Página Inicial » Temas Diversos » Escravidão e Islã – Parte 1: O Problema da Escravatura

Escravidão e Islã – Parte 1: O Problema da Escravatura

Artigo de autoria do professor Jonatham AC. Brown.

Está é a primeira parte de um artigo dividido em três sobre a questão da relação entre o Islã e a escravidão. Ela demonstra que o próprio termo “escravidão” é tão ambíguo ao ponto de ser funcionalmente inútil para o propósito de discutir a dominação extrema e exploração através da história. Contudo, o foco deve ser na exploração extrema, e não mudança de termos. A segunda parte do artigo irá discutir o entendimento da escravidão sob a perspectiva da shariah e civilização islâmica. Enquanto a parte final irá examinar a abolição da escravatura no Islã.

Há algum tipo de escravidão no Islã? Quando as pessoas expõem esta questão elas normalmente assumem que é uma parte do Islã que precisa ser esclarecida; Todos já sabem oque é escravidão. Na verdade, é exatamente o oposto. A parte islâmica é relativamente simples. O verdadeiro problema está em tentar definir oque entendemos por escravidão. Quanto mais arranhamos a superfície dessa palavra e tentamos definir sua realidade, mais achamos que nossas suposições e até nossos termos são falhos. Oque pensamos que entendemos por escravidão significa pouco fora de nossa própria experiência americana, e no momento em que tentamos consertar o que a escravidão é como um fenômeno humano, encontramos uma sala de espelhos que reflete nossas próprias suposições de volta para nós. Todos nós pensamos que sabemos oque é a escravidão, mas nós realmente reconheceríamos a escravidão se a víssemos?

Imagine que pudéssemos explorar o fenômeno da escravidão através da história. Imagine que, como grandes fãs de Doctor Who, nós conseguíssemos dar uma volta no Tardis, oque nos permitiria viajar através do espaço e tempo. Nossa primeira parada seria em uma terra exótica e deserta onde a escravidão é comum. Vitamos uma casa bem próspera, onde encontramos algumas pessoas fazendo trabalho doméstico enquanto um homem velho bebe chá. Todos têm a mesma pele negra. Derrepente, o bebedor de chá encostado grita com um jovem homem que o serve, e o bate com um mata-moscas. Estamos ansiosos para sabermos quem são todas estas pessoas. Felizmente, o Tardiz traduz todos os idiomas diretamente para seu cérebro. Perguntamos a um dos homens que servem o chá seu nome, e ele diz que seu nome é Açafrão e que ele é um dos membros do “povo delicado” trabalhando na casa; Ele trabalhou nesta casa por cinco anos, mas ele nos diz que, daqui há um ano, ele deverá ter economizado dinheiro suficiente para sair e abrir sua própria loja de chá.  Nós perguntamos sobre o jovem que está sendo batido, e ele responde: “- Oh, aquele pobre menino … ele estará aqui até o velho morrer.’’

De volta ao Tardis, nós viajamos através do espaço e tempo, dessa vez para conhecer um poderoso primeiro ministro de um império em expansão. O primeiro ministro entra na sala do trono cercado por dezenas de soldados armados, e sentimos a trepidação no silenciado murmúrio da platéia em torno de nós, uma voz sussurra, “O ministro vale 80 milhões de ducados de ouro”, “Ele é casado com a filha do rei”, diz outro. O ministro e seus guarda costas são todos de pele e cabelos claros. Muitos daqueles ali oferecendo suas petições e buscando seu favor tem a tez mas escura, cor de oliva.

Após encontrarmos o ministro nós continuamos viajando. agora para uma terra mais fria onde conhecemos um homem trabalhando em uma fábrica de relógios. Ele odeia sua vida, então nós aceitamos levar ele conosco. Mas o dono da fábrica o pega fugindo, e o homem é colocado na prisão.

Nossa viagem continua no Tardis para uma nova terra, onde passando por uma estrada, nós vemos uma multidão de jovens de pele escura capinando o mato no sol quente, suas pernas estão algemadas e todas juntas por correntes. Um homem de pele clara os vigia com uma arma na mão.

Para onde o Tardis nos levou em nossa exploração da escravidão? O primeiro lugar que visitamos foi a cidade de Meca nos idos de 1400. O homem “fino e delicado (raq’q)”, Açafrão, era um escravo da criadagem na casa do homem rico que tinha um acordo com seu mestre de comprar de volta sua liberdade em parcelas (muk’taba). Raq’q era o termo padrão para escravos, e nomes epicureos como  “Açafrão” eram típicos. O homem mais jovem que estava sendo batido por mau serviço, que seria preso à casa aparentemente para sempre, era filho do próprio homem rico.

O segundo lugar que visitamos era a capital do Império Otomano em 1579. O ministro era Sokollu Mehmet Pasha, o grão-vizir e governante de facto do império durante o reinado de três sultões. No momento de nossa visita, ele já havia se tornado um dos homens mais ricos e poderosos por quase duas décadas. Ele também era escravo do sultão. Ele nasceu na Bósnia, assim como todos os seus guardas, que eram também escravos do sultão [1].

A terra na qual conhecemos o homem trabalhando em uma fábrica de relógios era a Inglaterra em 1860. Apesar do trabalhador ser um homem livre, de acordo com as leis trabalhistas na Inglaterra do período, um trabalhador que falhasse em cumprir com seu serviço era culpado de roubar de seu patrão e era julgado e sentenciado como criminoso. Finalmente, o último lugar que visitamos era um lugar onde a escravidão era ilegal há muito tempo: o Arizona rural em 2004, onde o xerife local vigiava uma gangue juvenil acorrentada.

