Página Inicial » Sufismo » Um Incentivo ao amor pelo Jejum – Imam al-Sha’rani

Um Incentivo ao amor pelo Jejum – Imam al-Sha’rani

Adaptado de Encouragement To Love Fasting: The Muhammadan Covenants, do Imam ‘Abd al-Wahhab al-Sha’rani (trad. Abdul Aziz Suraqah) – http://almadinainstitute.org/blog/encouragement-to-love-fasting/

Introdução

Imam ‘Abd al-Wahhab al-Sha’rani (nascido em 898AH/1493DC), além de grande santo sufi, um dos revivificadores do Islã no século XVI, foi jurista e teólogo de vasta erudição. Dentre suas grandes contribuições à espiritualidade e à erudição islâmicas, constam os mais de trezentos livros de sua pena, um dos quais é al-Uhud al-Muhammadiya. Descrito como um comentário espiritual a tradições proféticas (hadiths), o Imam al-Sha’rani abre cada um dos capítulos da obra com os dizeres “Um pacto foi feito por nós pelo Mensageiro de Deus (Deus lhe abençoe e lhe dê a paz), de que…”, e a partir daí menciona os mandamentos e as proibições dadas por Deus e Seu Mensageiro, bem como os benefícios espirituais obtidos no cumprimento do que foi ordenado fazer, e os danos espirituais sofridos ao transgredir, no caso das proibições. Na introdução aos Pactos, al-Sha’rani explica que os mandamentos abrangem as categorias do recomendável (mustahabb) e o obrigatório (wajib); e as proibições, o desrecomendável e/ou detestável (makruh) e o proibido (haram).

Pacto 67 – Incentivo ao Amor pelo Jejum

Um pacto foi feito por nós pelo Mensageiro de Deus (Deus lhe abençoe e lhe dê a paz), de que a porção maior do nosso amor pelo jejum se deve a que Allah o Altíssimo disse que “O jejum é Meu”, e não por qualquer outra razão, tais como a busca da recompensa, ou a expiação de pecados e coisas do gênero. Pois todo aquele que pratica um ato a Allah o Altíssimo, Deus lhe basta neste mundo e no Outro, e Deus lhe dará [em recompensa beatífica] o que jamais foi visto pelos olhos, que jamais foi escutado pelos ouvidos, que nunca ocorreu ao coração do homem — sem mencionar as divinas recompensas e a expiação dos pecados e de outros desejos pessoais neste mundo e no Outro. Salvo o ato de jejuar, não chegou a nós que Allah o Altíssimo tenha dito, a respeito de algum outro ato de adoração, que tal ato é só “Seu”, como Ele disse do jejum. Se não houvesse no ato do jejum uma singularidade incomparável, Deus não teria atribuído a Si este ato.

Eu ouvi de meu mestre ‘Ali al-Khawwas (que Allah tenha dele misericórdia), “O significado das palavras de Allah, ‘O jejum é meu’ é o de que o jejum, enquanto atributo da plenitude infinita [sifa samadaniyya], não pode ser de outro que d’Ele Mesmo. Deus não é descrito “comendo” ou “bebendo”. É por isso que ao jejuador é ordenado, enquanto jejua, que se abstenha de relações sexuais, de coisas e atividades pecaminosas, da vulgaridade na linguagem — por consideração e polidez [adab] ao atributo de plenitude infinita, cujo nome o jejuador assumiu quando jejuou.

Interpretando o significado das palavras de Allah, “Toda boa ação do filho de Adão é para si mesmo, exceto o jejum, pois o jejum é Meu e eu sou o que recompenso por ele”, Sufyan b. ‘Uyayna disse: “No Dia da Ressurreição, Allah o Altíssimo submeterá Seu servo ao juízo divino e tirará de suas boas ações para reparar os direitos [dos que ele ofendeu], até que nada mais permaneça exceto seu ato de jejum. Deus, o Altíssimo, reparará os direitos remanescentes que ele devia [aos outros] e entrará nele no Paraíso em virtude do seu jejum. “Esta interpretação é surpreendente!

