Página Inicial » Conheça o Islam » ”Consciência de Deus Após o Ramadã” – Sermão por Sheykh Hamza Yusuf

”Consciência de Deus Após o Ramadã” – Sermão por Sheykh Hamza Yusuf

Detalhes da transcrição:
Nome do evento: Consciência de Deus após o Ramadã
Autor da trasncrição: MuslimNess
Descrição: Da Califórnia no dia de `Eid-ul-fitr, o renomado erudito muçulmano shaykh Hamza Yusuf deu o sermão (khutba) de `Eid na quarta-feira, 31 de agosto, depois de completar 30 dias de jejum no mês do calendário islâmico do Ramadã. Providenciamos uma transcrição do discurso e encorajamos todos os espectadores a aprender, implementar e compartilhar a linda sabedoria de Allah e de seu Profeta Muhammad, a paz esteja sobre ele.

 

O shaykh Hamza Yusuf começa com uma du`a (súplica).

“`Eid mubarak. Alhamdulillah, alhamdulillah, todos os louvores pertencem a Allah. Allah no Alcorão diz:

‘Interrogar-te-ão sobre os novilúnios. Dize-lhes: Servem para auxiliar o homem no cômputo do tempo e no conhecimento da época da peregrinação….’ (Alcorão, 2: 189)

A visão da lua nova com o olho humano tem sido historicamente a maneira de determinar um novo mês, a despeito do fato de que eles eram claramente capazes de fazer cálculos há séculos. Os gregos eram capazes de calcular eclipses com grande exatidão. Estamos vivendo uma época em que temos uma tecnologia incrível e habilidade que nunca houve antes por séculos para monitorar planetas. Por séculos pensávamos que haviam apenas cinco planetas. Agora descobrimos que podem haver até uns 4 bilhões de planetas só na nossa própria galáxia.

O Profeta, que a paz esteja sobre ele, determinou que o 29º dia do Ramadã é quando saímos para buscar a 30ª lua, ele o chamou: “o dia da dúvida”. Isso é porque não há certeza se se pode ver a lua ou não. de acordo com o site do Observatório Naval, é dito que não é possível visualizar uma lua com certeza com o olho nu nas primeiras 24h da lua nova. Isso é exatamente o que o Profeta está dizendo. Para eliminar, isto é, para que não haja absolutamente nenhuma dúvida, e isso ainda não é verdadeiro. Há uma incerteza.

Para aqueles muçulmanos que se atêm à tradição: “Sumu ri ru’ ya tihi, jejue quando você ver a lua.” Aqui, “Ru’ ya tihi” é uma visualização, tem que ser visto com os olhos. “Wa afturili ri ru’ ya tihi”, os fuqaha determinaram que um grupo pode ver, mas não todo mundo tem que ver. E muçulmanos terminam o mês com o que é chamado “jam`uh ghafeer”, que é a maioria, um número grande de pessoas confirmando a lua nova.

Dois dias atrás saímos mas não vimos a lua. Havia um relato na América do Sul sobre verem a lua; Eu pessoalmente não me senti confortável, e quero solicitar à SPIA para que tomem o mesmo posicionamento, simplesmente porque se você apressa um ato de adoração (`ibadat) antes de seu tempo, é inaceitável. Mas se você atrasa uma `ibadah para ganhar certeza, ganha-se uma recompensa. Então esperar um dia extra para ter certeza, tudo o que se pode ter é benefício!

Mesmo ontem quando saímos para ver a lua, só havia uma lasquinha, uma lua nova. O Profeta, a paz seja sobre ele, disse: “O fim dos tempos não virá até quando as pessoas virem uma lua de um dia e disserem: ‘ela já tem dois dias!'”

Tendo dito isso, as pessoas que quebraram o seu jejum ontem, in shâAllah será válido porque estão seguindo sua liderança e aqueles que dão fatwa (veredito religioso), a prestação de contas está sobre eles – todos não são responsáveis. Não estou dizendo de modo algum que seria inválido, só estou dizendo que eu certamente me sentiria mais confortável completando 30 dias. Allah seja louvado.

