Página Inicial » História Islâmica » A Destruição de Santuários pelo Estado Islâmico em Perspectiva Histórica

A Destruição de Santuários pelo Estado Islâmico em Perspectiva Histórica

Durante um ano e meio passado, pessoas ao redor do mundo assistiram com horror enquanto a organização terrorista conhecida como Estado Islâmico do Iraque e Síria (ISIS) apreendeu grandes faixas de território na Síria e no Iraque, matando milhares e deslocando centenas de milhares de pessoas de suas casas no processo. Um dos aspectos mais perturbadores do controle politico do ISIS de regiões conquistadas — à parte da obvia politica de assassinatos em massa, exílios forçados e instituição de uma terrível versão da lei islâmica — foi a sistemática destruição por parte do grupo da herança cultural e religiosa do Norte do Iraque e Síria. No período de algumas semanas apenas no fim de 2014, numerosos santuários alidas, a tumba do grande mistico muçulmano Ahmad al-Rifa’i (d.1182), e os santuários do profeta Yunus (Jonas), Sete, e Nabi Jirjis (São Jorge)  foram reduzidos a escombros.  Nos últimos dias, santuários yazides também foram destruídos.  Em Junho de 2015, a organização também começou a destruir santuários em Palmira na região central da Síria. Isso para não falar dos inúmeros locais históricos, incluindo ruínas romanas, mosteiros cristãos e outras estruturas que foram obliteradas pelos terroristas do ISIS.

btuahn-ciaa0dm8

Santuário do profeta Jonas, antes e depois.

People inspect the destroyed old Mosque of The Prophet Jirjis in central Mosul, Iraq, Sunday, July 27, 2014. The revered Muslim shrine was destroyed on Sunday by militants who overran the city in June and imposed their harsh interpretation of Islamic law. (AP Photo)

Escombros da antiga Mesquita do Profeta Jirjis (São Jorge) no centro de Mosul, Iraque, 27 de Julho de 2014.

O túmulo do califa omiada Sulayman ibn 'Abd al-Malik [d. 717] em Dabiq, na Síria antes da destruição, em agosto de 2014

O túmulo do califa omíada Sulayman ibn ‘Abd al-Malik [d. 717] em Dabiq, na Síria antes da destruição, em agosto de 2014

Túmulo após a destruição.

Túmulo do califa após a destruição.

Isto decorre de ações anteriores a este grupo, que seus precursores e seus afiliados têm perpetrado na Síria, onde o túmulo do famoso companheiro do Profeta Muhammad e Imam Ali, Hujr ibn ‘Adi (d. 660), foi demolido e o corpo exumado em 27 de Abril de 2013. Também tem havido vários relatos de que os santuários dos companheiros Ammar ibn Yasir (d. 657) e ‘Uways al-Qarni (d. 657) também foram violados na cidade síria de Raqqa, o centro do poder do ISIS. Uma filmagem pretendendo mostrar a destruição do santuário de ‘Uways al-Qarni pode ser vista aqui.

hujr-ibn

Destruição do santuário de Hujr b. ‘Adi na Síria.

O santuário e mesquita de Uways al-Qarni na Síria. Eu fui incapaz de confirmar se ele foi destruído ou não, mas a maioria dos relatórios afirmaram que sim.

O santuário e mesquita de Uways al-Qarni na Síria. Eu fui incapaz de confirmar se ele foi destruído ou não, mas a maioria dos relatórios afirmaram que sim.

A mesquita e santuário de Ammar b. Yasir na Síria. apesar de relatos de que ele tenha sido destruído, parece que no momento ele ainda está de pé, embora fortemente danificado por bombardeio, como mostra a imagem a seguir:

A mesquita e santuário de Ammar b. Yasir na Síria. apesar de relatos de que ele tenha sido destruído, parece que no momento ele ainda está de pé, embora fortemente danificado por bombardeio, como mostra a imagem a seguir:

meqamyassir-alqarni01

Também deve ser lembrado que o violento ataque contra o santuário al-Askari, onde os décimo e décimo primeiro imames xiitas estão enterrados, em Samarra, em fevereiro de 2006 foi trabalho do Estado Islâmico do Iraque, o precursor direto do ISIS. Pode ser visto, então, que os recentes atos de genocídio cultural e profanação em Mosul são o culminar de anos de uma política de destruição sistemática, e não deve ser visto como uma anomalia. Infelizmente, no entanto, meios de comunicação – especialmente no mundo muçulmano – tem discutido as recentes ações realizadas pelo ISIS sem nenhum contexto  sobre o fenômeno mais amplo da destruição sistemática do patrimônio em todo o mundo muçulmano. Como qualquer pessoa com conhecimento da história da região, sem dúvida sabe, as raízes da campanha do ISIS (e outros grupos, tais como Jabhat al-Nusra) para destruir os santuários e túmulos -além de refletir a própria tendência do grupo para a destruição de relíquias culturais – é fortemente baseada em uma já antiga tradição político-religiosa: o wahabismo.

al_askari_mosque

Santuário do Imam Hasan al-Askari antes e depois da destruição.

(  Santuário do Imam Hasan al-Askari antes e depois da destruição.)

O Wahabismo e a Destruição de Santuários: Uma Breve História 

Uma breve olhada na história islâmica, especialmente nos desenvolvimentos durante os últimos três séculos, pode ajudar a dar sentido a destruição de santuários, túmulos e outras relíquias culturais pelo ISIS em regiões sob seu controle. Enquanto a destruição de túmulos de figuras sagradas não são inéditas na história islâmica clássica (os primeiros abássidas nos anos  700 e os primeiros safávidas nos anos 1500 foram notórios por fazê-lo), não foi até os séculos XVIII e XIX, com a ascensão do wahabismo, que esta prática se tornou banal. Em contraste com as políticas anteriores de profanação de túmulo, que foram em grande parte, de natureza política, o fenômeno moderno é fortemente inspirado por certas idéias religiosas. O wahabismo foi uma doutrina desenvolvida e articulada em meados do século XVIII pelo clérigo árabe Muhammad b. ‘Abd al-Wahhab (d. 1792). No coração do movimento, estava um reformismo firmemente puritano que visionava um retorno às primeiras gerações do Islã (o chamado “salaf al-Salih”). Como parte de seu programa de reformas, Ibn ‘Abd al-Wahhab acreditava que o mundo islâmico deveria ser purificados de todos os santuários e túmulos, que ele via como uma indicação de tendências politeístas. Ele também considerou a grande maioria dos muçulmanos, para quem santuários e visitação de santuários desempenhava um papel central na espiritualidade e na prática religiosa, e que se opunham a como descrentes. Muçulmanos xiitas foram especificamente selecionadoss pela doutrina wahabi como politeístas e fora do rebanho do Islã. Assim, as doutrinas do takfir (excomunhão) e uma iconoclastia agressiva foram dois aspectos definidores do wahabismo desde o seu início. Embora inicialmente evitado e rejeitado (pela população sunita de Najd no centro da Península Arábica), seus pontos de vista encontraram uma forte adesão e apoio após sua aliança com um senhor da guerra árabe importante, Muhammad b. Saud (d. 1765), em 1744, que viu a potencial utilidade política de tais doutrinas, o que legitimaria suas conquistas de outros muçulmanos. Apoiado pela força militar e política de Ibn Saud, Ibn Abd al-Wahhab foi capaz de realizar sua visão de uma Arábia “purificada”. O primeiro túmulo / santuário a ser destruída foi o de Zayd b. al-Khattab (d. 633), um companheiro proeminente do Profeta Muhammad e irmão do segundo califa do Islã, Omar (r. 634-644), refletindo seu desejo de que todos os santuários – e não apenas aqueles que eram explicitamente “sufis” ou “xiitas” – deveriam ser destruídos.

first_saudi_state_big

Desenvolvimento do primeiro Estado saudita.