 

O Problema em definir \ˈslā-v(ə-)rē\

Como nós poderiamos saber quem era escravo e quem não era em nossa viagem? A maioria dos ocidentais hoje em dia provavelmente iria pensar que o jovem homem sendo batido e os trabalhadores acorrentados eram escravos, porque nós associamos a escravidão com degradação física, trabalho duro e violência. Nós provavelmente não iríamos presumir que o “fino e delicado” homem era um escravo porque ele nos disse que em breve iria mudar para outro emprego em seus próprios termos, enquanto associamos escravidão com uma total perda de perspectiva, presumivelmente por toda uma vida. Nós com certeza não pensaríamos que o ministro era um escravo, pois ele claramente possuía um imenso poder sob vida e morte através de um império.

Se estamos buscando pelo fenômeno da escravidão, oque estamos procurando? É o rótulo “escravo” que importa? Ou a realidade da condição por trás dele? Os soldados e administradores da dinastia Qing manchu  da China (1644-1912) eram tecnicamente escravos (aha) da dinastia e  referiam orgulhosamente a si mesmos como tais. Este título de escravo foi posteriormente aplicado a qualquer pessoa de descendência manchu na China Qing. Mas a palavra não tinha nenhuma conexão com a realidade de nenhuma condição servil. [2] Até a década de 1800, a administração superior do Império Otomano estava nas mãos de pessoas tecnicamente classificadas como kul (um escravo sultânico privilegiado) que tinham mais poder e estima do que seus contrapartidas livres.

Quando nos deparamos com a palavra que se traduz como “escravo” em inglês, essa palavra significa necessariamente o que entendemos por escravidão? Nosso termo ‘’escravo’’ em inglês vem da palavra latina medieval para os povos eslavos, ‘’sclavus’’, uma vez que eles eram a população dos Balcãs, de onde os comerciantes de escravos europeus retiravam sua carga até o século XIII. [4]   Uma definição do dicionário comum em inglês de um escravo é “alguém que é legalmente  propriedade de outra pessoa e é forçado a trabalhar para essa pessoa sem pagamento”. Esta noção de escravidão como redução dos seres humanos a coisas possuídas por outras pessoas tem sido um tema importante em como o conceito foi entendido no Ocidente. Era crucial como os abolicionistas entendiam a escravidão nos séculos XVIII e XIX, quando começou o movimento para acabar com a escravidão. Mas as raízes dessa definição vão mais longe nas raízes da herança ocidental. Encontram- se no direito romano , que dividia as pessoas em duas categorias: o livre (uma pessoa livre tem o “direito natural” de “fazer o que bem entender, a menos que seja impedido pela força da lei”) e os escravos que existem como propriedade de outras.

Mas mesmo definindo a escravidão através de conceitos como propriedade e exploração deixa mais perguntas do que respostas. O que significa propriedade? Na lei americana, pensamos na propriedade como um “pacote de direitos”: os direitos de usar, excluir, destruir e vender. Às vezes, um proprietário tem alguns deles, muitas vezes com restrições significativas, e às vezes o proprietário tem todos eles. Nós provavelmente não pensaríamos em crianças “possuindo’’ seus brinquedos, uma vez que eles claramente não estão no controle deles (idealmente!). Mas as crianças na América legalmente ‘possuem’ os brinquedos que lhes damos. Mas sua posse não é completa, uma vez que seu direito de usá-los é altamente restrito por seus pais.

O conceito de propriedade é tanto sobre como nós imaginamos relacionamentos como quanto exercemos controle real. Como o famoso historiador social Orlando Patterson aponta, quem e o que dizemos possuir é realmente apenas uma questão de nossos costumes e meneiras. [5]   Os americanos modernos arfariam com a noção de “possuir” seus filhos, mas a partir do período romano até o período medieval na Europa os pais podiam e venderam seus filhos como escravos dos credores para pagar dívidas. Além disso, pais pobres abandonando seus filhos eram uma fonte regular de mercados de escravos na Europa. [6]   No entanto, todas essas crianças começaram como tecnicamente “livres” no sentido legal, não legalmente propriedade de ninguém. Nos Estados Unidos, esposas e maridos têm inúmeras reivindicações e poderes sobre os outros e seu trabalho, como fica claro durante o divórcio. [7]   Mas nunca falaríamos sobre o casamento como uma relação de propriedade. As convenções na China imperial inicial eram diferentes. Lá, os maridos regularmente listaram suas esposas (livres!) como propriedade em sua vontade, legando-as a algum amigo. [8]   Surpreendentemente, entre 1760 e 1880 – menos de um século e meio atrás – haviam 218 casos de ingleses realizando leilões para vender suas esposas, até mesmo anunciando isso no jornal. [9]

Oque significaria “possuir” uma pessoa? Significa ter total controle sobre ela? Temos total controle sobre nossos filhos pequenos, mas, ao contrário de uma cadeira ou uma caneta, não podemos machucá-los fisicamente gravemente sem conseqüência legal. Na verdade, essa distinção entre propriedade e controle não é muito útil para definir a escravidão. Como com nossos filhos hoje em dia, era inadmissível para muçulmanos matar ou ferir seriamente seus escravos, e aqueles que fizeram enfrentaram conseqüências legais sob a shariah (lei islâmica). Em alguns contextos, a propriedade pode falhar completamente como um conceito para a compreensão da escravidão. A escravidão existia na China imperial, mas não era conceitualizada através da propriedade. Os escravos não eram legalmente “detidos” por uma razão muito técnica de que a lei chinesa não podia classificar as pessoas como “coisas”. [10]

Se consideramos a escravidão como exploração, a escravidão significa não compensar alguém pelo seu trabalho? Sokollu Mehmet Pasha era um escravo “possuído” pelo sultão otomano, mas também foi pago generosamente por seu trabalho como grão-vizir. O Açafrão era propriedade de seu mestre, mas apenas parcialmente, já que ele já havia comprado de volta uma parcela de sua liberdade através de salários que ganhava em outro lugar em seu tempo livre. Ele não recebia nenhum pagamento de seu mestre, mas o senhor pagava por sua comida, roupas e abrigo. A propósito, o escravo não era diferente do próprio filho do mestre. Ambos eram seus dependentes, confiando em seu apoio para suas necessidades básicas.