Agora no fim aprendemos que o ramadã é uma madraça, uma escola para aprender certos padrões comportamentais para levar para o resto do ano. Então nos relembremos: O Senhor do ramadã é também o Senhor de todos os meses do ano – O Senhor do shawwal e dhul hijjah e dhul qa`da. O ramadã acabando, nosso comportamento precisa continuar.

No ramadã, as pessoas se aproximam de Allah pela natureza do ramadã. Elas não caluniam (embora isso já seja proibido fora do ramadã). Ficamos extravigilantes para que nos treinemos.

O Imam Al-Ghazali disse: se você puder controlar a si mesmo em relação a comida e sexualidade, então consegue controlar todas as outras coisas facilmente. Essas duas primárias guiam o ser humano. A guia de Eros e a necessidade por saciação, por comida.

Aprender a disciplinar a alma, nos aproximamos de Allah. O Profeta Muhammad disse num hadith localizado na coleção de An-Nawawi, que indica sua primazia como um dos ahadith centrais no Islam:

1) “At-Tahoor, shatrul ‘imaan – Purificação é metade da fé”. (Hadith número 23, sobre Kalamullah)

Recomendado para você:  Allahu Akbar: O que realmente significa

An-Nawawi menciona no seu comentário que o Imam Al-Ghazali disse  que “at-tahoor” aqui significa purificação do coração. Purificando seu coração é metade da fé. Uma metade é entrar na fé e a outra metade é tazkiya. Allah fala sobre a alma: “Que será venturoso quem a (a alma) purificar e desventurado quem a corromper.” – quem a atormenta. (Alcorão 91:9-10). A tazkiya é central para a tradição islâmica e o ramadã é o mês da tazkiya, a purificação do coração e a disciplina da alma.

Allah diz: “Ó crentes, está-vos prescrito o jejum, tal como foi prescrito aos vossos antepassados, para que temais a Allah.” (Alcorão 2:183)

O ramadã é tal que se pode aprender disciplina espiritual, ficar perto de Deus e ficar mais obediente.

Então o Profeta disse que dizer alhamdulillah encherá o mizaan, a balança, que de acordo com a tradição é maior que os céus e a terra. E dizer Subhan’Allahi aalhamdulllahi é encher o que fica entre os céus e a terra.

Ele então disse: “was-salatu noorun – a reza, a salah é uma luz”. Como assim é uma luz? Num hadith factual (muttawatir), ele disse: “Dê boas novas a aqueles que vão na escuridão (na reza noturna, ‘isha e fajr) de luz completa no Dia do Julgamento.”

No Dia do Julgamento, quando você estiver seguindo em frente há estágios em que ficará totalmente escuro. E aqueles que não tiverem rezado neste mundo não vão ter qualquer luz para enxergar. Assim a reza é uma luz, te guiará.

“Inna salata tanha anan fa` sha’i wal munkar – A reza impedirá você de fazer coisas tolas e desobediências”. Aumentará sua luz. O quanto mais luz espiritual você tiver, mais você poderá contribuir para a eliminação da escuridão no mundo. A escuridão não pode ter sucesso porque não é uma qualidade positiva, é uma qualidade negativa.

Se você colocar escuridão num quarto repleto de luz, não dá para dissipar a luz. Mas se você tiver um quarto repleto de escuridão, um mínimo de luz que entre no quarto iluminará toda a escuridão. Luz é positiva! E é isso que estamos adquirindo com a nossa prática espiritual, LUZ, para dissipar as negatividades que existem no mundo.

ESSE é o papel daqueles que creem em Deus. Daqueles que creem que há um Dia do Julgamento e que você vai ser levado para prestar contas.

O Profeta chegou a dizer: “Wa-sadaqatu burhaan – E a caridade é uma prova.”