Um dos benefícios do jejum é que restringe os caminhos de Satanás dentro do corpo do jejuador, e o jejum se torna para o crente como que um escudo; e assim Satanás não tem ponto de entrada pelo qual possa entrar no seu coração. Isto é assim, válido de um ano para o seguinte, ou de segunda-feira à quinta-feira, ou de quinta-feira à segunda-feira, ou dos dias brancos [Ayyam al-Bid: o 13º, 14º, e 15º] de um mês [lunar] aos dias brancos seguintes, ou dos meses sagrados [de um ano] até os meses sagrados do próximo, ou de um ‘Ashura’ [décimo de Muharram] ao seguinte, ou de um dia de Arafat ao Dia de Arafat no ano seguinte – todo jejum feito em um determinado dia servirá como um escudo que protege o jejum da pessoa até a próxima vez que o dia em questão chegar, cada um em sua própria maneira. Por exemplo, o jejum na segunda-feira tem seu próprio perímetro; O jejum de quinta-feira tem seu próprio perímetro; Os jejuns dos Dias Brancos têm seu próprio perímetro; Os jejuns nos meses sagrados têm seu próprio perímetro; O jejum do Dia de Arafat tem seu próprio perímetro; Eo jejum no dia de ‘Ashura’ tem seu próprio perímetro. Cada perímetro garante proteção contra coisas específicas; portanto, Satanás não tem maneira de romper estes perímetros e sussurrar ao servo neles como faz com outras obras piedosas, como a oração, o Zakat, o Hajj, a ablução [wudu], a reverência e a prostração. Todas essas ações expiam pecados, mas cada uma à sua própria maneira. O que dizemos aqui é apoiado pela narração [marfu] do muçulmano que diz: “As cinco orações diárias, uma oração de sexta-feira para a próxima e um Ramadã para o próximo Ramadã – todos eles expiam os pecados cometidos entre eles enquanto as enormidades forem evitadas “.

Recomendado para você:  O Papel dos Santos no Islam - Muçulmanos acreditam em santos?

Eu ouvi meu mestre ‘Ali al-Khawwas (que Deus tenha misericórdia dele) dizer: “A razão pela qual o jejum no Ramadã é por um mês inteiro – ou 29 ou 30 dias – é porque ele foi principalmente legislado como uma expiação Para o bocado que Adão (a paz esteja com ele) comia da Árvore; Allah o Altíssimo ordenou-lhe que jejuasse como uma expiação por seu ato. “É narrado que o bocado que ele comeu permaneceu dentro de seu estômago por um mês inteiro, após o qual foi excretado. Também é narrado que “Um mês é de trinta ou vinte e nove dias.” Entenda isso.

Saiba que o benefício do jejum não pode ser obtido, exceto com fome extra que vai acima e além da fome que normalmente é sentida fora do Ramadã. Quem não aumenta sua fome no Ramadã é indistinguível da pessoa que não jejua, uma vez que não restringiu os caminhos pelos quais Satanás se move – e isto é especialmente o caso quando ele consome um sortimento de comida e bebida e desfruta variedades de frutas e come demais à noite e desfruta de kanafeh e outras sobremesas, ou come queijo frito, e depois come uma quantidade semelhante no início da manhã pre-fast mean [suhur]. Na verdade, o corpo dessa pessoa abre caminhos adicionais para Satanás, mais na verdade do que em dias sem jejum, e como resultado os caminhos de Satanás pelos quais Satanás o leva à destruição aumentam neste magnífico mês que contém Laylat al-Qadr [ A noite do destino], que é melhor do que mil meses (mil meses que são a vida típica da maioria de povos: oito-três anos). Se a vida de um servo de boas ações ponderadas contra suas boas ações em Laylat al-Qadr, as boas ações realizadas em Laylat al-Qadr superariam todas as outras boas ações que foram feitas com sinceridade e consistência e não manchadas pela lassitude – Mais, então, eles superariam os atos que estavam manchados de ostentação e manchados pela desobediência, pecados, momentos de negligência e paixões sórdidas!

Quem olha com o olho da visão espiritual [ayn al-basira] perceberá que todos os dias de jejum que levam a Laylat al-Qadr são como uma preparação e purificação do coração para que ele possa ser adequado para contemplar o seu Senhor Exaltado e Sublime é Ele!) Durante aquela noite. É minha opinião que a maioria das ilustres personalidades desta época, para não mencionar outros, estão se afogando no que mencionamos anteriormente: todo o mês de Ramadan passa por eles e seus corações são aumentados na escuridão devido à comida excessiva e ao sono! Nos dias de outrora, um crente saía depois de jejuar no mês de Ramadã e, devido à intensidade de pureza que ele ganhava através dos sucessivos atos de obediência e abstinência do pecado, ele conhecia os pensamentos das pessoas através do desvelamento espiritual.