Costumamos pensar na escravidão como algo que existe numa dicotomia com a liberdade. Mas o que significa liberdade? Como diz o estudioso jurídico Vaughan Lowe, inverter a linha famosa de Rousseau sobre o estado natural de liberdade do homem: “O homem nasce em cadeias, mas em toda parte ele se acha livre”. [11]   Quase nenhum ser humano está livre de dependência dos outros e da sociedade como um todo. Quase todo mundo é forçado a trabalhar para ganhar salários para comprar comida. O filho na casa que visitamos em Meca era tecnicamente livre, mas ele dependia de seu pai por todo o seu apoio e tinha que obedecê-lo ou enfrentar sua raiva. Se ele fugisse de sua casa para fugir de seu pai desagradável, ele seria ostracizado por todos aqueles que conhecia e amava. O escravo do homem, entretanto, tinha noites para ganhar seu próprio dinheiro e em breve seria livre de seu mestre. Quem estava livre nessa situação?

Em um nível teórico, como entendemos a liberdade no Ocidente é herdada da Grécia Clássica e Roma, onde “livre” era a categoria legal de cidadãos de uma república democrática. Uma pessoa livre é autônoma, com liberdade para fazer o que quiser, a menos que a lei a proíba. Todo mundo é um escravo. Mas, mesmo nos tempos clássicos, essa definição legal de liberdade não era mais do que um “argumento retórico”, como diz um estudioso, pois, na realidade, poucas pessoas no mundo grego e romano eram “livres” por essa definição. Quase todo mundo estava constrangido por poderosos laços sociais, econômicos e até jurídicos. [12]   Ironicamente, mesmo em teoria esta noção de liberdade só se aplica em democracias liberais. Em autocracias – talvez a maioria das sociedades na história humana – quase ninguém é livre por esta definição. [13]

Nem a liberdade existe em um único plano. É muitas vezes relacional, expandindo ou contraindo dependendo da relação em questão. No mundo antigo e medieval do mediterrânico (tanto na Europa como na civilização islâmica), a subordinação intensa de um escravo não era absoluta. Ele ou ela estava subordinado ao seu mestre, e não à sociedade como um todo. Assim, mestres romanos e mais tarde bizantinos usavam escravos para dirigir suas lojas e para serem os rostos públicos de seus negócios, negociando e discutindo com inúmeros clientes e empreiteiros “livres” diariamente. [14]   O escravo não era o menor degrau na escada nas ruas de Roma ou Constantinopla / Istambul. Se seu amo era uma pessoa poderosa ou rica, o escravo desfrutava o status dessa conexão na vida pública. O status do escravo dependia do status de seu mestre.

 

Recomendado para você:  Quero me converter ao Islam, e agora?

Como vemos a escravidão – Escravidão americana

Até agora você deve ter percebido que qualquer pergunta sobre escravidão é muito complicada. Um dos maiores desafios que historiadores e antropólogos interessados na escravidão enfrentam é se há até mesmo uma única instituição de escravidão que existe através do tempo e do espaço que eles possam até mesmo estudar. [15]   É tentador supor que, embora os detalhes possam diferir, há algo chamado escravidão lá fora, surgindo ao longo da história, e que nós saberíamos se a vissemos. Mas, naturalmente, como a nossa viagem hipotética no Tardis mostra, o que reconheceríamos como escravidão é determinado por nossa própria memória cultural do que significa para nós a palavra inglesa \ slā-v (ə-) rē \.

Quando os americanos pensam em escravidão, pensamos em Doze Anos Um Escravo e Raízes. As imagens são marcas marcadas em nossa mente: homens, mulheres e crianças africanas sendo apreendidos por mercadores de escravos implacáveis, arrancados de suas casas e uns aos outros, embalados como bens móveis nos porões sufocantes de navios negreiros, vendidos como gado em leilão a proprietários de plantações brancos , que os exploravam, oprimiam e açoitavam impiedosamente pelo resto de suas vidas. A escravidão em nossa memória cultural é “o pecado original” da América: a redução de uma pessoa, contra sua vontade, ao status de propriedade, de propriedade de outra pessoa que tinha o direito absoluto sobre o seu trabalho e que lhes privava do direito natural de Liberdade e família.

 

Espectro do trabalho forçado

No entanto, como vimos, a propriedade, a liberdade ea exploração vêm em tons de cinza. Eles existem em espectros. Historiadores e sociólogos têm tentado delinear categorias sobre este espectro, em parte para determinar se podemos realmente falar sobre a escravidão como algo separado de outras formas de trabalho forçado ou servidão involuntária. As principais categorias deste “continuum de dependência” que não a escravidão são: [16]

  • Servidão: Na Europa, essa tradição remonta à Grécia antiga. Os trabalhadores, geralmente camponeses, eram livres no sentido de possuírem suas próprias roupas, ferramentas, gado e os frutos de seu trabalho. Mas estavam ligados à terra em que viviam ou ao senhorio onde quer que ele fosse. A servidão na Europa desenvolveu-se como o status de camponeses livres e estabeleceu-se sobre prisioneiros de guerra bárbaros no final do Império Romano desmoronando em uma única classe de “quase-servidão” não muito diferente da escravidão. A  servidão desapareceu na maior parte da Europa Ocidental na sequência da Peste Negra nos anos 1300, embora continuasse na instituição de vilarejo na Inglaterra até 1600, e continuou em 1800 em áreas de mineração da Escócia e terras de língua alemã. A servidão é a mais associada com a Rússia, onde veio substituir a escravidão na agricultura e esferas domésticas no fim dos anos 1600 e inicio dos 1700 [19].