Ao longo do século XVIII, o movimento expandiu violentamente as fronteiras do Estado saudita nascente e continuou a crescer em toda a Arábia, estendendo-se para a terra do Hijaz, abrangendo Meca e Medina. Nas terras conquistadas, milhares de muçulmanos foram abatidos e centenas de relíquias históricas e santuários foram destruídos; isso é de acordo com os próprios cronistas wahabis-sauditas, embora esses fatos possam ser verificados a partir de fontes contemporâneas otomanas, egípcias e várias outras fontes não muçulmanas também. Este foi especialmente o caso na cidade de Taif, que tentou resistir aos wahabitas; Como resultado, a cidade foi saqueada, a população masculina assassinada, e as mulheres e crianças levadas como escravos. Por volta de 1802, o estado wahabi-saudita tinha ainda conseguido invadir o sul do Iraque, então sob controle otomano. Um dos piores massacres, ainda maior de que o de Taif, foi cometido em Karbala em abril de 1802, pouco antes do início do mês sagrado de Muharram, durante a peregrinação ao santuário do Imam Husayn b. Ali (d. 680), o neto do profeta Muhammad. Uma testemunha ocular, J. B. Rousseau em seu Description du Pachalik du Baghdad Suivie d’une Notice Historique sur les Wahabis (Paris, 1809), descreveu os eventos que ocorreram da seguinte forma:

“Temos visto recentemente um terrível exemplo do fanatismo cruel dos wahabitas, no terrível destino da mesquita do Imam Hussein. Uma incrível riqueza era conhecida por ter sido acumulada naquela cidade. Os xás persas, talvez, nunca tiveram algo parecido em seus tesouros. Durante séculos, a mesquita do Imam Hussein era conhecida por ter recebido doações de prata, ouro, pedras preciosas; uma grande quantidade de raridades … até mesmo Tamerlão poupou aquele lugar. Todo mundo sabia que a maior parte dos despojos ricos que Nadir Shah tinha trazido de volta de sua campanha indiana tinham sido transferidos para as mesquitas dos imames Hussein e Ali, juntamente com sua própria riqueza. Agora, a enorme riqueza acumulada anteriormente, excitou a avidez dos wahabitas por algum tempo. Eles têm sonhado continuamente  com saques aquela cidade [Karbala] e tinham tanta certeza do sucesso que seus credores fixaram o pagamento da dívida para o feliz dia quando suas esperanças se tornariam realidade. Esse dia chegou finalmente … 12.000 wahhabis repentinamente atacaram a mesquita do Imam Hussein; depois de tomar mais despojos do que eles nunca haviam tomado depois de suas maiores vitórias, eles colocaram tudo a ferro e fogo … Os idosos, mulheres e crianças – todos morreram pela espada dos bárbaros. Além disso, diz-se que sempre que eles viam uma mulher grávida, eles a estripavam e deixavam o feto sobre o sangrento cadáver da mãe. Sua crueldade não podia ser satisfeita, não cessavam de seus assassinatos e sangue fluía como água. Como resultado da catástrofe sangrenta, mais de 4000 pessoas morreram. Os wahabitas levaram seus saques nas costas de 4000 camelos. Após o saque e assassinatos que destruíram o santuário do Imam Hussein, ele se e converteu em uma trincheira de abominação e sangue. Eles infligiram o maior dano nos minaretes e cúpulas, acreditando que essas estruturas eram feitas de tijolos de ouro. ” [Rosseau, Description, pp. 74–75]

Foto do inicio do século 20 do santuário do Imam Hussein.

Foto do inicio do século 20 do santuário do Imam Hussein.

