Página Inicial » História Islâmica » Constantinopla – A Conquista de 1453

Constantinopla – A Conquista de 1453

A batalha de Ancara (em 1402) dizimou o poder otomano na Anatólia. Bayazid I, que poderia muito bem ter sido lembrado na história como o Napoleão da época, foi capturado por Timur e morreu em cativeiro. A erupção de Timur tinha ocorrido no momento em que Constantinopla estava negociando uma rendição da cidade para Bayazid. A batalha de Ancara adiou a conquista otomana da capital bizantina por mais de cinquenta anos.

É uma homenagem à resistência dos turcos que os otomanos foram os únicos que sobreviveram aos ataques timúridas e conseguiram recuperar suas antigas possessões. Mesmo que os otomanos houvessem perdido seus territórios na Anatólia, suas possessões europeias estavam intactas, e eles foram capazes de se mover de volta para Anatólia uma vez que a ameaça tártara recuou. A forte administração central composta por escravos leais, instituída por Bayazid, sobreviveu a ele. Esses escravos, ‘’ich oghlans’’ em turco, capturados enquanto rapazes na Europa Oriental durante as campanhas dos Bálcãs, eram levados a corte otomana, formados e libertados, e eventualmente, ascendendo para ocupar cargos administrativos e militares importantes. Os janízaros, corpo militar de elite, eram igualmente constituídos. Os ich oghlans e os janízaros permaneceram leais aos otomanos e forneceram o núcleo para a restauração do império, e o espírito turco de unidade baseado no conceito de lealdade à tribo, forneceu a base para resistência á ameaça de Timur (Tamerlão) que recuava.

Após a batalha de Ancara, os territórios otomanos foram divididas entre os filhos sobreviventes de Bayazid I. Sulaiman governava a partir Erdirne na Europa, Mehmet de Amasya na Anatólia oriental, e Isa de Bursa perto de Constantinopla. Destas três regiões, Erdirne tinha a vantagem pois localizava-se na Europa, em territórios que não tinham sido devastados pelos tártaros. Como resultado, ela foi favorecida pelos sultões turcos, e servira durante algum tempo como capital otomana. Houve a habitual disputa pelo poder, mas por volta de 1411, Mehmet tinha reunido a maioria dos chefes otomanos em torno dele e havia consolidado seu poder sobre o império. Seu filho Murad II (1421-1451) continuou o processo de recuperação e consolidação. Após uma série de campanhas de sucesso na Anatólia, ele impôs cerco a Constantinopla ( em 1422). Neste momento, os beys (senhores ou lordes) da Anatólia se rebelaram e instalaram o irmão de Murad, Mustafá como seu líder. Murad levantou o cerco da capital e em uma série de campanhas entre 1422 e 1425 trouxe Izmir, Erkeshehir, Alashehir e Akshehir sob seu controle. Irrompeu a guerra com Veneza em 1423 sobre Solonica e durou até 1440. Enquanto isso, os húngaros atravessaram o Danúbio em 1428 e invadiram a Sérvia. O sultão entrou em campo e forçou o rei húngaro Sigismundo a recuar.

Em 1440 Murad fez uma tentativa frustrada de capturar Belgrado. Encorajados pelo recuo otomano, os húngaros atravessaram o Danúbio, mais uma vez, ocupando Sophia e avançado tanto quanto nos arredores de Edirne. Murad rechaçou os exércitos invasores e os derrotou na batalha de Izladi (1443). Depois disso, ele assinou um acordo de paz com os húngaros e os venezianos. Voltando sua atenção para o leste, ele assinou um acordo de paz semelhante com o príncipe de Karaman.

Tendo estabilizado as fronteiras otomanas e concluindo tratados de paz com seus inimigos, Murad sentiu que seu trabalho estava concluído. Agora era hora dele se aposentar, ele então deu um passo ao lado em favor de seu filho Mehmet II. As potências europeias interpretaram mal isso, como um sinal de fraqueza otomana. O papa Nicolau V lançou uma Cruzada, e uma força terrestre húngaro-valáquia combinada avançou para Erdirne enquanto os venezianos bloqueavam os turcos por mar.