 

  • Relação Mestre / Servo: Quando a servidão desapareceu da Europa Ocidental, foi substituída pela relação entre o trabalhador e o proprietário / empregador. Ao contrário de nossa noção moderna de contrato de um trabalhador, no entanto, o não cumprimento deste contrato era uma ofensa criminal. Somente nas colônias britânicas da América do Norte surgiram uma noção de trabalho livre no século XVIII, e isso não retornou à Grã-Bretanha até 1875. [20]

 

  • Servidão da dívida: Esta tem sido uma das formas mais difundidas de trabalho coagido. Quando uma pessoa é incapaz de pagar uma dívida, ele ou ela se torna o escravo do credor. Isso era extremamente comum no sudeste da Ásia, onde nosso modelo ocidental de escravidão era extremamente raro. [21]

 

  • Trabalho em servidão / servidão contratual: Isto é semelhante à servidão da dívida e tem sido muito comum na história. Uma pessoa entra voluntariamente em um acordo para trocar seu trabalho e uma perda de algumas liberdades por um período de tempo fixo em troca de algum serviço ou pagamento antecipado. Isso difere da servidão da dívida porque a pessoa entrega voluntariamente seu trabalho e um grau de liberdade.

Estas categorias não são fixas nem seladas hermeticamente. Elas vazam uma nas outras, tornando-se muito difícil encontrar uma linha clara que distinga a escravidão de outras formas de trabalho coagido. Os escravos servos mineradores costumavam usar coleiras com os nomes de seus senhores, por exemplo, algo que provavelmente associaríamos mais à escravidão. [22]  Os empregados contratados da Grã-Bretanha, que constituíam dois terços dos imigrantes para a América do Norte britânica antes de 1776, poderiam ser vendidos, explorados até à exaustão e espancados por mau comportamento. Eles não podiam se casar e, pelo menos na Virgínia, podiam ser mutilados se tentassem fugir. Em Maryland, o castigo era a morte. [23]

A escravidão na América colonial era pior, mas apenas na medida em que era permanente. Por outro lado, já em 1400, no Império Otomano, as pessoas capturadas na guerra eram às vezes colonizadas para trabalhar em terras pertencentes ao sultão. Embora tecnicamente escravos, sua condição era mais próxima da servidão. Estes escravos formavam famílias que duravam gerações e passaram a terra que trabalhavam para seus filhos. Somente se um chefe de família morresse sem filhos, sua propriedade voltaria ao tesouro imperial. Mais tarde, à medida em que as cidades otomanas se industrializavam, os proprietários das fábricas preferiam usar o trabalho escravo porque os escravos não iam para o trabalho sazonal em outros lugares. Ao concordar com o contrato muk’taba com esses escravos – em que os escravos compravam sua própria liberdade por parcelas – esses proprietários de fábrica eram capazes de maximizar a produtividade dos escravos. [24]   Na verdade, eles eram mais como trabalhadores assalariados trabalhando por um período definido em uma relação mestre / servo do que escravos.

Podemos pensar que a escravidão se distingue dos outros tipos de trabalho coagido pela questão da escolha. Os empregados contratados optaram por celebrar esses contratos. Os escravos nunca escolheriam se tornar escravos, certo? Mas as realidades são muito mais complicadas. Fora da escravidão nas Américas, a “escravidão voluntária” não era nada incomum. [25] Na China Ming muitos inquilinos empobrecidos vendiam-se na escravidão quando não podiam pagar o aluguel. [26]   Em 1724, o czar russo aboliu a escravidão e converteu todos os escravos da Rússia em servos porque os servos se ofereciam como escravos para evitar o pagamento de impostos; Os servos pagavam impostos, os escravos não. [27]   Mais cedo, no ducado do século XV da Muscovy, o que os estudiosos chamam de “escravidão de serviço limitado” tornou-se comum. Em tal contrato, uma pessoa pede para uma pessoa rica um empréstimo por um ano, momento em que a pessoa vai pagá-los de volta e também irá trabalhar para eles, entretanto, em vez de pagar juros. se o mutuário não puder pagar o credor de volta em um ano, ele se torna seu escravo. Na maioria das vezes, eles se tornavam escravos vitalício. Este tipo de escravatura substituiu todas as outras formas de escravidão na Rússia. E, no entanto, havia também servidão contratada ao mesmo tempo, diferindo da escravidão apenas em que um servo contradado não poderia ser fisicamente prejudicado por seu mestre. [28]

Ao contrário dos operários servos ou trabalhadores, poderíamos pensar nos escravos como pessoas com pouco ou nenhum direito legal de proteção. Isso tem sido verdade. Na China Ming, os escravos eram frequentemente referidos como “não humanos”. Não só não podiam possuir bens, casar ou ter filhos legítimos, mas matar um deles também não representava problema legal. [29]   Entre o povo Toraja de Sulewesi (hoje na Indonésia), alguém que tinha sido condenado por um crime capital poderia ter um de seus escravos executados em vez de si mesmo. [30]   Um juiz na Carolina do Sul em 1847 declarou que um escravo “não pode invocar nem carta magna nem lei comum”; para o escravo a lei era o que o mestre dissesse. [31]

Contudo, não só as realidades jurídicas eram muitas vezes bastante complicadas, como também as realidades sociais por trás das leis. No direito romano, os escravos eram conceituados como pessoas sem direitos. Pois eles eram, em teoria, prisioneiros de guerra que haviam sido poupados da execução, estavam legalmente mortos de qualquer maneira. [32]   E durante o período da república romana, não havia nenhuma restrição legal em um tratamento do mestre de seus escravos. Mas essas leis não são muito úteis para distinguir livre de escravo, uma vez que os chefes de família romanos naquela época também desfrutavam do “poder teórico da vida e da morte” sobre cada homem, mulher e criança na família. [33]   Como o número de escravos no Império Romano em expansão aumentou, no entanto, as leis foram postas em prática para protegê-los. Sob o imperador Adriano (por volta de 138 EC) o castigo excessivo era proibido, assim como matar um escravo sem uma decisão legal. Os imperadores Antonino Pio (161 DC) e depois Constantino (337 dC) deixaram claro que se um mestre matasse seu escravo a sangue frio ou por um castigo excessivo, ele era culpado de homicídio. E no código legal do imperador Justiniano (565 dC) ficou claro que os direitos do mestre de fazer violência a seu escravo estavam limitados a uma disciplina razoável. [34]

No início da América, todas as treze colônias tinham leis que regulavam a raça e a escravidão, que eram ocasionalmente atualizadas. Embora dez estados do Sul tivessem códigos de escravos que tornavam crime o maltrato de escravos, os maus-tratos eram entendidos em relação à gravidade da desobediência ou infração que o mestre punia. Amputando membros, castração e execução foram todos permitidos como punições quando o suposto crime era grave. E era quase impossível que os escravos desafiasse qualquer tratamento no tribunal, já que eles não podiam sequer testemunhar. No entanto, na Carolina do Norte e na Virgínia, um punhado de proprietários de escravos brancos foram executados ou presos por assassinar ou tratar cruelmente seus escravos. [35]

 

Recomendado para você:  Por que o Islam é tão violento?