Outra fonte quase contemporânea, Uthman b. Abd Allah b. Bishr (d. 1872) em seu Unwan al-Majd fi Tarikh Najd  (Riade, 1982), escrevendo a partir da perspectiva wahabi-saudita, faz um relato similar: “No ano de 1802, Ibn Saud partiu para Karbala com a sua vitorioso exército, cavalos de raça famosos, todas as pessoas assentadas e beduínos de Najd, o povo de Janub, Hijaz, Tihama e outros … os muçulmanos [ou seja, os wahabitas] rodearam Karbala e levaram-a pela tempestade. Eles mataram a maioria das pessoas nas casas e nos mercados. Eles destruíram a cúpula acima túmulo de al-Hussein. Levaram tudo o que viram no templo e perto dele, incluindo a colcha decorada com esmeraldas, safiras e pérolas que cobria a sepultura. Levaram tudo o que encontraram na cidade -posses, armas, roupas, tecido, ouro, prata, e livros preciosos. Não se pode sequer enumerar os despojos! Eles ficaram lá por apenas uma manhã e partiram depois do meio-dia, levando todas as posses. Cerca de 2000 pessoas foram mortas em Karbala. “(Ibn Bishr, Unwan al-Majd, Vol. 1, pp. 121-122)

Muitos desses detalhes são corroborados por outras fontes contemporâneas, tanto muçulmanas como não-muçulmanas, que destacam também como milhares de muçulmanos foram massacrados pelos wahabis em Karbala, que estava em grande parte desprotegida e despreparada para tal ataque. Significativamente, o saque de Karbala demonstra a maneira pela qual os motivos do estado saudita – acumulação de riqueza – e os motivos dos wahabis – destruição de santuários – andavam de mãos dadas. O fanatismo religioso e poder mundano foram, assim, não vistos como incompatíveis e uma união entre os dois estava no próprio fundamento estado saudita (e permanece assim até hoje). O processo de conquista wahhabi em outros lugares, notavelmente em Taif e no Hijaz, seguiu um padrão semelhante ao de Karbala. Embora os sauditas-wahabitas fossem derrotados logo depois (por volta de 1818) pelos otomanos e a dinastia de Muhammad Ali Pasha no Egito, eles experimentaram um ressurgimento no final do século.

second_saudi_state

No início do século XX, o estado wahhabi-saudita, liderado por Abd al-Aziz b. Saud (r. 1926-1953), foi reavivado. Depois de tomar a maioria da Península Arábica de seus rivais, com sucesso conseguiu capturar as cidades santas de Meca e Medina, onde – para o horror absoluto e desgosto dos muçulmanos  mundialmente – os santuários e túmulos dos companheiros mais proeminentes e da família do Profeta Muhammad foram sistematicamente destruídos. Os cemitérios de Jannat al-Baqī‘ (em Medina) e Jannat al-Mu‘alla (em Meca), onde estes indivíduos reverenciados foram enterrados, foram nivelados e inúmeros locais históricos irreparavelmente danificados. A área externa do santuário da Mesquita do Profeta em Medina – que durante séculos foi descrita por viajantes como estando entre a parte mais bela e mais visitada do mundo islâmico – foi transformada em um deserto achatado (e permanece até hoje). Este também foi o destino do restante do Hijaz. Locais históricos foram cimentados ou dinamitados, santuários foram nivelados, e o anteriormente solo sagrado foi transformado em um lucrativo negocio imobiliário que se tornou a base para hotéis e shopping centers. Imagens históricas de Jannatul Baqi ‘(indivíduos enterrados aqui incluem as esposas do Profeta, al-Abbas b. Abd al-Mutalib, Fátima b. Asad, membros proeminentes da família do Profeta [incluindo Fátima al-Zahra’, al-Hasan b . Ali, ‘Ali b. al-Husayn, Muhammad al-Baqir, Jafar al-Sadiq], e companheiros proeminentes do Profeta incluindo Uthman b.’ Affan (terceiro califa), Jabir b. Abd Allah al-Ansari, Zayd b. Thabit, Suhayb al-Rumi, al-Miqdad b. al-Aswad, ‘Urwa b. al-Zubayr, Abul Haytham b. al-Tihan,’ Abd al-Rahman b. ‘Awf, Sa’id b. Zayd, Saad ibn Abi Waqqas, ‘Uthman b Ma’zoun, Abd Allah ibn Masud e Abd Allah b Umm Maktum)…:

29587_7831

29593_1581

mabbs 4

Imagens de Jannatul Baqi’ após a destruição

baqee3bw

jannatul_baqi_madinah

Imagem recente.