Eu ouvi Shaykh Ibrahim ‘Usfur o Majdhub [atraído a Deus, e dado a exuberantes elocuções] (que Deus Altíssimo esteja satisfeito com ele) dizer: “Por Deus, os jejuns desses muçulmanos são inválidos porque eles quebram seus jejuns com carne e doces e outras delícias. No que me diz respeito, não há jejum salvo do povo que quebrar seus jejuns com óleo ou vinagre ou semelhante. “Porque o Shaykh era majdhub, as pessoas eram incapazes de entender os significados de suas alusões, mas eu entendi o significado de suas palavras e alusões e condenações. Era como se ele estivesse dizendo que os muçulmanos só deviam experimentar o Ramadã em um estado de fome intensa.

Recomendado para você:  Jalal-ad-Din Rumi no Islã

Eu ouvi meu irmão Afdal al-Din (que Deus o Altíssimo tenha misericórdia dele) dizer: “É da etiqueta [adab] do crente que quando o jejuador quebre seu jejum ele não se sacie, mas que siga a Sunna do Profeta (Deus o abençoe e lhe dê a paz), que disse: “Basta para o filho de Adão que coma alguns bocados [luqaymat]. Mantenha suas costas eretas”. Os filólogos [ahl al-lugha] dizem que luqaymat é o plural de luqma [porção de alimento], e que é igual a três a nove pequenas porções/bocados. Portanto, sempre que uma pessoa traz mais de nove bocados a alguém rompendo o jejum em sua companhia, ele o tratou mal, e não há recompensa por seu ato, porque ele transgrediu os limites da Sunna “.

Isso só pode ser praticado por alguém que descartou os hábitos da natureza humana e abandonou o hábito de querer socializar com as outras pessoas mundanas, e entrou na vastidão da Shariah, e cujos atos são feitos com intenção de agradar somente a Allah – de modo que sua preocupação com o seu companheiro muçulmano é mais forte do que a sua preocupação consigo mesmo. Quando se evidenciam os sinais de que você abandonou os [maus] hábitos da natureza humana [em prol do comportamento perfeito dos Conhecedores de Deus], você passa a recusar-se a alimentar alguém até a saciedade. Você também não se perturba por alguém falar mal de você na presença de seus inimigos. Diante do Conhecedor (‘arif), o transgressor da Sunnah [o homem velado e pecador] é como uma criança irrequieta, que não deve ganhar tudo aquilo que pede.

Meu shaykh Ibrahim al-Matbuli (que Deus esteja satisfeito com ele) dava na hora da quebra do jejum menos do que os jejuadores estavam normalmente acostumados a comer. Certo dia, um deles foi reclamar da conduta do shaykh com o Naqib [responsável pelos assuntos relativos aos descendentes do Profeta (Deus o abençoe e lhe dê paz)]. O Naqib respondeu: “Embora você possa reclamar sobre ele nesta vida, você vai agradecer-lhe na Outra Vida!”

Um dos conselhos do meu mestre ‘Ali al-Khawwas (que Deus tenha misericórdia dele) foi o seguinte: “Não tema dar para um convidado no Ramadã mais do que uma fatia chata de pão — tal era o costume dos anciãos tribais e de outros antigos —, com medo que ele se ofenda, pois em verdade, se a Realidade do teu ato fosse desvelada aos seus olhos, ele beijaria os teus pés e diria: “Deus te recompense com bondade em meu nome, pois ao sonegar-me o alimento, sonegaste ao meu ego imundo a saciedade de seus desejos espúrios; ao invés, esforçaste-te para aperfeiçoar o meu jejum! ‘”

Cuide-se, querido irmão, que você trilhe o caminho sob a orientação de um mestre espiritual para que ele possa te depurar dos hábitos da natureza humana, e assim você pode interagir com a criação com as qualidades de misericórdia e preocupação. Se você deixar de fazer isso, então é inevitável que você temerá a repreensão da criação.

Eu ouvi do meu mestre ‘Ali al-Khawwas (que Deus tenha misericórdia dele), “Os Amigos de Allah [Alliya’ Allah] estão mais preocupados com os servos, do que os servos consigo mesmos. Isso porque os Amigos de Allah os previne de desejos básicos que diminuam sua estação espiritual ….

Saiba disto e aja a partir disto, e Deus cuidará do seu guiamento. “E Deus se volta para o justo!” [Alcorão 7: 196]

Al-Bukhari, Muslim e outros relataram que o Mensageiro de Allah (Deus o abençoe e lhe dê a paz) disse: “Deus – o Exaltado e Sublime – diz, ‘Toda boa ação do filho de Adão é para si mesmo, exceto jejum, O jejum é meu e Eu sou o que recompenso por ele. “O jejum é um escudo, por isso, se um de vocês jejua, que ele se abstenha de relações sexuais e atos impudentes. E se alguém o insulta ou lutar contra ele, diga: “Eu estou jejuando.” Por aquele em cuja mão está a alma de Muhammad, o odor da boca do jajuador é mais agradável a Deus do que a fragrância do almíscar. O jejum tem duas delícias para alegrá-lo: quando ele quebra seu jejum, é alegre com a sua refeição, e quando encontra o seu Senhor está alegre com o seu jejum “.