Definições que nunca parecem funcionar

Como um  estudioso especialista sobre o tema da escravidão , David Davis, observou: “Quanto mais aprendemos sobre a escravidão, mais dificuldade temos de defini-la”. [36] Uma definição trans-histórica da escravidão tem realmente se revelado muito difícil de encontrar. Como afirmou um importante estudioso da escravidão otomana, é difícil tratar a escravidão como um fenômeno definível apenas no Império Otomano, muito menos globalmente (embora ele enfatiza que as variedades de escravidão no reino otomano eram diferentes em graus não diferentes em espécie ). [37]   Nur Sobers-Khan tem observado sobre a escravidão na Istambul otomana, que era tão diversa que não faz sentido falar sobre a escravidão como um fenômeno unificado mesmo em uma cidade muito menos em toda a região do Mediterrâneo. [38]   Os estudiosos nem sequer concordam em onde começar. Muitos historiadores, partindo de um paradigma marxista, procuraram explicar a escravidão como um fenômeno puramente econômico. Outros, especialmente os estudiosos da escravidão no mundo islâmico, enfatizaram que a escravidão é muitas vezes mais um fenômeno social.

As definições da escravidão tendem a girar em torno de três noções: o escravo como um estranho sem família, o escravo como propriedade e o escravo como objeto de violência. [39]   Mas para que uma definição se adapte a todas as coisas que as pessoas hoje em dia associam com a escravidão, essa definição tem de ser tão vaga que é quase inútil. Assim, a escravidão é “o trabalho forçado de um grupo por outro”, segundo alguns cientistas sociais. [40]   Outros têm sugerido que o escravo é sempre um proscrito. [41] De   acordo com Davis, para aplicar através da história humana, a escravidão só pode ser definida como extrema “debilidade social”, qualquer que seja a hierarquia, os escravos estão sempre no fundo. [42]

Alguns estudiosos propuseram definições mais específicas para a escravidão como uma condição econômica, legal e social. Argumenta-se que a escravidão é um modo de exploração que se caracteriza unicamente pelos seus meios de se reproduzir, nomeadamente através da violência política ou do cativeiro na guerra. [43]

A definição mais influente e específica vem de Orlando Patterson, que define a escravidão como sempre exibindo três características. Primeiro, a escravidão envolve a dominação perpétua, em última instância, imposta pela violência. Em segundo lugar, a escravidão envolve um estado de alienação natal, “a perda de laços de nascimento, tanto nas gerações ascendentes como descendentes”, que impedem fazer reivindicações de nascimento ou passá-las aos filhos e que corta o escravo da família e da comunidade, pelos mestres. Eles não herdam nenhuma proteção ou privilégio e não podem passar nada a seus filhos. Finalmente, aos escravos são negados qualquer honra. A escravidão é assim definida como a “dominação permanente e violenta de pessoas naturalmente alienadas e geralmente desonradas”. [44]

Mas a definição de Patterson não se aplica a muitos exemplos do que de outra forma seríamos considerados escravidão. Às vezes, eram os escravos que dominavam o povo livre, como no caso dos escravos turcos dos califas abássidas no nono e décimo séculos. Mesmo antes que os otomanos começassem seu sistema de escravos imperiais, Egito e Síria eram governados pelo estado mameluco (palavra que literalmente significa, “escravo”) (1260-1517). Apesar de terem sido libertados depois de terem terminado o seu treino militar, a dinastia mameluca de senhores da guerra turcos ou caucasianos se reproduziu de geração em geração ao importar novos soldados escravos para uma elite militar que se definia pela sua experiência militar de escravos. [45]   Longe de serem dominados por qualquer pessoa, eles eram seus próprios senhores e dominavam todo o Estado e a sociedade. Patterson argumenta que as elites escravas na civilização islâmica ainda eram efetivamente impotentes porque seu destino ainda dependia do capricho de seus senhores. Mas a freqüência com que os escravos abássidas turcos, os mamelucos egípcios e os janissários otomanos executavam sumariamente seus senhores quando lhes convinha fortemente sugere o contrário.

Nem os que se identificam como escravos sempre foram alienados na natureza. Os escravos imperiais bizantinos podiam possuir a propriedade e legá-la a seus filhos. [46]   Os escravos agrícolas otomanos estabelecidos em terras imperiais passaram suas propriedades para seus filhos por gerações. Ao contrário da escravidão romana, onde o status da mãe de uma criança determinava seu status, a posição principal na Sharia era que uma mulher escrava que deu à luz o filho de seu mestre ficava livre quando seu mestre morresse, assim como seu filho. Até então ele não poderia vendê-la. Longe de ser naturalmente alienada de seu filho, seu status como filho de um homem livre garantia a própria liberdade da mãe. Os escravos imperiais da elite como Sokollu Mehmet Pasha eram naturalmente alienados no sentido de que não podiam passar sua riqueza para seus filhos (ela voltava ao tesouro imperial após a morte deles), mas seus filhos mantinham os privilégios da proximidade de seus pais ao poder bem como o status de suas mães. A esposa de Sokollu Mehmet era a filha do sultão, assim seus filhos alcançavam status elevado..