644556901_orig

egyptian_news_about_demolition

(Manchete em jornal egípcio da época expressando indignação no dia após as demolições em Medina: “Os sauditas destruir os santuários dos nobres companheiros!”)

Imagens históricas de Jannatul Mu’alla em Meca ( onde a esposa do profeta, a primeira muçulmana a se converter, Khadija b. Khuwaylid, está enterrada juntamente com outros prominentes companheiros e personagens sagrados):

Janatul Mala.tif

previous-tomb-of-lady-khadija-mualla

jannat_mualla_present

Jannatul Mu’alla atualmente.

As principais relíquias históricas, desde os primeiros anos do Islã ao longo do período clássico e em séculos otomanos também foram destruídas sistematicamente, um processo que continua até hoje, como foi documentado por numerosas fontes. Além da destruição que tem feito nas cidades santas do Islã no Hijaz, o wahabismo também teve um grande impacto para além dos limites da Península Arábica durante os séculos 20 e 21. Vários militantes inspirados pela ideologia wahhabi, têm sido particularmente agressivos sobre o ponto de iconoclastia violenta e oposição a tradicional reverência muçulmana (sunita, bem como xiita) por homens virtuosos e santuários. O exemplo do ISIS na Síria e no Iraque são apenas uma parte da quadro.

De Timbuktu a Somalia, do Paquistão ao Afeganistão, várias organizações militantes destruíram centenas de santuários, arrancaram monumentos culturais, e submeteram a herança histórica e religiosa do mundo islâmico à destruição sistemática. Em 2012, o santuário de Sidi Ahmad Zarruq (d. 1492), um dos mais importantes místicos muçulmanos do Norte da Africa, teve seu túmulo em Misrata (na Líbia) destruído e seu corpo exumado. As imagens do santuário e mesquita antes da destruição e depois dela:

32425604

295168_434136619962077_260555017_n

Em muitos destes casos, e, especificamente, nas recente destruições do ISIS em Mosul e Palmira, esses militantes invocaram os ensinamentos de Muhammad b. ‘Abd al-Wahhab (e seus sucessores) -cujo os trabalhos foram publicados e distribuídos em grande escala em território controlados pelo ISIS -justificando a sua destruição de túmulos e santuários realizada por eles. No entanto, é importante lembrar que este não é apenas o renascimento de um fenômeno do século XVIII, mas, sim, é o produto de uma mentalidade jihadista muito moderna. Já não armados com meros machados e armas de pólvora primitivas, e sim com escavadeiras e explosivos sofisticados, estes militantes têm sido capazes de destruir locais históricos e santuários em um ritmo assustadoramente rápido e mais eficaz do que os seus antecessores.

libyan-islamist-hardliners-use

Armados, também, com o dispositivo preferido de jihadistas em todos os lugares -a vídeo câmera- o ISIS tem sido capaz de transformar o negócio de destruir o antigo patrimônio pré-islâmica da região, bem como locais islâmicos tradicionais, vistos como incorporando a velha ordem “corrupta”, em um espetáculo que é transmitido em todo o mundo, ampliando sua influência e poder. O fato de que um grupo de indivíduos pode, no espaço de duas semanas, destruir a herança dos últimos 2000 anos (como fizeram em Mosul) e, em poucos minutos, com orgulho distribuir as imagens para todo o mundo ver é uma ilustração das capacidades assustadoras do terrorismo moderno. O uso de espetáculo e “destruição criativa” é, em muitos aspectos, como significativos e de longo alcance é um ato como a destruição de um santuário em si. É o fato de que o último ato pode ser reproduzido através do tempo e espaço que lhe permite ser muito mais eficaz na transmissão das implicações terríveis do poder político do novo “califado”. Para saber mais sobre isso, eu recomendo o artigo recente “ISIS, Patrimônio, e o Espetáculos de Destruição na Mídia Global (em inglês).”

76074959_023036572-1

isis_mosques-2

017760742_30300

Texto de: Mohamed Ballan

Fonte (com as bibliografias): https://ballandalus.wordpress.com/2014/08/05/the-islamic-states-isis-destruction-of-shrines-in-historical-perspective/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.