A caridade é uma prova de sua crença, de como você dá aos outros. Allah diz: “Inna al-insana khuliqa halu`a – Em verdade, o homem foi criado impaciente”(Alcorão 70:19). Chegamos ao mundo gritando, num estado de ‘hala’. Allah diz no mesmo verso, “Quando o mal o açoita, irrita-se,” ele fica completamente desestabilizado. E “Mas, quando o bem o acaricia, torna-se avarento,” ele fica avarento, ele fica cobiçoso, quer guardar só para ele, não quer compartilhar – “Ill’al musalleen – SALVO os que oram.”

Esse é um estado diferente de mente, esses crentes estão conectados a Allah. São constantes em sua reza, alguns dizem que é “sujud al-qalb”, a prostração do coração que está em constante reza. O coração tem uma prostração como a cabeça. Esses são os crentes que cedem suas riquezas – para aqueles que pedem, para aqueles que não pedem e ainda se pode ver que necessitam.

No fim do ramadã pagamos zakat-ul-fitr. Zakat-ul-fitr é um “sa’a” dedicado de cada pessoa, uma porção que é dada para aqueles que necessitam. Costumava ser uma porção de grãos, mas agora no madhab (escola de pensamento) Hanafi pagamos em dinheiro e distribuímos porque isso facilita para lugares que precisam mais do que nós. Damos zakat no fim do ramadã porque acabamos de gastar aprendendo sobre fome, que há muita gente que está com fome.

È inescusável que tenhamos fome hoje! Temos um sistema globalizado e os meios para levar comida para qualquer lugar do planeta, e ainda assim temos gente morrendo de fome no Leste Africano. Completamente inaceitável. E então temos gente vomitando por comer demais. Você pode ir à farmácia e ver prateleiras e prateleiras de remédios dissépticos para indigestão, para pessoas que comem demais, que não precisam daquela comida. Sério, é uma indústria bilionária nos Estados Unidos, de pessoas que comem demais. Nós nos tornamos uma sociedade obesa. Pessoas consumindo mais calorias que precisam.

`Umar radhi Allah `anhu (que Allah esteja satisfeito com ele) viu uma vez um homem muito barrigudo fazendo tawaf (circumambulação da Ka’bah) e pôs seu bastão perto do estômago dele e disse: “isso seria melhor em alguém que precise.” Certo?!

Um dos poetas mauritanos disse: “Estou estupefato com uma religião que conclama a irmandade da humanidade, entretando vemos uns morrendo de fome e uns de comer demais, de saciedade.” Ele estava estupefato com isso, perguntando, bem, como pode uma religião que toma conta do necessitado permitir isso?

Recomendado para você:  Os 6 Pilares da Fé Islâmica

O Profeta Muhammad, a paz esteja sobre ele, disse: “Ninguém é um crente se vai dormir cheio e seu vizinho está com fome”. Isso nega sua fé! E agora numa sociedade globalizada, seu vizinho pode estar a milhares de milhas de distância. Porque sabemos sobre todas as pessoas agora, antes tínhamos desculpas de distância, hoje sabemos!

Irmãos e irmãs, esta religião nos chama para refletir sobre a morte. O Profeta, a paz esteja sobre ele, meditou sobre a morte, não de um jeito mórbido, mas para nos ensinar a fragilidade da vida. Estamos nos movendo através da vida, e seremos confrontados com um evento momentâneo.

O Profeta Muhammad, a paz esteja sobre ele, disse para segurarmos na corda de Allah, esse livro. Tudo que você precisa está no Alcorão como explicado pelo Profeta Muhammad.

Concluindo, o tema central do livro de Allah é crer em Allah e viver retamente. O que isso significa?Quando o Profeta, a paz esteja sobre ele, foi pedido conselho por um homem, ele disse: “Qul amantu billah thum-mustaqim – Creio em Allah e então SER reto.” E o que é a retidão? Toda a ética alcorânica pode ser resumida em um verso onde Allah nos chama: Venha! Eleve a si mesmo! Quando você pede para alguém “ta aala” significa ficar de pé, levantar-se. Elevem-se!