Além disso, haviam meios fáceis para contornar a alienação natal da riqueza. Como muitos cidadãos ricos do Império Otomano, escravos imperiais poderiam colocar suas riquezas em doações (sng. waqf, pl. awqaaf) e tornar seus descendentes os beneficiários. [47]   O que é mais impressionante é que, em muitos casos, os escravos otomanos imperiais mantiveram suas relações com suas famílias originais nas áreas cristãs dos Balcãs, usando seu novo poder para elevar seus parentes. [48]   Sokollu Mehmet nomeou seu irmão como Patriarca Ortodoxo nos Balcãs, e seu primo mais tarde o seguiu para o escritório de grão-vizir. [49]   Mais tarde, no final do século XVIII, a elite georgiana de escravos encarregada de administrar a província otomana do Egito manteve relações íntimas com suas famílias no Cáucaso e até recebia visitas deles. [50]

Às vezes, explorar as conexões familiares era um dos principais propósitos da escravização. Embora tecnicamente escravos, os europeus cristãos capturados pelas forças navais otomanas de Argel no século XVIII eram muitas vezes mas como reféns. Podiam enviar e receber correio de suas famílias e, se seus senhores tivessem sorte, suas famílias pagaram resgates para libertá-los. Enquanto isso, eles poderiam possuir propriedade, ganhar dinheiro (aqueles atribuídos a trabalhos de elite como ‘cofeegi‘, poderiam viver melhor do que em seu país de origem) e misturar-se livremente. [51]

 

Escravidão no Islã – uma questão política

Antes de aprofundar a forma como a escravidão existia no Islã (ver próximo ensaio), devemos notar que esta não é uma pergunta feita no vácuo. Não tem sido por mais de dois séculos. Em conversas e debates a resposta, ‘Bem, isso significa que a escravidão seria aceitavel?’ É o trunfo final contra alguém que discute por comparar valores diferentes. A escravidão é o exemplo ideal para invocar porque seu mal é tão moralmente claro e tão amplamente reconhecido. Quem defenderia a escravidão? É o Hitler das práticas humanas. No entanto, apesar de todo o seu poder, a palavra escravidão raramente é definida. Nesse sentido, é muito parecido com a palavra terrorismo – seu poder está nas suposições por trás de seu significado e da condenação moral que ela carrega. Mas é muito mal definida..

Como a palavra terrorismo, a escravidão é também uma questão profunda e profundamente política, não no sentido da política como oque vemos nos noticiários noturnos, mas sim no sentido de que ela está inerentemente ligada a questões de poder. Assim como a prática da escravidão é um exercício extremo do poder de alguns seres humanos sobre os outros, exercer a linguagem da escravidão é uma reivindicação de autoridade moral sobre os outros. Não é nenhuma surpresa que os defensores do fim de práticas trabalhistas brutais ou inaceitavelmente exploradoras, tais como tráfico sexual de crianças, casamento forçado e comércio de órgãos se refiram aos fenômenos como “escravidão moderna”. A razão para invocar a palavra “escravidão” em vez de outras definições, como trabalho em servidão ou trabalho infantil, é clara: a escravidão provoca uma reação emocional que estimula as pessoas a agir e apoiar uma causa. Dos estudantes às estrelas do rock, quem não apoiaria o fim da escravidão?

Embora tais práticas sejam de fato repreensíveis, com a escravidão “moderna”, encontramos alguns problemas familiares. Se tomarmos as definições de escravidão usadas por ativistas lutando contra a “escravidão moderna” (a principal é a escravidão “se não pudermos ir embora”) e aplicá-las apenas à história ocidental acharíamos que quase ninguém era livre por seus padrões. [52]   Como alguns estudiosos observaram, os defensores mais proeminentes para acabar com a escravidão moderna não aplicaram o rótulo ao trabalho forçado de criminosos no sistema penal norte-americano. [53]   Esta é sem dúvida uma escolha muito política, uma vez que menos rockstars e estudantes estariam tão dispostos a acusar o governo dos EUA de se envolverem na escravidão em curso. Assim, mesmo quando invocado hoje para causas nobres, a “escravidão” ainda é uma palavra profundamente política, tanto na reação emocional que desencadeia como na autocensura que as pessoas usam quando e onde a aplicam.

A natureza política da escravidão é particularmente pronunciada na história do Islã e do Ocidente. Durante os séculos XVIII e XIX, o medo de ser capturado por piratas muçulmanos no Atlântico e no Mediterrâneo Ocidental surgiu na imaginação da Europa Ocidental (particularmente britânica). E de fato milhares de britânicos e americanos foram tomados como escravos de tal maneira. Nós ainda vemos a marca cultural desse medo em filmes como Never Say Never Again (1983), onde James Bond resgata Kim Basinger de um leilão de escravos árabe incrivelmente descontextualizado, e Taken (2008), onde Liam Neeson finalmente resgata sua filha de primeiramente (muçulmano) traficantes albaneses e, finalmente, de um xeque árabe lascivo . Mas, como o uso seletivo do termo “escravidão moderna”, essa conversa é seletiva em sua reivindicação à autoridade moral ocidental. Durante a mesma era em que os europeus e os americanos estavam condenando a captura e escravização por piratas muçulmanos, a escravização por europeus de muçulmanos do Império Otomano estava crescendo. [54]   E as nossas memórias culturais ocidentais são ainda mais selectivas. Os espectadores ocidentais provavelmente não sentiram indignação em The Spy Who Loved Me (1977), quando Bond visita o harém de seu amigo xeique árabe e é oferecido a ele uma das mulheres (quando no Oriente, diz o xeique, ” deve-se aprofundar em seus tesouros “). Dos tablóides britânicos ao então cidadão particular Donald Trump, em 2015 muitos papagaiaram a reivindicação que os muçulmanos no norte da Inglaterra estavam seduzindo meninas brancas novas como escravas do sexo. Alguns muçulmanos estavam fazendo isso, mas poucos relatos da mídia afirmaram que a maioria dos infratores eram na verdade homens brancos. [55]

 

Recomendado para você:  O que é o Islam?

