Página Inicial » História Islâmica » Constantinopla – O Saque de 1204

Constantinopla – O Saque de 1204

Civilizações mudam quando os paradigmas que as regem sofrem mudanças. Os seres humanos se relacionam com eles mesmos e uns com os outros através de valores transcendentais firmemente encaixados em estruturas básicas. Estes valores definem como a sociedade olha para si mesma, como ela interage com outras sociedades e seu lugar na história. Por exemplo, na Idade Média, a maioria das pessoas acreditava que a Terra era plana. O paradigma de uma terra plana definia os limites de geografia, política e história. Quando esse paradigma mudou e foi universalmente aceito que a Terra era redonda, alteraram-se profundamente as formas como as civilizações relacionavam-se umas com as outras. A América foi descoberta, os oceanos foram conquistados, os padrões de comércio mudaram, impérios antigos caíram e novos surgiram.
No vasto panorama da história, certos marcos destacam-se quando uma civilização fundamental e visivelmente altera o seu paradigma, e traçou seu curso em uma direção diferente. O saque de Constantinopla em 1204 pelos cruzados foi um marco de grande importância. De fato, foi o ano em que o Ocidente latino mudou fundamentalmente a sua orientação. Antes do ano 1204, o foco das Cruzadas eram a Cruz e o Santo Sepulcro em Jerusalém. Após essa data, tornou-se o brilho do ouro. Antes de 1204, a energia da Europa expressava-se através da imaginação e monaquismo. O continente estava mergulhado na pobreza e ignorância. O comércio estava estagnado. Amuletos, talismãs, magia e feitiçaria eram os mecanismos de comunicação com o sobrenatural. A Igreja era o principal beneficiário dessa ignorância, porque era a única instituição que reivindicava o privilégio de dispensar amuletos e talismãs.
Isso mudou depois que os latinos capturaram Constantinopla em 1204, invadiram suas ruas, destruiu as suas relíquias, dançaram sobre os altares de suas igrejas e saquearam sua imensa riqueza.
Os cruzados eram um grupo heterogêneo de barões franceses, camponeses alemães, mercadores italianos e padres latinos. O ouro e a prata que foi levado da antiga capital bizantina forneceu impulso para a prosperidade das cidades-estado italianas de Veneza, Gênova e Florença. A Itália foi lançado em seu caminho para a Renascença, que atingiu o seu auge nos 15 ª e 16 ª séculos. A Europa foi transformada. Depois de 1204, a energia da Europa encontrou sua expressão primariamente através da economia, comércio e auto-interesse. A civilização que produziu o Renascimento e, posteriormente, a Reforma e o Iluminismo era secular e tinha pouca semelhança com a civilização que produziu a Primeira Cruzada em 1096. Houveram mais “Cruzadas”, após a Cruzada de 1204, mas estas eram ou expressões de um empuxo econômico envolto em terminologias religiosas ou uma reação as marchas turcas no sudeste da Europa.
O prelúdio para os acontecimentos históricos de 1204 foi a declaração de uma cruzada pelo Papa Inocêncio III em 1199. A perda de Jerusalém para Saladino era intragável para a Igreja latina, que estava sofrendo ainda mais com as derrotas nas mãos do almóadas na Ibéria. A resposta inicial a este chamado às armas foi morna. A Europa era uma casa dividida no final do século 12. Conde Baldwin desafiava o trono francês. A Alemanha tinha dois pretendentes ao trono, Filipe da Suábia e Otto de Brunswick. Veneza tinha perdido sua posição no Adriático ocidental. Na Península Ibérica, os muçulmanos tinham impulsionado os cruzados de volta para as fronteiras da França. O ponto de apoio dos cruzados na Palestina e no Levante estava à mercê dos poderosos aiúbidas. Ao declarar uma Cruzada, o Papa Inocêncio procurava direcionar as energias dos europeus em conflito para uma meta transcendental e recolher fundos para a Igreja, ao mesmo tempo.
A Europa estava sem dinheiro e não conseguia reunir energias para uma nova guerra contra um Islã ressurgente. Para levantar fundos, o Papa cobrava um imposto sobre todos os crentes. Este não foi um movimento popular e gerou pouco entusiasmo para outra marcha sobre a Palestina. A situação mudou e uma faísca para a Cruzada foi acesa, quando dois jovens barões, Teobaldo e Luis, “tomaram a cruz” (aderiram à Cruzada) no torneio de Ecrysur-Aisne, no norte da França, em 1199. Estes dois barões, netos de Luis VII, gozavam de enorme prestígio e em breve muitos outros barões e cavaleiros da França também se alistariam. No Conselho de Compeigne em 1200, foi decidido que os guerreiros partiriam para a Palestina por mar. Nem os potentados nem a igreja tinham uma frota. Portanto, eles procuraram a ajuda de Veneza, a única cidade-estado na costa italiana, que tinha os recursos para fornecer essa ajuda.
Enviados foram dirigidos à Veneza.
