) antes que Babur pudesse chegar lá. Os uzbeques continuaram seu avanço em Khorasan, levando Merv e Nishapur no caminho. A captura de Uzbeque de Khorasan trouxe o próprio Shah Ismail para a briga. Em 1510, Ismail avançou para Khorasan à frente de um grande exército. Durante este período, Babur lutou no lado das tropas Safávidas contra Shaibani Khan. Não obstante a aliança entre o Safávida Shah Ismail I e Babur, Shaibani foi vitorioso. Virando-se para o sul, os uzbeques ocuparam Qandahar e ameaçaram a base de Babur em Kabul, tanto do norte como do sul. Felizmente para Babur, Shaibani retirou-se de Qandahar depois de aceitar um tributo dos habitantes locais e foi morto no mesmo ano em uma escaramuça com os turcomanos.

Após a morte de Shaibani, os persas recuperaram com sucesso Khorasan. Em troca da ajuda que recebeu, Shah Ismail permitiu que Babur possuísse qualquer território no Afeganistão e que Farghana poderia ficar com o que ele arrancasse dos uzbeques. Ismail retirou-se de Khorasan deixando seu general Yar Ahmed Khuzani como o governador. O espírito independente de Babur achou inaceitável viver sob a soberania dos Safávidas. Babur ficou consternado com a pesada força com que Khuzani forçou os princípios de Ithna Ashari na população predominantemente sunita de Herat e a brutalidade com que ele matou os habitantes das cidades conquistadas. Em 1512, na Batalha de Ghuzduvan, Babur reteve seu apoio aos Safávidas. Os uzbeques foram vitoriosos e Khuzani foi morto na batalha.

Recomendado para você:  Imam Maliki, o Estudioso de Medina

Decepcionado com suas tentativas de recuperar Samarqand e com a turbulência militar-política na Ásia Central, Babur voltou sua atenção para o Oriente em direção a Hindustão. Ele considerou o trono de Deli ser seu em virtude de seu legado de Timur. Deli foi neste momento governado por Ibrahim Lodhi (1517-1526), a última dinastia, que governou a Índia desde 1450. Ibrahim, ao contrário de seu pai, Sikandar Lodhi, era um anão político que não conseguia administrar as intrigas na corte de Deli. A Índia estava cheia de instabilidade. Bengala e Punjab estavam em revolta. Os Rajaputes sob Rana Sangha (1484 – 1528) estavam em pé de guerra.

Babur fez várias incursões na Índia através do Passe Khyber e encontrou clima militar favorável. A oportunidade de atravessar o Indus surgiu quando Daulat Khan, governador de Punjab, procurou a ajuda de Babur contra Ibrahim Lodhi (… – 1526). O ano 1525 viu os exércitos de Babur em Lahore. No ano seguinte, ele avançou em direção a Deli na vanguarda de 18.000 cavalheiros, bem armados com mosquetes e apoiados por uma falange de canhões turcos. Ibrahim Lodhi encontrou-o nas planícies de Panipat em abril de 1526 com seu enorme exército de mais de 100 mil e apoiado por elefantes de guerra. A vantagem dos Mongóis em armas de fogo levou o dia. Quando a artilharia de Babur caiu sobre os elefantes, eles se viraram e pisotearam a infantaria indiana. Ibrahim Lodhi morreu no campo de batalha. Babur estava em Deli e o Império Mogol nasceu.

Babur avançou ao longo das planícies Gangéticas, capturou Agra (1526) e mudou-se para Kanauj. No ano seguinte (1527), em uma batalha campal em Khanua, ele superou a resistência combinada dos Rajaputes sob Rana Sangha de Mewar e de alguns dos chefes muçulmanos locais. O irmão de Ibrahim Lodhi, Mahmud Lodhi, escapou de Panipat e criou um exército em Bengala. Em 1529, essa resistência foi esmagada e Babur tornou-se o Imperador incontestável de Hindustão.

Recomendado para você:  O Islam realmente se espalhou pela Espada?

A Batalha de Panipat em 1526 é um eixo de transformação na história global. Com a vitória de Babur, o Sultanato de Deli, estabelecido em 1192 por Muhammed Ghori (1162 – 1202), chegou ao fim. O seu lugar foi ocupado pelo Grande Império Mogol que consolidou os territórios do Sul da Ásia e deixou como legado a cultura, arte, arquitetura, administração, música, língua, gastronomia e os costumes da Índia moderna, do Paquistão, de Bangladesh e do Afeganistão.

Foi o período Mogol que testemunhou os primeiros contatos comerciais com as potências europeias, que, no devido tempo, mudaram a história da Europa e da Ásia. Babur não era apenas um soldado incansável e um líder consumado, mas também um grande escritor. Suas memórias compiladas por Babur Nama são consideradas um dos maiores escritos de um governante e ocupam um lugar na historiografia mundial ao lado das memórias de César. Sua morte pungente ressalta não só a sensibilidade de sua alma, mas também a inclinação sufi predominante de seu tempo. Em 1530, seu filho Humayun ficou doente. O melhor que a ciência médica tinha para oferecer não o curou e toda a esperança foi perdida. Babur ergueu as mãos em oração ao Todo-Poderoso, e implorando-lhe para poupar a vida de seu filho, implorou para tirar sua vida em vez disso. É relatado que após a oração, Babur voltou sete vezes à cama de seu filho moribundo, e em todas às vezes repetia sua súplica. Ele morreu logo depois, enquanto seu filho se recuperou e se tornou o próximo Imperador de Hindustão.

Fonte: https://historyofislam.com/contents/the-land-empires-of-asia/babur-in-delhi/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.