Conclusão: Foco nas Condições, não na Palavra

A palavra escravidão tem sido política mesmo quando foi invocada para a melhor das causas. E as forças políticas que moldaram o modo como a escravidão é compreendida muitas vezes prejudicaram os melhores esforços daqueles que lutam contra a exploração extrema de seus semelhantes. Os abolicionistas no século XIX optaram por definir a escravidão como tratar os seres humanos como propriedade em parte porque, se definissem a escravidão como dura privação ou exploração, seus oponentes pró-escravidão apenas apontam para as condições das fábricas da Inglaterra industrial e americana e apontar que trabalhadores “livres” estavam sendo tratados tão mal. [56]

Tendo sublinhado que a escravidão consistia em tratar os seres humanos como propriedade, os abolicionistas ficaram sem objeção à exploração contínua das mesmas pessoas que haviam acabado de libertar quando se tornou tecnicamente ilegal possuir pessoas. Os abolicionistas britânicos conseguiram acabar com a escravidão no Oceano Índico na década de 1830. Mas então eles descobriram que os trabalhadores ainda estavam sendo transportados para a África Oriental da Índia nas mesmas condições horríveis como escravos e com a mesma alta taxa de mortalidade. Eles eram chamados apenas “coolies” ao invés de escravos. [57]   Hoje, décadas depois o direito legal de possuir outros seres humanos foi abolido em todo o mundo, os ativistas referidos como novos abolicionistas, procuram mobilizar preocupação pública sobre exploração laboral, redefiniram a escravidão como “não ser capaz de ir embora.” [58]

Em última análise, a palavra “escravidão” pode significar tantas coisas que não é muito útil para a comunicação precisa. Muitas vezes acaba por se referir a coisas que não significamos quando pensamos na escravidão, ou não corresponde às coisas que associamos à escravidão. Como tal, a palavra escravidão tem uso limitado como categoria ou ferramenta conceitual. É muito mais útil falar sobre a exploração extrema do trabalho dos seres humanos e sobre a privação extrema de seus direitos. Em qualquer sociedade, quer tenha ou não “escravidão”, é provável que encontremos tais condições. Em vez de se fixar em uma palavra ou categoria mal definida, é muito mais útil se concentrar em regular as condições e proteger os direitos das pessoas, a fim de evitar tal degradação extrema. E, como nosso próximo ensaio vai mostrar, isso é precisamente o que a shariah pretendia fazer.

Bibliografia:

[1] A tradição otomana de escravidão de elite pode ter sido herdada dos Impérios romanos e bizantinos tardios, onde os escravos imperiais (freqüentemente eunucos) podiam ascender a altos cargos nas forças armadas e na administração, trans. Jane Marie Todd (Cambridge, MA: Harvard University Press, 2009), 104; Cam Grey, “Slavery in the Late Roman World,” in The Cambridge World History of Slavery: Volume I The Ancient Mediterranean World, ed. Keith Bradley and Paul Cartledge (Cambridge: Cambridge University Press, 2011), 499.

[2] Pamela Kyle Crossley, “Slavery in Early Modern China,” in The Cambridge World History of Slavery: Volume 3 AD 1420-1804, ed. David Eltis and Stanley Engerman (Cambridge: Cambridge University Press, 2011), 200.

[3] Christoph K. Neumann, “Whom did Ahmet Cevdet represent?,” in Late Ottoman Society, ed. Elisabeth Özdalga, 117-134.  London: Routledge, 2005), 117.

[4] David Brion Davis, Challenging the Boundaries of Slavery (Cambridge, MA: Harvard University Press, 2003), 17-18.

[5] Orlando Patterson, Slavery and Social Death (Cambridge, MA: Harvard University Press, 1982), 22.

[6] Grey, “Slavery in the Late Roman World,” 496; Rotman, Byzantine Slavery, 174-76.

[7] Patterson, Slavery and Social Death, 22.

[8] Crossley, “Slavery in Early Modern China,” 191.

[9] Julia O’Connell Davidson, Modern Slavery: The Margins of Freedom (New York: Palgrave Macmillan, 2015), 162.

[10] Crossley, “Slavery in Early Modern China,” 187.

[11] Vaughan Lowe, International Law: A Very Short Introduction (Oxford: Oxford University Press, 2015), 1.

[12] Here quoting Youval Rotman, Byzantine Slavery, 19.

[13] Rotman, Byzantine Slavery, 17-18.

[14] Rotman, Byzantine Slavery, 97-98.

[15] Joseph C. Miller, The Problem of Slavery as History (New Haven: Yale University Press, 2012), 12.

[16] David Eltis and Stanley Engerman, “Dependence, Servility, and Coerced Labor in Time and Space,” in The Cambridge World History of Slavery Volume 3, 3.

[17] Richard Hellie, “Russian Slavery and Serfdom, 1450-1804,” in The Cambridge World History of Slavery Vol. 3, 276-77.

[18] Cam Grey, “Slavery in the Late Roman World,” 484-6.

[19] Hellie, “Russian Slavery,” 284, 292-93.

[20] Eltis and Engerman, “Dependence, Servility, and Coerced Labor,” 7; Davidson, Modern Slavery, 68.  In England this issue was governed by the Statute of Artificers, which the American colonies only adopted in a limited way.

[21] Kerry Ward, “Slavery in Southeast Asia, 1420-1804,” in The Cambridge World History of Slavery Volume 3, 165-66.

[22] Eltis and Engerman, “Dependence, Servility, and Coerced Labor,” 6.

[23] Kenneth Morgan, Slavery and Servitude in Colonial North America (New York: New York University Press, 2000), 8-9, 20; David Galenson, “The Rise and Fall of Indentured Servitude in the Americas: An Economic Analysis,” Journal of Economic History 44, no. 1 (1984): 4.

