Página Inicial » História Islâmica » Como os muçulmanos derrotaram o Drácula
Drácula no Islam

Como os muçulmanos derrotaram o Drácula

O caçador do vampiro

Nascido no principado otomano da Valáquia, na Roménia em 1435 , ele era conhecido como Frumos cel Radu por seus compatriotas romenos, Yakışıklı Radu Bey para os turcos , Radu al-Wasim para os árabes . Este aliado e amigo de infância do sultão Mehmet II foi fundamental para a conquista de Constantinopla para o Islam.

A participação de Radu na conquista de Constantinopla garantiu que Mehmet II entraria para a história como “Fatih”, ou “conquistador”.

Radu era a arma secreta dos otomanos contra os safavidas xiitas no Oriente e contra os sérvios, romenos e húngaros no Ocidente . O mundo muçulmano deve muito a este herói do Islam, mas eles gravaram pouco mais do que referências superficiais a ele, talvez por medo de tirar do centro das atenções o sultão Mehmet.
Os bizantinos falavam de Radu como um déspota e o insultavam devido ao ódio contra ele por sua conversão ao Islam e papel fundamental para acabar com o Império Bizantino.

No entanto, este general otomano teve um guerra maior, uma guerra contra a escuridão. Ele caçou o próprio progenitor da lenda do vampiro que empalava seus inimigos e bebia seu sangue – Vlad Tepes III , também conhecido como Vlad Draculea , que entraria para a infâmia como, simplesmente, Drácula . O personagem do professor Abraham Van Helsing não era uma invenção da imaginação aterrorizante de Bram Stoker, mas o sultão Mehmet II e Radu foram, talvez, os primeiros e únicos verdadeiros caçadores de vampiros na história.

Os Irmãos de Sangue

Olhando para trás, a devoção de Radu ao Islam e ao sultão Mehmet II poderia ser atribuída a aliança política dos respectivos pais antes deles. Vlad II da Casa de Drăculeşti (“Casa do Dragão”) era um aliado e vassalo do pai do sultão Mehmet, o sultão Murad II.

Vlad II teve 4 filhos: Mircea II , Vlad IV Calugarul (“o monge”), Vlad III, que viria a ser conhecido como Drácula, e Radu III cel frumos (“O Belo”). Como um gesto de amizade e aliança com o sultão Murad II , Vlad II ofereceu seus filhos, Drácula e Radu, para servirem o sultão otomano. Eles foram enviados ao corpo de janízaros, a elite do exercito otomano , para receberem educação. Eles estudaram o Alcorão, e os idiomas árabe, turco e persa, Teologia e Jurisprudência Islâmica, e, cobiçado acima de tudo, estudar a estratégia militar turca e táticas de guerra.

As forças especiais otomanas que ocupavam um status mais elevado tanto militar, como socialmente foram os janízaros e os Sipahis. Os janízaros eram a infantaria de elite do exército otomano, bem como os guarda-costas pessoais do sultão e sua família. Os Sipahis eram a cavalaria de elite que cercava o sultão na batalha e seria enviada para lidar com os mais teimosos adversários. Eles eram os comandos e forças especiais daquela época. Embora os Sipahis eram quase exclusivamente de origem turca como exigido pelo sultão Mehmet II se em seu tratado de lei intitulado Kanun Nameh-e-Sipahi (“Livro de Lei dos Sipahis”), os janízaros, onde se encontravam Drácula e Radu , eram uma eleíte formada por pessoas que se converteram ao Islam.

O jovem Drácula sempre foi um rebelde e mal comportado e de conduta terrível com seus anfitriões turcos, oque lhe fez conquistar prisão e castigo continuamente. Devido à punição , em resposta a sua insolência, ele desenvolveu uma mistura de complexo e concor . Ele odiava seu pai por aliar-se com os turcos, que ele via como uma traição a Ordem do Dragão para quem seu pai havia feito um juramento. A Ordem do Dragão foi uma fraternidade cristã, cujo único objetivo era acabar com o Islam nos Bálcãs para sempre. Drácula odiava Radu por seus sucessos, e pela admiração que ele conquistou com os turcos , que derramaram muitos favores sobre ele. Ele estava cheio de inveja para o então jovem Mehmet II, que, como ele, era um príncipe, mas, muito ao contrário dele, vivia em esplendor. Ele também estava com ciúmes de seus irmãos Mircea e Vlad o Monge devido ao que ele percebeu como a preferência de seu pai para eles. Seus sentimentos para com Mircea no entanto, seriam oscilantes entre inveja e admiração. É a partir dele que o jovem Drácula aprendeu a tática do terror de empalar milhares de muçulmanos para criar florestas dos mortos.