E vou contar para vocês o que Deus fala que vocês devem fazer e não fazer no Alcorão, capítulo 17, versos 22-35:

· Não associe parceiros a Deus

· Mostre bondade aos parentes – piedade filial. Estamos vivendo num tempo em que pais são degenerados mas você precisa mostrar piedade filial.

· Não mate seus filhos – sem abortos ou medo de pobreza. Allah diz que Ele proverá para você e para eles! Assim os usool (sobre a cabeça) e os fur’ooa` (abaixo), as raízes e os galhos, são como os pais e as crianças.

Cada um de nós é um tronco e essas são as raízes do nosso tronco; nossas raízes são nossos pais e nossos galhos são nossos filhos. Você precisa da árvore toda para ser holístico. Você precisa ter uma árvore integralmente saudável; se você corta fora as raízes você mata o tronco, e se você corta fora os galhos, não há frutos. Essa é a árvore da vida. E eis o porquê de estarmos aqui – por causa dos nossos pais, e eis o porquê de continuarmos – através dos nossos filhos. Essa árvore da vida precisa ser cultivada e é para isso que Allah está nos chamando para fazer, cultivar essa árvore.

· Não se aproxime da fornicação, não roube e e essas outras coisas proibidas (haram) que causam destruição nas nossas sociedades. São doenças do coração e doenças da sociedade.

· Não mate qualquer alma que Allah tenha santificado – muçulmano, cristão, hindu, budista, jainista, não importa, é uma alma santificada. O Profeta Muhammad, que a paz esteja sobre ele, levantou-se para o funeral de um judeu, é registrado no Sahih al-Bukhari, e foi num tempo em que havia um atrito entre judeus e muçulmanos. O Profeta se levantou e o Sahaba disse: “esse é um homem judeu” e o Profeta disse: “wa laysat nafsa? – não é uma alma humana?” Ele respeitou a alma, ergueu-se em respeito por aquela alma voltando para seu Senhor, a despeito de sua crença ou sua cor ou casta. Não importa” É uma alma e não podemos julgar aquela alma. Allah julgará aquela alma. Não mate qualquer alma! Allah está dizendo para que façam isso para que se comportem racionalmente, para crer.

Temos loucura na nossa comunidade, bem recentemente um idiota foi a uma mesquita e matou 50 pessoas pensando ser uma boa ideia. Temos loucura nesses ciclos de violência. A única coisa que quebrará esse ciclo é pessoas inteligentes recusando fazer parte dessa loucura e demandando que haja uma maneira diferente. Allah diz: não mate uma alma santificada. Essa é nossa religião.

· Não se aproxime da riqueza dos órfãos, não a toque.

· E seja justo na sua economia. Essa é a base de uma sociedade saudável, é só economia. Olhe para os sistemas econômicos de outros países e olhe para o nosso. Pessoas são roubadas, suas casas são roubadas. Esses bancos que cometeram roubo bancário à luz do dia. Costumava ser onde você entrava e roubava um banco, mas agora são os bancos que estão roubando as pessoas! Desse jeito que as coisas ficaram distorcidas. Os bancos são socorridos com bilhões mas Sr. e Sra. B não foram socorridos, a casa deles foi tomada. Allah diz: não consuma a riqueza dos outros com mentiras, com vaidades. Não faça isso. Allah diz que uma economia equilibrada é favorável para transações comerciais quando ambos os lados estão satisfeitos com isso. Não matem uns aos outros porque quando se tem economias injustas se tem guerras. Essas são transgressões econômicas.

Recomendado para você:  Quero me converter ao Islam, e agora?

Quer saber sobre o Afeganistão? Olhe para o lítio. Um trilhão de dólares de lítio que está em terras afegãs – quer saber porque há gente no Afeganistão? Porque o Afeganistão tem os minerais mais importantes para a indústria de alta tecnologia no mundo. Esse é o mundo em que vivemos, um mundo de ganância. Um mundo onde políticos nos alimentam com mentiras, dizendo que vão melhorar a sociedade. Zbigniew Brzezinski disse que há um despertar político, tornando muito difícil para os políticos fazerem o que costumavam fazer. As pessoas agora enxergam as desigualdades, a exploração, elas as leem nos jornais. Não é como antigamente que se podia esconder.