[24] It was in the Ottoman state’s interest to keep this agricultural system stable; Y. Hakan Erdem, Slavery in the Ottoman Empire and its Demise, 1800-1909 (New York: St. Martin’s Press, 1996), 12-13, 15.

[25] Stanley Engerman, “Slavery at Different Times and Places,” American Historical Review 105, n. 2 (2000): 481.

[26] Crossley, “Slavery in Early Modern China,” 189.

[27] Hellie, “Russian Slavery,” 284, 293.

[28] Hellie, “Russian Slavery,” 279-80.  The author notes the similarity between this Russian contract and the ancient Persian custom of antichrisis (as named by Greek authors).

[29] Crossley, “Slavery in Early Modern China,” 191.

[30] Ward, “Slavery in Southeast Asia,” 171.

[31] Lawrence M. Friedman, A History of American Law, 2nd ed. (New York: Simon & Shuster, 1985), 225.

[32] W.W. Buckland, The Roman Law of Slavery (New York: AMS, 1969, reprint of 1908 Cambridge U. Press edition), 2-3.

[33] Yan Thomas, “Vitae Necisque Potestas: Le Père, La Cité, La Mort,” Publications de l’École Française de Rome (1984): 499–548.

[34] Buckland, The Roman Law of Slavery, 36-8.

[35] Kenneth Morgan, Slavery and Servitude in Colonial North America, 35, 77; Ira Berlin, Many Thousands Gone: The First Two Centuries of Slavery in North America (Cambridge, MA: Belknap Press, 1998), 116; Paul Finkelman, “Slavery: United States Law,” in Oxford International Encyclopedia of Legal History, 5:258-262; Friedman, A History of American Law, 225-6.

[36] David Brion Davis, Slavery and Human Progress (Oxford: Oxford University Press, 1984), 8.

[37] Ehud Toledano, Slavery and Abolition in the Ottoman Middle East (Seattle: University of Washington Press, 1998), 164-65; Toledano, As if Silent and Absent: Bonds of Enslavement in the Islamic Middle East (New Haven: Yale University Press, 2007), 21.

[38] See also Nur Sobers-Khan, Slaves without Shackles: Forced Labour and Manumission in the Galata Court Registers, 1560-1572 (Berlin: Klaus Schwarz Verlag, 2014).

[39] Martin Klein, “Introduction,” in Breaking the Chains: Slavery, Bondage, and Emancipation in Modern Africa and Asia, ed. Martin Klein (Madison: University of Wisconsin Press, 1993), 4-5.

[40] Rodney Coates, “Slavery” in Blackwell Encyclopedia of Sociology, ed. George Ritzer (Oxford: Blackwell, 2007).

[41] A. Testart, “The Extent and Significance of Debt Slavery,” Revue Française de Sociologie 43 (2002): 176.

[42] Davis, Slavery and Human Progress, 17-19; Brenda Stevenson, What is Slavery? (Malden, MA: Polity, 2015), 8.

[43] Claudu Meillassoux, The Anthropology of Slavery (London: Athlone, 1991).

[44] Orlando Patterson, Slavery and Social Death (Cambridge, MA: Harvard University Press, 1982), 7-8, 13.

[45] Nasser Rabbat, “The Changing Concept of the Maml_k in the Mamluk Sultanate in Egypt and Syria,” in Slave Elites in the Middle East and Africa, ed. Miura Toru and John Edward Philips (London: Kegal Paul, 2000), 89, 97.

[46] Rotman, Byzantine Slavery, 104.

[47] Leslie Pierce, Morality Tales: Law and Gender in the Ottoman Court of Aintab (Berkeley: University of California Press, 2003), 315; Toledano, As if Silent and Absent, 25; Ebru Boyar and Kate Fleet, A Social History of Ottoman Istanbul (Cambridge: Cambridge University Press, 2010), 147-48.

[48] Dror Ze’evi, “My Slave, My Son, My Lord: Slavery, Family and the Sate in the Islamic Middle East,” in Slave Elites in the Middle East and Africa, 75.  See also Metin Kunt’s short article, “Ethnic-Regional (Cins) Solidarity in the Seventeenth-Century Ottoman Establishment,” International Journal of Middle East Studies 5, no. 3 (1974): 233-39.

[49]  Veinstein, G., “So_ollu Me_med Pas_h_a”, in: Encyclopaedia of Islam, Second Edition, Edited by: P. Bearman, Th. Bianquis, C.E. Bosworth, E. van Donzel, W.P. Heinrichs. Consulted online on 21 November 2016 <http://dx.doi.org.proxy.library.georgetown.edu/10.1163/1573-3912_islam_SIM_7090>

First published online: 2012

[50] Daniel Crecelius and Gotcha Djaparidze, “Relations of the Georgian Mamluks of Egypt with Their Homeland in the Last Decades of the Eighteenth Century,” Journal of the Social and Economic History of the Orient 45, no. 3 (2002): 326.

[51] Christine E. Sears, “‘In Algiers, the City of Bondage’: Urban Slavery in Comparative Context,” in New Directions in Slavery Studies, ed. Jeff Forret and Christine E. Sears (Baton Rouge: Louisiana State University Press, 2015), 203, 207, 211.

[52] Julia O’Connell Davidson, Modern Slavery: The Margins of Freedom (New York: Palgrave Macmillan, 2015), 3, 6, 22-23, 37-39, 69, 169.

[53] Davidson, Modern Slavery, 100.

[54] William Clarence-Smith and David Eltis, “White Servitude,” 139, 144.

[55] See also www.thestar.co.uk/news/majority-of-rotherham-child-exploitation-suspects-are-white-claims-new-report-1-7392637.

[56] Davidson, Modern Slavery, 31.

[57] Davidson, Modern Slavery, 33.

[58] Kevin Bales, Understanding Global Slavery (Berkeley: University of California Press, 2005), 52-54.

 

Fonte: https://yaqeeninstitute.org/jonathan-brown/the-problem-of-slavery/

 

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.