Recomendado para você:  Qual é a postura de Ibn Al-Jawzi em relação ao sufismo e por que ele escreveu Talbis Iblis?

Na narração do Imam Muslim: “Toda boa ação do filho de Adão é multiplicada em recompensa dez vezes igual, até setecentas vezes. Deus Altíssimo diz: “Exceto o jejum, porque é Meu e eu sou o que recompenso por ele. Ele abre mão de seus desejos e do alimento por Minha Causa”.

Na narração de Malik, Abu Dawud e al-Tirmidhi: “E ele se alegrará quando encontrar a Deus – o Exaltado e Sublime – e Ele o recompensará. . . ”

Eu digo: A razão pela qual o jejuador experimenta alegria nessas duas coisas é porque o homem é composto de corpo e alma, e assim o alimento do corpo é alimento e o alimento da alma está em encontrar a Deus. E Deus sabe melhor.

Al-Hafiz al-Mundhiri disse:

No que diz respeito ao significado da declaração do Profeta, “O jejum é um escudo”: a palavra escudo [junna] é aquela pela qual um servo protege e se cobre, protegendo-se do que teme. . . . O significado deste hadith, portanto, é que o jejum protege a pessoa de cair em desobediência. Quando usado irrestritamente, a palavra para “relações sexuais” [rafath] pode significar relações carnais ou atos vil. [Aqui] significa um homem falando com uma mulher sobre assuntos sexuais. Muitos eruditos dizem que [rafath] neste hadith se refere ao discurso vil e feio…

Al-Tabarani e al-Bayhaqi narram em um hadith marfu’ [elevado]: “O jejum é para Allah, o Exaltado e Sublime. Ninguém sabe a recompensa que aguarda aquele que jejua, exceto Allah, o Exaltado, o Altíssimo. ”

Al-Tabarani narrou em um hadith marfu’ (e os narradores em sua transmissão são conhecidos por sua probidade e exatidão), “Jejue, e você se manterá saudável.”

Imam Ahmad narrou, com boa cadeia de transmissão, como fez al-Bayhaqi em um hadith elevado, “Jejum é um escudo e uma fortaleza inexpugnável que protege do inferno”.

E na narração de Ibn Khuzayma em sua coleção rigorosamente autenticada, “O jejum é um escudo do Fogo do Inferno, como o escudo que um de vocês emprega durante a luta”.

Imam Ahmad, al-Tabarani, e al-Hakim narrado em um hadith marfu’ (e todos os seus narradores são usados ​​com aprovação na coleção rigorosamente autenticada de al-Bukhari), “Jejum e o Alcorão intercederão pelo servo no Dia de Ressurreição. O jejum dirá: ‘Senhor! Eu o preveni de comida, bebida e desejos, por isso permita-me que interceda por ele! “E o Alcorão diz:” Eu o preveni de dormir durante a noite, assim permita-me que interceda por ele! “E assim eles intercederão . ”

Ibn Majah narrou em um relato, “Tudo tem um zakat, e o zakat do corpo está em jejuar”.

Al-Bayhaqi narrou em um relato, “No momento de quebrar o jejum, o jejum tem uma súplica que não será rejeitada”.

Imam Ahmad, al-Tirmidhi (que o declarou “bom” [o hadith em questão]), Ibn Majah, Ibn Khuzayma e Ibn Hibban (em sua coleção rigorosamente autenticada) narrou um relatório levantado: “Há três pessoas cujas orações não serão rejeitadas: … e o jejuador até que ele quebre seu jejum … ”

Al-Bukhari e Muslim e outros relataram um hadith marfu’, “Não há servo que jejue por um dia no caminho de Deus, o Altíssimo, salvo que Deus irá, naquele dia, colocar setenta anos de distância entre o servo e o Fogo do Inferno”.

Al-Hafiz al-Mundhiri disse:

Um grupo de estudiosos é de opinião que este hadith refere-se exclusivamente à virtude do jejum durante o jihad, e de fato é assim que al-Tirmidhi e outros o classificaram nos cabeçalhos dos capítulos de seus compêndios. Mas outros teólogos sustentaram que todo jejum está “no caminho de Allah” se for sinceramente pela causa de Deus. Deus o Altíssimo sabe melhor.

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.