Os venezianos eram uma raça diferente dos cruzados do norte da Europa. Eles eram comerciantes, motivados pelo lucro, mesmo quando o objetivo era super-ordenado, como a conquista de Jerusalém. Eles haviam mantido um comércio vivo com o Egito e a Síria ao longo dos séculos 10 e 11. Veneza era governado por um conselho eleito, o doge e sua cabeça no ano de 1201 era Enrico Dondolo. Ezperiente, politicamente astuto, eloquente, cruel e sem escrúpulos além de comparação, Dondolo era um homem velho, entre oitenta e noventa e cinco anos de idade. Ele personificava o arquétipo de uma cultura empresarial, que sobreviveu e prosperou durante séculos através de pirataria e comércio no Mediterrâneo oriental. Dondolo dirigia um difícil negócio com os barões cruzados. Como pagamento para transportar 20.000 soldados e 4.500 cavaleiros e seus cavalos, ele exigiu a soma de 85.000 marcos de prata, uma demanda que foi acordada pelo papa. Um contrato foi assinado e os guerreiros começaram a reunir-se em Veneza.
Mas todos os pratos e colheres de sopa de prata dos cavaleiros e barões da Europa conseguiram produzir apenas 29 mil marcos de prata.
Dondolo viu nisso sua oportunidade de ouro. Ele havia construído e entregue quatrocentos navios conforme o contrato. Como compensação por seus esforços já concluídas, Dondolo propôs que os cruzados ajudassem-o a capturar a cidade de Zara localizada no Adriático Oriental (na atual Croácia). Zara tinha sido cobiçada por Veneza pois era um porto de fornecimento de madeira muito necessária da Croácia e da Bósnia. Em 1201, Zara era uma cidade cristã sob a proteção do monarca húngaro, quera igualmente cristão e cruzado sob a jurisdição do papa. O papa ficou furioso com a sugestão e se opôs a esta empreitada. Mas seus bispos e prelados encarregados da Cruzada concordaram em ir junto com Dondolo, “por interesse em uma causa maior”, de modo que o dinheiro poderia ser levantada pela pilhagem de Zara e a Cruzada poderia continuar até Jerusalém. Zara foi invadida, capturada e saqueada. A Igreja fez alguns barulhos, mas nem um único castiçal de prata roubado de Zara foi devolvido, quer pelos venezianos invasoras ou pelos representantes do papa que os acompanhavam.
Neste momento, uma oportunidade histórica se apresentou ao astuto Dondolo, que teve o instinto de um predador. Em 1185, o imperador bizantino Isaac tinha sido destronado por seu próprio irmão Alexius, cegado e trancado em um calabouço. O filho de Isaac, também chamado Aleixo, fugiu para a Alemanha, onde sua irmã Irene era a rainha, e depois para Roma, onde apelou ao papa para ajuda-lo contra seu tio. O Papa sentiu ao mesmo tempo uma oportunidade de trazer a Igreja de Constantinopla sob a Igreja de Roma. A perspectiva da abertura de uma rota terrestre para a Palestina através de uma Constantinopla governada por um rei flexível não o escapou também. Com a aquiescência do Papa, a frota de Dondolo procedeu em direção Constantinopla, acompanhada por 20.000 cruzados franceses, italianos e alemães, que estavam mais motivados pelo desejo de poder e riqueza do que pelo amor de Cristo.
O arquétipo europeu tinha mudado, de um homem de imaginação excitada pela magia e talismãs, para um homem deste mundo motivado pela promessa de pilhagem. As mentes dos homens estavam agora motivada pelo brilho do ouro, e não pela visão da cruz.
As defesas de Constantinopla eram formidáveis.
As paredes de suas muralhas eram as mais altas em toda a Europa. A entrada para o Crono de Ouro era bloqueada por uma corrente de aço ancorada ao cais em ambos os lados dos estreitos. Dondolo conhecia a cidade e as suas defesas bem, pois havia servido como embaixador veneziano lá por um longo tempo. Ele sabia que as defesas mais fracas estavam ao longo do Corno de Ouro. Um navio veneziano foi equipado com uma tesoura de aço, e ordenado a cortar a corrente de defesa. A cidade foi assaltada por mar, liderado pelo próprio velho e tomado de assalto em 12 de abril de 1204. O jovem Alexius foi instalado no trono, sob a tutela de Roma e o pedido por uma soma exorbitante de 400.000 marcos de prata foi colocado diante dele. Alexius não podia reunir essa quantia e no final daquele ano tentou expulsar os invasores. Ele foi derrotado e a cidade foi saqueada.
A agitação na cidade estava além de descrição. Homens foram mortos aos milhares e as mulheres estupradas. Os tesouros da corte bizantina, acumulados ao longo de milhares de anos, foram saqueados. Os cavalos dos cruzados cavalgavam nas igrejas, contaminando os locais sagrados com o seus escrementos. A Igreja de Santa Sofia tornou-se um salão de dança. No auge da carnificina, uma prostituta sentou-se no trono do patriarca ortodoxo e cantou uma canção obscena, entretendo os invasores dementes. A glória de bizâncio foi pisada sob os pés das mulas latinas. Os tesouros do Império Bizantino viajaram para oeste, rumo à Veneza e Roma. Sob as cinzas de Bizâncio, cresceram os estados piratas do leste da Itália. A consolidação econômica tinha começado, cimentada pelo ouro de Constantinopla. No devido tempo, isto daria à luz do Renascimento. Uma civilização morreu e uma nova civilização nascia, destinada a dominar o mundo. A história havia seguido um novo curso, e o mundo não seria mais o mesmo novamente.

Sobre Victor Peixoto

Victor Peixoto é um brasileiro convertido ao Islam, leitor frequente de livros sobre história islâmica e estudante de árabe clássico, que aprendeu no Egito durante sua morada naquele país.