Seguindo o conselho de seus assessores seniores, Mehmet II convidou seu pai Murad a voltar da aposentadoria e reassumir o comando do exército. O relutante Murad respondeu que Mehmet era agora o sultão e era sua responsabilidade a de governar. “Se você é o sultão”, escreveu Mehmet II a seu pai, “é sua obrigação a de liderar os exércitos. E se eu sou o sultão, então estou ordenando-lhe a voltar e assumir a liderança’’. Então Murad voltou, e sob seu comando, os turcos infligiram uma derrota esmagadora sobre os latinos na batalha de Varna. Este foi um marco importante na história. A batalha de Varna em 1444 selou o destino de Constantinopla, porque todas as abordagens para a capital foram bloqueadas. Os húngaros novamente tentaram penetrar nos domínios otomanos em 1448, mas a incursão foi facilmente rebatida de volta. Tendo cumprido sua missão, Murad voltou ao descanso.

Recomendado para você:  5 invenções Islâmicas que mudaram o mundo

Mehmet II era um poderoso conquistador na tradição dos primeiros companheiros do profeta. Embora sua visão abraçara objetivos estratégicos, ele também tinha um instinto inato para movimentos táticos. Treinados desde a infância no campo de batalha sob a supervisão de seu pai o sultão Murad, ele também estava imbuído de uma profunda espiritualidade sob a tutela de Shaykh Aq Shamsuddin. O grande sábio sufi acompanhava Mehmet II em suas campanhas e fornecia-lhe a inspiração espiritual que permite aos homens realizarem atos sobre-humanos.

O Império Otomano passou por uma rápida expansão sob Mehmet II. Constantinopla era uma fonte constante de irritação para os otomanos. Embora houvessem perdido todos os seus territórios, a cidade ainda impunha um grande respeito como sede do Império Bizantino. Em certas ocasiões, a capital bizantina tinha dado abrigo aos príncipes otomanos foragidos enquanto envolvidos em guerras de sucessão. Era também um farol para os exércitos cruzados que avançavam sob os turcos. Por último, os otomanos estavam preocupados que os bizantinos pudessem entregar a cidade aos latinos, como haviam feito com a cidade de Solonika, o que tornaria a tarefa de capturar a cidade imensamente mais difícil.

Os turcos estavam inquietos, impelidos pelo espírito de ghazza (luta no caminho de Deus). No entanto, haviam diferenças dentro do campo turco sobre a conveniência de atacar Constantinopla. Alguns dos generais estavam preocupados que um ataque contra a cidade traria uma forte reação das potências ocidentais. Outros sustentam que o Ocidente nunca iria concordar com um curso comum de ação. O Imperador Bizantino já havia enviado pedidos de ajuda para Veneza e para o Vaticano. A marinha veneziana estava em movimento. Ao norte, os húngaros e os valáquios estavam prontos para se juntar a uma coalizão anti-turca.

Mehmet II fez preparativos cuidadosos. Ele ordenou a construção de um forte castelo com vista para a cidadela de Constantinopla. Esta fortaleza imponente, que permanece até hoje, foi erguida em um tempo recorde de três meses, e serviu a propósitos tanto defensivos quanto ofensivos. Ela forneceu também uma área de preparação para os turcos e uma plataforma para arremessar projéteis. Mehmet recorreu aos serviços de artesãos bizantinos para utilizar canhões de bronze que poderiam disparar grandes balas de canhão através do Estreito do Bósforo.

Mehmet II cercou a cidade na primavera de 1453 e enviou os termos da rendição ao imperador bizantino Constantino XI, que os rejeitou. A grande corrente que bloqueava a entrada do Bósforo frustrou as repetidas tentativas turcas de um ataque naval. Mehmet II ordenou que as galeras turcas fossem rebocados por terra a partir da entrada sul do estreito para a entrada norte, de modo que o ataque pudesse ser realizado por trás. Depois de concretizar esta tarefa monumental no máximo sigilo, Mehmet II ordenou um ataque geral sobre a cidade por terra e por mar. A defesa bizantina estava desesperada assim como foi determinado e implacável o ataque turco.Depois de incursões repetidas, Constantinopla caiu no dia 29 de maio 1453.

Houve alegria no mundo islâmico, enquanto a Europa lamentou esta perda. O ano de 1453 tornou-se um marco na história da Europa e Ásia igualmente. Os otomanos renomearam a cidade de Istambul (Islambol), e fizeram dela a capital do seu império em expansão. A visão de Mehmet foi reviver a cidade como sede de um Estado sucessor do Império Romano, e para torná-la o foco de um estado islâmico universal. Para cumprir esta visão, Mehmet deu vários passos concretos. Primeiro, ele permitiu aos gregos que não houvessem resistido ao avanço turco para voltarem e recuperarem suas propriedades.Em segundo lugar, para continuar a sua meta de tornar Istambul, uma cidade cosmopolita e universal, Mehmet II convidou o patriarca grego, bem como o rabino-chefe para se instalarem na capital. Em terceiro lugar, a administração do Estado foi centralizada e todos os domínios otomanos na Europa foram trazidos sob o governo central de Istambul.