Recomendado para você:  Jerusalém e Umar Ibn Al-Khatab

Radu permaneceu fiel ao Islam e ao sultão e passou toda a sua vida no campo de batalha nas fronteiras do Império Otomano, derrotando os adversários mais difíceis do Império. Seu talento natural para a batalha era incomparável, mesmo entre os janízaros e Sipahis de elite do exército otomano, e ele seria chamado com freqüência para subjugar qualquer inimigo que parecia intransponível. É relatado que ele virou o curso da história do Oriente Médio, quando ele parou a poderosa tribo turcomena , Ak Koyunlu (ovelhas brancas)de invadir os otomanos, um evento que, se não fosse interrompido, teria mudado definitivamente os rostos de ambos no Oriente Médio e na Europa hoje. Por esta razão, ele foi chamado para enfrentar a ameaça de sua terra natal na Valáquia que nem os janízaros elite nem os Sipahis poderiam derrotar.

A conquista de Constantinopla

“No terceiro dia após a queda de nossa cidade, o sultão comemorou sua vitória com um grande triunfo alegre. Ele emitiu uma proclamação: os cidadãos de todas as idades que tinham conseguido escapar à detecção , que saíssem de seus esconderijos por toda a cidade e viessem à tona , e que eram para permanecerem livres como seus convidados. Ele declarou ainda mais a restauração de casas e propriedades daqueles que tinham abandonado a nossa cidade antes do cerco, se eles voltassem para casa, eles seriam tratados de acordo com sua posição e religião, como se nada tivesse mudado. “(George Sphrantzes, 1401-1478 , cronista cristão bizantino e testemunha da queda de Constantinopla ).

Foi um momento de alívio e alegria. Foi um alívio para os habitantes de Constantinopla, que esperavam um abate imediato após a queda de sua cidade. Foi um momento de celebração para todo o mundo muçulmano desta conquista histórica de uma cidade que se manteve, até hoje, a capital dos turcos. No entanto, quando o sultão Mehmet II entrou na cidade vitorioso, um olhar sobre o seu amigo de infância e chefe dos janízaros, Radu cel Frumos, filho de Vlad II Duque de Valáquia, pode ter servido como um lembrete de que no Norte, para além do despojos de Bizâncio, seus inimigos mais ferozes estavam à espreita. Entre os inimigos , o mais temido de todos eles, Drácula, que simplesmente aconteceu de ser o próprio irmão de Radu.

Recomendado para você:  A vida do Imame Abu Hanifa

A ascensão de Drácula

Traição oportunista era o caminho dos governantes da Valáquia, e em uma breve traição, Vlad II permitiu silenciosamente a seus filhos mais velhos, Mircea e Vlad IV o monge, lançarem uma insurreição contra os turcos, após a qual Mircea empalou todos os seus prisioneiros muçulmanos sobre estacas. O jovem Drácula amou a visão disto e mais tarde se juntou a Mircea em outras insurreições contra os otomanos, bem como contra o clã Danesti, rival apoiado pelo senhor da guerra húngaro, John Hunyadi. Em última análise, Hunyadi invadiu os domínios do pai de Drácula, nos pântanos de Bălteni , e cegou e enterrou vivo Mircea em Târgovişte. Hunyadi instalou um príncipe Danesti, Vladislav II, no controle da Valáquia. Em sua ambição e desejo de poder, Drácula pois de lado qualquer sentimento de vingança pelo seu pai e irmão mortos, aliado-se com Hunyadi e lhe servindo como um conselheiro. Como John Hunyadi foi enfrentar os turcos em Belgrado, na Servia moderna , Drácula atacou e matou Vladislav e tomou o trono para si. Para a sorte dele, uma praga surgiu no acampamento de Hunyadi, infectando-o, levando-o à morte. O sultão Mehmet foi gravemente ferido na batalha. Estes acontecimentos deixaram Drácula governando Valáquia ininterrupto por 6 anos. Foi a única vez que ele governou sua casa por tanto tempo.

O Empalador

“Eu já matei homens e mulheres, velhos e jovens … Nós matamos 23.884 turcos e búlgaros, sem contar aqueles que nós queimados em suas casas ou cujas cabeças não foram cortadas pelos nossos soldados.” (Drácula, em uma carta ao Matthias Corvinus se gabando de sua tirania).

Com o sultão Mehmet chegando perto do que parecia ser uma floresta fétida de podridão, ao longe ele percebeu o horror do que ele se aproximava. Eles estavam tão perto de seu destino – a capital da Valáquia de Targoviste, porem ele e seu exercito não estavam com disposição para esta visão terrível. A infantaria e cavalaria começaram a passar mal, bem como os cavalos começaram a ficar rebeldes. Diante dele, haviam 20.000 corpos empalados de homens inocentes, mulheres e crianças, todas as vítimas de Drácula no inverno de 1462.