Os políticos precisam sair do caminho para deixarem os seres humanos viverem com dignidade e justiça. Sério, só os deixem viver. Pois está errado o que estão fazendo, é maligno. As pessoas merecem coisas melhores do que isso. Os seres humanos estão tentando criar seus filhos sem terem medo de que a polícia secreta vai levar seus filhos embora, ou acabarem num uniforme laranja em algum lugar em Cuba. Um lugar com vendas e fones de ouvido para bloquear nossa audição – privação sensorial, sobre a qual um artigo do New York Times perguntou: “Justifica-se a tortura?” O que houve?! No meu mundo, cresci numa América em que tínhamos uma sociedade civilizada, coisas como tortura nem eram questões a se questionar.

Estamos fundamentados em princípios de dignidade humana. Costumava-se esconder essas coisas, como estudos sobre a sífilis. Sim – os próprios nazistas que fizeram coisas para os judeus, fizeram isso neles. As pessoas estavam repassando isso porque alguns não eram vistos como ‘humanos’ na América do Sul como eles eram. Essas coisas estão escondidas, são atos nefastos que foram feitos no passado, nas trevas, não podemos fazer nada sobre isso, mas quando ficam ABERTOS: que responsabilidade nós temos e quando? Quando podemos enxergar o que tem sido feito à plena luz do dia?

Devíamos ter vergonha, todos nós. O que é feito na escuridão é problema de Deus, mas o que fazer quando é feito à plena luz do dia (?)

Allah diz: “Não disponhais do patrimônio do órfão, senão da melhor forma possível, até que chegue à puberdade; sede leais na medida e no peso – jamais destinamos a ninguém carga maior à que pode suportar. Quando sentenciardes, sede justos, ainda que se trate de um parente carnal, e cumpri os vossos compromissos para com Allah. Eis o que Ele vos prescreve, para que mediteis.” (Alcorão 6:152) – Mesmo que seja nossa comunidade, nossa própria Umma. Não importa o que seja, se está errado condenamos o errado. Essa é uma religião elevada, uma religião de ética e comunidade.

O Profeta, a paz esteja sobre ele, disse: chegará um tempo quando se verá escuridão seguida de escuridão. `Ali (ra) perguntou qual seria a saída, e o Profeta respondeu: “Kitab Allah, o livro de Deus”. O Alcorão tem notícias do que veio antes de nós e do que virá depois, é um juiz e árbitro entre vocês. Quem quer que deixe o Alcorão, faz isso por arrogância, Allah quebrará sua coluna. E se buscar guia em outros livros, será desviado.

O Profeta disse para se agarrar à corda forte de Allah, Seu Livro. Para fazer dhikr, a lembrança e aprender as sabedorias de Allah, e isso levará você para um caminho reto. As línguas não ficarão confusas se elas citarem o Alcorão, e ele disse que vocês não teriam opiniões diversas se seguissem o Alcorão, os ulema’ nunca vão se cansar disso, e os piedosos nunca vão ficar entediados ou cansados de o recitarem. Esse é o livro de Deus que mesmo quando os gênios o ouviram disseram ter ouvido um livro maravilhoso que deve ter uma guia.

Se você julgar pelo Alcorão, você será justo; se você falar pelo Alcorão, você será confiável. Se você agir de acordo com ele, ganhará uma recompensa, e se você chamar para ele, será levado para um caminho reto. o Alcorão é uma proteção, uma segurança para quem quer que o siga.”

Fonte: http://www.muslimness.com/2011/09/shaykh-hamza-yusufs-2011-eid-sermon-get.html

Confira o sermão na integra: https://www.youtube.com/watch?v=GS9GZBB_D8M&t=151s

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.