Recomendado para você:  Jerusalém e Umar Ibn Al-Khatab

O crescimento explosivo dos otomanos continuou em todas as direções.Para o norte, em uma série de campanhas entre 1454 e 1465, Mehmet derrotou os húngaros e firmemente estabeleceu o controle Otomano sobre a Sérvia e Bósnia. Trebizonda, no Mar Negro foi capturada, e Morea seguiu o exemplo. A marinha turca atravessou o Mar Negro e trouxe o sul da Crimeia sob o domínio otomano (em 1475). A adição dos tártaros da Criméia para o Império trouxe uma valiosa fonte de homens e material para o serviço do sultão.

As conquistas de Mehmet trouxeram uma nova chamada para uma cruzada pelo Papa Nicolau V. Os húngaros, valáquios e venezianos responderam à chamada e formaram uma aliança com os albaneses, que estavam, então, em rebelião contra os otomanos. A guerra começou em 1463 e durou quatro anos. Os cruzados capturado Morea, e Istambul foi ameaçada. Mehmet construíu duas fortalezas, uma de frente para a outro, em Gallipoli para bloquear o avanço naval inimigo e para prevenir um ataque a Istambul a partir da retaguarda. Uma poderosa marinha otomana foi construída para expulsar os venezianos e recapturar Morea. Em terra, a cavalaria otomana lutou em seu caminho até a costa do Adriático e aproximou-se dos arredores de Veneza. Uma Veneza alarmada pediu paz, rendendo Morea aos turcos e concordaram em pagar um tributo anual de 10.000 moedas de ouro.

As fronteiras otomanas ao leste estavam longe de serem tranquilos. Houveram atritos com os governante turcomanos Aq Kuyunlu e Uzun Hassan sobre o controle da província de Karaman. Os otomanos tinham anexado a província em 1468, mas alguns dos príncipes karamanidas fugiram para a Pérsia e tinha procurado a proteção de Uzun Hassan. O Vaticano viu nisso uma oportunidade de ouro para flanquear os otomanos. Embaixadores foram trocados entre os latinos e Uzun Hassan e foi concluída uma aliança. Em 1472 Uzun Hassan avançou para Anatolia à frente de mais de 30.000 cavaleiros. Mehmet II, reconhecendo o grave perigo a partir do leste, reuniu as forças otomanas somando mais de 100.000 e, em uma batalha campal perto Bashkent (1473) derrotou Uzun Hassan. Derrotado na batalha, Uzun Hassan concluiu um tratado com Mehmet e prometeu não interferir na política da Anatólia. Foi também durante a luta por Karaman que os otomanos ficaram cara a cara com os poderosos mamelucos do Egito. As zonas fronteiriças entre a Anatólia e Pérsia envolveriam, nas próximas décadas, uma luta entre os três: otomanos, safávidas e mamelucos.

Mehmet continuou a reforçar as suas forças navais. Em 1480, os turcos cruzaram o Mar Adriático e ocuparam vários pontos fortes no sul da Itália, incluindo a cidade de Otranto (em 1480). A presença dos turcos tão perto de casa gerou pânico em Roma e o papa fez os preparativos para fugir para a França. O próximo alvo de Mehmet foi a ilha de Rodes, que era controlada pelos Cavaleiros de São João. Estes cavaleiros eram piratas que rotineiramente atacavam os navios turcos que transportavam peregrinos da Anatólia, sequestro e roubando-lhes. Em 1480, o general turco Ahmed Pasha expulsou os Cavaleiros de São João da ilha. Quando Mehmet morreu em 1481, ele tinha mais do que recuperado o que foi perdido na batalha de Ancara (1402). Ele tinha estendido as fronteiras do Império Otomano além daqueles alcançados por seu avô Bayazid I. Ele havia projetado o poder turco na Itália e derrotado solidamente os húngaros. Mais importante, ele tinha conquistado Istambul, jóia da coroa do Mediterrâneo e capital do Império Bizantino.

Várias razões podem ser apontadas para o crescimento explosivo do Império Otomano. Na era pré-otomana, o feudalismo era galopante nos Bálcãs. Não havia nenhuma autoridade central. O campesinato sofria sob feudos locais. Senhores locais e da igreja impunham taxas exorbitantes e exigiam trabalho forçado. Para os camponeses, que labutavam sob o jugo dos senhores feudais, os otomanos vieram como libertadores.