A educação muçulmana de Drácula, embora abandonada em deferência a oportunidade, e fluência em turco lhe permitiu se disfarçar de turco sem ser notado. Isso teve conseqüências mortais para os muçulmanos. Drácula tinha entrado na Sérvia com seus homens todos vestidos como Sipahis otomanos e abateram todos os aldeões muçulmanos, e os não-muçulmanos amigáveis aos muçulmanos que eles conseguiram encontrar. A intenção era deixar uma lembrança aterrorizante para o sultão Mehmet , que ele brevemente iria tomar a capital. Eles ergueram este monumento profano em uma tentativa de assustar o sultão e aterrorizar suas tropas , com o objetivo de faze-los retornar para casa.

O que é notável é que não há registros de deserção em massa de tropas otomanas depois de testemunhar isso. Eles continuaram com firmeza. No entanto, alguns historiadores têm sugerido que o sultão Mehmet II perdeu o gosto por caçar o ‘vampiro’ após entrar na Valáquia e ter visto oque viu, e deixou a tarefa para o único que era capaz de caçar Drácula e matá-lo. Depois de tomar a capital Târgovişte, Mehmet voltou para casa, deixando a caçada para Radu. Afinal de contas, seria necessário alguém que conhecia a mente de Drácula para derrotá-lo, e ninguém se encaixa nesse projeto melhor do que o seu próprio irmão.

Recomendado para você:  Carijitas: Quem são e qual sua origem?

Apos realizar este terrível e desprezível feito, Drácula ganhou o titulo de Ţepeş, a palavra romena ” Ţepeş “que significa” Empalador “. Diz a lenda que se você olhar atentamente para a palavra, você pode ver as presas de Drácula penduradas embaixo como um aviso escondido a terrível cobiça do vampiro de sangue.

Radu vs Drácula: Irmãos de Sangue

Como Târgovişte foi tomada, Drácula fugiu para a Transilvânia na esperança de encontrar refúgio com o filho de John Hunyadi, Matthias Corvinus. Como era típico o oportunismo de Drácula , ele se ofereceu para se tornar católico, pois era cristão ortodoxo, a fim de ganhar o favor Corvinus. Ele queimou a terra matando todos os viventes em seu caminho deixando um rastro de desolação que se traduziu em mais corpos empalados. Ele não iria desistir de sua terra natal para os muçulmanos facilmente. Ele começou uma campanha de guerrilha que a elite otomana dos Sipahis não podia suportar. Diz-se que ele matou 15.000 soldados otomanos em uma única noite. Ainda assim, com os mais poderosos dos otomanos fugindo, Radu não se intimidou.

Os irmãos lutaram em batalhas pelo trono da Valáquia , e tendo Radu ganhando rapidamente elas, Drácula estava recebendo cada vez menos apoio de Matthias Corvinus, na Hungria. Numa estranha reviravolta do destino, Corvinus, aquele a quem Drácula apoiou, mandou prendê-lo por 12 anos sob a acusação de alta traição. O povo da Valáquia e os seus nobres começaram a se enojar do terror de Drácula, dando apoio a Radu que foi pronunciado Voivoda, Príncipe e Regente da Valáquia em 1462. Radu governou a terra aproximadamente por 11 anos até sua morte, enquanto Drácula definhava na prisão em Budapeste esperando pacientemente para realizar novamente seus atos terríveis, e acender seu domínio de trevas.

Ressurgimento de Drácula e a batalha final

Após a morte de Radu em 1473, Drácula foi libertado da prisão. Ele imediatamente reuniu um exército e invadiu a Bósnia, massacrando sua população muçulmana, empalando 8.000 pessoas. Mais uma vez, Drácula tinha surgido da escuridão, com o objetivo de eliminar o Islam dos Balcãs para sempre. Ele finalmente tomou o trono da Valáquia depois que seu irmão morreu, mas só por um mês. O sultão Mehmet invadiu Valáquia para remover esta profanação do trono seu que querido amigo Radu tinha desocupado depois da morte. Em 1476 as forças do sultão Mehmet enfrentaram as forças do Drácula em Bucareste, Romênia. O exército de Drácula foi derrotado e todos foram mortos, incluindo o próprio Drácula. O vampiro tinha sido morto. Notícias disto não seriam suficientes, para tranquilizar a população muçulmana que tanto havia sofrido em suas mãos. Sua cabeça foi cortada e preservada em um pote de mel e enviada para Constantinopla. Lá, em um final apropriado, a cabeça de Drácula foi empalada em cima de uma estaca no centro de Constantinopla para todos verem. Não deveria haver nenhuma dúvida ou mistério do fim deste monstro.

Os muçulmanos finalmente derrotaram o Drácula.

Fonte: http://www.suhaibwebb.com/islam-studies/history/how-the-muslims-killed-dracula/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.