Recomendado para você:  A vida do Imame Abu Hanifa

Os otomanos instituiram diversas reformas para mudar a estrutura social feudal que tinham herdado. Em primeiro lugar, eles aboliram os feudos e colocaram todos os direitos à terra sob controle estatal. A tributação foi fixada em função da produção. Em segundo lugar, os otomanos protegeram os direitos religiosos dos povos conquistados. Sob o sistema milliyet de administração, a cada grupo religioso foi dada autonomia em relação às suas leis pessoais. A Igreja foi protegida. Em terceiro lugar, o conflito entre as igrejas ortodoxas orientais e romana agiram como fator de vantagem para os turcos. Os camponeses eram ortodoxos, ao passo que os senhores e nobres eram católicos romanos. Os camponeses estavam muito melhor sob os turcos de que sob os senhores latino e muitas vezes cooperaram com os turcos muçulmanos contra os cristãos latinos. Muitos aceitaram o Islã para escapar da opressão de seus antigos senhores feudais. Em quarto lugar, as conquistas otomanas não eram meramente expansões imperiais, mas uma grande migração de turcos. Esta migração tinha começado na Ásia Central, no século 11 sob os seljúcida. Cada conquista otomana foi seguida por uma grande migração para os novos territórios.

A composição étnica e religiosa dos Bálcãs passou por uma transformação como os turcos migrando mais fundo no sul da Europa central. Cada onda constante de colonos abriu o caminho para a próxima.

Mas a razão mais importante para o sucesso dos otomanos foi o espírito de ghazza (guerra pela causa de Deus). Aqueles que realizavam a ghazza eram conhecidos como ghazis. A visão ghazi foi a de estabelecer uma ordem mundial baseada na equidade, justiça, liberdade de culto, que ordenava o que é certo e proibia o que estava errado. O espírito dos ghazis permeava a luta otomana desde os primeiros dias de Osman. Foi esse espírito que forneceu a energia explosiva para os otomanos. Na sua execução, exigia do ghazis auto-contenção, a luta incessante, disciplina, coragem, sacrifício, ajuda mútua e aderência a um estrito código de honra. O ghazi não deveria prejudicar a população civil, mas para protegê-la. Os otomanos zelosamente guaram esta reputação como os ghazis do Islã e ganharam a admiração de muçulmanos ao redor do globo. Mesmo Babur, fundador do império mogol na Índia, prestou homenagem aos “ghazis de Rum” em sua autobiografia, o Baburnameh.

A organização dos ghazis prestaram-se a uma estrutura de comando descentralizada, o que permitiu que os turcos tirassem proveito das condições locais. A luta global foi organizada em marchas. Por exemplo, durante o período de Bayazid I, em 1402, não havia menos de quatro marchas, cada uma empurrando o avanço otomano em uma direção diferente: a marcha da Dobruja dirigida a Valáquia; a marcha de Vidin dirigida a Hungria; a marcha da Üsküp dirigida a Bósnia e Albânia; e a marcha da Tirkkala dirigida a Morea e Grécia. O imperador se considerava um ghazi e estava sempre na linha de frente. Assim, o espírito expansivo de um Estado de fronteira animava o Império Otomano. Quando uma área de frente era subjugada, foi povoada por uma nova onda de turcos, e isso, por sua vez, tornava-se um centro para uma maior expansão. Em alguns aspectos, assemelhava-se a expansão das colônias de povoamento americana do Oeste no século 19.

Os líderes das marchas eram recompensados com grandes propriedades nos territórios conquistados, que eles governavam como funcionários autônomos do Estado otomano. Até o tempo de Murad II, as marchas foram conduzidos por chefes turcos independentes. Murad II colocou seus soldados de confiança dos guardas do palácio responsáveis das marchas e trouxe as marchas sob controle estatal centralizado. Nos séculos 16 e 17, com o endurecimento das posições de defesa na Europa Central, tornou-se cada vez mais difícil continuar as marchas. Após o século 16, o papel dos ghazis mudou, de conquista para o apoio de antecedência do exército turco, realizando incursões à frente das principais forças armadas, assediando o inimigo, cortando suas linhas de abastecimento e coleta de inteligência.

Fonte: https://historyofislam.com/contents/the-post-mongol-period/constantinople-the-conquest-of/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.